Mariah Now é a sua maior fonte brasileira sobre a Mariah Carey. O site é totalmente dedicado para os fãs da Mariah. Acompanhe notícias, vídeos, entrevistas, participe de promoções e eventos. Todo conteúdo divulgado no site é criado ou editado por membros da equipe, qualquer conteúdo retirado daqui, mantenha seus devidos créditos. Somos apoiados pela Universal Music Brasil e pela Sony Music Brasil.

O campo puro deriva em grande parte da  incapacidade do seu criador de discernir entre o  bom, o ruim e o que é tão ruim que é bom. Onde  Mariah Carey se encaixa nesse espectro sempre foi  tão difícil de definir porque ela parece ao mesmo tempo alheia à realidade e conscientemente desafiadora de seu lugar nela. Como Michael  Jackson antes dela, Mariah parece cada vez mais empenhada em perpetuar a percepção de si mesma como uma artista em desenvolvimento interrompido, muitas vezes desconfortavelmente justapondo essa noção a imagens hipersexuais e um senso mercurial de autoconsciência. Esta dissonância cognitiva tornou-a simultaneamente fascinante e frustrante para aqueles que apreciam os seus talentos superficialmente e aqueles que se dignam a cavar mais fundo.

O 13º álbum de estúdio de Mariah, Caution, encontra o cantora abraçando totalmente e sem remorso essas contradições. Ela tem vislumbres de excentricidade em seu trabalho desde 1997, mas a implantação de gírias, acrônimos e até mesmo hashtags em suas letras e títulos de músicas só se intensificou nos últimos anos. O que parece ser uma tentativa transparente de manter a relevância, se não pelo fato de que tudo rola de sua língua com a mesma facilidade com que as palavras multisilábicas de 10 dólares e a terceira pessoa do singular salpicam músicas como “One Mo ‘Gen” e “8th Grade”.

“Talvez as letras sejam muito pesadas”, Mariah reflete sobre a última faixa. Ela descreveu a  música de abertura do álbum, “GTFO”, como “alegre”, e, de fato, ela possui algo escondido sob a entrega despreocupada de Mariah, no entanto, esconde um peso que talvez seja informado pelo material fonte da canção apocalíptica: “You left me lost and disenchanted. Bulldozed my heart as if you planned it”, lamenta ela antes virar uma garrafa inteira de vinho tinto californiano.

Esta não é a primeira vez que Mariah afoga suas mágoas na música, mas uma corrente de tristeza é aparente mesmo quando ela supostamente mantém as coisas boiando. Ela é “assombrada” e “dessensibilizada” na faixa final do álbum, “Portrait”, um confessionário que toca como uma sequência de “Close My Eyes”, de Butterfly, embora não tenha a sofisticação da balada ou de “Looking In” de seu álbum anterior, Daydream. Seu cinturão no final da música também carece da clareza e do tom de seus vocais de pico, embora ela improvise em voz cheia como se estivesse em 1997 na faixa-título que de outra forma seria despretensiosa.

Como a habilidade vocal ginástica de Mariah  começou a diminuir no final dos anos 90, foi substituída por uma habilidade igualmente notável: fraseado lírico aeróbico. Mariah desenvolveu um ouvido de rapper tanto para o ritmo quanto para a mensagem, e referências rápidas como Marilyn Monroe, Edward Scissorhands e até seu advogado se acumulam ao final de cada verso de músicas como “A No No”. Suas palavras sangraram igualmente em um borrão inebriante em “One Mo Gen”: “I’m gon’ need a ride home now sooner or later. Must I reiterate, can we pick up the pace?”

Apoiada por uma batida atual, a faixa  intitulado de “The Distance” possui um gancho que calibra perfeitamente a propensão de que a Mariah está apta a cantar mais sussurrado. A melhor faixa do álbum no entanto é “Giving Me Love”, é uma balada de seis minutos que recupera a tensão erótica de “The Roof”, uma faixa de seu álbum Butterfly de 1997. Produzida por Dev Hynes, a faixa combina com o timbre grave da cantora e com o riff de guitarra elétrica, uma linha de sintetizador inspirada no clássico de “Kool & the Gang”, “Summer Madness”,
e – porque não? – e também com o sample do filme Trading Places estrelado por Dan Aykroyd e Eddie Murphy.

Com apenas 10 faixas, o Caution é o mais mais enxuto da Mariah em 25 anos. Com exceção de “With You”, que parece uma faixa descartada do álbum E=MC2, as baladas de R&B adultas com o estilo contemporâneo que lançaram (e relançaram) a sua carreira foram substituídas aqui por texturas e ritmos mais dançantes. Caution parece o álbum que a Mariah quis fazer a vida inteira: um álbum que ela se joga literalmente de cabeça ao vento e se vê abraçando um estranho. E, ironicamente, é o álbum que a fez voltá-la para Sony Music, a gravadora que a limitou no passado.

Caution – 3.5  estrelas

Deixe sua opinião

Este artigo não possui comentários
Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.