Mariah Now é a sua maior fonte brasileira sobre a Mariah Carey. O site é totalmente dedicado para os fãs da Mariah. Acompanhe notícias, vídeos, entrevistas, participe de promoções e eventos. Todo conteúdo divulgado no site é criado ou editado por membros da equipe, qualquer conteúdo retirado daqui, mantenha seus devidos créditos. Somos apoiados pela Universal Music Brasil e pela Sony Music Brasil.

Butterfly

O clássico álbum Butterfly está comemorando 20 anos de lançamento em 2017, e para celebrar, Mariah resolveu relança-lo em formato de disco com cópias limitadas. No encarte, Mimi escreveu uma carta relatando como foi o conceito de criação da canção-título dessa preciosidade responsável  por dar outra direção à brilhante carreira que ela já vinha trilhando ao longo da década de 90. Butterfly é o primeiro álbum após o difícil e conturbado divórcio de Tommy Mottola, e rendeu à Mariah dois singles em 1º lugar, “Honey” e “My All” – respectivamente o 12º e 13º de sua carreira, que atualmente conta com 18 canções no topo da Billboard Hot 100.

Confira abaixo as palavras de Mariah sobre essa obra-prima:

O álbum Butterfly representa um momento crucial na minha vida – tanto pessoal como profissionalmente. Sempre vou apreciar as lembranças da criação deste álbum: escrever as músicas em todo o mundo, entrar no estúdio e colaborar com alguns dos meus produtores e artistas favoritos para trazer esse projeto à vida. Cada música tem um significado profundamente importante para mim – algumas por causa das experiências que me levaram a escrever e outras por causa da liberdade de finalmente explorar novas direções musicais e aumentar meu alcance como artista e compositora.

Há momentos especiais que ocorrem na vida de alguém que nunca esquecemos e criar o Butterfly é um deles para mim. Lembro-me de escrever a canção “Butterfly” na minha cabeça enquanto eu estava no andar de cima da casa onde morava no estado de Nova York. A casa era linda, mas a situação era extremamente sufocante. Quando finalmente tive a coragem de sair da casa e da minha vida anterior para sempre, desci as escadas e notei uma bela borboleta esculpida na lareira, que nunca tinha visto antes. A partir desse momento, à medida que a música e o álbum tomaram forma, a borboleta tornou-se simbólica para mim – e eu nunca tinha gostado de borboletas antes! Anos depois, aquela casa pegou fogo. Uma das únicas peças que sobreviveu ao incêndio foi a lareira com a borboleta, que voltou para mim. É uma das minhas coisas preciosas em que encontro inspiração.

Sou grata por poder celebrar este álbum tanto tempo depois de sua versão original. Ao longo dos anos, recebi cartas e ouvi os fãs sobre o quanto esse álbum significa para eles. Ainda é um dos meus favoritos e espero que vocês gostem de revisitar esta coleção especial tanto quanto eu.

Abra suas asas e prepare-se para voar, pois você se tornou uma BORBOLETA.

Com amor,
                       Mariah.

O canal VH1 fez uma homenagem à Mariah Carey por seu legado nas colaborações que fez ao longo de sua cerreira com artistas do hip-hop no evento Hip Hop Honors deste ano, que foi ao ar na segunda-feira passada, e o momento não poderia ser mais apropriado.

Vinte anos atrás, Mariah lançou Butterfly. O álbum marcou um momento fundamental na carreira dela, e não foi apenas por ter sido logo após o seu divórcio amplamente noticiado com Tommy Mottola. O título era simbólico – Mariah estava assumindo sua personalidade. Suas roupas se tornaram mais sensuais. Ela ficou mais divertida com seus fãs e mais franca nas entrevistas. Mas, o mais importante, o álbum relevou Mariah, até então totalmente encarada como uma cantora Pop, como uma verdadeira colaboradora de hip-hop.

Butterfly mostrou Mariah trabalhando com grandes nomes do hip-hop como Puff Daddy, Q-Tip, Stevie J e Missy Elliott. Ela flertou com esse gênero no seu álbum anterior, Daydream, que contou com diversas participações de Jermaine Dupri e Babyface. Mariah também teve o famoso remix com o membro da Wu Tang Clan, Ol’ Dirty Bastard, para o single “Fantasy”.

Com participações de grandes nomes do Hip-Hop, Butterfly provou que Mariah estava mais do que confortável nesse cenário. A colaboração com rappers era um terreno relativamente novo para estrelas do pop. Butterfly – e as parcerias seguintes que Carey viria a ter com rappers como Jay-Z, Nas, Cam’ron e Snoop Dogg – ajudaram a pavimentar o caminho para que outros artistas pop cantassem junto com os rappers de suas épocas.

O álbum estreou em #1 na Billboard 200, com “Honey”, o primeiro single do álbum, se tornando o 12º #1 da carreira de Mariah no Hot 100. “My All”, que também trouxe um remix, passou uma semana no topo das paradas.

Apesar de reviews favoráveis de modo geral, algumas críticas estavam bem céticas com o suposto novo estilo musical da cantora.

De toda forma, Mariah estava preparada para as críticas. “Fazer ‘Fantasy’ com o ODB em 1995 não foi exatamente uma jogada pop. Eu era fã do Wu Tang Clan, e era fã dele”.

Se as críticas – ou os fãs – encararam com descrença a afinidade de Mariah pelo hip-hop, eles certamente não estavam prestando atenção em sua discografia ou em sua origem (uma mulher multirracial que cresceu em Nova York, o berço do hip-hop).

“Eu fiz algumas músicas nesse mesmo estilo no passado das quais eu gostei muito, mas que não foram lançadas como single, então as pessoas agora ficaram pensando: ‘ah, ela está só se aproveitando dessa moda do hip-hop'”, Mariah disse à Trace Magazine em 1998. “Acho isso ridículo”.

As pessoas também ignoraram o fato de que trabalhar com Mariah era uma conquista incrível para os rappers com os quais ela colaborou.

“Eu era praticamente uma criança – estava simplesmente encantado pela Mariah”, disse Jadakiss numa entrevista à Billboard sobre sua participação no remix de “Honey”.

“Quando eu ouvi a música em que iríamos trabalhar, eu fiquei muito empolgado. Para um rapper, conseguir trabalhar numa música com Mariah Carey, e ainda ser uma música com uma batida que você gosta, isso só pode resultar em algo bom. Facilita o seu trabalho”.

Este ano, a cerimônia do Hip Hop Honors focou em artistas que contribuíram significativamente para a cultura hip-hop na década de 90, e Mariah – que continuou compondo, produzindo e se apresentando ao lado de rappers e outros respeitados produtores de hip-hop – certamente preenche o requisito. É muito prazeroso vê-la sendo reconhecida por um importante, porém muitas vezes subestimado, aspecto do seu legado.

Ela é Mariah Carey…dona de nomes de álbuns estranhamente maravilhosos.

Você nunca deve confiar plenamente em alguém que esteja tentando vender algo, mas olhando para o que a imprensa dizia sobre o álbum de 1997 de Mariah Carey, Butterfly, que completou 20 anos no sábado, sua honestidade é surpreendente. “Este momento, e este álbum é sobre mim, colocando mais realidade em termos de mim mesma na música e nos vídeos e podendo me expandir criativamente e experimentar”, é como ela resumiu sua nova atitude em um episódio de 1997 do Weekend Special do VH1 . “Autenticidade” é um ângulo que muita estrela do pop tentou usar como se fosse uma roupa qualquer – Lady Gaga é realmente mais uma cantora e compositora tradicionalista, vulgo seu novo trabalho, Joanne, Katy Perry está agora voltada na sua nova fase com Witness. A autenticidade é, obviamente, um conceito duvidoso para invocar em um meio que é necessariamente embalado e comercializado, como é a música pop. Não temos nenhuma maneira conclusiva de verificar a habilidade de Mariah de externalizar sua vida interna, mas nos últimos 20 anos ela apresentou consistentemente muitos dos temas que o álbum Butterfly apresentou à sua carreira. Se isso é algo ruim, é um momento surpreendentemente longo. Em termos do legado de Mariah, existem dois períodos principais: antes de Butterfly e depois.

Butterfly foi quando Mariah começou a incorporar as batidas pra valer – a crescente influência do hip-hop em seu trabalho nunca foi tão pronunciada quanto em Butterfly, graças a colaborações de Sean “Puffy” Combs e Q-Tip no primeiro single, “Honey”, e um sample de Mobb Deep em “The Roof”. O R&B foi cada vez mais infundido com o hip-hop desde o início dos anos 90 (com o lançamento de Mary J. Blige em 1992, What’s The 411?, cimentando a fusão de gêneros), mas em 1997 pareceu uma jogada ousada para uma estrela pop do calibre de Mariah ir tão longe como ela fez.

Antes de “Breakdown”, uma das melhores músicas que já criou, nunca ouvi um cantor fluir como Mariah quando simula o estilo vocal destacado de Bone Thugs-N-Harmony, cujo Krayzie Bone e Wish Bone participam da faixa. Não apenas cantando sobre uma batida de hip-hop, na forma como a maioria das pessoas fundia o hip-hop e o R&B naquela época, Mariah entregou uma versão mais melódica da entrega da canção de músicas de Bone Thugs, às vezes em tempo duplo, dando à faixa um groove diferente que logo ouviríamos repetida em faixas como “Say My Name” do Destiny’s Child. Hoje em dia, há muitas misturas de gêneros que às vezes é impossível rotular um artista como meramente “cantor” ou “rapper”, seria tolo subestimar a presciência de “Breakdown”.

Embora ela estivesse mexendo com samples desde “Dreamlover”, de 1993, e já havia trabalhado com Jermaine Dupri, bem como Combs (no remix de “Fantasy”), Butterfly marcou um verdadeiro investimento na música que Mariah afirmou que há muito desejava fazê-lo, para o desgosto de sua gravadora. “As pessoas estavam um pouco mais apreensivas comigo fazendo faixas que tiveram uma pegada mais difícil ou trabalhar com pessoas que podem não ser o típico produtor pop”, disse ela à VH1.

Não foi uma reviravolta radical, mas um toque dinâmico que fazia sentido. “Eu me mantive fiel a mim mesma em todos os sentidos: ficar com quem eu sou em termos de fazer as baladas e fazer o que eu amo fazer, mas ser capaz de fazer as colaborações, como com Bone Thugs”, disse ela ao entrevistador australiano Molly Meldrum, tocando as músicas mais previsivelmente divertidas do álbum escrito com o colaborador de longa data Walter Afanasieff, como sua faixa-título e “Whenever You Call”. As estrelas do pop são servidores públicos, e esta oferta foi postulada como uma negociação particularmente consciente entre o que as pessoas esperavam de Mariah e o que ela sabia de si mesma.

Até Butterfly, Mariah tinha sido, por John Pareles, do New York Times, “a nova garota com a surpreendente faixa vocal”. Aqui, em vez de simplesmente abrir os pulmões e libertar-se, Mariah também cantou em um frágil sussurro suave . Isso, ela explicou, também era uma versão verdadeira de si mesma. “Esta sou eu”, ela disse ao Baltimore Sun. “Eu fico o dia todo sussurrando com essa voz delicada. Eu sempre fiquei muito confortável fazendo isso”. Ela empregou esse estilo de cantar regularmente nas décadas passadas – você pode ouvir em “Shake It Off ” e “Touch My Body”. Charmbracelet de 2002 é basicamente uma escultura sônica de sussurros.

A mudança estática foi muito além do som de Carey. O vídeo de “Honey” mostrou Carey em roupas que revelaram sua forma e decote. A mudança de seu visual precedente de não se mostrar muito, era “definitivamente muito mais verdadeira para quem eu sou”, ela contou a Barbara Walters em 1998. Em suas letras, finalmente havia a sugestão de sexualidade – seu objeto de desejo em “Honey” é “only one who makes me come running”, ela diz, invocando o imaginário orgásmico de Prince em ” I Wanna Be Your Lover” (“I wanna be the only one that makes you come…running”). Ao longo da síncope espacial de “Babydoll” (co-escrita com Missy Elliott), Carey está ficando louca de tesão educadamente expressada (“I wanna get intimate but you’re not within my reach”). Depois de se separar de seu supostamente opressivo e emocionalmente abusivo chefe e marido, Tommy Mottola, Mariah ficou solteira e estava adorando tudo isso.

Nos anos seguintes, o decote se tornou mais evidente, as roupas ficaram escassas (ela usava uma bandana como top no vídeo de “Loverboy”, de 2001), e a sexualidade é uma peça permanente em seu paladar de expressão. Ela tem sido ridicularizada repetidamente por isso – em 2000, Rosie O’Donnell chamou Mariah de “vadia” bem na cara dela, e aproveitando o gancho, Mariah se pronunciou: “Todos devemos nos expressar da forma que queremos”. Antes de realmente sairmos falando sobre o que é certo ou errado, Mariah anunciou que não iria parar por aí. Ela permaneceu praticamente desnuda desde então.

A sexualização pronunciada é algo comum dentro do estrelato feminino moderno – os exemplos incluem o álbum Erotica de Madonna, Janet., de Janet Jackson, e em uma versão muito idiota, a era Bangerz, de Miley Cyrus. Um contraste notável dentro de Butterfly é que, embora anunciasse Mariah como um ser humano sexual, isso ocorreu em um contexto que mais amplamente tentou apresentar Mariah como um ser humano multidimensional. “Eu sou sexual”, disse Butterfly, “mas isso não é tudo o que sou”. Continuando o tema da identidade, Butterfly conclui com “Outside”, uma balada sobre ser multirracial que contém uma linha verdadeiramente surpreendente para ouvir uma superestrela dizendo a si mesma: “Você sempre estará do lado de fora”. Não importa o que a aceitação em massa alcance, ela dizia, certos elementos da alienação da infância permanecem inabaláveis.

“Close My Eyes” parece ter um toque de “Father Figure” de George Michael, mas, liricamente, é uma meditação ainda mais escura no trauma passado. O que é esse trauma, ela não está dizendo – e ela está, de fato, dizendo que ela não está dizendo: “E o pior eu não disse / Deixe tudo se dissipar / E eu tento esquecer”. É frustrantemente vago para aqueles que se inclinam em ficar espantados e montar o quebra-cabeças por que Mariah afirma que ela era uma “criança rebelde com o peso do mundo” que aprendeu muitas coisas que “os pequeninos não deveriam saber”, mas a sua maneira, “Close My Eyes” reflete os efeitos paralisantes de sofrimento. Você pode tirar a garota do casulo, mas às vezes você não pode tirar o casulo da garota.

Em outros lugares, as letras de Mariah são quase uma pintura de imagens sem tema didático. Há a adorável “Fourth Of July”, o tipo de música que você poderia ouvir Deniece Williams nos anos 70 cantando (uma continuação da estética da linda “Underneath the Stars”, um destaque do Daydream de 1995). Há a viagem da nostalgia de volta a uma noite de novembro quente e brumosa, onde Mariah beijou um cara em “The Roof”. Ambas apenas apresentam momentos com nada mais para provar. E todos sabemos como Mariah ama seus momentos.

Butterfly é um álbum lento – além de um riff caseiro na faixa-título remixada por David Morales, os “uptempos” aqui como “Honey”, “The Roof” e “Breakdown” estão realmente encaixados. O pivô em seu som significou efetivamente menos vendas – Butterfly é certificado cinco vezes platina pela RIAA, metade da certificação que Daydream levou -, mas muitas vezes há um preço para a auto-expressão, e Mariah parece ter pago com prazer.

Talvez sob a influência dos tons terrosos em sua capa, sem mencionar a data de lançamento, sempre pensei nisso como um ótimo álbum de outono – é um álbum aconchegante cheio de faixas lentas. Também é de transição – ele estabeleceu o caminho para a lenda de R&B adorável e excêntrica que Mariah se tornou. Formato sábio, a influência de Butterfly também ocorreu, pois Mariah transformaria em muitas outras dessas tempestades silenciosas: o Charmbracelet, de 2002, Memoirs Of An Imperfect Angel, de 2009, Me. I Am Mariah…The Elusive Chanteuse, de 2014, todos cheios de faixas lentas. Você poderia argumentar que Mariah passou muitos anos tentando repetir o sucesso artístico de Butterfly, mas você não podia realmente culpá-la por tentar.

Em uma divisor de águas em sua carreira crescente, Mariah Carey não deixou que a indústria a mantivesse sob uma redoma de vidro.

Em 1997, Mariah Carey estava sentada confortavelmente no topo da indústria musical. Com cinco álbuns de estúdio (incluindo dois certificados de diamantes), além de vários singles e dois Grammys, Carey já era um ícone da música pop.

Para o seu sexto álbum de estúdio, Butterfly, no entanto, a jovem de 27 anos optou por continuar uma transição, iniciado com o álbum anterior Daydream, em direção ao hip-hop – uma decisão que havia sido encarada com alguma apreensão por parte de quem a rodeava, mas que, em última análise valeu a pena. As colaborações com Sean Combs, Missy Elliott e os Trackmasters ajudaram a solidificar o novo som de Carey, que ela aprimorou nos próximos anos.

Os críticos tomaram nota desta mudança, bem como de como sua recente separação do marido e produtor Tommy Mottola pode ter influenciado. A Entertainment Weekly especulou que “o álbum é claramente indicado como a declaração de independência de Carey, musical e pessoalmente”.

A Rolling Stone, entretanto, chamou a Butterfly de “um álbum de transição”, na qual a cantora “se afasta ainda mais das primeiras gravações de Whitney Houston e do começo da carreira de Carey e se firma no meio do R&B moderno e hip-hop”. O crítico Barney Hoskyns acrescentou: “A surpresa é que ela faz isso muito bem”.

Liricamente, muito de Butterfly é cantado no passado, como Carey reflete em uma única noite, em um relacionamento inteiro ou em sua vida até agora. Por outro lado, o som do álbum, enquanto ainda se baseia fortemente em suas raízes de baladas pop, parece um vislumbre do futuro – e a sensualidade mais urbana que marcou sua carreira posterior.

Honey

O primeiro single, “Honey”, também é o que abre o álbum. A faixa, escrita e produzida por Carey com Puff Daddy, Q-Tip e Stevie J, estreou em número 1 na Billboard Hot 100 e tornou o novo som de Carey evidente desde o início. Possui seus exclusivos vocais sussurrados e notas altas impressionantes, combinadas com samples de “Hey DJ” do World’s Famous Supreme Team e “The Body Rock” do Treacherous Three.

Assim como outra faixa, “Babydoll” (co-escrita com Missy Elliott), as letras da música mostram Carey desejando o toque de se amante. O vídeo musical destacou uma sexualidade muito mais ousada do que a cantora já havia mostrado anteriormente, e que ela viria a ter nas décadas seguintes.

Butterfly

A canção-título do álbum e o segundo single, escritos com o colaborador frequente de Carey, Walter Afanasieff, podem ser vistos como uma metáfora para a vida profissional e pessoal dela. A balada crescente, juntamente com sua reprise posterior “Fly Away”, é uma tomada infundada sobre a ideia de que “se você ama algo, liberte-o”.

“Eu estava escrevendo a canção ‘Butterfly’, desejando que fosse o que ele diria para mim”, Carey disse sobre a influência de Tommy Mottola sobre a música, em que ela canta: “Cegamente, eu imaginei que eu poderia / Mantê-lo sob uma redoma / Agora eu entendo que para segurá-lo / Eu devo abrir minhas mãos / E ver você se levantar”.

“Close My Eyes”, “Whenever You Call” e “Outside” juntam-se a “Butterfly” como algumas das faixas mais introspectivas do álbum, como Carey reflete sobre mudanças de vida e lições aprendidas.

Breakdown

Provavelmente, a mais hip-hop de todas as músicas do álbum, “Breakdown” apresenta versos de rap de Krayzie Bone e Wish Bone do Bone Thugs-N-Harmony, já que Carey lamenta o fim de um relacionamento.

A Slant Magazine a chamou de “a música da carreira de Carey”, acrescentando que ela “se aproxima da maturidade musical abraçando, não evitando, o hip-hop. Este é o auge de sua elegância – e talvez também a alma do hip-hop”.

The Roof

“The Roof (Back in Time)” foi lançada como single na Europa. A música sexy tem como sample “Shook Ones Part II” do Mobb Deep, que executa um verso de rap no remix estendido. Suas letras foram elogiadas pelos críticos, incluindo o Rich Juzwiak, de Slant Magazine, que escreveu: “Mariah, a compositora, é vívida, às vezes chocantemente inteligente (rimando” liberated “com” Moet “é um golpe de gênio)”.

Como a próxima faixa do álbum, “Fourth Of July”, a música mostra Carey relembrando um encontro romântico. Este tema de “voltar no tempo” também é aparente na melancólica “My All”, novamente co-escrita com Walter Afanasieff. Da mesma forma, o som da balada parece mais um retrocesso do que as ofertas circundantes, apresentando a voz de cinco oitavas de Carey e apoiada por guitarra e percussão de inspiração latina, como influenciada por sua recente viagem a Porto Rico.

My All

A suave mistura de gêneros de Butterfly teve um impacto inegável nos maiores artistas de hoje. Jermaine Dupri, o produtor que ajudou Carey a começar sua guinada em direção ao hip-hop no álbum Daydream, disse recentemente sobre seu impacto: “Ela é a genialidade de cada um desses artistas que estão agora por aí – Ariana Grande, todos esses artistas – eles não seriam capazes de fazer isso se não fosse por Mariah. Essas eram todas suas ideias”.

Se você tiver uma experiência mais dispersa com os sucessos de Carey, desde os primeiros dias de “Hero” e “All I Want For Christmas Is You” até a música que a trouxe de volta, “We Belong Together”, Butterfly pode fazer o trabalho de amarrar as extremidades soltas. Carey, uma vez, disse que considerava o álbum como o sua obra de arte e, embora outros esforços tenham sido objetivamente mais bem sucedidos, após 20 anos, isso parece ser o típico exemplo de perfeição, classe e qualidade de Mariah.

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.