Mariah Now é a sua maior fonte brasileira sobre a Mariah Carey. O site é totalmente dedicado para os fãs da Mariah. Acompanhe notícias, vídeos, entrevistas, participe de promoções e eventos. Todo conteúdo divulgado no site é criado ou editado por membros da equipe, qualquer conteúdo retirado daqui, mantenha seus devidos créditos. Somos apoiados pela Universal Music Brasil e pela Sony Music Brasil.

O álbum para começar: Butterfly (1997)

O megastardom comercial de Mariah Carey, no início dos anos 90, foi fundado com base em suas virtudes vocais virtuosas, mas seu sexto álbum, Butterfly, foi onde ela realmente estabeleceu sua voz artística. Seu primeiro trabalho depois de se divorciar do chefe da Sony Music, Tommy Mottola – um casamento que mais tarde descreveria como um “inferno privado” emocionalmente abusivo -, Butterfly também encontra Carey se libertando dos arranjos contemporâneos adultos sentimental em favor de um silêncio amorosamente criado e inflado pelo hip-hop agitado.

É nessa época que os ouvintes começaram a questionar se a voz de Carey estava diminuindo em qualidade, mas o nível de criatividade vocal que ela traz para Butterfly deve tornar a crítica irrelevante: aqui, é um instrumento de textura em vez de volume, com almofadas de vocais luxuosamente em camadas e fraseado matizado ampliando a intensidade emocional das músicas. Isso é exemplificado por Breakdown, talvez a melhor música de Carey: falas sussurradas cantam o ouvinte em uma névoa tão feliz que você quase perde letras como “gradualmente estou morrendo por dentro” – pelo menos até que a batida contorcida pare , um tapete de veludo puxado de repente sob seus pés.

O melhor de Butterfly é algo sombrio e pesado: Carey escreveria mais tarde que representa liberdade (e é seu álbum favorito), mas sua representação de estar presa – na “memória de uma música”, como no magnificamente pensativo My All – é onde ele atinge mais fundo. Mas às vezes também é estranhamente divertido, as idiossincrasias de Carey florescendo tanto em sua verbosidade excêntrica (“Voe abandonadamente ao sol”, ela exorta na faixa-título; “Acho que estou tentando ser indiferente a isso”, ela dá de ombros em Breakdown ) e a conclusão indulgente, enquanto Carey canta junto com The Beautiful Ones, de Prince, por sete minutos não estritamente necessários. Sua propensão ao ridículo é uma marca registrada de sua carreira, mas raramente prejudica sua música.

  • Os três álbuns para conferir a seguir

The Emancipation Of Mimi (2005)

 

Como Butterfly, o décimo álbum de Carey foi um redefinido depois de vários anos marcados por lutas públicas com saúde mental e fracasso comercial (embora a mais notória delas, a trilha sonora de Glitter de 2001, esteja longe de ser um fracasso). É um trabalho notavelmente seguro de si: apesar do single principal It’s Like That acenar graciosamente para o som estridente do dia e a presença de produtores de tendência como Neptunes e Kanye West, o The Emancipation Of Mimi  cria seu próprio nicho de comemoração. Está repleto de atolamentos de primavera, crucialmente distintos dos atolamentos de verão: singles como Shake It Off (no qual Carey forma seu próprio grupo feminino) e Get Your Number têm mais expectativa do que satisfação. A exuberância da Emancipação encerra os anos pós-Mottola de Carey com a alegria vertiginosa de seus clássicos dos anos 90, como Emotions e Make It Happen.

Memoirs of an Imperfect Angel (2009)

 


Se os vocais estrelados e as composições prolíficas eram a marca de longa data de Carey, o Memoirs os dobrou para criar uma sensação de suavidade lânguida: de fato, o objetivo de criar um feitiço inquebrável parece substituir a coceira perene de Carey pelo sucesso nas paradas (embora passando por o segundo Eminem dissolve sua carreira e um retorno precoce de Nicki Minaj, ela não tirou os olhos dessa bola). Talvez seja isso que faz dele um sucesso cult: Memoirs encontra Carey se voltando para o trabalho mais íntimo de sua carreira, cantando principalmente para si e para aqueles que a amam por suas peculiaridades.
Rainbow (1999)
Carey acompanhou as grandes declarações de Butterfly e The Emancipation of Mimi com as voltas do arco-íris e o E = MC² de 2008: o que faltava em consistência compensava com amplitude, aventura e senso de leveza. E = MC² foi talvez mais abrangente, com destaques incluindo a batida da casa de discoteca I’m That Chick e o casamento do famoso apito de Carey com o AutoTune ligado em  Migrate. Rainbow, no entanto, nos deu não apenas um de seus singles mais deliciosos,como a dançante Heartbreaker, como também os momentos mais vanguardistas de sua carreira. Os críticos costumavam escrever sobre esse apito como um truque, mas a exploração sensorial de seis minutos que é Bliss o estende até o limite: uma melodia sem palavras e ondulante que começa como par.
Os Remixes

A arte do remix foi parte integrante da discografia de Carey, do gigante tribal de 11 minutos completo com cantos gospel e vocais especialmente regravados, que é o Dreamlover de 1993 (remix do David Morales ‘Def Club) até a versão de The-Dream para Touch My Body em 2008, que lançou o original que fez versos doces no espaço e com  Rick Ross. Mas o melhor pode ser uma versão não oficial da marca branca de garagem do My All, a peça central do Butterfly. Se o original enquadrou como uma balada romântica , o Projeto DEA  deixou a canção feliz. Elevando a voz de Carey aos níveis de esquilo, o remix não abandona completamente a melancolia, mas a tristeza raramente é profunda demais quando combinada com esse tipo de linha de baixo.
Fonte: The Guardian

 

Deixe sua opinião

Este artigo não possui comentários
Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.