Mariah Now é a sua maior fonte brasileira sobre a Mariah Carey. O site é totalmente dedicado para os fãs da Mariah. Acompanhe notícias, vídeos, entrevistas, participe de promoções e eventos. Todo conteúdo divulgado no site é criado ou editado por membros da equipe, qualquer conteúdo retirado daqui, mantenha seus devidos créditos. Somos apoiados pela Universal Music Brasil e pela Sony Music Brasil.

É uma noite rara quando Mariah Carey traz seu talento para Indianápolis, a vencedor do Grammy Award usou o show de sábado no Old National Center para causar uma impressão positiva que ficará na mente dos fãs por muito tempo.

Como uma clássica diva nova-iorquina – alguém que colaborou com Jay-Z, Nas e Ol ‘Dirty Bastard – Carey exibiu traços de Big Apple.

Ela trouxe a excelência para a tarefa de cantar, com sua voz de cinco oitavas fluindo facilmente sem nenhum truque de backing vocals, tons aprimorados por computador ou playback.

E ela foi assertiva, avisando corajosamente a um amante que vai caçá-la se ele se gaba “about this secret rendezvous” na letra de “Touch My Body”. O hit de 2008 também abre várias possibilidades, que permitiu a Carey interagir com seu público que parecia ser 80% de mulheres.

Como prova do domínio feminino, o DJ Suss One modificou um canto de chamada e resposta que tradicionalmente se aplica a homens e mulheres antes de Carey chegar ao palco. Ele deixou ‘os caras’ de lado e fez a seguinte pergunta duas vezes: “As minhas amigas amam Mariah Carey?”.

Confira nossos quatro motivos de como Carey provou estar ousado e irradiante em Indianápolis:

1. A voz
Carey desperdiçou pouco tempo para apresentar notas altas no show, cantando “Dreamlover”, de 1993, como a segunda música da noite. Com imagens de roda gigante e fogos de artifício nos telões atrás dela, Carey abraçou o tema esperançoso da música. A efervescente “Emotions” veio duas músicas depois para mostrar a habilidade de Carey em cantar seus tons mais altos e baixos no espaço de algumas medidas.

Embora os cantores das competições de talentos televisionadas tenha sido influenciados pela voz de amplo espectro de Carey, ela não estava excessivamente vistosa no sábado à noite. Pelo contrário, ela se alimentou da energia da multidão e convidou seus devotados “Lambs” para lutar por essas notas altas com ela.

2. As batidas
Aparentemente todas as músicas anteriores ao álbum de 2018, Caution, adotaram uma pegada meio disco, lembrando a vibe de Cher com os grooves dos anos 70, quando ela cantou no Bankers Life Fieldhouse no mês passado. O baixista e nativo de Fort Wayne, Lance Tolbert, ajudou a criar um ritmo de dança para Carey em canções como “You Don’t Know What To Do” e um cover de Cherrelle “I Didn’t Mean to Turn You On”.

Felizmente, a produção moderna do álbum Caution funciona para Carey, que lançou seu álbum de estréia em 1990. Arranjos organizados e sotaques de percussão peculiares não parecem muito difíceis. As músicas simplesmente abrem caminho para as declarações confiantes de Carey sobre o que ela precisa (“a faixa título do álbum”) e o que ela não precisa (“GTFO”).

3. As risadas
Carey trouxe sua reputação de diva para o palco, trazendo dois assistentes masculinos como um ‘pit stop’ para retocar seu cabelo e maquiagem. “É o que faríamos nos bastidores”, disse Carey, insinuando que o tempo estava sendo economizado. Ela vestiu cinco roupas diferentes em todo o show, incluindo um vestido com duas linhas verticais de luzes LED. Não está claro se as queixas de Carey sobre ter servido chá muito frio eram uma piada, mas ela claramente levou a sério a campanha “Justice for ‘Glitter” feita por seus fãs. O show de sábado contou com uma mistura de músicas do filme e do álbum que foram lançadas comercialmente em 2001. Dois de seus dançarinos correram pelo palco agitando bandeiras “#JusticeForGlitter”.

4. O cenário
Embora Carey seja uma artista com credenciais de arena, este show no Murat Theatre, com capacidade para 2.500 pessoas no Old National Center, ficou aquém do status de esgotado. Enquanto isso, os participantes da sala estavam entre os maiores defensores da história recente do local. Cinco telas de vídeo no palco fizeram um show de ótima aparência, e Carey balançou a estrutura de R&B de seu single de estreia de 1990, “Vision of Love”. Foi um show foi digno de receber o “Certificado Aretha Franklin de Qualidade”.

Deixe sua opinião

Este artigo não possui comentários
Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.