Mariah Now é a sua maior fonte brasileira sobre a Mariah Carey. O site é totalmente dedicado para os fãs da Mariah. Acompanhe notícias, vídeos, entrevistas, participe de promoções e eventos. Todo conteúdo divulgado no site é criado ou editado por membros da equipe, qualquer conteúdo retirado daqui, mantenha seus devidos créditos. Somos apoiados pela Universal Music Brasil e pela Sony Music Brasil.

Na época de seu lançamento, o segundo álbum de Mariah Carey, “Emotions”, foi considerado um lançamento mormo em relação ao seu disco anterior, vendendo apenas metade do primeiro disco da cantora.

Na crítica que o Rob Tannenbaum fez para Rolling Stone, ele considerou que Mariah Carey “estava cantando muito mais impressionante, porém menos expressiva”, uma crítica que aparentemente comprovava o título do álbum, que ela proclamava “sentir emoções”, para não ficar oposto ao que ela nos diz na música: “Eu me sinto bem, eu estou legal”.

Os críticos como Tannenbaum rotineiramente tinham dúvidas sobre a acrobacia vocal de Mariah Carey, que segundo eles, pareciam fora da realidade do ser humano, e mantinha uma distância do público comum para sua música. Como Whitney Houston, a quem ela foi constantemente comparada naquela época (para irritação de ambas), mas a verdade é que diferente de Whitney, a voz de Mariah Carey é quase sobrenatural, uma coisa maravilhosa que era fora da nossa realidade e que ninguém mais conseguia cantar como ela. Mas a assertividade de sua música no começo é que ela não tinha muita expressão, mesmo no inicio da sua carreira, as pessoas tinham dúvidas se ela era mesmo que escrevia o seu próprio material. “Emotions“, no entanto, deixava todos delirantemente felizes, mais do que sua incrível letra poderia oferecer, mas a performance exigia uma magnitude que só a voz de Mariah poderia oferecer: Seu objeto de desejo tem um sentimento “intoxicado, voando alto”, e embora a interpretação da música seja literalmente focada no vocal de Mariah, a letra é certamente muito expressiva.

Mariah e sua gravadora, no entanto, obviamente tem um caderninho de anotação com o que o público quer ouvir, a nota de apito sustentada no final da canção “Can’t Let Go”, seu segundo single do álbum, foi retirada na versão radio edit da canção, e dando destaque aos vocais de fundo e colocando a nota de apito com moderação no final da música, e isto foi feito com ela por grande parte da década. Felizmente, ‘Emotions’ ainda deu muito destaque a grande ferramente de trabalho de Mariah Carey, a sua voz, apesar disto, hoje algumas pessoas lamentam a sua deterioração inevitável com a chegada da idade.

Começando com uma vibração estrondosa de um piano seguido daquilo que você pode dizer que foi a nota mais baixa que uma cantora já atingiu, Mariah começa com uma introdução bombástica na música “You’re So Cold”, uma lição de como fazer uma introdução incrível para uma canção, onde Mariah exibe as suas famosas cinco oitavas em execução. Os primeiros 60 segundos da música fazem um introdução prolongada mostrando o que a cantora sabe melhor fazer (“Lord only knows why I love you so”), e dando lugar a uma música saliente e dançante. Claro que ela fez a sua famosa nota de apito na introdução, nos vocais ao fundo, algo ininteligível como os gritos eufóricos que Mariah faz na faixa título do álbum.

Acredite ou não, os momentos sutis de ‘Emotions’ talvez seja a chave para entender as frustrações que algumas pessoas têm por não ter um alcance vocal como o de Mariah Carey, “Can’t Let Go” é retrospectiva, um dos hits mais discretos da carreira de Mariah, seus versos são baixos e flutuantes, enquanto a penúltima faixa do álbum, “Till The End Of Time”, Mariah acha uma forma suave e sussurrada para cantar durante um período de 5 minutos.

Os álbuns de Mariah Carey ainda não tinham naquela época regravações de baladas clássicas dos anos 80, mas ‘Emotions’ era um indicador precoce de sua propensão musical. A fascinação de Mimi que muito jovem se apropriou de grandes hits, como em “Can’t Let Go”, que possui de sample o riff do teclado de “Make It Last Forever” de Keith Sweat (curiosadamente, anos mais tarde ela sampleou esta música em um remix de hip-hop para faixa número 1 nas paradas, “Thank God I Found You”). Mais do que qualquer outro álbum de Mariah Carey, o disco é uma clara influência na era Disco, graças a suas colaborações com Robert Clivillés e David Cole (do grupo C+C Music Factory). A House Music, gênero musical favorito da dupla, que foi gloriosamente misturado com o Hip-hop e R&B de Mariah Carey, ambos construídos quase como uma obra literária: “Emotions” é uma homenagem descarada para “Best Of My Love” (que é cantada pelo grupo Emotions), enquanto a gospel “Make It Happen” faz um aceno menos ostensivo para “I Want To Thank You” de Alicia Myers.

Se a luta de Mariah Carey era achar a sua identidade musical neste momento de sua carreira, muitas vezes isto resultou a buscar coisas no passado, ela já estava exercendo esta sensação ao escrever as suas próximas canções. Canções autobiográficas como “Make It Happen” e “The Wind”, esta última conta história da morte de um amigo, que a letra foi inspirada na melodia de jazz de Russ Freeman, que levava o mesmo nome, foram hinos inspiradores, com letras de auto-ajuda, que futuramente se tornaram frequentes nos próximos álbuns de Mariah Carey. “Sem sapatos adequados nos meus pés, e às vezes eu não tinha dinheiro para comer”, ela canta sobre os raps de “Make It Happen” contando a sua luta para chegar ao estrelato em Long Island. Embora a sua “luta” tenha terminado muito antes do que as geralmente as pessoas começam (“simplesmente não demorou muito para esta menina que só tinha um par de sapatos se tornar a cantora com a maior coleção de sapatos altos”, brincou o jornalista Rich Juzwiak durante a retrospectiva do trabalho de Mariah Carey em 2005, o seu desempenho na faixa é inspirador e estimulante.

A alma é uma qualidade que é impossível de quantificar: ou alguém tem ou não tem. Os críticos alegaram que isto era um ingrediente essencial e que não estavam presentes nas músicas de Mariah Carey. Na época, sua herança racial foi descoberta, foi amplamente divulgada, e foi até tratada como ponto de venda, mas a sua música foi cuidadosamente calibrada com a essência pop (leia-se: música para brancos) e para o público mais seleto do R&B. Músicas como “And You Don’t Remember”, é um casamento da música gospel com a era Motown, mas estas influências foram as mais sutis possíveis na gravação. Por outro lado, “If It’s Over”, uma colaboração de Mariah Carey com Carole King, porém apesar da harmonia do R&B com o Soul, a música serviu para reforçar o vocal de Mariah Carey, e também  foi viagem no passado, inspirado nos hits de pop-soul dos anos 60 e 70.

emotions

Desde as roupas que ela usava para suas apresentações, Mariah e sua música foram comercializadas para serem ameaçadoras, e para cativar um maior público possível. Apesar dela alguns anos mais tarde ela revelar sua verdadeira batalha para falar sobre alguns assuntos mais explicitamente em suas canções e por sua liberdade profissional e pessoal, isto ficou muito evidente na capa deste disco. Após descobrirem a herança racial de Mariah, na capa deste disco o seu rosto está superexposto, mas seu corpo está banhado com uma sombra, criando a impressão (provavelmente não foi intencional, mas ainda assim é impressionante), de que sua a pele é muito mais escura do que é realmente. Da mesma forma, a cabeça de Mariah é jogada para trás, como se ela estivesse em êxtase, a boca aberta, enquanto a mão está recatadamente agarrando os joelhos, sugerindo uma luta entre a castidade e a liberação sexual, confinamento e liberdade.

Mariah Carey não iria se libertar completamente e fazer a música que ela realmente acreditava até o álbum “Butterfly” de 1997, e desde então, ela se esforçou muito para manter um equilíbrio pela qualidade de sua música e imagem, e muitas vezes vivendo um personagem fictício criado por sua gravadora. Mas em “Emotions”, pelo menos musicalmente, ela conseguiu encontrar o seu equilíbrio de alma e do pop, isto não é somente tecnicamente impressionante, mas é um sentimento inegável, algo feito honesto perante aos olhos de Deus.

Fonte: Slant Magazine

Deixe sua opinião

Este artigo não possui comentários
Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.