Mariah Now é a sua maior fonte brasileira sobre a Mariah Carey. O site é totalmente dedicado para os fãs da Mariah. Acompanhe notícias, vídeos, entrevistas, participe de promoções e eventos. Todo conteúdo divulgado no site é criado ou editado por membros da equipe, qualquer conteúdo retirado daqui, mantenha seus devidos créditos. Somos apoiados pela Universal Music Brasil e pela Sony Music Brasil.

Mariah abandonou a vida reclusa e saiu em turnê junto a câmeras para seu programa Mariah’s World. No quarto episódio vimos como Mariah equilibra a vida de artista, mãe e mulher. Stella Bulochnikov, empresária de Carey, também é personagem recorrente da docu-série, onde administra com pulso firme a carreira da cantora.

Apesar dos tablóides chamarem Bulochnikov de “ditadora russa” (um título que não somente abraçou, como usa em sua bio no Instagram), Carey e Bulochnikov se tornaram muito próximas, confidentes. No programa, Bulochnikov também recruta uma assistente, que tem dificuldades de se ajustar ao novo emprego.

Um drama da vida real atingiu Mariah Carey na virada do ano. Quase 24 horas antes do episódio 4 de Mariah’s World ser exibido, a equipe da cantora enfrentou um terrível pesadelo durante apresentação no New Year’s Rockin’ Eve. Depois de performar “Auld Lang Syne”, Carey não conseguiu cantar “Emotions” e teve dificuldades em “We Belong Together”, alegando que havia problema com seu ponto. Bulochnikov disse à Billboard, em um comunicado na noite de domingo (1 de janeiro), “Perguntei [produtor Mark Shimmel] por que eles mantiveram a apresentação se havia falhas técnicas, a menos que eles só quisessem ter audiência com o episódio. Ela acrescentou: “Não é bacana com o artista essa atitude, ainda mais quando o artista interrompe suas férias para participar do evento.” A Dick Clark Productions, que produz o especial de Ano Novo, também emitiu uma declaração que dizia: “Sugerir que a DCP fez algo intencionalmente para comprometer a performance de qualquer artista é difamatório, ultrajante e totalmente absurdo”.

Quando se trata da vida profissional, Bulochnikov insiste que não é tirana e aprendeu a manipular várias personalidades com sua vasta experiência na televisão (seus créditos incluem T.I. & Tiny, Boss e Master P’s Family Values). Abaixo temos uma entrevista dada a Billboard, via fone, que mostra um pouco da vida e das opiniões de Stella.

Como você e Mariah se conheceram?

Bem, foi tudo muito orgânico. Um dia cheguei no Randy Jackson e disse: “Eu quero gerenciar a carreira da Mariah, eu a amo tanto. Acho que posso ser um trunfo. E Randy é o melhor. Ele disse tipo, ‘Sim, sim, claro! Eu vou falar com ela.’ E então nada aconteceu. Eu amo Randy, mas ele não estava levando a sério o que eu falava. Então, aleatoriamente, eu estava navegando em minhas mídias sociais (Instagram) e vi Brett Ratner publicando uma foto com sua irmã ariana (Mariah) no escritório da Warner Brothers, então o chamei no privado. Eu disse, ‘Você pode me colocar frente a frente com Mimi?’ E ele disse, ‘Venha aqui agora!’, e somos inseparáveis desde então. O poder do Instagram!

Você tem muita experiência em produção, mas o que você aprendeu no trabalho como empresária da Mariah?

Eu trabalhei com T.I. e outros artistas por anos, mas minha formação é predominantemente a de produção de televisão, mas com a Mimi foi diferente. Eu realmente olhei para a carreira dela e pensei ‘que artista fenomenal’, mas ela tem muito mais a oferecer e conquistar, desde produzir filmes para a televisão, até lançar uma linha de maquiagem junto a M.A.C..

Na verdade, a primeira coisa que fiz como empresária da Mariah, foi fechar contrato com a M.A.C.. No meu primeiro dia de trabalho (como empresária da Mariah) eu liguei pra M.A.C. e disse: ‘Vocês têm interesse de fazer algo com a Mimi?’ E, literalmente, eles disseram: ‘Oh meu Deus, ela faria isso?’ E eu disse: ‘É claro que ela adoraria’ e, portanto, colaboramos numa coleção conjunta com a M.A.C., que demorou 18 meses para ficar pronta. Mariah cuidou pessoalmente de cada detalhe da coleção.

Temos muitos projetos que ainda não anunciamos e abrimos uma empresa de produção. Ela dirigiu seu primeiro filme para o canal Hallmark no Natal passado. Ela é uma grande diretora, e dirigiu um monte de clipes onde nunca foi creditada. Eu digo a ela, ‘Você não tem que contratar um diretor, você é uma diretora, você é uma diretora muito criativa.’ O Hallmark assinou um contrato para 3 filmes – nós temos estado muito ocupadas, ultimamente, para tocar a segunda película. Nós deveríamos fazer um (filme) para este Dia dos Namorados, mas estamos tão ocupadas, tivemos que cancelar a produção (o filme) com o anúncio da turnê conjunta com Lionel Richie. Quando eu assinei com a Mimi, ela não visitava a Europa, com sua turnê), há mais de 13 anos, e não saía em TOUR pela América do Norte há mais de 6 anos. E agora nós fizemos uma turnê europeia muito bem-sucedida – 27 shows em, eu acho, 18 países – com a Live Nation e Arthur Fogel, que acabou de produzir as turnês de Madonna e Beyoncé.

Qual é o real objetivo de Mariah’s World?

Tivemos um monte de ofertas de redes diferentes (para produzir o programa), como Lifetime e a WE, mas senti no Jeff (do canal E!) a confiança para realizar o projeto. Eu sabia que ele é muito talentoso, e que conseguiria fazer o que planejávamos – e que não era fazer um reality show. O objetivo era fazer um documentário da turnê com bastante coisa para os adolescentes e mais velhos, e que apresentasse uma nova Mariah a novos e antigos fãs, queria que eles dissessem: “Esta é a Mariah que nunca vimos antes”. O objetivo por trás de Mariah’s World era que ela conseguisse realmente contar sua própria história.

Você também pode levar suas filhas durante a turnê. Como ser mãe solteira ajuda você a se relacionar com Mariah?

Nós somos muito parecidas. Eu nunca seria capaz de gerir a carreira de um(a) artista que não compartilha das mesmas filosofias que eu. Trabalhamos duro pelas crianças, trabalhamos para dar o melhor para eles (as filhas de Stella têm 13 e 10 anos, e os gêmeos de Mariah têm 5 anos). Enquanto vamos aos ensaios, eles vão para museus e depois em dias de folga, temos de fazer coisas alegres com eles. Quando Mimi e eu nos conhecemos, nós duas estávamos passando por divórcios, e eu acho que isso permitiu nossa aproximação e manter nossos filhos na nossa vida profissional.

No programa, Molly se torna sua assistente de turnê e você diz a ela que ela não pode chorar nem namorar no primeiro ano de emprego. De onde vieram essas regras no local de trabalho?

Fui treinada por algumas das mulheres mais difíceis do ramo, passando por ICM, PR, e até a Nancy Nayor. É uma resposta em duas partes. A primeira parte é que esse é um negócio duro especialmente para uma mulher. Você simplesmente não pode ‘desmoronar’ a cada 5 minutos. Você não pode ser vista como fraca, neste ramo. Então não é pessoal, não é como se eu estivesse tentando ser má com ela. Você tem de resistir.

E depois com o namoro, eu realmente não quero dizer que ela não possa namorar. Quando você está numa turnê, é algo sério. Não é como quando você está indo para um escritório e tem uma jornada fechada, onde você as vezes pode se dar ao luxo de “Eu tenho um encontro com meu namorado. Posso sair mais cedo?” Relacionamentos são uma distração, por isso é melhor ter alguém sem ônus. O que estou dizendo é a verdade. Como quando eu estava planejando meu casamento, eu não poderia ser a melhor assistente para o meu chefe, porque eu estava distraída. Eu sei disso, ele sabia disso. Mas quando você sai em uma turnê mundial e há muitas responsabilidades, você não pode estar presa emocionalmente a alguém.

Então eu coloquei como regra 1: Contratar apenas pessoas solteiras.

Eu acho que é por isso que Mariah adora trabalhar com você, porque você “fala na cara”. Se as pessoas estão com medo de ouvir a verdade, você traz a verdade “nua e crua”.

Esse é o papel do empresário, proteger seu cliente de tudo e todos. Nós temos a difícil tarefa de sermos diretos com as pessoas. Minha experiência profissional não é a de ser uma empresária, minha formação é produção. Eu sou realmente direta com o que eu quero e o que eu preciso, então eu não preciso ser a melhor amigo de todo mundo. Eu preciso fazer o meu trabalho, que é colocar o meu cliente em primeiro lugar.

A produção e o gerenciamento da carreira de uma superstar de alto perfil se sobrepõem nesse sentido.

E nós produzimos juntos. Lançamos uma empresa de produção chamada Magic Carpet. Na verdade, isso começou como uma espécie de piada (nossa) porque Mimi tem esta bela sala marroquina [na sua cobertura]. E eu disse: “Bem, espero um dia fazer uma viagem nesse tapete mágico” e foi assim que lançamos Magic Carpet Productions. Desde então, produzimos alguns projetos de televisão, seu primeiro filme como diretora, e claro, o Mariah’s World. Temos cerca de 20 coisas a desenvolver que ainda não anunciamos, incluindo um drama e um punhado de outros programas.

Voltando ao Mariah’s World, os telespectadores veem surgir alguns conflitos entre a hair stylist Danielle, o diretor criativo Anthony e a cantora Mary Ann. Qual é o seu conselho para gerenciar personalidades diferentes?

Quando você está em turnê, tudo parece uma panela de pressão. Nosso foco sempre deve ser o artista. Você não tem que reclamar do ônibus, de não poder dar festas porque tem crianças perto, você está ali para fazer seu trabalho. Suas férias virão quando você terminar seu trabalho. É assim que funciona.

Além disso, você tem que manter um orçamento.

Você deve estar ciente dos custos e manter tudo dentro do orçamento para que tudo acabe bem.

Havia alguma coisa fora de limites enquanto filmavam?

Nós conseguimos exibir as crianças como elas são, isso foi bom. Nada está fora dos limites, mas nós não podíamos explorar a presença das crianças.

Houve muito buchicho com a sua chegada? Muitas mentiras a seu respeito?

Eu mudei muita coisa na gestão da carreira de Mimi. Demiti pessoas que não faziam nada, que não tinham função na equipe. Toda mudança gera medo. Mas meu foco sempre foi a minha cliente, então não interessava quem, se não tivesse função, eu tirava.

Algo te deixou chateada?

Sim, como quando eu vi as manchetes “Ditadora russa.” É tão desagradável! Mas então eu apenas relaxei e ri sobre as manchetes. Agora eu estou pensando em transformar o “apelido” numa marca (rs). Eu coloquei, inclusive, na bio do meu Instagram. Eu estava tipo, ‘Eu vou brincar.’

No episódio 4, você comemora o aniversário de Mariah, o que você quer que as pessoas vejam? Além do dançarino Bryan Tanaka saindo de um bolo?

Espero que as pessoas vejam como ela é animada. Estou lhe dizendo, nunca conheci alguém como ela. Realmente, cada dia é uma celebração. Ela celebra a vida. Ela é tão festiva. Ela quer que tudo seja um grande momento. Ela não quer ser “sombria”. Ela só quer que tudo seja divertido para as crianças, e é assim que eu vivo a minha vida porque nunca tivemos uma infância, então vivemos através da alegria de nossos filhos. Então, nós queremos que todos os dias sejam uma celebração da vida com eles. Ela gosta de criar coisas para as pessoas, momentos alegres, então eu poder criar esse momento pra ela foi fantástico.

Há mais alguma coisa que queira acrescentar?

Só espero que as pessoas gostem do programa. Espero que as pessoas adorem o que estamos fazendo e há muito mais por vir. Mariah está trabalhando em músicas novas e há tantas coisas ainda para serem anunciadas. O show com Lionel será tão excitante. Ela é uma convidada muito especial.

Fonte: Billboard

Deixe sua opinião

Este artigo não possui comentários
Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.