Mariah Now é a sua maior fonte brasileira sobre a Mariah Carey. O site é totalmente dedicado para os fãs da Mariah. Acompanhe notícias, vídeos, entrevistas, participe de promoções e eventos. Todo conteúdo divulgado no site é criado ou editado por membros da equipe, qualquer conteúdo retirado daqui, mantenha seus devidos créditos. Somos apoiados pela Universal Music Brasil e pela Sony Music Brasil.

De sua infância negligenciada e marido controlador, a um colapso e um período na reabilitação, a cantora relata uma vida de trauma, força e sobrevivência.

Se você está atrás de uma fofoca leve, então o  livro The Meaning Of Mariah Carey não é para você. O livro de memórias é dominado pelo trauma – algo que decorre de uma vida familiar disfuncional, relacionamentos pessoais conturbados, várias disputas com a indústria da música ou, em mais de uma ocasião, cada uma dessas coisas ao mesmo tempo.

Este livro cativante e catártico, escrito com Michaela Angela Davis, explora tudo. Carey lembra sua infância como uma época “cheia de abandono”, mas a pinta como uma coisa de multidões. Ela explora a “dualidade total” de sua mãe, uma cantora de ópera treinada em Juilliard com quem uma jovem Mariah adorava cantar, mas que desenvolveu um forte inveja dos talentos de sua filha. Ela se lembra com alegria do cheiro do linguine de marisco branco de seu pai, mas sofre com sua falta de apoio para uma carreira na música. Ela recua com a raiva eruptiva de seu irmão e se sente traída por uma irmã mais velha que a drogou com Valium aos 12 anos e depois tentou vendê-la para um cafetão.

Mas, em vez de parecer acusatória, essas falhas são elegantemente desembaraçadas. Com muita paciência, ela explica como o racismo pernicioso – seu falecido pai era negro, sua mãe é branca – afetou as fibras da família até que tudo se desfez. Suas próprias experiências de ódio como uma criança mestiça são às vezes sutis, mas freqüentemente horríveis. Uma memória de ser emboscado por “amigas”, que a trancaram em um quarto e então gritaram insultos raciais vis para ela, é assustadora.

Esses preconceitos são algo que perdurou até a idade adulta. Ela revira os olhos para a palavra “urbano” (leia-se: música feita por negros) e dispensa executivos de gravadoras que não tinham certeza se sua mistura de R&B, gospel e hip-hop poderia “cruzar” para o mainstream. Embora, como declara Carey, ela não se preocupasse com isso: “Eu queria transcender”.

Essa crença e resiliência percorrem todo o livro – especialmente durante sua longa releitura de seu relacionamento de pesadelo com o poderoso ex-chefe da Sony, Tommy Mottola. A opulenta mansão que construíram juntos era uma “prisão”, diz ela, patrulhada por seguranças e vigiada por aparelhos de escuta e câmeras. Em meados de 1993, Carey lançou dois álbuns e vendeu milhões de discos. Ainda assim, ela explica, foi apenas quando ela viajou para fazer uma apresentação na TV e viu legiões de devotos nas ruas, esperando por sua chegada, que ela percebeu o quão popular ela era. Até este ponto, graças à proteção de Mottola, ela não tinha compreensão de sua fama. É difícil de ler.

E depois há a história do que, em 2001, foi amplamente relatado como um “colapso” – ou, como ela esclarece, quando estava em seu “breakdown“. Sob imensa pressão de sua gravadora, exacerbada por sua mãe e irmão, ela acabou em um “spa”, ou melhor, uma clínica de reabilitação. A parte em que ela se lembra de ter recebido fortes doses de sedativos enquanto assistia ao 11 de setembro na TV é surreal.

Toda essa escuridão torna os momentos mais leves particularmente agradáveis. Um flerte pós-Mottola se desenrola como uma comédia romântica cor de rosa e, embora ela passe por cima de muitos detalhes da carreira, não temos dúvidas de quão forte é sua alegria de cantar (ela se delicia com as memórias de cantar ao lado de Aretha Franklin e outros grandes). Ela zomba de sua própria caricatura pública, também, regularmente sufixando frases com “dahling” e revelando sua “extravagância” confessa. Seu astuto aceno para o meme “Eu não a conheço” em uma passagem sobre Jennifer Lopez é delicioso.

Você tem a sensação de que este livro foi um ato de terapia arraigada para Carey e termina com uma nota de paz e aceitação. Depois de tudo o que ela passou, ela certamente merece.

Fonte: Evening Standard

Deixe sua opinião

Este artigo não possui comentários
Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.