Mariah Now é a sua maior fonte brasileira sobre a Mariah Carey. O site é totalmente dedicado para os fãs da Mariah. Acompanhe notícias, vídeos, entrevistas, participe de promoções e eventos. Todo conteúdo divulgado no site é criado ou editado por membros da equipe, qualquer conteúdo retirado daqui, mantenha seus devidos créditos. Somos apoiados pela Universal Music Brasil e pela Sony Music Brasil.

Mariah Carey nunca se esquivou de um desafio.

Com sua impressionante voz de múltiplas oitavas, a nativo de Greenlawn poderia facilmente criar compilações lucrativas de covers ou baladas pop adultas. Em vez disso, ela continua a forjar seu próprio caminho – bem na intersecção entre pop, R & B e hip-hop – com resultados mistos.

Em seu 15º álbum de estúdio “Caution” (Epic), Carey encontra um ritmo que joga com seus pontos fortes e se agarra a ele. “Caution” está repleta de baladas R&B intermediárias que não se afastam muito da forma bem-sucedida de “We Belong Together”, que a reintegrou no topo das paradas.

O primeiro single “With You” é o mais próximo que Carey chegou em uma balada pop pura em pouco tempo, apesar de lançar um pouco de produção de hip-hop no começo para nos informar que ela não esqueceu quem ela é. Ela ainda acrescenta algumas notas de registro superior no final para nos lembrar dos dias da “Vision Of Love”.

Mas há algumas baladas demais como “With You”, incluindo “Portrait” e “One Mo ‘Gan”. E quando colocado perto do lúdico “A No No”, fica claro que “Caution” poderia ter sido muito melhor álbum se Carey simplesmente soltar um pouco mais. A No No” a encontra em um humor divertido, mas desafiador, declarando “Cobras na grama, é hora de cortar o gramado” antes de seus protestos de “Eu disse não” ficarem mais altos e o ritmo do hip-hop Deeper. Ela também fica um pouco tonta quando se oferece para traduzir “Não” em diferentes idiomas. Isso e “Stay Long Love You”, que apresenta Gunna, são raros momentos de leveza em um álbum que parece mais sério e até um pouco preocupado.

Carey sempre foi melhor quando teve a chance de correr riscos, como no álbum E = MC2, ou quando ela estava com o Ol ’Dirty Bastard e o Jay-Z. Considerando tudo o que ela fez, “Caution” pode ser um pouco seguro demais.

Fonte:  Newsday

Deixe sua opinião

Este artigo não possui comentários
Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.