Mariah Now é a sua maior fonte brasileira sobre a Mariah Carey. O site é totalmente dedicado para os fãs da Mariah. Acompanhe notícias, vídeos, entrevistas, participe de promoções e eventos. Todo conteúdo divulgado no site é criado ou editado por membros da equipe, qualquer conteúdo retirado daqui, mantenha seus devidos créditos. Somos apoiados pela Universal Music Brasil e pela Sony Music Brasil.

‘É hora de finalmente compartilhar minha história’

Após anos de sofrimento em silêncio, o ícone da música fala abertamente sobre sua batalha contra o transtorno bipolar – e por que ela finalmente conseguiu ajuda.

 

Mesmo que ela interprete uma diva às vezes exagerada em público, Mariah Carey é consideravelmente mais discreta em pessoa – inteligente, experiente e reservada. Ela também é uma música séria. Uma das cantoras e compositoras mais bem-sucedidas de todos os tempos, ela já vendeu mais de 200 milhões de discos e foi fundamental para trazer o hip-hop e o R&B para o mainstream. Mas seu comportamento errático ao longo dos anos também confundiu seus fãs – e levou à especulação de que ela sofria de doença mental. Agora, pela primeira vez, Carey,  aos 48 anos, está se dando conta de sua batalha contra o distúrbio bipolar II, uma doença que pode causar longos períodos de depressão, assim como episódios maníacos conhecidos como hipomania. Depois de anos de sofrimento, ela recentemente começou o tratamento na ponta do pé, que ela chama de  “o mais difícil em vários  anos que eu passei” – anos que incluíram revolta em sua vida profissional, drama romântico que se desenrolou em público para um  reality show no E!.

Carey – cujos pais se divorciaram quando ela tinha 3 anos – frequentemente mencionou suas dificuldades em sua música. Ela diz que a letra de sua música de 1997, “Outside”, narra seus sentimentos sobre o ter crescido como biracial: “No começo você percebe que não tem um espaço onde você se encaixa …” Em 2002, “Through The Rain” ela escreveu sobre seu próprio desespero e determinação: “Quando você continua chorando para ser salvo, mas ninguém vem, e você se sente tão distante que simplesmente não consegue encontrar o caminho de casa, mas você pode chegar lá sozinho. Está tudo bem …. “

Escrever músicas e cantar a ajudou numa infância dolorosa, e fazer música, ela sempre diz que foi “uma forma de terapia”. Mas ela estava mal preparada para o estrelato quando veio a ela, que foi de forma rápida e brutal, em seus 20 e poucos anos, com suas pressões de empresários, equipe e minuciosamente do público. Em 2001, uma década depois de seu primeiro álbum, ela foi hospitalizada por um colapso físico e emocional após se divorciar em 1998 do presidente e CEO da Sony Music, Tommy Mottola, e de sua gravadora Columbia Records. “Foi um dos momentos mais difíceis da minha vida”, diz ela. “Eu tinha acabado de sair de uma grande gravadora  que tinha muito apego pessoal. Eu estava tentando superar isso e seguir em frente. Foi muito, muito difícil de combater o sistema.” Carey foi diagnosticada com transtorno bipolar na época, mas “vivi em negação”. Desde então, seus altos e baixos pessoais e profissionais têm sido uma prova do talento e da doença que ela manteve em sigilo.

Agora, fazendo terapia e  tomando medicação, Carey divide a custódia de seus  filhos gêmeos de 6 anos de idade, Monroe e Moroccan com o ex-marido Nick Cannon. Ela está namorando o coreógrafo Bryan Tanaka, de 34 anos (“Estamos indo muito bem”, ela diz), e está de volta ao que chama de “elemento” – o estúdio de gravação, trabalhando em um novo álbum a ser lançado ainda este ano. Carey conversou com a editor-chefe da People, Jess Cagle, de sua casa em Los Angeles.

People: Por que você quer compartilhar esta parte de sua vida agora?
MC: Eu estou em um lugar muito bom agora, onde estou confortável discutindo a luta com transtorno bipolar II. Espero que possamos chegar a um lugar onde o estigma é levantado das pessoas que passam por qualquer coisa sozinha. Pode ser incrivelmente isolante. Não tem que definir você e eu me recuso a permitir que me defina ou me controle. Essa é apenas um pouco que eu senti na hora de falar… Eu também fui inspirada com a coragem de outras celebridades que revelaram as suas próprias batalhas.

People: Quando você foi diagnosticada?
MC: 
Fui diagnosticada pela primeira vez quando fui hospitalizada em 2001. Não acreditei. Eu não queria acreditar. Eu não queria carregar o estigma de uma doença ao longo da vida que me definiria e potencialmente terminaria minha carreira.  Pessoas que tiveram a vida que eu tive enquanto estava crescendo não querem passar por isso novamente. Eu estava com tanto medo de perder tudo, me convenci de que a única maneira de lidar com isso era não lidar com isso. O ambiente  que vivi quando era criança não apenas intensificou minha doença, mas também afetou minha disposição em buscar uma solução de longo prazo para ela. Até recentemente vivi em negação e isolamento e com medo constante de alguém me expor. Era um fardo pesado demais para carregar, e eu simplesmente não podia mais fazer isso … Eu procurei e recebi tratamento, coloquei pessoas positivas ao meu redor e voltei a fazer o que amo – escrever e produzir músicas . Por mais difícil que seja, também sabia que era hora de finalmente compartilhar minha história.

People: Você pode descrever qual foi o episódio mais surtado, e também o episódio mais depressivo para você?
MC: 
Por muito tempo pensei que tinha um distúrbio grave de sono. Mas não era insônia normal, e eu não estava deitada acordada contando carneirinhos. Eu estava trabalhando, trabalhando e trabalhando. Eu pensei que trabalhar e promover por dias seguidos sem dormir era apenas parte da minha vida. Eu estava irritada e com medo constante de decepcionar as pessoas. Acontece que eu estava experimentando uma forma de obsessão. Eventualmente, eu acabaria quebrando a cara. Eu acho que meus episódios mais depressivos foram caracterizados por ter energia muito baixa. Eu me sentia muito cansada, solitária e triste – até mesmo culpada por não estar fazendo o que precisava para minha carreira.

People: Como você está sendo tratada agora?
MC: Há muitas maneiras diferentes, eu não quero ser super específica com isso. Eu tenho acesso a ótimos cuidados médicos. Estou me exercitando, fazendo acupuntura, comendo de maneira saudável, passando tempo de qualidade com meus filhos e fazendo o que eu amo, que é escrever e fazer música. Além disso, estou me envolvendo com influências positivas e, finalmente, recebendo o apoio físico e emocional de que preciso. Não faz mal se eu fizer uma maratona de The Office.

People: Você ainda está descobrindo que tipo de medicação tomar?
MC:
Eu estou realmente tomando medicação que parece ser muita boa. Não está me fazendo sentir muito cansada, lenta ou algo assim. Encontrar o equilíbrio adequado é o mais importante.

People: Quando o seu trabalho é ser criativa, isso deixa mais difícil você encontrar o equilíbrio certo com a medicação?
MC: Não, eu não penso assim. Eu só acho que o melhor, como qualquer outra coisa,  é não exagerar.  O problema dos remédios são efeitos colaterais, mas agora estou bem. Eu estou em um bom lugar.

People: Você já tentou diferentes tipos de tratamentos ao longo dos anos? Você já foi diagnosticado incorretamente?
MC:
Eu tenho sido tratado por depressão, ansiedade e distúrbios do sono. Neste ponto da minha vida, não estou realmente interessada em culpar ninguém. Isso é feio e ficou no passado. Eu aceito a responsabilidade e quero seguir em frente, ficar curada e fazer o que eu amo – fazer e escrever músicas e todas as outras coisas criativas.

People: No início dos anos 90 você teve sucesso de imediato. Quão difícil foi lidar com isso devido aos seus sentimentos de insegurança e não de se adequar?
MC:
Eu sempre trabalhei com isso. Eu tinha ambição e queria ter certeza de que nunca passaria por uma coisa que eu não tivesse condições de cuidar de mim mesma. Mas, ao fazer isso, permiti que as pessoas me ajudassem a trabalhar em um negócio onde, às vezes, elas aproveitavam os jovens. … Precisava haver limites.

People: Trabalhar torna possível não refletir sobre o problema, o que não desaparece. Apenas fica mascarado por outras coisas.
MC:
Quando eu comecei, eu era tão jovem e ingênua, deixando os outros me controlarem. Eu acho que sou apenas vulnerável a esse tipo de coisa. Não foi saudável. Eu me senti perdida nos últimos anos. Eu realmente sentia falta de colocar meu ouvido e minha alma na minha música, e tudo que eu realmente queria fazer era voltar ao estúdio e escrever músicas e cantar.

People: Olhando para os últimos anos, há coisas específicas que você gostaria de ter evitado?
MC:Eu gostaria que pudéssemos simplesmente apagar essas coisas.

People:  Todos esses anos?
MC:
Bom, talvez os últimos anos. Mas acredito que tudo acontece por um motivo. Então, talvez tenha me levado a passar pelos dois anos mais difíceis que vivi e pelos quais penei para sair de lá e encontra um outro positivo.

People: Há coisas que vimos nos últimos anos que você gostaria de não ter feito?
MC:  
Ao invés de culpar alguém ou jogar as pessoas debaixo do ônibus, eu acho que é mais minha responsabilidade cuidar de mim mesma, e isso é uma coisa fortalecedora.

People: Depois de ser hospitalizada em 2001, você passou de muito esgotada a um funcionamento tão alto que quatro anos depois você lançou The Emancipation of Mimi, que teve um tremendo impacto na música. Como você conseguiu isso enquanto sofria de transtorno bipolar e não estava sendo tratada?
MC:Quando estou no estúdio fazendo música, estou vestida com o meu personagem [Como a  Mimi]. Eu fui para Capri. Eu trabalhava com o  meu engenheiro no estúdio e observava o nascer do sol. Estava trabalhando todas as noites, mas é a criatividade. Eu sempre fui uma pessoa mais noturna. Isso é uma forma de terapia para mim.

People: Como estão seus filhos estão no meio disso tudo?
MC:
Estão ótimos, os meus filhos são incríveis!  Eles são tão inteligentes e engraçados. O que poderia ser mais terapêutico do que passar tempo com meus filhos, rir e vê-los curtir a infância? Eu só quero isso para eles. Meu relacionamento com Nick é muito positivo e nós somos pais, e a coisa mais importante que posso fazer por meus filhos é dar a eles o que eu realmente não tive, a chance de viver em um lar seguro cercado por pessoas. quem os amam e apoiam incondicionalmente.

People: A maternidade teve algo a ver com a sua decisão de receber tratamento?
MC: Eles são tudo para mim. Eles nunca vão me ver sentada chorando e sendo um desastre emocional na frente deles. Isso nunca vai acontecer.

People: Você esteve envolvida com o magnata James Packer recentemente, e muitas pessoas se perguntaram o que você estava pensando sobre isso. Você quer explicar?
MC: Eu me pergunto o que eu estava pensando também. Toda a situação foi um redemoinho, mas eu definitivamente desejo a ele o melhor.

People: O que te faz feliz hoje em dia? O que é um dia perfeito?
MC: Nós tivemos um dia incrível na Disneylândia, foi muito divertido! É realmente sobre as crianças e a música. Espero que os fãs possam ler isso e não dizer “Oh meu Deus. O que há de errado com Mariah?” Espero que eles só vão entender que estou fazendo isso com a esperança de ajudar os outros e também porque vai ser uma experiência libertadora para mim.

  • Confira fotos (em HQ) da revista em nossa galeria!

Deixe sua opinião

Este artigo não possui comentários
Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.