Mariah Now é a sua maior fonte brasileira sobre a Mariah Carey. O site é totalmente dedicado para os fãs da Mariah. Acompanhe notícias, vídeos, entrevistas, participe de promoções e eventos. Todo conteúdo divulgado no site é criado ou editado por membros da equipe, qualquer conteúdo retirado daqui, mantenha seus devidos créditos. Somos apoiados pela Universal Music Brasil e pela Sony Music Brasil.

Geralmente, leva um tempo – uma ou duas décadas – antes de podermos olhar para uma era específica da vida americana e vê-la como algo coerente, algo cujo aspecto é marcado por um clima geral. É preciso uma certa retrospectiva para perceber como todas as reações totalmente diferentes que as pessoas tinham até o momento ainda eram, no final, reações à mesma coisa; todas as diferentes poses que eles adotaram ainda estavam sendo feitas contra o mesmo pano de fundo.

Mas esta era – este ano, e o último, e um ou dois antes disso – pode ser uma exceção. Há um consenso estranhamente forte no momento sobre como todos estão se sentindo hoje em dia, e isso não é bom. Em algum momento, tornou-se um tônico rotineiro de conversação para todos os tipos de pessoas, de todos os tipos de persuasão, para expressar, com um gesto incrédulo, que as coisas pareciam um pouco cansativas e frenéticas ultimamente, não são? Músicos não são exceção. “A vida é bastante tumultuosa agora para todos nós”, disse a estrela country Kacey Musgraves, enquanto recebeu um Grammy de Álbum do Ano. A cantora sueca Robyn reconhece que “o pop no momento é deprimente” em uma entrevista. “A música que as crianças ouvem é pesada! Talvez seja difícil ser positivo e otimista no momento”.

Pensando nisso, o The New York Times fez uma lista com as 25 canções que realmente são importantes no momento em que estamos vivendo, musicalmente falando, e “A No No”, novo single de Mariah Carey figurou em 3º lugar. Confira abaixo.

3º lugar: “A No No” – Mariah Carey

Da singularidade vocal incorporada em Aretha Franklin aos movimentos de dança sobrenatural de Michael Jackson, os negros há muito esperavam o rigor de nossos entertainers de R&B. (Institucionalizamos essa expectativa no Apollo Theatre, onde, na Amateur Night, um “carrasco” costumava afastar artistas medíocres com uma vassoura ou um espeto; agora ele apenas os joga pra fora do palco). Ser o melhor em R&B significava que você tinha uma habilidade afiada e real para entreter, que podia ficar em um palco e realizar um ato notável que o separava do resto de nós.

Eu cresci ouvindo debates sobre o valor deste ou daquele cantor se transformar em gritos, a afirmação de que um artista favorito poderia cantar, mas não realmente cantou sendo uma afronta ao seu sistema de gosto e julgamento. Mariah Carey sempre foi uma vitória fácil. Em um único verso, seu contralto melismático poderia argumentar com seu falsete provocador, alternando entre as notas mais baixas e mais altas até que soasse mais pássaro que humano. Nos anos 90, Mariah cantou músicas de amor em uma estação; Tempos depois, ela cantou o mesmo disco com o acréscimo de um verso de hip-hop, deslizando do mainstream para o “urban”, que é do branco para o preto. Ela montou dois mundos codificados como uma pessoa birracial, uma experiência às vezes carregada que ela abordou em sua canção de 1997, “Outside”.

Seu desejo de aceitação entre gêneros é parte do que a levou a escrever e arranjar canções para si mesma que poucos outros seres humanos poderiam cobrir. Em meados da década de 2000, ouvir um álbum de Mariah, do 1º single à última faixa, era maravilhar-se com uma maximalista puxando seus excessos, cada vez mais deslumbrante do que o anterior. E ainda assim, no final dos anos, ela começou a recuar por trás de sua produção, cantando e sussurrando, onde costumava enfatizar cada frase. A alegada perda de sua voz parecia marcar o final de uma era.

Poucas pessoas discutem sobre a voz de um cantor do jeito que costumavam, mas o R&B está de volta à moda depois de ter passado vários anos em segundo plano enquanto o E.D.M. ditava os imperativos da música pop. Artistas mais jovens estão impulsionando o gênero para frente em muitos aspectos: estilo pessoal intrigante e simples (SZA); mensagens fortes e diferenciadas (Solange); vocais orgulhosos que não se sentem ligados ao recurso de rap (H.E.R.); e uma expansão muito necessária de quem uma mulher pode estar cantando canções de amor em primeiro lugar (Syd). Mas os termos pelos quais esperamos rigor desses artistas também mudaram. Uma voz que soa como se fosse dotada dos céus já não é um preditor provável do sucesso crítico, embora possa lhe dar um certo tempo no “The Voice”. Mais importante é parecer sem verniz ou idiossincrático. A sensação preferida é a de uma torrente bruta de emoção em um quarto com um laptop. Ver os nomes mais novos de R&B tocarem em eventos como o Grammy é um pouco como ver uma professora de ginástica em um encontro – quem sabe que eles têm roupas extravagantes?

Mariah Carey não parece construída para este novo momento do R&B, mas “A No No”, do seu álbum de 2018, Caution, funciona por todas as razões que uma vez esperamos que não desse certo. É uma amostra direta de uma música extremamente familiar (um remix de 1997 “Crush on You”, de Lil ’Kim). Vocalmente, é simples. A faixa tem alguns momentos elásticos no topo dos versos, mas, na maior parte, Carey mantém uma fala fortemente acentuada. Ela desce da estratosfera vocal para algum lugar mais próximo das cantores mais jovem de R&B, mas isso nunca parece como uma desculpa. Caution como um todo ignora a pirotecnia vocal característica de Carey, salvo por alguns whistles que rastejam nas notas finais de várias faixas. O que o torna diferente de suas tentativas anteriores de arranjos vocais menos ornamentais é a confiança que Carey exala. Ela não está se escondendo; ela está se recalibrando.

Esta nova fase do R&B é aquela para o qual Mariah, a compositora, é bem adequada. Ela sempre foi um estudo rápido das tendências atuais, e como escritora em 17 de seus 18 singles No.1, ela provou que sabia como fazer sua voz se encaixar dentro deles. Carey possui um senso de humor travesso (melhor empregado em faixas que alfinetam o rapper Eminem) que é adequado para nossa era atual de trolagem e letras feitas para memes. Em “A No No”, ela diz a frase “Irregardless of what transpired”, desafiando o ouvinte a pensar seriamente se ele sabe que ela implantou uma palavra falsa (é claro que sim). Nas últimas três décadas, Mariah, a vocalista, tem sido tão singular que outras Mariahs passaram despercebidas – a reconhecedora das tendências, a estrela pop que forçou sua gravadora para improvisar as colaborações de hip-hop e a compositora que era mais engraçada do que as pessoas imaginam. Mariah, rainha do brilho e amante do glamour, talvez nunca faça uma estética visual realista, mas ainda possui as ferramentas para fazer música que encarnam esse sentimento – e ela tem essas ferramentas há anos.

Para ver a lista completa, clique AQUI.

O vídeo de “A No No” estreia nesta sexta-feira.

Deixe sua opinião

Este artigo não possui comentários
Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.