Mariah Now é a sua maior fonte brasileira sobre a Mariah Carey. O site é totalmente dedicado para os fãs da Mariah. Acompanhe notícias, vídeos, entrevistas, participe de promoções e eventos. Todo conteúdo divulgado no site é criado ou editado por membros da equipe, qualquer conteúdo retirado daqui, mantenha seus devidos créditos. Somos apoiados pela Universal Music Brasil e pela Sony Music Brasil.

De Michael Arceneaux /NBC

Eu gosto de música de Natal, mas o gênero é dominado pelos artistas favoritos de uma determinada época, cantando as mesmas músicas que eu já ouvi várias vezes cantadas por dezenas de outros artistas. Eu posso ouvir qualquer um cantar “The Christmas Song”, seja SWV, Toni Braxton, Fantasia, Christina Aguilera, meu tio bêbado depois de muitos goles de Crown Royal ou sua tia boba que você postou no Instagram Live.

Pouquíssimos artistas se dispuseram a tentar ramificar-se em novos materiais de natal, e aqueles que o fazem não são especialmente bem-sucedidos. Sim, eu posso citar os “8 Dias de Natal” do Destiny’s Child, mas parece que foi em 2001 e eu vou ligar “Kitty Kat” para limpar minha paleta auditiva.

Em “The Key of C”, o escritor Chris Dickinson faz uma resenha sobre o que foram, em 1994, os lançamentos de álbuns recém-centrados no Natal do ano. A lista incluía nomes como Tony Bennett, Trisha Yearwood, Neil Diamond e Mariah Carey. A peça foi deliciosamente sombria por toda parte, mas ele transmitiu um sentimento comum sobre lançamentos de feriados.

OPINIÃO
Em defesa de maus filmes de Natal
“Para melhor ou pior, muitos artistas sentem a necessidade de mergulhar na briga de Natal”, observou Dickinson. “Provavelmente parece ser uma boa ideia – os fãs têm um estoque de canções para se ocuparem, enquanto o artista consegue respirar para poder criar um álbum de material original.”

O ponto de Dickinson (e válido) era que muito poucos artistas eram capazes de lançar material de natal a par com clássicos associados a nomes como Bing Crosby, Johnny Mathis ou Nat King Cole. No mínimo, um álbum de férias era uma grana em dinheiro – notavelmente para artistas bem estabelecidos, não para aqueles que ainda tocam.

Isso foi provavelmente o porquê Carey estava tão relutante em fazer um álbum de Natal quando foi originalmente apresentada a ideia.

Como ela explicou no ano passado para a Billboard, “eu senti que era um pouco cedo demais na minha carreira para fazer um álbum de Natal. Mas eu decidi fazer”. Mais recentemente, durante uma entrevista à Genius Level focada em seu trabalho como compositora, Carey repetiu essa fala – embora tenha acrescentado o adendo ao elogiar seu ex-marido e antigo chefe de gravadora, Tommy Mottola, por estar correto em sua insistência em gravar um álbum de natal. (Para aqueles que estão cientes de sua história tumultuada, dizer algo de bom sobre ele não foi fácil.)

Dickinson não gostava particularmente do álbum de Carey, mas tinha um notável desdém pelo primeiro single de Merry Christmas, “All I Want For Christmas Is You”. Dickinson argumentou que Carey soava “genérica” na música e escreveu: “Eu imaginei que essa música pop de parede soa de tal maneira para evocar o vintage Ronnie Spector, mas Carey soa como uma Petula Clark.”

Pode ser difícil imaginar alguém falando mal da voz de Mariah Carey nos anos 90 com uma cara séria, mas até Walter Afanasieff, o co-produtor da música, questionou a escolha de Carey para o arranjo. Falando com a Business Insider em 2013, Afanasieff disse: “Minha primeira reação foi: ‘Parece que alguém está fazendo escalas de voz … Tem certeza de que é isso que você quer?'”

Afanasieff entrou em formação, mas o que mais me preocupa em alguém que questiona Mariah Carey é que ela é Mariah Carey. Se alguém é capaz de fazer o implausível – criar um clássico de natal – esse alguém é Mariah Carey. (Sim, mesmo em 1994.)

Quase 25 anos após o seu lançamento, “AIWFCIY” não é apenas seu single mais vendido de todos os tempos, como também ele supera os sons básicos de férias como “Feliz Navidad” e “Jingle Bell Rock”. Em 1994, Carey foi citada dizendo que, ao gravar a música, ela queria que fosse “divertida”. É divertida sim, mas além disso, a música realmente resume o que fez de Mariah Carey uma hitmaker tão duradoura.

Mas as pessoas deveriam saber: em 1994, Carey já tinha acumulado oito singles número um em quatro anos – sete dos quais ela própria escreveu. E Carey tem sido enfática em notar suas habilidades de composição durante seus quase 30 anos de carreira, provavelmente porque as pessoas – mesmo aquelas que se dizem fãs fervorosas – ainda questionam o quanto da mão dela realmente teve na elaboração de seu material.

Carey pode ter desenvolvido uma reputação de ser uma “diva”, mas não se dá atenção suficiente a quão verdadeiramente excelente ela é em capturar sentimento na música. É por isso que parentes meus, 20 anos mais jovens, e eu mesmo podemos afirmar termos ouvido “Hero” em nossas formaturas. É por isso que muitos de nós podemos dizer que ouvimos “One Sweet Day” em um funeral.

Mariah Carey concentra talentos. E tudo o que faz com que os singles de Mariah Carey tenham um desempenho tão bom por tanto tempo – letras cativantes, arranjos estelares – são encontrados em “AIWFCIY”.

Em uma entrevista separada, o co-produtor Afanasieff explicou suas preocupações originais: “Entrando em uma música natalina original, você tem que ser muito, muito inteligente para conhecer todas as minas terrestres que você vai estar pisando. Se um escritor inteligente escreve uma música – e apenas ousadamente entra no estereótipo de jingle, e mistle [toe], frosty e Rudolph e Santa-ugh, Deus, isso só se torna uma bagunça. ”

Em outras palavras, Mariah, a compositora, conseguiu fazer o melhor tipo de música natalina, e conseguiu na primeira tentativa.

E não é apenas a voz dela: enquanto suas vendas gigantescas e sua extensa lista de singles número um são muitas vezes consideradas como conquistas, Carey desempenha um papel significativo nos bastidores para tornar sua música tão transcendente. Um cover de “Silent Night”, de Mariah Carey, é bom, mas nada se compara ao “All I Want For Christmas Is You”, de Mariah Carey.

Nós amamos todo mundo – como a Mimi diria – mas não há um equivalente moderno real para o seu sucesso com “AIWFCIY” (ou seu sucesso geral). Se houver algum presente que eu pudesse dar a Mariah Carey neste Natal, seria ela recebendo o brilho que ela merece sobre a força de sua caneta. (E outro número um, apenas para massagear o ego.)

Deixe sua opinião

Este artigo não possui comentários
Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.