Mariah Now é a sua maior fonte brasileira sobre a Mariah Carey. O site é totalmente dedicado para os fãs da Mariah. Acompanhe notícias, vídeos, entrevistas, participe de promoções e eventos. Todo conteúdo divulgado no site é criado ou editado por membros da equipe, qualquer conteúdo retirado daqui, mantenha seus devidos créditos. Somos apoiados pela Universal Music Brasil e pela Sony Music Brasil.

Em uma divisor de águas em sua carreira crescente, Mariah Carey não deixou que a indústria a mantivesse sob uma redoma de vidro.

Em 1997, Mariah Carey estava sentada confortavelmente no topo da indústria musical. Com cinco álbuns de estúdio (incluindo dois certificados de diamantes), além de vários singles e dois Grammys, Carey já era um ícone da música pop.

Para o seu sexto álbum de estúdio, Butterfly, no entanto, a jovem de 27 anos optou por continuar uma transição, iniciado com o álbum anterior Daydream, em direção ao hip-hop – uma decisão que havia sido encarada com alguma apreensão por parte de quem a rodeava, mas que, em última análise valeu a pena. As colaborações com Sean Combs, Missy Elliott e os Trackmasters ajudaram a solidificar o novo som de Carey, que ela aprimorou nos próximos anos.

Os críticos tomaram nota desta mudança, bem como de como sua recente separação do marido e produtor Tommy Mottola pode ter influenciado. A Entertainment Weekly especulou que “o álbum é claramente indicado como a declaração de independência de Carey, musical e pessoalmente”.

A Rolling Stone, entretanto, chamou a Butterfly de “um álbum de transição”, na qual a cantora “se afasta ainda mais das primeiras gravações de Whitney Houston e do começo da carreira de Carey e se firma no meio do R&B moderno e hip-hop”. O crítico Barney Hoskyns acrescentou: “A surpresa é que ela faz isso muito bem”.

Liricamente, muito de Butterfly é cantado no passado, como Carey reflete em uma única noite, em um relacionamento inteiro ou em sua vida até agora. Por outro lado, o som do álbum, enquanto ainda se baseia fortemente em suas raízes de baladas pop, parece um vislumbre do futuro – e a sensualidade mais urbana que marcou sua carreira posterior.

Honey

O primeiro single, “Honey”, também é o que abre o álbum. A faixa, escrita e produzida por Carey com Puff Daddy, Q-Tip e Stevie J, estreou em número 1 na Billboard Hot 100 e tornou o novo som de Carey evidente desde o início. Possui seus exclusivos vocais sussurrados e notas altas impressionantes, combinadas com samples de “Hey DJ” do World’s Famous Supreme Team e “The Body Rock” do Treacherous Three.

Assim como outra faixa, “Babydoll” (co-escrita com Missy Elliott), as letras da música mostram Carey desejando o toque de se amante. O vídeo musical destacou uma sexualidade muito mais ousada do que a cantora já havia mostrado anteriormente, e que ela viria a ter nas décadas seguintes.

Butterfly

A canção-título do álbum e o segundo single, escritos com o colaborador frequente de Carey, Walter Afanasieff, podem ser vistos como uma metáfora para a vida profissional e pessoal dela. A balada crescente, juntamente com sua reprise posterior “Fly Away”, é uma tomada infundada sobre a ideia de que “se você ama algo, liberte-o”.

“Eu estava escrevendo a canção ‘Butterfly’, desejando que fosse o que ele diria para mim”, Carey disse sobre a influência de Tommy Mottola sobre a música, em que ela canta: “Cegamente, eu imaginei que eu poderia / Mantê-lo sob uma redoma / Agora eu entendo que para segurá-lo / Eu devo abrir minhas mãos / E ver você se levantar”.

“Close My Eyes”, “Whenever You Call” e “Outside” juntam-se a “Butterfly” como algumas das faixas mais introspectivas do álbum, como Carey reflete sobre mudanças de vida e lições aprendidas.

Breakdown

Provavelmente, a mais hip-hop de todas as músicas do álbum, “Breakdown” apresenta versos de rap de Krayzie Bone e Wish Bone do Bone Thugs-N-Harmony, já que Carey lamenta o fim de um relacionamento.

A Slant Magazine a chamou de “a música da carreira de Carey”, acrescentando que ela “se aproxima da maturidade musical abraçando, não evitando, o hip-hop. Este é o auge de sua elegância – e talvez também a alma do hip-hop”.

The Roof

“The Roof (Back in Time)” foi lançada como single na Europa. A música sexy tem como sample “Shook Ones Part II” do Mobb Deep, que executa um verso de rap no remix estendido. Suas letras foram elogiadas pelos críticos, incluindo o Rich Juzwiak, de Slant Magazine, que escreveu: “Mariah, a compositora, é vívida, às vezes chocantemente inteligente (rimando” liberated “com” Moet “é um golpe de gênio)”.

Como a próxima faixa do álbum, “Fourth Of July”, a música mostra Carey relembrando um encontro romântico. Este tema de “voltar no tempo” também é aparente na melancólica “My All”, novamente co-escrita com Walter Afanasieff. Da mesma forma, o som da balada parece mais um retrocesso do que as ofertas circundantes, apresentando a voz de cinco oitavas de Carey e apoiada por guitarra e percussão de inspiração latina, como influenciada por sua recente viagem a Porto Rico.

My All

A suave mistura de gêneros de Butterfly teve um impacto inegável nos maiores artistas de hoje. Jermaine Dupri, o produtor que ajudou Carey a começar sua guinada em direção ao hip-hop no álbum Daydream, disse recentemente sobre seu impacto: “Ela é a genialidade de cada um desses artistas que estão agora por aí – Ariana Grande, todos esses artistas – eles não seriam capazes de fazer isso se não fosse por Mariah. Essas eram todas suas ideias”.

Se você tiver uma experiência mais dispersa com os sucessos de Carey, desde os primeiros dias de “Hero” e “All I Want For Christmas Is You” até a música que a trouxe de volta, “We Belong Together”, Butterfly pode fazer o trabalho de amarrar as extremidades soltas. Carey, uma vez, disse que considerava o álbum como o sua obra de arte e, embora outros esforços tenham sido objetivamente mais bem sucedidos, após 20 anos, isso parece ser o típico exemplo de perfeição, classe e qualidade de Mariah.

Deixe sua opinião

Este artigo não possui comentários
Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.