Mariah Now é a sua maior fonte brasileira sobre a Mariah Carey. O site é totalmente dedicado para os fãs da Mariah. Acompanhe notícias, vídeos, entrevistas, participe de promoções e eventos. Todo conteúdo divulgado no site é criado ou editado por membros da equipe, qualquer conteúdo retirado daqui, mantenha seus devidos créditos. Somos apoiados pela Universal Music Brasil e pela Sony Music Brasil.

HÁ 30 ANOS, UMA JOVEM CANTORA NASCIDA EM NOVA YORK , QUE BATIZADA POR SUA MÃE COM UM NOME DE UM ANTIGO MUSICAL, SE LANÇARIA NO MAINSTREAM E SE TORNARIA A MAIOR ARTISTA DE SUA GERAÇÃO.

Os primeiros cinco singles de Mariah Carey foram para o primeiro lugar na Billboard Hot 100, estabelecendo-a como a maior nova estrela pop dos anos 90, e durante aquela década, ela atingiu, ao menos, um single por ano no topo, eventualmente acumulando 19 sucessos no topo das paradas, mais do quer qualquer outro artista solo na história. Enquanto isso, ela chegou 6 vezes ao topo da parada de álbuns da Billboard, o Top 200, foi a primeira artista na era Soundscan a ter dois discos certificado de  diamante no RIAA, por superar 10 milhões de cópias vendidas nos Estados Unidos, ganhou mais de 30 prêmios da Billboard (incluindo artista da década nos anos 90) e cinco Grammys, e foi incluída no Songwriters Hall Of Fame.

A Billboard fez uma lista com as 100 melhores canções da Mariah Carey para celebrar seus 30 anos de carreira, confira ao top 100 abaixo:

100 – Forever
DAYDREAM – 1995

 

Uma balada de devoção complemente suave, cujo pop convincente do passado forneceu um dos primeiros modelos para a era de Yours Truly da Ariana Grande. “Forever” não foi lançado como single oficial –  Mariah liderou o Hot 100 por 26 semanas combinadas com os primeiros três singles do Daydream foi talvez domínio suficiente nas paradas para um ciclo de álbum – masa MTV exibiu de qualquer maneira com seu vídeo, filmado durante sua venda shows ao vivo intensos no Tokyo Dome na durante Daydream World Tour. Não posso dizer que a volta  olímpica da vitória não foi bem merecida. – ANDREW UNTERBERGER

99. “Didn’t Mean to Turn You On”

GLITTER, 2001

Outro canção de flashback, mas mais literal, quando Carey assume a joia dance-pop de Cherrelle de 1984 ““Didn’t Mean to Turn You On” como destaque de seu personagem dos anos 80 do Glitter, Billie Frank. Mariah, sempre uma nerd do pop no coração, lida com o vocal atraente, mas firme, com autoconfiança alegre, enquanto Jimmy Jam e Terry Lewis – produtores tanto no original quanto no cover – enlouquecem com os sintetizadores no fundo. – A.U

98. “Cruise Control”
feat. Damian Marley

E=MC2, 2008

Comparada com outra faixa do álbum, a “O.O.C.”, essa música põe os freios em qualquer travessura romântica saliente, não importa o quão suave um cara possa ser, e avisa MC para prosseguir com cautela. Com suas batidas mescladas com reggae e uma participação especial do grande gênero Damian Marley, “Cruise Control” é aquele hino de carpool despreocupado que os Lambs podem ouvir, sentar e navegar — HERAN MAMO

97. “U Make Me Wanna”
Jadakiss feat. Mariah Carey

KISS OF DEATH, 2004

Menos de um ano antes da metamorfose de Carey,  com o The Emancipation of Mimi, ela interpretou uma cantora de refrão nesta canção radiofônica de Jadakiss, que apresenta uma batida clássica de Scott Storch de meados dos anos 2000 e alguns vocais deliciosamente soprosos de Mariah em “KISS … meeeeeee .. . ”. Ela quase atingiu o  top 20 da Billboard Hot 100, pressagiando seu retorno muito maior nas paradas um ano depois. – JASON LIPSHUTZ

96. “When You Believe”
com Whitney Houston

# 1’S, 1998

O filme Príncipe do Egito pode ser uma adaptação animada da história de Moisés em 1998, amplamente esquecida, mas o encontro de diva entre Carey e Whitney Houston sobre sua música tema foi um dos eventos musicais daquele ano – e as duas superestrelas não decepcionaram, particularmente no clímax superdimensionado da música. – J. Lipshutz

95. “One More Try”

ME. I AM MARIAH… THE ELUSIVE CHANTEUSE, 2014

Mariah tem uma longa história de incluir um cover na maioria de seus álbuns de estúdio – particularmente favorecendo grandes baladas que provaram ser perenes do pop. Nesta versão da era do Elusive Chanteuse do clássico de George Michael de 1988, ela positivamente leva para a igreja, acertando o desespero ofegante da música tocha original. – GLENN ROWLEY

94. “Infinity”

#1 TO INFINITY, 2015

Mariah adora enfrentar o cosmos em suas baladas: “Forever”, “You’re Mine (Eternal)”, “Infinity”.Esta faixa semi-título não tem a elevação pop de algumas das outras entradas em sua compilação #1 to Infinity, mas tem MC preenchendo o vazio espectral com seu lamento incomparável para que um cara saiba que ele está separado dela glória galáctica: “Close the door, lose the key… there’s an end to infinity.” – A.U.

93. “How Much”
feat. Usher

RAINBOW, 1999

Mariah e Usher na virada do século – deve ter ficado cerca de uma dúzia de semanas no número 1, não? Não exatamente: “How Much” não foi lançada como single do álbum  Rainbow, talvez porque sua batida co-comandada por JD e Bryan Michael Cox parecia um pouco como sobras do TLC. Mas a energia brincalhona entre seus co-protagonistas é uma diversão vertiginosa, e sua interpolação do gancho de “Me and My Girlfriend” levou Jay e Bey usaram novamente três anos depois. – A.U.

92. “The Distance”
feat. Ty Dolla $ign

CAUTION, 2018

Uma ode fervente para rir dos haters que juraram que nunca duraria, “The Distance” demonstra a adaptabilidade de Carey aos princípios do R&B moderno em em seu álbum de 2018, Caution.Ty Dolla $ign empresta seu gorjeio de assinatura e Skrillex até rouba um crédito de coprodução no caso suntuoso. – J. Lipshutz

91. “Sweetheart”
with JD

#1’S, 1998

Outro cover dos anos 80, mas uma escavação ainda mais profunda desta vez – o single  de Rainy Davis de 1987, que foi um pequeno sucesso nas paradas de R&B – e uma atualização melhor, graças em grande parte à batida estridente e aos improvisos divertidos de cortesia da co-estrela Jermaine Dupri. A marca de Mariah ainda está definitivamente na música – particularmente na ponte, com os sintetizadores borbulhantes limpando seus ouvidos de forma estranhamente misteriosa, “A full moon is waiting in the twilight…” – A.U.

90. “You’re Mine (Eternal)”

ME. I AM MARIAH… THE ELUSIVE CHANTEUSE, 2014

“You’re Mine” foi um dos singles do álbum Me. I Am Mariah, que  foi uma boa indicação de que o LP provavelmente não a levaria de volta ao domínio do rádio pop. Uma balada cintilante e íntima, cujas letras sugerem desgosto, mas cujo sentimento é puro êxtase doméstico – lançada enquanto o boom do EDM ainda estava se infiltrando  nas rádios – ela entrou no fim do Hot 100. Mas seu charme delicado fez com que a música envelhecesse bem e sem ficar datada. – A.U

89. “Subtle Invitation”

CHARMBRACELET, 2002


“Subtle Invitation” foi um som quase inteiramente novo para Mariah, com uma sensação orgânica e viva de alma que a cantora absolutamente flutua, preenchendo todos os que a contaram após a confusão de Glitter, “If you happen to be somewhere listening/ You should know I’m still here.” O convite pode ter sido um pouco sutil demais para o impiedoso público pop, mas o lembrete foi bem-vindo. – A.U.

88. “Cry.”

ME. I AM MARIAH… THE ELUSIVE CHANTEUSE, 2014

Igualmente indulgente, vulnerável e emotiva, “Cry.”. pode ser apenas a faixa de abertura de álbum mais comovente com coral pós o The Emancipation OfMimi– definindo perfeitamente o tom para toda a nostalgia banhada pelo sol e seu lendário whistle viriam no estante do álbum Me. I Am Mariah…The Elusive Chanteuse. – G.R.

87. “Prisoner”

MARIAH CAREY, 1990

Uma brilhante música com um rapper com freestyle  enterrada no final de seu LP de estreia, “Prisoner” dá um vislumbre fascinante da direção que o início da carreira pop de Mariah poderia ter tomado se ela tivesse começado três ou quatro anos antes. As baladas provavelmente ganharam mais Grammys e venderam mais álbuns, mas ela teria matado um final de semana de reminiscência de 103,5 KTU com mais uma dúzia delas. – A.U

 

86. “Christmas (Baby Please Come Home)”

MERRY CHRISTMAS, 1994

A solidão da temporada das festas de final de ano  já pareceu mais, bem, alegre? O single de Darlene Love de 1963 certamente resistiu ao teste do tempo, mas não há como negar que a atualização fiel de Mariah sobre a dose de melancolia festiva carregada de sax ajudou a mantê-lo no topo dos clássicos genuínos de Natal. – G.R.

85. “I Don’t”
feat. YG

NON-ALBUM SINGLE, 2017

Uma das elevações musicais mais inspiradas de Mariah, transformando o refrão comovente da balada indecisa da virada do século de Donell Jones,”Where I Wanna Be”, em uma despedida de relacionamento, enquanto o convidado YG implora seu caso em vão. E, claro, Mimi também se apega ao clássico “sweet-little-doo-do-dee-dee” da faixa original de  Donell, seu fandom pop brilhando como sempre. – A.U.

84. “Twister”
GLITTER, 2001

“Twister” foi uma metáfora boa o suficiente para a força disruptiva que 2001 foi na carreira de Mariah Carey – mas a música com esse nome foi um lindo momento de calma no olho da tempestade, todas as tonalidades quentes e lindas harmonias na faixa e vulneráveis letras, sobre um amigo perdido por suicídio. Recebeu pouca atenção na trilha sonora de Glitter; duas décadas depois, parece algo que Frank Ocean poderia gravar. – A.U.

83. “I Don’t Wanna Cry”

MARIAH CAREY, 1990

Com vocais graves “I Don’t Wanna Cry” transmite uma mensagem direta sobre desvinculação. Por ser seu quarto single a chegar ao 1°lugar, em tantas tentativas, Mariah Carey nos deixou impressionados com uma manifestação concentrada de emoções – uma canção de tristeza genuína ancorada em um alcance tímbrico dinâmico e controle vocal flexível que cimentou o sucesso multi-platina de sua estreia em 1990 álbum. – PAMELA BUSTIOS

81. “Oh Santa!”

MERRY CHRISTMAS II YOU, 2010

Como você possivelmente construirá o legado de um dos álbuns de Natal mais vendidos de todos os tempos? Se você for Mariah, comece com “Oh, Santa!”, Outro apelo acelerado por amor durante as férias – desta vez ligando diretamente para o Papai Noel para ajudar com os sinos, bolsas e também colocar os seus whistles para brincar.- G.R.

80. “Side Effects”
feat. Young Jeezy

E=MC2, 2008
Sob um baixo sintetizado e uma introdução áspera de Jeezy é um relato surpreendentemente vulnerável e poeticamente prestado dos traumas remanescentes de seus relacionamentos anteriores – com algumas referências imperdíveis ao seu casamento com o executivo da gravadora Tommy Mottola. – NOLAN FEENEY

79. “Do You Think of Me”

“DREAMLOVER” SINGLE, 1993

Mariah certamente não era estranha às baladas em seu início de carreira, mas poucas eram tão quentes quanto esse lado B de “Dreamlover”, com seu grosso ensopado sônico de baixo sintetizado, bateria reverberada e cordas. “When the nights are dark and cold, do you think of me?” Mariah pergunta em um apelo ofegante, audivelmente confiante de que ela já sabe a resposta. – A.U.

78. “Stay the Night”
THE EMANCIPATION OF MIMI, 2005

Enquanto Jermaine Dupri foi o grande vencedor por seu trabalho de produção em The Emancipation of Mimi, Kanye West – uma estrela do rap em ascensão entre seu primeiro e segundo álbuns – obteve um W notável ao se unir a Carey para co-produzir o exuberante “Stay The Night.” Construída em torno de uma sampl vocal de “Who’s in the House” de The 45 King e um loop de piano crepitante, a música é amarrada por um vocal lúdico de Carey, enquanto ela debate em cair em tentação com uma antiga paixão. – J. Lipshutz

77. “The Wind”
EMOTIONS, 1991
Se você já se perguntou como Mariah Carey soaria como uma vocalista de jazz, verifique esta canção de  Emotions mais de perto – com um tremor de Mariah estranhamente fantasmagórico e distante flutuando através de sua bateria escovada, cordas de sintetizador e piano com samples de Russell Freeman. Em última análise, não onde suas forças vocais residiam, mas como um desvio único, é fascinante e inegavelmente comovente. – A.U

76. “With You”

CAUTION, 2018

Construída em torno de uma progressão de piano em cascata calorosa, a carta de amor de pelúcia de um single principal do Cautionmostra Mariah relembrando como um novo relacionamento a salvou após um desgosto turbulento. Mesmo que não seja especificamente sobre seu ex-dançarino que se transformou em amor de longa data, Bryan Tanaka, a música parece cientificamente projetada para nos deixar nostálgicos  – até uma citação ao Bone Thugs-N-Harmony e a referência a “Breakdown” no pré-refrão. – G.R.

75. “Without You”
MUSIC BOX, 1993

A balada incrivelmente maravilhosa do Music Box foi escrita e gravada originalmente pela banda de rock britânica Badfinger em 1970, e ficou famosa na voz de Harry Nilsson um ano depois. Nas mãos de Carey, uma série de notas suaves do teclado caem em um espaço cavernoso onde Carey domina a corte, crescendo lentamente do nível de um zumbido no início da música para um lamento enquanto ela grita: “I can’t live if living is without you!”  Carey adora fazer uma regravação, e essa tomada apaixonada e infundida pelo evangelho é uma das melhores. – CHRISTINE WERTHMAN

74. “Say Somethin’”

feat. Snoop Dogg

THE EMANCIPATION OF MIMI, 2005

Embora os superprodutores The Neptunes se destacassem na marca de Pop&B de Mariah Carey, eles só se juntaram a ela para um par de músicas e apenas um single – The Emancipation of Mimi com o  Snoop Dogg – com “Say Somethin ‘.” Embora a música não tenha se aproximado do sucesso de bilheteria dos outros singles do set, ela continua sendo um das faicas mais agradáveis do projeto, graças a sua mistura de sintetizadores ventosa e à química fácil de MC com o sempre adaptável Snoop. – A.U.

73. “Thirsty”

ME. I AM MARIAH… THE ELUSIVE CHANTEUSE, 2014

Com uma batida produzida por Hit-Boy que parecia algo reminiscente “Paria”, de Jay-Z e Kanye West, alguns críticos pensaram que Carey estava, bem, sedenta por um hit mainstream com este single promocional. Mas, claro, ninguém vende um festival de alfinetadas de três minutos como a mulher que nos deu “I Don’t Know Her”. – N.F.

72. “Till the End of Time”

EMOTIONS, 1991

Os vocais requintados de Carey abraçam dolorosamente a alegria e a dor que vêm com o amor nesta faixa melódica de seu set apropriadamente intitulado de 1991. Entre sua voz e as letras penetrantes da música (“Porque sem você nada é real / Você é a razão que de eu sentir”), a balada soa tão nova e vital quanto parecia há quase 30 anos. – GAIL MITCHELL

71. “I Wish You Well”

E=MC2, 2008

Tenho pena do tolo que ousa contrariar a Sra. Carey. Fechando o excelente E = MC2 de 2008, “I Wish You Well” é o tipo de despedida que a rainha das alfinetadas faz melhor. Dirigindo-se diretamente àqueles que a injustiçaram, Mariah permanece nada além de graciosa, citando magnanimamente as escrituras enquanto deixa claro que nenhuma arma forjada contra ela tem uma chance de prosperar. – G.R.

70. “I’ve Been Thinking About You”

MUSIC BOX, 1993

Mesmo em 1993, dois anos antes do remix de “Fantasy” com ODB, Carey já estava mostrando sinais de sua eventual queda para o hip-pop. Caso em questão: esta música dançante animada da Music Box que misturou new jack swing com um pequeno boom bap, que ela co-produziu com David Cole e Robert Clivillés do C+C Music Factory. A batida forte era atípica para Carey na época, mas ela mostrava que sua voz de baladas românticas era ágil o suficiente para acompanhar o número de dança mais animado. – C.W.

69. “I’m That Chick”

E=MC2, 2008

Há espaço no revival da discoteca das rádios top 40 contemporâneas para dar outra chance a este hino? “I’m That Chick” nunca teve um único lançamento, mas seu groove de piano elétrico é pra lá de irresistível, e Mariah desliza por ele como se tivesse 12 anos de novo, dando algumas voltas ao redor do ringue de patinação. Talvez tenha Dua Lipa no remix? – A.U.

68. “My Love”

The-Dream feat. Mariah Carey

LOVE VS. MONEY, 2009

Quando The-Dream saiu do estúdio e se tornou um cantor de R&B no final dos anos 2000, ele o fez com um agenda completa: Rihanna, Kanye West e Carey, todos convidados em seu primeiro álbum. O último intensificou-se para “My Love”, um dueto genuinamente doce com uma nota alta monumental em seus segundos minguantes. – J. Lipshutz

67. “Angels Cry”

feat. Ne-Yo

MEMOIRS OF AN IMPERFECT ANGEL, 2009

Justiça para Angels Advocate! Um dueto assistido por Ne-Yo desta faixa favorita dos fãs foi originalmente lançado em 2010 como um dos singles principais para o remix planejado para Memoirs of an Imperfect Angel. E enquanto o set de estúdio acabou sendo descartado uma semana antes de sua data de lançamento (que foi adiada) – cimentando assim seu status mítico entre os fãs mais fervorosos de Mariah – pelo menos os Lambs ainda têm a versão de estúdio original para cuidar de seu desgosto pelo LP perdido. – G.R.

66. “Giving Me Life”

feat. Slick Rick & Blood Orange

CAUTION, 2018

Poucos álbuns poderiam unir presenças tão díspares quanto o rapper dos anos 80 Slick Rick e o maestro de R&B alternativo dos anos 10, Blood Orange e fazer com que parecesse natural, mas esse era o grande clima de Caution, um conjunto envolvente de vibrações quentes de R&B que absorveu todos os convidados em sua melancolia tranquila. “Giving Me Life” foi a peça central do LP, um flashback de seis minutos com referências a Babs e Marilyn que parece como folhear um álbum de fotos em uma lareira. – A.U.

65. “Heat”

E=MC2 BONUS TRACK, 2008

Um bom argumento para a força subestimada de E = MC2 é que essa faixa absurdamente agradável do tipo “tire as mãos do meu homem” não poderia nem entrar na tracklist adequada, sendo relegado ao status de faixa bônus. Melhor merecido: Poucos artistas poderiam tecer Wu-Tang e N.W.A lifts em um refrão cantante que ainda tem um impacto bastante literal, mas neste caso, Mariah é realmente aquele 1. – A.U.

64. “Daydream Interlude (Fantasy Sweet Dub Mix)”

DAYDREAM, 1995

Mais um renascimento do que um remix, esta iteração sedutora de “Fantasy” da lenda do clube de Nova York David Morales foi um nocaute que passou de CD maxi single para tracklist de álbum antes de Daydream ser lançado. Venha para as batidas imparáveis, fique para ouvir os whistles. – JOE LYNCH

63. “Boy (I Need You) (Street Remix)”

feat. Cam’Ron, Juelz Santana & Freeway

2002

Ousado para Mariah não só reciclar o refrão de “Oh Boy” de Cam’Ron no início daquele ano – um hit top cinco do Hot 100 por direito próprio – mas convidar o próprio Cam de volta à pista. Mas o entusiasmo pop de Mimi venceu novamente no corte charmoso, ainda mais quando ela convidou o co-diplomata Juelz Santana (e o rapper de Philly Freeway também, por que não) no remix, onde ela basicamente faz apoio para eles na segunda metade. – A.U.

62. “One and Only”

feat. Twista

THE EMANCIPATION OF MIMI, 2005

Que Mariah e Twista acabaram colaborando foi um acidente feliz – de acordo com Carey, eles estavam conversando nos bastidores e perceberam que ambos escreveram no mesmo ritmo – mas totalmente adequado, já que Carey passa a maior parte da música lamentando sua vida amorosa com sua própria e impressionante troca de palavras. É como se o pré-refrão de “We Belong Together” tivesse entrado nessa faixa. – N.F.

61. “Silent Night”

MERRY CHRISTMAS, 1994

Sim, todos nós já ouvimos “Silent Night” antes, e talvez a tenhamos cantado em um coral da escola em dezembro – mas deixe para a MC pegar um padrão geralmente sonolento e dar o pontapé inicial. O vocal arejado de Carey percorre a faixa mantendo-a excitante, enquanto o coro de apoio cimenta o núcleo eclesiástico da música. O resultado é uma ode sonora à história por trás da época mais maravilhosa do ano. – RANIA ANIFTOS

60. “Save the Day”

feat. Ms. Lauryn Hill

THE RARITIES, 2020

Apenas Mariah poderia enfrentar o momento atual tirando a poeira de um trabalho em andamento de quase uma década de dentro de seu cofre. Interpolando perfeitamente uma sample do clássico de 1996 dos Fugees, “Killing Me Softly”, a mensagem do ícone no single principal de The Rarities é cristalina: levante-se Lambily, porque ninguém vai nos salvar a não ser nós mesmos. Mariah se harmonizando com o famoso la-la-las da Sra. Lauryn Hill pode ser a atração principal, mas vale a pena ficar por aqui a lição de que estamos todos juntos nisso quando se trata do destino da humanidade. – G.R.

59. “Butterfly”

BUTTERFLY, 1997

Escrita durante a separação de Carey de seu então marido Tommy Mottola, “Butterfly” é uma música sobre uma grande perda pessoal, mas também o importante ato de reconciliação consigo mesma. Seus vocais inicialmente transmitem tristeza e vulnerabilidade, mas quando ela atinge o refrão crescente, você não pode deixar de se animar com a força e resiliência de sua determinação. É o tipo de música que os fãs voltam repetidamente em tempos difíceis, pois ajuda a acalmar a aceitação da mudança. —SAMANTHA XU.

58. “For the Record”

E=MC2, 2008

Isso se aplica a todos dem babies que podem reconhecer que esta faixa favorita dos fãs do E = MC2 é uma ode fundamental aos maiores sucessos de Mariah – com referências em sua ponte suavemente oscilante para “Always Be My Baby”, “My All”, “Underneath the Stars , ”“ Can’t Let Go ”e“ Honey. ” – H.M.

57. “Portrait”

CAUTION, 2018

O álbum mais íntimo de Mariah até agora deixou sua faixa mais pessoal para o final, com uma balada de piano sobre como Mariah continua atormentada por seu passado, mesmo quando ela tenta fazer uma cara de coragem pelo bem de seus filhos e / ou de seus fãs (“Apenas me oculte e esconda um retrato da minha vida”). Se o livro “The Meaning of Mariah Carey” for metade revelador ou comovente, as pessoas farão seu dinheiro valer a pena. – A.U.

56. “I Still Believe / Pure Imagination (Damizza Remix)”

feat. Krayzie Bone & Da Brat

“I STILL BELIEVE” SINGLE, 1998

O cover original de Mariah Carey de “I Still Believe” de Brenda K. Starr foi um tributo fiel à cantora que ajudou Mariah a conseguir sua grande chance, mas o Damizza Remix – que mistura “Believe” com “Pure Imagination” de Willy Wonka & The Chocolate Factory, e adiciona Krayzie Bone e Da Brat à mistura – é inteiramente sua própria mistura sedutora. Quanto menos falado sobre o vídeo, estrelado por Mariah “como uma camponesa em uma aldeia mexicana enquanto ela cuida de suas cabras e coleta água para sua família”, melhor. – A.U.

55. “I Stay in Love”

E=MC2, 2008

Uma pena que essa balada apaixonada não tenha recebido o amor que merecia nas rádios na época de seu lançamento. No papel, a música segue uma fórmula testada e comprovada: Mariah canaliza a mesma emoção triste que ela aproveitou tão habilmente em sucessos nº 1 como “We Belong Together” e “Don’t Forget About Us”, mas ela o diferencia com um desempenho vocal ainda mais dominante desta vez. Enquanto isso, seu clima temperado no estilo Sin City – estrelando Mimi como uma showgirl de coração partido – provou ser um prenúncio das (múltiplas!) Residências de sucesso em Vegas que viriam. – G.R.

54. “Fourth of July”

BUTTERFLY, 1997

A tradição das canções com o nome do Dia da Independência é vasta e, obviamente, uma com particular significado para Mariah após declarar sua própria independência com a gravação de seu álbum Butterfly. Mas a sua “Fourth of July” não é sobre como alcançar autonomia – ao invés disso, é uma memória de um encontro próximo com um amor antigo, uma lembrança impossivelmente vívida com pássaros cantando e estrelas brilhando (provavelmente) ao fundo, enquanto Mimi suspira em uma nostalgia extasiada. – A.U.

53. “Loverboy”

feat. Cameo

GLITTER, 2001

Parecia ser a temporada de caça à Mariah em 2001. Não apenas contentes em se regozijar com o fracasso de bilheteria de Glitter, os haters empurraram a narrativa de que o single principal da trilha sonora também foi um fracasso porque atingiu a…2ª posição na Billboard Hot 100? Em retrospectiva, “Loverboy” é uma fatia deliciosamente pateta (“Framboesas! Morangos! Todas aquelas coisas boas!”) De pop funk picante, com samples de Cameo, que merece mais respeito; não, não chegou ao primeiro lugar, mas ainda assim emergiu como o single mais vendido de 2001. – JOE LYNCH.

52. “Can’t Take That Away (Mariah’s Theme)”

RAINBOW, 1999

O número de canções de Mariah Carey que poderiam ter o subtítulo de “Mariah’s Theme” é bastante longo, mas o hino do Rainbow “Can’t Take That Away” recebe as honras por sua mensagem profunda de perseverança pessoal e profissional. Certamente merece o tratamento de prestígio com sua escolha de colaboradores: a conhecedora de mega-baladas Diane Warren foi co-autora, enquanto os especialistas em R&B liderados pelo piano Jimmy Jam e Terry Lewis co-produziram. – A.U.

51. “Now That I Know”

MUSIC BOX, 1993

Esta faixa profunda do Music Box não mostra que Mariah Carey deveria ter feito um álbum de house music com inflexão gospel dos anos 90, por mais que demonstre que, em 1993, esse objetivo apropriado para àquele ano estava bem dentro do alcance dela. Se você está ansioso algo além das escolhas óbvias, esta é para você. – J. Lynch

50. “Thank God I Found You (Make It Last Remix)”

feat. Nas & Joe

“THANK GOD I FOUND YOU” SINGLE, 2000

“Thank God I Found You” não foi um dos mais memoráveis sucessos da Billboard Hot 100 de Mariah Carey, mas a Mariah da virada do século muitas vezes melhorou os singles com suas edições de segunda passagem. Embora recrutar o ícone de Nova York Nas para se juntar a ela e Joe no remix da música tenha sido um golpe de misericórdia, a maior inspiração dela e do produtor DJ Clue foi experimentar a lenta jam de Keith Sweat do final dos anos 80 “Make It Last Forever” – cuja melodia Mariah já havia citado em “Can’t Let Go” – garantindo que os fãs de longa data ficassem ainda mais gratos por encontrar esta nova versão dessa balada do Rainbow. – A.U.

49. “O.O.C.”

E=MC2, 2008

Mariah inventou sua própria linguagem para “out of control”, que ela disse à Billboard em 2008 que foi inspirada pelo conselho de Jay-Z de “usar algumas de suas frases em sua música”. E o resultado tornou-se um alimento básico delicioso do clube que desliza o ingrediente do caos em seu modus operandi de amor, junto com algumas das línguas do romance (italiano, espanhol e francês) saindo de sua boca no segundo verso. – H.M.

48. “GTFO”

CAUTION, 2018

É difícil imaginar alguém que não seja Mariah Carey cantando o refrão “how ‘bout you get the f–k out” sem perder a calma ou se mandar, mas a rainha do R&B habilmente passeia entre a sensualidade da madrugada e risadas com sua garrafa de Cabernet Sauvignon. – J. Lynch

47. “Love Takes Time”

MARIAH CAREY, 1990

Uma faixa grudenta que mantém uma sensação sombria por toda parte, “Love Takes Time” é uma das baladas mais sonhadoras e atemporais de Mariah do início dos anos 90. Ele explode em um grito desesperado de remorso com os vocais agudos de Carey, atrapalhado no desespero, limitado por teclados cintilantes e um baixo suave. – P.B.

46. “Miss You Most (At Christmasime)”

MERRY CHRISTMAS, 1994

Considerando a adoração inescapável e quase universal por “All I Want For Christmas Is You”, pode ser fácil esquecer que Mariah na verdade co-escreveu duas outras faixas originais para Merry Christmas de 1994. Esta balada abandonada – que é um soco emocional para quem já esteve longe de alguém que ama durante a temporada de festas – foi até lançada como o segundo single oficial do LP, provando que a Rainha das Festividades pode entregar um Natal melancólico com a mesma facilidade com que ela espalha sua marca registrada de alegria natalina. – G.R.

45. “Lead the Way”

GLITTER, 2001

Embora os críticos, fãs e até a própria Mariah tenham mudado seu tom em relação a Glitter nos últimos anos graças à campanha viral #JusticeForGlitter, “Lead the Way” deve ser considerada uma balada de alto nível no cânone da cantora e compositora, mesmo sem o benefício da reinterpretação histórica. À medida que a música aumenta, Mimi muda a sua voz de cabeça até chegar no belt poderoso, antes de desencadear uma exibição de ginástica vocal de classe com um clímax verdadeiramente alucinante. – G.R.

44. “I Know What You Want”

with Busta Rhymes feat. Flipmode Squad

THE REMIXES, 2003

Lançado com pouco alarde em 2002, Charmbracelet foi o raro álbum completo de Carey que falhou em gerar um single de sucesso significativo – mas “I Know What You Want”, a colaboração furtiva e sedutora entre a cantora e o grande rap Busta Rhymes, foi um retorno para a forma comercial no ano seguinte. Alcançando a 3ª posição no Hot 100 e eventualmente chegando à compilação The Remixes de Carey em 2003, a música apresenta performances mais suaves de Carey e as tipicamente ruidosas Rhymes, com grande efeito. – J. Lipshutz

43. “Bliss”

RAINBOW, 1999

É um risco para uma artista que passou uma década alcançando os ápices extáticos que Mariah Carey raspou nos anos 90 para dar a uma música um título literal como “Bliss”, mas esta faixa profunda do Rainbow ganha com esta jam lenta e baixa acentuada pelos gritos arrebatadores de registro de apito de Mimi. É digno de Minnie Riperton, um elogio que a própria Carey certamente não desprezaria. – A.U.

42. “Fly Like a Bird”

THE EMANCIPATION OF MIMI, 2005

Quando Mariah fez seu retorno ao palco do Grammy após uma ausência de oito anos – uma resistência considerada em grande parte inspirada pelo polêmico encerramento de Daydream e seus singles na premiação de 1996 – não foi um dos grandes singles de Mimi que ganhou a maior parte de seu tempo de apresentação, mas a faixa de encerramento “Fly Like a Bird”. Não é difícil perceber porquê: a balada ecoante de Deniece Williams atinge níveis quase gospel de elevação, sentindo-se mais triunfante quanto mais Mariah cava em seu refrão crescente. – A.U.

41. “Through the Rain (Full Intention Radio Edit)”

“THROUGH THE RAIN” SINGLE, 2002

O single principal de Charmbracelet, “Through the Rain”, não conseguiu se conectar com o público pop, parando em 81º lugar na Billboard Hot 100, mas ficou no topo da lista de músicas de Dance Club da Billboard – graças em grande parte à edição arrebatadora da dupla house inglesa Full Intention. Embora a versão original seja incomumente melodicamente indefinível para um single principal de MC, as batidas e os sintetizadores sufocantes dão ao hino da perseverança a força musical e a identidade que ele merece, transformando-o de uma balada aquosa em algo próximo da própria Mariah sobrevivente – A.U.

40. “Can’t Let Go”

EMOTIONS, 1991

A entrega ofegante de Carey faz um bom emparelhamento com a produção transparente e o refrão suave que a envolve na terceira faixa de Emotions, que se tornou seu primeiro single a não alcançar o topo do Hot 100 (embora ainda atingisse o número 2). O vídeo em preto-e-branco que o acompanha mostra Carey lamentando sua perda de amor em um vestido preto justo e diamantes, enquanto imagens de rosas flutuam. Por mais básicos que os visuais possam ser, a mudança tardia de tom e a participação especial do registro de apito de Carey atingiram como um borrifo de vinho branco em um dia quente. – C.W.

39. “You Don’t Know What to Do”

feat. Wale

ME. I AM MARIAH… THE ELUSIVE CHANTEUSE, 2014

A assinatura sonora da era Elusive Chanteuse está inegavelmente imersa no brilho dourado do passado, e Mariah a jogou de volta ao Studio 54 com esta joia do revival disco, que serviu como o terceiro single do álbum. Com uma ajuda competente do colaborador Wale, a estrela se liberta das garras de uma chama que se desvanece sobre cordas brilhantes e uma amostra do hit de clube de Inner Life de 1979 “I’m Caught Up (In a One Night Love Affair)”, canalizando efetivamente o vitalidade de Jocelyn Brown no processo. – G.R.

38. “Your Girl”

THE EMANCIPATION OF MIMI, 2005

Antecipação e saudade são marcas registradas de uma grande música pop, mas às vezes você apenas tem que ir direto ao ponto, como Carey faz com este alegre aviso para um amante – “Eu vou fazer você querer ficar comigo esta noite” – e também com sua voz, que atinge o pico do modo cintilante na quarta linha. – N.F.

37. “It’s Like That”

THE EMANCIPATION OF MIMI, 2005

“It’s Like That” é facilmente uma das mais fortes e retumbantes aberturas de um álbum dos anos 2000. O gancho para começar a festa serve como música tema para o álbum de retorno de Carey e a descoberta de sua liberdade artística. “É uma ocasião especial / A emancipação de Mimi / Um motivo de celebração / Não vou deixar que o drama de ninguém me incomode”, ela proclama no segundo verso, colocando os solavancos dos anos anteriores na estrada para trás. – R.A.

36. “Bye Bye”

E=MC2, 2008

Este hino universal e dilacerante é para os ouvintes que perderam alguém em suas vidas e precisam de consolo. “Bye Bye” dá adeus a eles e, finalmente, ao assunto da música: seu pai Alfred Roy, que morreu de câncer durante o processo de gravação de seu álbum de 2002 Charmbracelet. Ela lamenta que Roy “nunca tenha conseguido me ver de volta ao primeiro lugar” – referindo-se a seu álbum de retorno de 2005, The Emancipation of Mimi, que acabara de sair na Billboard 200. – H.M.

35. “If It’s Over”

MTV UNPLUGGED, 1992

Depois que Carey recusou um pedido da lendária cantora e compositora Carole King para fazer um de “(You Make Me Feel Like) A Natural Woman”, temendo uma comparação com a versão de seu ídolo Aretha Franklin, Carey e King se juntaram e criaram uma nova canção para a potência vocal, “If It’s Over”. “Você não vai falar comigo / Isso está tão fora de controle”, Carey murmura para um amante com atitudes de indiferença, enquanto recua vozes – não muito diferentes daquelas que cantam “da-doop” em “Natural Woman” – e floreios de órgão que deram à faixa um tom sensual. A versão do Emotions é forte, mas a interpretação de Carey em seu EP MTV Unplugged de 1992 é muito melhor. – C.W.

34. “Endless Love”

with Luther Vandross

SONGS, 1994

Tornou-se famosa por Lionel Richie e Diana Ross em 1981, esta canção de amor definitiva se tornou um clássico da próxima geração nas mãos de Luther Vandross e Carey em 1994. Vandross estava gravando seu álbum de covers, Songs, quando convocou a cantora para se juntar a ele. E ao ouvir as harmonias calmantes desses sussurros de amor, é fácil entender o porquê – sua interação vocal hipnotiza enquanto as danças de tenor aveludado e crescente de Vandross intimamente com o angélico contralto de cinco oitavas de Carey. – G.M.

33. “Don’t Forget About Us”

THE EMANCIPATION OF MIMI ULTRA PLATINUM EDITION, 2005

Depois de passar 14 semanas no primeiro lugar com “We Belong Together”, Mariah poderia recapturar a magia do amor perdido mais uma vez com este single bônus da Edição Ultra Platinum? Impressionante, mas sim: “Don’t Forget About Us” foi quase tão devastador em seus apelos para que uma velha paixão não deixasse seu relacionamento desaparecer no retrovisor, e ainda trouxe um colapso quase rap antes de seu refrão clímax, Carey chorando proclamando: “Aposto que ela não pode fazer como eu / Ela nunca será MC.” O single passou apenas duas semanas em 1º lugar, mas o importante foi o feito que ele fez. – A.U.

32. “Caution”

CAUTION, 2018

Mariah se absteve de causar em Caution, em vez de deixar o eufemismo levar o dia, mas as músicas ainda tinham um impacto – ou, pelo menos, a ameaça de um, como na faixa-título suavemente agitada do set. “Prossiga com cuidado, mas não me faça esperar / Em pouco tempo, ele pode simplesmente desaparecer”, ela avisa um amante evasivo e tentador, com um rápido lick de guitarra acenando com a cabeça, adicionando qualquer ênfase extra necessária. – A.U.

31. “Make It Happen”

EMOTIONS, 1991

Com sua batida dançante e toques gospel, este alegre sucesso de 1992 dividiu a diferença entre a noite de sábado e a manhã de domingo. A música funciona como um hino motivacional para ouvintes seculares (“Se você acredita em si mesmo o suficiente / E sabe o que quer / Você vai fazer acontecer”) e uma expressão de fé extraordinariamente direta e não codificada para ouvintes religiosos (“E se você ficar de joelhos à noite / E orar ao Senhor / Ele vai fazer acontecer ”). Carey co-escreveu a música com Robert Clivillés e David Cole, arquitetos do C+C Music Factory, que teve alguns grandes sucessos próprios no ano anterior. – PAUL GREIN

30. “H.A.T.E.U. (So So Def Remix)”

feat. OJ da Juiceman, Big Boi & Gucci Mane

“H.A.T.E.U.” SINGLE, 2009

Verdadeiramente uma E.X.P.L.O.SÃ.O. Alguns anos antes de Ciara e o Running Man Challenge tornarem o clássico de Atlanta dos DJs de Ghost Town de meados dos anos 90, “My Boo”, um fenômeno novamente, Mariah Carey usou seu ritmo funk-freestyle imortal para trazer sua balada Memoirs of an Imperfect Angel “H.A.T.E.U.” para uma nova vida, com um trio de rappers do ATL se juntando à diversão. Nenhuma das versões da música foi um sucesso, infelizmente, mas o So So Def “H.A.T.E.U.” continua sendo uma joia muito apreciada pelos acólitos de Mimi. – A.U.

29. “I’ll Be Lovin’ U Long Time”

E=MC2, 2008

A partir do salto lúdico de suas notas de abertura, este single alegre de E = MC2 anunciou-se como um sério candidato a Canção do Verão em 2008. Muito longe das tímidas aparições de “Touch My Body” e da seriedade angelical de “Bye Bye” a música descontraída encontra Mariah em sua atitude mais desesperadamente devotada, praticamente gritando dos telhados que, desta vez, seu amor veio para ficar. Infelizmente, a canção não causou muito impacto nas paradas – mesmo com um remix oficial com T.I., ele só alcançou a posição 58 no Hot 100 – mas seu apelo vertiginoso e efervescente é eterno. – G.R.

28. “Up Out My Face (Remix)”

feat. Nicki Minaj

NON-ALBUM SINGLE, 2009

Mesmo que esta versão de “Up Out My Face” fosse originalmente para ser incluída no álbum de remixes Angels Advocate que nunca se materializou, o hino alegre com Mariah e sua futura co-estrela / amiga do American Idol decolaram com seu próprio par de asas. O hit assistido por Nicki Minaj oferece um golpe duplo que içou a música para a Billboard Hot 100, como o gesto desdenhoso de ambas as estrelas no videoclipe enfeitado. – H.M.

27. “Underneath the Stars”

DAYDREAM, 1995

Mariah costuma citar essa canção de amor sonhadora como uma de suas favoritas, e o single final de Daydream de 1995 também tem um lugar especial no coração dos fãs – em grande parte devido à história por trás de seu lendário videoclipe. A cantora revelou nas redes sociais em 2012 que filmou o clipe na Inglaterra e na França, mas nunca foi lançado. Então, no início deste verão, Mariah finalmente compartilhou um breve trecho do clipe como parte do lançamento de sua celebração # MC30 em andamento. Nos últimos 24 anos, Lambs se contentaram com a transcendente performance ao vivo do show de Mariah no Tokyo Dome de 1996 em seu lugar, mas será que o vídeo há muito perdido finalmente está prestes a ver a luz do dia? – G.R.

26. “Petals”

RAINBOW, 1999

Mesmo entre as canções mais pessoais do catálogo de Mariah, “Petals” é a única que mostra quão profunda é a faixa, com letras reveladoras não apenas sobre o desmoronamento de seu casamento com Tommy Mottola (e sua culpa por ter deixado os filhos de Mottola de um relacionamento anterior), mas sobre seu afastamento de longa data da irmã Allison. Chegando ao final de seu efervescente álbum Rainbow, a brutal balada de piano acerta um golpe pesado, mas compreensivelmente mostra como a resposta nem sempre pode ser amostras dos anos 80 e pop-funk alegre quando os destruidores de corações obtêm o melhor de MC. – A.U.

25. “My All (David Morales Def Club Remix)”

“MY ALL” SINGLE, 1998

Embora a “diva da discoteca” nunca tenha sido a personagem principal que os fãs do pop associariam a Mariah Carey dos anos 90, seus remixes de singles mostravam uma trajetória de carreira paralela em que ela era nada menos que Donna Summer da década – com David Morales interpretando seu Giorgio Moroder. Uma de suas melhores equipes estava na edição da pista de dança do single “My All” do Butterfly, aumentando a intensidade da música ao empilhar os pratos pulsantes da bateria e órgãos sincopados embaixo dela, e pontuando sua luxúria de última chamada com cada grito de apoio “JUST ONE MORE NIGHT!” – A.U.

24. “I’ll Be There”

feat. Trey Lorenz

MTV UNPLUGGED, 1992

Mariah Carey é a rainha das colaborações, atuando ao longo dos anos com outros artistas em mais de 30 singles. Portanto, vale a pena lembrar que seu primeiro dueto de sucesso foi este cover de Jackson 5 de 1992 apresentando um então pouco conhecido Trey Lorenz “de uma família antiquada que cantava na igreja”, seu diretor de A&R, Lee Dannay, disse na época. Lançada em um EP de sete faixas com a performance acústica “MTV Unplugged” de Carey, o cover vibrante foi um hit número 1 na Billboard Hot 100 e na parada Adult Contemporary, e ajudou a estabelecer a confiança de Carey como artista ao vivo. – THOM DUFFY

23. “Someday”

MARIAH CAREY, 1990

Em seu álbum de estreia homônimo de 1990, Mariah capturou a glória do romance em “Vision of Love”, o arrependimento de machucar seu namorado em “Love Takes Time” e a indignação latente de ser descartada em “Someday”. Favorecendo a autoconfiança ao invés do mau humor, a última música é um borbulhante aviso de cinco oitavas de que “aquela que você dispensou será a única que você deseja”. Palavras precisas, de fato, enquanto a faixa entregava a Mariah seu terceiro hit #1 consecutivo no Hot 100, provou que ela era tão proficiente em dance-pop cintilante e otimista quanto nas baladas, e demonstrou por que ela era uma das mais importantes estrelas pop emergentes. – KATIE BAIN

22. “It’s a Wrap (Remix)”

feat. Mary J. Blige

ME. I AM MARIAH… THE ELUSIVE CHANTEUSE DELUXE EDITION, 2014

Carey originalmente nomeou “It’s a Wrap” em seu relacionamento tóxico em 2009, mas chamou a lenda do R&B Mary J. Blige para ajudar a espantar o garoto no poderoso remix de 2014 da música. Além da incrível combinação de dois ícones musicais em uma música e o talento vocal absoluto, talvez a melhor parte de “It’s a Wrap” seja Blige dizendo para sua parceira para não se agarrar a um homem que ficou maluco: “Você é melhor do que isso – você é Mariah Carey, lembra? “- RA

21. “A No No”

CAUTION, 2018

Caution era principalmente sobre grooves contidos e vibrações hipnóticas, mas vamos lá, você sabe que Mariah não se esqueceu de como fazer grandes singles baseados em clássicos pop de décadas passadas, certo? “A No No” foi o principal exemplo do álbum desta última área de especialização, e uma de suas canções mais divertidas em tempos. Baseado no bad boy banger de Lil Kim e Lil Cease “Crush on You”, com letras referenciando tudo, desde Gilligan’s Island ao advogado da indústria da música Ed Shapiro, é mais que um soco no estômago para um cara que deveria saber muito bem agora, depois de três décadas. – A.U.

20. “Hero”

MUSIC BOX, 1993

Há uma razão pela qual “Hero” continua sendo uma das melhores músicas de Mariah em serviços de streaming depois de mais de 25 anos. A balada profundamente pessoal é atemporal com seu apelo para que as pessoas encontrem forças dentro de si mesmas para continuar passando pelos momentos mais difíceis. Por quase três décadas, Carey entoou a música versátil e inspiradora para marcar ocasiões importantes, incluindo as consequências dos ataques terroristas de 11 de setembro e no baile inaugural do presidente Barack Obama em 2009. – TAYLOR MIMS

19. “Obsessed”

MEMOIRS OF AN IMPERFECT ANGEL, 2009

A dissimulação de Mimi sobre Eminem, que estava alfinetando ela e o ex-marido Nick Cannon na época, é o auge dos hinos de paixão das estrelas pop – e, naturalmente, os Lambs eram obcecados (e ainda estão, considerando a tendência do TikTok). A chamada do The-Dream: “Será que a verdadeiro MC, por favor, venha ao microfone?” interpola a famosa frase de Slim Shady enquanto prova a competência musical de Mariah com suas iniciais muito adequadas. E quem poderia esquecer quando ela se vestiu para interpretar seu próprio perseguidor no videoclipe? – H.M.

18. “Breakdown”

feat. Bone Thugs n Harmony

BUTTERFLY, 1997

Carey flertava com o hip-hop há anos, mas ela abraçou totalmente o gênero em Butterfly, de 1997, com estrelas convidadas do rap e batidas maiores para mostrar que a garota da porta ao lado teria competência pra isso. Uma dessas músicas era a sensual “Breakdown”, um riff sônico do popular “Tha Crossroads” de Bone Thugs-n-Harmony. Krayzie Bone e Wishbone contribuíram com versos, e Carey trocou seus vocais geralmente explosivos por uma mistura de improviso e canto enquanto trabalhava nas letras sobre como manter uma cara corajosa no meio de um relacionamento em ruínas. Mas essa ainda era uma música de Carey, então, no final, sua performance mais contida deu lugar a uma improvisação vocal explosiva que revelou o calor emocional por trás de seu exterior frio. – C.W

17. “Migrate”

feat. T-Pain

E=MC2, 2008

Você já se perguntou qual seria a opinião de Mariah Carey sobre o Blackout de Britney Spears? A faixa de abertura de seu LP de 2008 oferece um vislumbre, com uma batida desorientadora e iluminada por estroboscópio de Danja e uma assistência autoajustada de T-Pain – embora você não confunda essa música com a de qualquer outra diva, graças à abertura de seu registro de apito. – N.F.

16. “Anytime You Need a Friend (C&C Club Version)”

“ANYTIME YOU NEED A FRIEND” SINGLE, 1994

Junto com David Morales, os produtores de dança com os quais Mariah Carey teve a conexão mais profunda foram David Cole e Robert Clivillés, o “C&C” que ajudou a aumentar o BPM no LP de Mariah, Emotions. Depois de também co-dirigir algumas faixas do álbum Music Box, eles deram uma segunda volta neste single do set, trazendo seu peso gospel-pop para o clube em um estilo épico de mais de dez minutos, reproduzindo a regravação de Mariah no refrão até que se eleve muito acima da pista de dança. O remix ganhou um novo significado com a morte de Cole em 1995 – o que também ajudou a inspirar um dos maiores sucessos de MC em seu próximo álbum. – A.U.

15. “Shake It Off”

THE EMANCIPATION OF MIMI, 2005

Carey começa a dar a letra com este aceno sincopado e alegre para o empoderamento feminino. Sua abordagem sensual e sem lágrimas para chutar um homem traidor é um dos destaques de seu álbum que definiu sua carreira. Repleta de pitadas de pop e hip-hop, a faixa de R&B atinge o solo correndo enquanto o co-escritor / co-produtor Jermaine Dupri clama “Everybody just bounce, bounce”. Em seguida, Mariah intervém para dividir para as mulheres (e senhores) com letras marcantes, mas divertidas, que também trouxeram um popular anúncio de TV de 1978 de volta ao zeitgeist. “I gotta shake, shake it off / Just like the Calgon commercial / I really gotta get up outta here / And go somewhere,” sussurra Mimi. É Carey consumado – até os floreios de notas altas no final. – G.M.

14. “The Roof (Back in Time) (Mobb Deep Extended Version)”

“THE ROOF” SINGLE, 1998

“The Roof” já era um dos sincgles mais atraentes, misteriosos e fascinantes de Mariah, mesmo antes de ela revelar suas origens em um momento escandaloso com um Hall da Fama do beisebol. Reaproveitando a batida do hip-hop da Costa Leste do Mobb Deep, “Shook Ones Parte II”, a música é um flashback de um chuvoso namorico de uma noite no telhado que parece nebuloso, ansioso e corado, como todos os melhores encontros íntimos de curta duração. E, claro, Mariah convidou Prodigy e Havoc para aparecer no remix da música, oficialmente deixando os ouvintes presos à realidade. Mariah, Mobb Deep e Derek Jeter: Quanto mais da Nova York dos anos 90 você consegue? – A.U.

13. “Vision of Love”

MARIAH CAREY, 1990

Fale sobre como causar uma forte primeira impressão: o elegante single de estreia de Carey alcançou o primeiro lugar na Billboard Hot 100 em agosto de 1990 e mais tarde ganhou um Grammy de melhor performance vocal pop feminina. (Também foi indicado para o álbum e música do ano.) Rhett Lawrence e Narada Michael Walden produziram o single elegante, que deu a Carey espaço suficiente para mostrar seu notável alcance vocal (sem, você sabe, exagerar). No espaço de três minutos e 22 segundos, Carey anunciou que havia uma nova candidata às honras de vocalista feminina, não apenas do ano, mas de todos os tempos. – P.G.

12. “Heartbreaker”

feat. Jay-Z

RAINBOW, 1999

Um ano depois que seu divórcio de Tommy Mottola foi finalizado, uma Mariah oficialmente liberada se inclinou ainda mais em todo o espectro de sua identidade musical via Rainbow. Seu sétimo álbum de estúdio, Rainbow continuou o crescente abraço de Mariah pelo hip-hop e R&B, abrindo com uma efervescente ode de Stacy Lattisaw ao tipo de homem que faz de você uma louca, no bom sentido, com o bad boy titular interpretado por ninguém menos que Jay Z. Enquanto “Heartbreaker” evocava sucessos anteriores como “Honey” e “Fantasy”, o rap cinco estrelas de Jay e o refrão irresistível de cantarolar levaram a música a um novo nível e ajudou Carey a pontuar seu 14º #1 no Hot 100. – KB

11. “Touch My Body”

E=MC2, 2008

Não deveria ser nenhuma surpresa que a mulher que mergulhou em uma banheira de hidromassagem com um Jack Russell Terrier no MTV Cribs tenha lançado uma música lasciva chamada “Touch My Body” quase 20 anos em sua carreira. Conforme a música popular se afastou do R&B sedoso dos anos 1990, o mesmo aconteceu com Carey – que entregou a joia pop atrevida sobre fantasias sexuais e gravações explícitas como o single principal de seu décimo primeiro álbum de estúdio E = MC². A charmosa “Touch My Body” se tornou o 18º single número um de Carey na Billboard Hot 100, e seu último como líder das paradas por mais de uma década. – T.M.

10. “#Beautiful”

feat. Miguel

ME. I AM MARIAH… THE ELUSIVE CHANTEUSE, 2013

O videoclipe de “#Beautiful” mostra Carey na garupa de uma motocicleta sendo dirigida por Miguel, vestido com uma jaqueta de couro, correndo por estradas de terra em câmera lenta. O visual essencialmente traz as duas primeiras linhas da música à vida, mas também se encaixa perfeitamente no clima de “#Beautful”: sensual, iluminado pelo sol, clássico em sua antiga vibração de Hollywood, despreocupado diante de um pequeno perigo. Miguel, que estava saindo do sucesso de “Adorn”, soa sem esforço como um parceiro de dueto para Carey, que interrompe a brisa com uma paixão deliciosa: “Don’t stop ’till you thrill me, oh, how you thrill me!” Um Top 20, “#Beautiful” é um item essencial dos anos 2010 para Carey – e não, você ainda não consegue esquecer a hashtag ao falar sobre isso. – JASON LIPSHUTZ

9. “Honey”

BUTTERFLY, 1997

A maioria das divas que fizeram aberturas de rap em meados dos anos 90 pareciam diletantes, mas quando Mariah fez par com Puffy para o single principal com sabor de hip-hop Butterfly em 1997, ficou claro que o gênero estava em seu DNA o tempo todo. Dos sussurros confiantes aos adlibs sem esforço – ao vídeo cinematográfico apresentando MC como uma agente secreta do tipo Bond – “Honey” deixou óbvio que Mariah estava aderindo ao gênero desde o início, conseguindo emplacar o hit na 1ª posição por três semanas. – J. Lynch.

8. “Dreamlover”

MUSIC BOX, 1993

Como o título sugere, “Dreamlover” é um dos singles mais etéreos do catálogo de Carey. Elevadas harmonias tecidas com os tons de apito característicos da cantora preenchem todos os requisitos para um clássico de MC, completo com letras desesperadamente românticas que pintam o quadro para a fantasia apaixonada final. A batida forte desse #1 do Hot 100 de 1993 e o sample de Emotions, combinados com os vocais sem esforço de Carey, adicionam uma camada de nostalgia que apropriadamente gera um sonho acordado para um tempo mais simples de vir e nos levar embora. – R.A

7. “Vanishing”

MARIAH CAREY, 1990

Em retrospecto, é difícil acreditar que “Vanishing” nunca foi lançado como um single do álbum de estreia autointitulado de Mariah. “Vision of Love” teve a primeira impressão, “Love Takes Time” causou dor no coração. “Someday” teve a atitude e “I Don’t Wanna Cry” teve o sentimentalismo – mas “Vanishing” teve os vocais, dahhlings. Talvez mais do que qualquer outra música de sua estreia, a música íntima coloca em plena exibição as proezas vocais da recém-chegada com 20 anos de idade. A melodia oscilante da faixa tem todos os ingredientes da balada clássica de Mariah, dando à ela amplo espaço para mostrar seu melisma característico do registro baixo ao tom de assobio, enquanto as letras sugerem a tendência para jogos de palavras sofisticados que viriam a definir suas composições nas décadas seguintes. Há poder e promessa na produção da música também, pois marca o primeiro estúdio de gravação da lenda já produzida inteiramente por conta própria – demonstrando que a busca de Mariah por total controle criativo sobre sua música, seu ofício e sua voz estava firmemente cimentada na rocha de sua arte desde o início. – G.R

6. “One Sweet Day”

w/ Boyz II Men

DAYDREAM, 1995

Embora a conquista tenha sido poderosa, o fato de ter chegado ao topo do Hot 100 por um recorde de 16 semanas (desde então empatado por “Despacito” e superado por “Old Town Road”, é claro) tem o perigo de reduzir “One Sweet” Day”apenas para responder a uma pergunta trivial. Na verdade, é simplesmente um dos maiores singles dos anos 90: uma vitrine vocal de eventos para dois dos artistas vocais mais proeminentes da década, mas cuja ostentação nunca ofusca sua emoção genuína – inspirado por perdas reais em ambos os lados, e de maneira dolorosa evidente em cada corrida, harmonia e nota alta. O refrão arrebatador vem como uma forte pancada, mas o verdadeiro estremecimento vem com a frase, “Desculpe, eu nunca disse a você / Tudo o que eu queria dizer” – um resumo tão simples da devastação da perda inesperada quanto você pode imaginar. – A.U

5. “All I Want For Christmas Is You”

MERRY CHRISTMAS, 1994

Não é época de Natal até que Mariah Carey diga que sim. Mesmo que a música tenha sido escrita e lançada originalmente em 1994, a para sempre perfeita “All I Want for Christmas Is You” dificilmente é uma relíquia de férias passadas. Pelo contrário, em 2019 ela liderou a Billboard Hot 100 pela primeira vez, provando-se como um clássico festivo moderno que parece fresco – mas aconchegante, jubiloso e familiar – a cada ano. Desde aquela abertura vocal engolfada por cordas e sinos, a rainha do Natal e seu hino nos preparam para enfeitar os salões e assar algumas castanhas. – R.A.

4. “Fantasy (Bad Boy Remix)”

feat. Puff Daddy & Ol’ Dirty Bastard

“FANTASY” SINGLE, 1995

Originalmente, “Fantasy” era uma joia cintilante de Pop & B, impulsionada por uma amostra elástica e um punhado de interpolações líricas de “Genius of Love” do Tom Tom Club. Fez história em 1995, quando estreou em primeiro lugar no Hot 100 (a primeira para uma artista feminina), mas foi sua primeira colaboração de rapper, com Ol ‘Dirty Bastard de Wu-Tang Clan, no Bad Boy remix que tornou a música lendária e criou o modelo para as uniões musicais entre pop stars e rappers nos próximos anos.

Puff Daddy veio a bordo para o famoso retrabalho com o escritor / produtor Dave Hall, que isolou o vocal de abertura espetacular de Carey, elevou e ajustou o sample para pegar mais bateria, retirou as cordas e sinos para torná-lo menos pop e mais hip-hop , e diminuindo sutilmente. The Bad Boy Mix também trouxe versos clássicos de ODB, incluindo “Me and Mariah go back like babies with pacifiers”, e viu o próprio Puffy responder à pergunta original de “Genius of Love” “Whatcha gonna do when you get outta jail?” com “I’m gonna do a remix”. Onze faixas no total apareceram no Fantasy EP, lançado em 2020 como parte do # MC30, mas a melhor ainda foi a edição Bad Boy original – que levou a música à outro patamar e mudou o curso da música pop no processo. – C.W.

3. “Emotions”

EMOTIONS, 1991

Após o enorme sucesso de seu álbum de estreia autointitulado, que gerou quatro sucessos No. 1 e ficou no topo da Billboard 200 por 11 semanas, não seria uma tarefa fácil para Carey. Pouco mais de um ano após o sucesso de sua estreia, no entanto, Mariah lançou o single titular de seu segundo álbum, Emotions, que habilmente apresentou o extenso alcance vocal da cantora – e expandiu seu alcance musical também. O hit de inspiração disco tira o máximo proveito do registro de apito de Carey para oferecer uma de suas performances vocais mais inesquecíveis e extraordinárias, particularmente na nota alta climática da música, um dos picos mais memoráveis da música pop moderna. A batida acelerada e a altura de estilhaçar vidro da voz de Carey subiram imediatamente para o primeiro lugar no Hot 100 e, quando tocadas no volume máximo nos Walkmans da Sony, causaram alguma perda permanente de audição para os fãs pop em 1991. – T.M.

2. “We Belong Together”

THE EMANCIPATION OF MIMI, 2005

Emancipando Mimi de meia década de marasmo no rádio, “We Belong Together” não apenas trouxe Mariah de volta ao topo da Billboard Hot 100 (pela décima sexta vez) em 2005 – ela se tornou a maior música dos anos 2000. Enquanto outras divas perseguiam tendências instantâneas para um retorno, Carey o fez em seus próprios termos, co-escrevendo um lamento de amante clássico instantâneo (e exclusivamente MC) que é silenciosamente tempestuoso e difícil de abalar como uma chamada de um ex às três da madrugada que você ainda não superou. Ao contrário daquelas odisséias emocionais de fim de noite, no entanto, são sucintos 3 minutos e 21 segundos – mas ainda parece uma vida de amor, perda e questionamentos. – J. Lynch

1. “Always Be My Baby”

DAYDREAM, 1995

A maioria dos rompimentos é uma droga. O momento em que você percebe que um romance definhou – que alguém que uma vez o excitou além de qualquer comparação será extraído de sua vida e pensamentos para sempre – é pesado. Parte da razão pela qual “Always Be My Baby” é um milagre é porque contém um senso de perspectiva. Mariah Carey canta de um lugar de reconhecimento, entendendo que o que um dia “parecia eterno” está prestes a acabar, e ela não pode parar. Ela ainda espera que ele volte correndo em “questão de tempo” – mas mesmo que ele não volte, ela vai prosperar. Em vez de se demorar no presente doloroso, Carey se afasta e declara que o amor que uma vez inegavelmente sentiram permanecerá em sua história compartilhada, um futuro não escrito que se danificou. Quão saudável é isso?

O poder de “Always Be My Baby” se apodera de você e se instala em seu coração como um fato. Também pegou Carey: foi o terceiro single americano do Daydream de 1995, menos chamativo do que canções como a conquistadora do rádio “Fantasy” e o recordista Hot 100 “One Sweet Day” com Boyz II Men. Mas como baladas pop midtempo vão, “Always Be My Baby” é praticamente incomparável, usando seu “Do-do-do! DUM ”é um prenúncio da facilidade com que o resto da música se desenrola. Amarrar tudo junto é a suprema confiança de Carey, sua voz relaxada e convidativa, vendendo o conceito de que seu coração permanece cheio em face de uma circunstância decepcionante.

O resultado é um hit nº 1 que cristaliza o gênio pop de Carey e se marca em milhões, encontrando beleza em um momento de desespero e preservando essa bênção para as gerações futuras. “Você sempre será uma parte de mim”, começa aquele refrão indelével. Não é difícil entender por que tantos pensam da mesma forma em relação a essa música. – J. Lipshutz.

Deixe sua opinião

Este artigo não possui comentários
Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.