Mariah Now é a sua maior fonte brasileira sobre a Mariah Carey. O site é totalmente dedicado para os fãs da Mariah. Acompanhe notícias, vídeos, entrevistas, participe de promoções e eventos. Todo conteúdo divulgado no site é criado ou editado por membros da equipe, qualquer conteúdo retirado daqui, mantenha seus devidos créditos. Somos apoiados pela Universal Music Brasil e pela Sony Music Brasil.

Ao ir a público como alguém que vive com transtorno bipolar, a estrela pop recuperou sua própria narrativa e destacou como a conversa pública em torno da saúde mental e da celebridade feminina está mudando rapidamente.

No início desta semana, Mariah Carey falou publicamente pela primeira vez sobre transtorno bipolar em uma reportagem de capa da revista People. Sua declaração imediatamente virou notícia e inspirou uma onda de apoio nas redes sociais, como muitos se identificaram com sua experiência. “Estou esperançosa de que podemos chegar a um momento onde as pessoas não tenham que passar pelo problema sozinhos”, disse Carey à People. “Pode ser incrivelmente solitário. Não tem que definir você e eu me recuso a permitir que me defina ou me controle.

Carey tinha todos os motivos para pensar que ela poderia ser julgada publicamente por sua condição, dadas as atitudes culturais reinantes sobre saúde mental em 2001, quando foi forçada a viver publicamente e explicar o que seu então sua assessoria de imprensa descreveu como um “colapso emocional e físico”. Uma geração atual de pop stars mais jovens  então resolveu falar abertamente sobre suas próprias problemas de saúde mental. Selena Gomez, por exemplo, falou abertamente sobre sua depressão e ansiedade como uma condição vitalícia que não se limita a “superar”. Demi Lovato, como Carey, abriu publicamente sobre seu diagnóstico bipolar e sobre o vício; a cantora Halsey também falou publicamente sobre seu transtorno bipolar. Essas celebridades revelaram seus diagnósticos no contexto de uma conversa mais ampla sobre o estigma em torno da doença mental nos últimos anos e foram capazes de extrair uma linguagem cada vez mais trivial que enquadra a saúde mental – e o vício – como questões médicas.

Mas Carey, como Britney Spears e Whitney Houston, é um ícone de uma época anterior, que teve que lidar com uma cultura que tratava a doença mental como uma forma de desordem pessoal ou irresponsabilidade, especialmente para mulheres e particularmente para cantoras de pop. Para uma celebridade já descrita como uma diva “irracional” ou ultrajante, qualquer sinal público de comportamento que pudesse ser interpretado como não convencional poderia rapidamente se tornar – quer ela quisesse ou não – motivos para questionar sua saúde mental. Mas o anúncio de Carey parece ser um presságio de uma conversa em mudança em torno da representação da saúde mental e celebridades femininas, inextricável das formas como a mídia fala sobre gênero e conta as histórias das mulheres.

Como Houston – que se tornou definida pelo meme “crack is wack” até sua morte – Mariah Carey passou uma grande parte de sua carreira tentando lidar com piadas e paródias sobre sua saúde mental, desde que ela foi hospitalizada no verão de 2001. A hospitalização de Carey se tornou pública porque, como ela disse em entrevistas posteriores, que sua mãe ligou para o 911 depois que ela desmaiou em sua casa. Os tabloides rapidamente relataram que ela havia quebrado pratos em seu hotel antes de desmaiar. Os detalhes exatos do que aconteceu nunca foram claros e não são da conta de ninguém. Mas ela agora revelou que a hospitalização foi quando ela foi diagnosticada pela primeira vez como bipolar. “Eu estava com tanto medo de perder tudo”, disse ela à People, explicando por que ela não foi à público na época. “Eu não queria carregar o estigma de uma doença ao longo da vida que me definiria e potencialmente acabaria com minha carreira.”

Isso foi antes do reinado de TMZ, e ela foi poupada do tipo de vigilância de paparazzi que cumprimentou Britney Spears durante seu “colapso” de 2007, mas as imagens evocadas por reportagens na época soavam como o olhar clínico masculino da psiquiatria primitiva: ABC News a descreveu que a jovem teve uma crise de “histeria”, e o New York Post a descreveu  situação como  “uma birra aterrorizante”. Alguns rapidamente começaram a especular que esse “colapso” era o resultado por causa do fracasso de sua carreira na época – como o single da trilha sonora de Glitter não estava fazendo sucesso nas paradas – e o fim de um relacionamento com o cantor Luis Miguel, uma narrativa que Carey mais tarde descartou como ridiculamente sexista.

Nos meses que antecederam sua hospitalização, Carey tentou falar sobre o que estava acontecendo em sua vida, o que envolvia um relacionamento abusivo que estava afetando sua carreira. Na época, Carey havia contratado um investigador particular, em meio a acusações de que o seu ex-marido, e presidente da Sony Music, Tommy Mottola, estava fazendo propaganda dela e tentando sabotar sua carreira, acusações que mais tarde foram confirmadas por outros. (Depois de 2005, Carey começou a descrever sua relação com Mottola como “abusiva” e uma que “se aproveitou de cada insegurança que já teve”. E Mottola se desculpou publicamente por ser “controlador”.)

Essa narrativa parecia não ter ressonância na era anterior, ou mesmo agora, em parte porque se tratava das interseções de gênero e assédio corporativo – em vez de abuso sexual. Talvez por causa da dificuldade de transmitir sua mensagem através dos canais de mídia convencionais, Carey tentou falar sobre isso diretamente para sua base de fãs na forma como as celebridades mais jovens usam as redes sociais nos dias de hoje. “Eu só quero que vocês saibam que eu estou tentando entender as coisas da vida agora e então eu realmente não sinto que eu deveria estar fazendo música agora”, disse ela em uma mensagem em seu site em julho de 2001, certo antes de sua hospitalização. “Eu não posso mais confiar em ninguém agora porque não entendo o que está acontecendo.”

Mas após a notícia da sua hospitalização, tudo o que Carey fez antes, como suas mensagens no site, “sua aparição icônica e bizarra” no TRL, ou reclamando de “haters” depois que Howard Stern ridicularizou seu peso, foi tratado como insanidade- como se ela tivesse surtada e falando coisas sem sentido algum. Uma sátira grosseira na TV retratou a cena de que ela quebrava seus pratos na parade – um dos rumores que seu agente pessoal confirmou na época – e se apresentando de forma irregular em Glitter, como se estivesse fora de controle, tanto artística como fisicamente.

A maioria das vidas das estrelas pop é tão entrelaçada com suas carreiras e músicas que esperamos que elas não se apresentem apenas para nós, mas também que vivam – e expliquem – seu drama pessoal para o público. Carey era aguardada, tanto pelo público quanto por sua gravadora, para abordar a narrativa do “colapso” em talk shows . “Eu ficava pensando, eu não quero passar por isso novamente”, disse ela sobre isso anos depois. “Isso foi tão sensacionalista e foi super dramatizado, todo o momento esse momento do colapso.”

Ela ressurgiu no outono de 2001 cantando “Hero” em um tributo televisionado do 11 de setembro e depois se apresentou para as tropas, como se tivesse que recriar apropriadamente a cidadania feminina para compensar seu comportamento “ruim”. Ela também foi no programa de David Letterman, onde ele perguntou: “É um colapso nervoso, é um colapso físico, um colapso emocional, não  é um colapso de vez?” Carey tentou brincar sobre tudo isso para neutralizar parte do poder dos tabloides sensacionalistas e atribuiu suas dificuldades  à “exaustão”.

Mesmo durante nessas aparições promocionais  para o próximo álbum de Carey, em 2002, sua nova gravadora esperava que ela falasse sobre o que aconteceu. “Todo mundo queria que eu falasse: ‘Vamos ter esse momento, que você vai se sentar com a Oprah, e nós estaremos chorando assistindo isso junto com você. Mas eu superei isso”, disse ela, olhando para sua vida em 2005. Ela sentou-se com Matt Lauer para uma entrevista sobre seu “retorno” no ano seguinte, com a balada “Through the Rain”, que deveria ser um triunfo depois. canção da adversidade. Ela recuou do termo “colapso” e mencionou que ela trabalhava sem parar e por isso passou por situações difíceis, também fala sobre como foi lidar com controle e boicote de Mottola. E ela nunca enquadrou o que aconteceu como um problema de saúde mental – até compartilhar sua história com a People esta semana.

Em uma entrevista para o Atlantic em  2013, quando questionada sobre o modo como Justin Bieber foi capaz de girar e isolar-se de seu próprio comportamento perturbador, através de seu Instagram e sua linha direta para sua base de fãs, Esther Zuckerman observa que pop stars mais jovens têm maior controle sobre suas narrativas do que os da geração anterior, graças em parte às redes sociais. Mas as formas como a mídia analisa e fala sobre o comportamento de celebridade “normal” não são apenas uma questão geracional, mas também uma questão de gênero. (E a raça; nos casos de Carey e Houston, eles também tiveram que lidar com estereótipos marginalizados sobre as supostas inclinações das mulheres por serem negras, assim como o vício, a sexualidade excessiva e a raiva.)

Bieber, na verdade, envolvido em vandalismo e violência, teve um “colapso” no Twitter (nada  diferente das mensagens que  Carey  deixou em seu site) e, como Spears, atacou os paparazzi. Mas seu comportamento foi simplesmente considerado “alarmante”, descrito como “ataque” e um “mini-colapso”, o que o faz soar como dores de crescimento indecentes. E desde então temos certeza de que ele deixou tudo isso para trás depois do sucesso de seu álbum 2015, Purpose. Em contraste, a mídia e o público ainda parecem se sentir completamente justificados em especular que Spears está “morta atrás de seus olhos” e não é a mesma desde que ela está em uma conservatória pública. No ano passado, no entanto, quando Katy Perry brincou sobre o “raspar a cabeça” como Spears, ela foi atingida por uma rápida reação, sugerindo o modo como a mídia fala sobre pop stars femininas – decidindo ou não publicamente sobre sua saúde mental – está finalmente passando por uma mudança radical. Lovato e Gomez fazem parte de uma nova geração de celebridades que decidiram nomear abertamente seus diagnósticos. Como até mesmo o New York Times descreveu, a declaração de Carey em People é “um dos primeiros casos em que uma celebridade que tem o status lendário de Carey reconheceu sua luta contra a doença mental”.

 

A disposição histórica do ícone pop de nomear publicamente sua doença já está causando um achado generalizado e atrasado sobre as maneiras como a mídia e o público zombam e fala sobre o comportamento das celebridades mulheres. Carey não deve explicações a ninguém, mas ao compartilhar sua história, ela já está ajudando a mudar como as pessoas olham para as outras, como elas julgam as outras, especialmente as mulheres, que são marginalizadas por muitos anos.

Fonte: Buzzfeed

Deixe sua opinião

Este artigo não possui comentários
Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.