Mariah Now é a sua maior fonte brasileira sobre a Mariah Carey. O site é totalmente dedicado para os fãs da Mariah. Acompanhe notícias, vídeos, entrevistas, participe de promoções e eventos. Todo conteúdo divulgado no site é criado ou editado por membros da equipe, qualquer conteúdo retirado daqui, mantenha seus devidos créditos. Somos apoiados pela Universal Music Brasil e pela Sony Music Brasil.

Me. I Am Mariah Me. I Am Mariah – The Elusive Chanteuse

Nossa estrela de capa de agosto está aqui para lembrá-lo do que foi necessário para usar a coroa – e por que ela nunca está desistindo.

São 10 da noite em uma noite de domingo e estamos sentados em uma sala privada dentro de um dos hotéis mais caros de Dublin. Ela tirou os salto agulha do Valentino – alguém os embalou para ela, mas eles são pequenos demais – e espera pacientemente que outra pessoa traga seus lanches. As únicas coisas que ela teve tempo de consumir desde que acordou são um pouco de shake de proteína e um pouco de psyllium, um suplemento de fibra.

Um deles finalmente chega com um prato de charcutaria e azeitonas e uma garrafa de vinho tinto. Nós estávamos ali observando tudo. Mariah toma um gole com seu mindinho literal no ar, o grande anel de diamante em sua mão direita (há um à esquerda também) cintilante. Ela coloca os pés descalços em uma otomana de veludo. É cansativo estar no meio de uma turnê global. Não é uma turnê internacional, querida – global.

Mas depois de alguns goles, Mariah está insatisfeita. “É apenas um gosto nojento”, diz ela, enviando o vinho de volta com um pedido de desculpas. (Para o registro, a garrafa de substituição não era “tão grande” também).

Muitos, incluindo Mariah, diriam que ela ganhou mais do que o direito de exigir exatamente o que ela quer. Esta é a mulher que entrou na indústria da música como uma ingênua há três décadas, quebrou muitos recordes e, até hoje, produziu mais sucessos do Billboard Hot 100 do que qualquer outra artista feminina na história.

Esta é a mulher que foi donas  dos anos 90: se você ouvir apenas uma nota de “Vision of Love”, “Always Be My Baby”, “Hero”, “Honey” ou “Heartbreaker” é o suficiente para mandar millennials idosos de volta para os dias de glória das plataformas Steve Madden, os catálogos de Delia * e as maratonas My So-Called Life. (Quando eu ouço o refrão de “My All”, eu praticamente sinto o cheiro do cabelo do ensino médio do meu próprio Jordan Catalano.)

Essa é a mulher que continua desde então – e não necessariamente se reinventando. Há apenas uma Mariah, afinal, e ela é atemporal (como, literalmente, sem idade. Nem mesmo a internet sabe com que idade ela tem certeza). Em vez disso, ela continua relevante ao se esforçar para se adaptar intencionalmente ao longo do caminho.

Pegue um dos memes mais conhecidos de todos os tempos – “I Don’t Know Her” – que é ao mesmo tempo clássico e atual, Mariah. Quando uma entrevistadora de TV alemã perguntou a ela sobre suas opiniões sobre a rival de música Jennifer Lopez, Mariah balançou a cabeça e respondeu: “Eu não a conheço”. Anos mais tarde, quando a cultura de memes explodiu, essa bomba direta indireta de sombra cunhada Mariah como uma rainha da internet.

Então, imaginem se, em vez de celebrarmos constantemente novos bandos de garotas, aplaudimos o ato de ficar, de durar, de nunca por um segundo sequer pensar em desaparecer. Neste mundo, Mariah sempre seria isto. Isso é mais do que ela pode dizer para a nova geração de superestrelas que, honestamente … simplesmente não a conhecem. “Eles não têm ideia do que eu passei quando criança para chegar a ser uma garota de 18 anos com um contrato de gravadora”, diz ela. “Isso foi antes de você poder ir ao YouTube e cantar.”

Mariah cresceu em Long Island, nos arredores de Nova York. Ela fala sobre si mesma como uma menina birracial – uma mistura de afro-americanos, venezuelanos e irlandeses – com pais divorciados e desafios financeiros. Na época, “as pessoas não entendiam quem eu era, o que eu era, minha etnia, o fato de que não tínhamos dinheiro”.

Sua infância rochosa é uma das razões pelas quais ela ama tanto o Natal. “Quando criança, eu sempre desejei bons Natais, e nós não os tínhamos”, lembra ela. “Meu irmão e minha irmã voltariam para onde quer que eu estivesse com minha mãe, e eles brigariam e estragariam as festas de fim de ano. Eu ainda seria como, você sabe o que? Eu só quero ter o melhor  momento. ”(Ela acabou tendo o melhor momento: Este ano marca o 25º aniversário de “All I Want For Christmas Is You”, a música de feriado mais popular da história moderna – estima-se que  Mariah tenha lucrado mais de US $ 60 milhões até 2012 só com essa faixa- e agora ela coloca seu coração na estação para seus filhos. “Fazemos tudo o que sempre quis quando criança.”)

Quando adolescente, Mariah trabalhava para pagar as contas e passava a maior parte do seu tempo livre escrevendo músicas. Depois de juntar uma fita demo, ela conseguiu colocá-la nas mãos do chefe da Sony Music, Tommy Mottola. O titã da indústria – ele trabalhou com Michael Jackson e Celine Dion – levou uma muito jovem Mariah sob sua poderosa ala. O relacionamento deles rapidamente se tornou romântico, apesar da diferença de idade de 20 anos, e os dois se casaram logo após seu álbum de estréia se tornar o álbum mais vendido no mundo de 1991.

“Você pode imaginar uma noiva criança”, diz ela. “Houve um esforço consciente para me manter como essa garota norte-americana, o que quer que isso signifique, querida. Foi muito controlador. Não havia liberdade para eu ser humana de verdade. Eu era praticamente uma prisioneira ”. Desde então, Mottola chamou a relação de “errada e inapropriada”e eles se separaram depois de oito anos.

Ainda assim, ela conseguiu criar 6 álbuns em primeiro lugar e 18 singles número um na parada mais importante do mundo (muitos dos quais ela co-escreveu), ganhar cinco Grammys e dominar o mundo da música com seu raro alcance vocal de cinco oitavas. Houve contratempos? Certo. Houve o desempenho de 2016 na véspera de Ano Novo, quando o fone de ouvido não funcionou corretamente e ela se recusou a cantar junto com a faixa de backup. Um espectador casual poderia ter assumido que Mariah estava sendo “difícil” ou, pior, planejando dublar o tempo todo.

“Se as pessoas acham que é a pior coisa que já aconteceu comigo, então, antes de tudo, elas não estudaram minha carreira o suficiente ”, diz ela. “Depois do que eu passei, quem realmente dá a mínima se meu monitor quebrar, caiu, saiu dos meus ouvidos porque o negócio estúpido estava muito solto? Essas coisas acontecem e acabou. Meus verdadeiros fãs ficam comigo, e o resto das pessoas vão ter que superar isso. ”

Na verdade, as pessoas vão adorar – ou amar odiá-lo – especialmente online. E não pense que Mariah não sabe disso. Depois de ter gêmeos com o ex-marido Nick Cannon em 2011, ela logo os rotulou de #DemBabies, bem antes dos filhos de celebridade serem tratados como marcas. Quando ela deslocou o ombro em 2013, ela apareceu para os paparazzi vestindo uma funda deslumbrada. Antes de lançar seu discurso de aceitação do prêmio Icon no Billboard Music Awards em maio deste ano, Mariah tirou um lenço do sutiã, enxugou o rosto e jogou-o para o lado. As pessoas nas redes sociais foram a loucura! (“Não foi planejado“, ela diz agora,mexendo os cabelos e sacudindo os ombros).

E vale a pena repetir: ninguém pode derrubar a sombra viral como Mariah. Durante todo o nosso período de lanche e vinho, Mariah nunca menciona diretamente nenhum de seus concorrentes – ou as estrelas do YouTube que atualmente dominam as paradas -, mas ela tem um jeito de falar sobre elas de qualquer maneira.

Sobre o assunto da escrita: “Muitos artistas dizem que escrevem, mas não escrevem realmente. Nenhuma ofensa a ninguém. Isso é exatamente o que eu vi.”

No estilo: “Muitas garotas estão nuas na frente de todo mundo. Nenhuma ofensa a eles.

Em vídeos de música: “Eles não fazem mais dois milhões de vídeos. Qualquer um pode fazer um vídeo agora”.

Sobre sua aparente preferência por homens mais jovens (ela está atualmente namorando seu ex-dançarino de apoio Bryan Tanaka): “Eu não tive muitos, mas tem havido um pacote de variedades. Eu só estive com cinco pessoas na minha vida, então sou um tipo de puritana, honestamente, comparado à maioria das outras pessoas do meio. ”

Então há esse riff sincero em seus lábios: “Eu pareço horrível com um lábio vermelho. Eu provavelmente deveria ter feito meus lábios, mas é tarde demais. ”Em um ponto, Mariah se levanta e desliza as mãos pelo seu tronco. “Não há nada aqui além desse vestido de malha“, diz ela. Por “nada aqui”, ela significa que ela está sem roupa íntia.

No meio de uma série dessas confissões suculentas, ocorre-me: não são apenas mordidas sonoras. A maior parte do que ela diz pode ser transformada em (mais) memes e manchetes sem fim. Ela está habilmente projetando esta entrevista para ser o mais possível possível, para garantir que ela permaneça nos feeds de todos por dias.

Assim: no final da noite, quando estamos falando de cuidados com a pele, ela se inclina, dando-me um close de sua bochecha perfeitamente cheia. Eu espero, quase sem respirar – esse é o lado que ela supostamente insiste em fotógrafos? Ela está prestes a derramar todos os nomes em seu pacote de variedades? Até que Mariah sussura: “Você pode me elogiar quando quiser.”

Fonte: Cosmopolitan

Neste verão, a diva lendária Mariah Carey traz uma nova residência para o Caesars Palace. Embora o novo show não tenha mudado radicalmente de sua residência anterior,  a noite em que eu estive presente foi um estimulante 90 minutos que deu aos fãs um repertório renovado, momentos de diva inesquecíveis, e lindos figurinos e cenários – para não mencionar um pedido de casamento de surpresa feito no meio de seu show.

Apesar de sua lista impressionante de recordes – incluindo a venda de mais de 250 milhões de álbuns vendidos, tendo mais canções # 1 na Hot 100 da Billboard do que qualquer outro artista que não seja os Beatles, escrevendo e tocando a música mais popular da década em duas décadas consecutivas de 1990, e 35 indicações ao GrammyMariah Carey nunca foi conhecida como uma artista  de turnês da mesma forma que seus contemporâneos. Enquanto Madonna, Celine Dion e (até certo ponto) Whitney Houston faziam turnês ambiciosas, as performances ao vivo de Mariah eram escassas.

Depois que ela entrou em cena em 1990, ela inicialmente estava relutante em se apresentar ao vivo. Isso foi provavelmente uma combinação de três fatores-chave – seu autoproclamado medo do palco, o notável controle exercido sobre ela na época por seu empresário e depois marido Tommy Mottola, e o fato de que ela cresceu ao super estrelato em uma época em que o dinheiro não estava em turnê, mas em vendas de álbuns. E faça álbuns como ela fez.

No período de 10 anos de 1990 e 1999, ela lançou 9 álbuns – 6 tradicionais álbuns completos de estúdio, 1 (agora lendário) álbum de Natal, 1 álbum ao vivo e 1 coletânea somente com músicas que chegaram ao topo das paradas.  Como resultado de sua falta de shows ao vivo, houve aqueles que inicialmente questionaram se ela ainda tinha poder para cantar aquelas incríveis músicas ao vivo fora dos limites de estúdio. Ela silenciou os críticos com performances incríveis em vários programas de televisão ao vivo, incluindo o Grammy, o Saturday Night Live e, o mais memorável, o MTV Unplugged.

Entre 1990 e 2003, ela fez 8 turnês e tocou um total de apenas 44 shows. Em contraste, a grande cantora e compositora Adele tocou um total de 121 shows em apoio ao seu mais recente álbum em um período de 17 meses em 2016-2017. Em 2004, Mariah e sua equipe perceberam claramente como as marés estavam se voltando para a ênfase em apresentações ao vivo e estavam ansiosos para se reconectar com o público depois de dois álbuns consecutivos que decepcionaram nas paradas (Glitter de 2001 e do Charmbracelet de 2002).

Em 2003, ela iniciou uma turnê agressiva de 69 shows, principalmente em locais íntimos na América do Norte, Europa e Ásia. Este foi um claro ponto de virada em sua carreira e ajudou a preparar o palco para seu álbum de retorno massivo, The Emancipation of Mimi, que foi lançado em 2005. Uma turnê em apoio a esse álbum de sucesso massivo, intitulado The Adventures of Mimi, tocou 40 shows América do Norte, Ásia e África em 2006 e arrecadou robustos US $ 28 milhões. Com concertos realizados principalmente em arenas, foi um breve vislumbre do que teria sido o início de carreira de Mariah se tivesse começado em uma era diferente. Ela encerrou a segunda década de sua carreira com a The Angels Advocate Tour, uma turnê de 26 shows em locais íntimos em apoio ao subestimado álbum de 2009, o Memoirs of an Imperfect Angel.

As coisas estavam mudando drasticamente para Mariah, tanto pessoal como profissionalmente, quando ela entrou na terceira década de sua carreira. Ela estava recém-casada com o ator/comediante Nick Cannon, ela deu à luz gêmeos, Moroccan e Monroe, ela teve problemas durante uma disputa contenciosa como jurada no American Idol, e também sofreu uma lesão no braço durante a gravação de um clipe musical. Também descobrimos recentemente que durante esse tempo ela também estava lutando contra o transtorno bipolar e finalmente recebendo o tratamento devido. Era mais fácil achá-la nos tablóides do que nas paradas da Billboard durante este período, mas ela permaneceu uma força na cultura popular.

 2014 foi um ano divisor de águas na carreira de Mariah, mas não pela razão que muitos esperavam. Naquele ano, ocorreu um grande hype que cercou o lançamento de seu 14 º álbum de estúdio, Me. I Am Mariah… The Elusive Chanteuse. Que teve a data de lançamento constantemente alterada, uma má divulgação e não foi um sucesso comercial, o que destoava da qualidade do álbum, onde ela abraçou algumas sonoridades com mais ênfase (abraçando a música dance, o gospel, e o  hip hop de forma mais ousada do que ela jamais o fizera antes) e apresentava algumas de suas melhores música de sua carreira, como  “Make It Look Good”  (com o  Stevie Wonder tocando gaita), e um o dueto com Miguel  em #Beautiful”. Ela fez uma breve turnê de 20 shows pela Ásia e Oceania para apoiar o álbum, mas foi uma série de concertos que ela fez no final do ano que marcou o verdadeiro ponto de virada.

Em dezembro de 2014, Mariah completou sua primeira residência. Foi uma série de 6 shows de Natal  com bilhetaria completamente esgotada no histórico Beacon Theatre de Nova York. A série de concertos, apropriadamente intitulada All I Want For Christmas Is You, inspirada em seu lendário clássico natalino. Desde então, essa série de shows cresceu demais, em 2017 ela realizou shows em Las Vegas e no Reino Unido, além de Nova York, e este Natal este Natal estará em toda a Europa. Já tocou para mais de 100.000 pessoas e arrecadou mais de 10 milhões de dólares em receita somente com esse projeto.

Talvez inspirada pelo sucesso deste projeto, ela reservou uma residência no The Colosseum localizado no Caesars Palace, o local histórico que abrigou as residências de Celine Dion e Elton John por vários anos. O gancho para o show dela é que, pela primeira vez, ela tocaria todos os 18 singles que atingiram ao 1° lugar das paradas  (façanha que perde apenas para os Beatles) em um show. A residência, intitulada #1 To Infinity, realizou 50 shows entre 2015 e 2017. Com uma audiência de mais de 176.000 e arrecadação de bilheteria totalizando 24 milhões de dólares em receita, não coincidiu com os concertos de Celine ou Elton, mas foi um sucesso absoluto e levou ao Caersars renovar o contrato com ela e solicitar novos concertos para 2018.

A renovada residência de Mariah foi batizada deThe Butterfly Returns. Claro, funciona nos níveis mais literais – Mariah é a borboleta e ela voltou para Las Vegas. Até mesmo os fãs mais casuais de Mariah reconheceram o contexto da residência. Em um de seus hinos, a balada favorita dos fãs “Butterfly” de 1997, ela canta em deixar alguém voar para se encontrar e explorar o mundo, sabendo que se eles realmente quiserem ficar juntos, eles irão ficar. O retorno da borboleta é a culminação desse momento libertador de 21 anos atrás. Além disso, o título convida a comparações com o álbum principal dessa música (o icônico álbum Butterfly de 1997), que mesmo não sendo o seu maior sucesso comercial, é amplamente divulgado por críticos e fãs como seu melhor álbum e sua melhor fase criativa em toda sua carreira.

Mariah declarou em vários pontos no passado que adoraria fazer uma série de shows íntimos com as faixas favoritas dos fãs  que são menos conhecidas pelo grande público, porém isto não é esse show. Vegas tem que ser sobre os seus grandes sucessos, dado o fato de que, em contraste com as turnês tradicionais que tocam para os fãs obstinados, os shows de residência costumam ser preenchidos por fãs casuais que passam pela cidade. Ela inteligentemente selecionou o setlist para refletir esse equilíbrio. Ela cortou 6 de seus famosos números 1° (“Someday” de 1990, “I Don’t Wanna Cry” de 1991, “I’ll Be There” de 1992, “Dreamlover” de 1993, “Thank God I Found You” de 1999 e “Don’t Forget About Us” de 2005.) Em seu lugar, ela incluiu a dançante “It’s Like That”(2005), o hino inspirador e influenciado pela música gospel ,“Make It Happen” (1991),  dançante “Shake It Off “(2005), seu mais recente hit, “#Beautiful” (2013), e o primeiro single dela que não chegou ao topo das paradas, a serena balada “Can’t Let Go” (1991).

Curiosamente, “Can’t Let Go” foi incluído como resultado de uma pesquisa nas redes sociais que Mariah iniciou pedindo ajuda para os fãs na setlist do concerto.  Além disso, há uma seção da setlist que é dedicada incluir outras músicas que os fãs solicitaram para o concerto. A noite em que estive lá, a música escolhida foi  “Love Takes Time”,  seu segundo single em 1° lugar que já havia sido cantado na residência anterior, porém nas outras noites ela incluiu canções que ela não tinha apresentado ao vivo em anos, como o cover de Brenda K. Starr, “I Still Believe” (que ficou em 4° lugar em 1999), e  “Can’t Take That Away” (um hino pessoal que não teve o lançamento oficial em 1999).

Além de mudar o repertório e receber informações dos fãs, houve várias outras surpresas musicais no show de 14 de julho. Ela tocou “Heartbreaker” como um mashup do single original e um cover do disco clássico de Diana Ross “Love Hangover“, que Mariah cantou pela primeira vez há quase duas décadas em uma homenagem a Ross. Ela tocou versões remixadas de “Emotions” e “Make It Happen”. Durante as mudanças de roupa e apresentações, a banda e os cantores de apoio tocaram trechos de uma série de músicas menos conhecidas de seu catálogo (incluindo “Sweetheart”, “Say Something”, “Loverboy” e “Migrate”). E o seu amigo e colaborador fiel, Jermaine Dupri inesperadamente apareceu para cantar o rap no hit ““It’s Like That.”.

E houve várias surpresas não musicais também. Ela revelou um design de cenário totalmente renovado e um guarda-roupa muito mais bonito que o do show anterior, desta vez se concentrando em mais glamour, menos e decote e mais elegância. Os dançarinos distribuíram champanhe e trouxeram alguns fãs sortudos para a platéia para uma interpretação estridente de “Touch My Body”. Ela caminhou pela platéia para cumprimentar os fãs, enquanto seu backing vocal de longa data e amigo pessoal,  Trey Lorenz deu o pontapé inicial do primeiro verso de “#Beautiful”. E nós ainda temos uma proposta no palco quando ela convidou um dos namorados de seu dançarino no palco para fazer fazer o pedido de casamento. Foi um momento romântico e inspirador que mostrou Mariah estranhamente disposta a ceder os holofotes e celebrar o amor de um casal jovem, gay e interracial que exemplifica a maioria de sua base de fãs.

A multidão lotada absorveu tudo a cada momento, com os membros da platéia constantemente sendo repreendidos pela segurança por tentar pular no palco e alguns por gritarem por sua rainha sem restrições. Havia murmúrios sobre o quão maravilhosa ela parecia e como ela soava. E definitivamente havia uma sensação de alívio.

A grande questão que está sendo constantemente questionada é se ela ainda pode cantar ao vivo. Ela teve alguns problemas na televisão ao vivo,  incluindo seus vocais ruins e estridentes na iluminação da árvore de Natal do evento em  Rockefeller Center de 2014, e no concerto da véspera de Ano Novo de 2016, onde ela parou de cantar quando ocorreu problema técnicos em sua apresentação. Momentos como esses deram aos haters de Mariah sua força vital. Existem inúmeros haters que enchem painéis de mensagens de música com elaboradas teorias de conspiração e insinuações espirituosas sobre seus vocais ao vivo. Eu costumava levar isso numa boa, mas ultimamente eu comecei a ver isso sob uma nova luz. O fato de existirem pessoas que se dedicam a analisar seus vocais passados ​​e presentes com tanto fervor, em última análise, apenas ressalta quão lendários eles são. Imagine uma voz que significa tanto para tantas pessoas que percebem que imperfeições e deterioração causam tal colapso da internet. Enquanto os haters gritam que ela “já era”, a intensidade com a qual eles gritam acaba servindo como prova de que lenda duradoura ela é.

Eu sempre achei essas críticas de seus vocais curiosas, já que a vi tocar ao vivo 8 vezes em diferentes locais e fases de sua carreira e nunca me desapontaram. Claro que ela confia cada vez mais em seus cantores de apoio, às vezes, e parece cantar junto a uma faixa de apoio em determinados números. E não, ela não consegue acertar todas as notas que poderia aos 20 anos de idade com tanta força e sem esforço. Mas toda vez que a vi ao vivo, ela demonstrou inúmeros momentos de êxtase vocal formidável, arrepiante e alucinante. Sua voz pode ser mais variável do que costumava ser, mas não é de se esperar, considerando o quanto suas músicas mais antigas são vocalmente difíceis de cantar e o fato dela estar presente entre nós há quase 30 anos.

Outra razão pela qual essa crítica nunca me impactou tanto é porque eu sempre apreciei suas composições tanto quanto eu apreciei seus vocais. As pessoas muitas vezes esquecem que Mariah co-escreveu todas as músicas que ela já gravou, com a exceção de covers como “I’ll Be There” e “Without You”, e o caso singular de “When You Believe”, uma canção vencedora do Oscar, tema do filme O Príncipe do Egito, um dueto que ela lançou com a falecida Whitney Houston. Isto está em contraste com aqueles que escrevem alguns de seus sucessos (por exemplo, Madonna), aqueles que lentamente começaram a co-escrever algumas de suas canções à medida que suas carreiras se expandiram (por exemplo, Beyoncé, Britney Spears) e aqueles que apenas cantam músicas escritas por outras pessoas (por exemplo, Celine Dion, Houston). Sua contribuição para a composição é particularmente subestimada e uma coisa que pode durar mais que possível decadência que as suas cordas vocais que poderiam sofre no futuro.

Os últimos anos viram a mudança de carreira de Mariah, sair do foco do  topo das paradas da Billboard para uma focada em cimentar seu legado como artista. E que legado, não é mesmo?. Eu ainda aguardo ansiosamente o lançamento de seu próximo álbum (rumores que saíra neste outono) e ainda não descarto a possibilidade de um retorno de tamanho médio à relevância com o material certo. Mas eu estou bem em reconhecer seus dias gloriosos no passado, e cada vez mais, parece que ela também.

Setlist do concerto do dia 14 de julho de 2018:

  1. Honey” (Ano de lançamento: 1997; Billboard Hot 100 – Pico: #1; Álbum: Butterfly)
  2. “Shake It Off” (Ano de lançamento: 2005; Billboard Hot 100 – Pico: #2; Álbum: The Emancipation of Mimi)
  3. “Make It Happen” (Ano de lançamento: 1992; Billboard Hot 100 – Pico: #5; Álbum: Emotions)
  4. “Fantasy (Bad Boy Remix)” (Ano de lançamento: 1995; Billboard Hot 100 – Pico: #1; Álbum: Daydream)
  5. “Always Be My Baby” (Ano de lançamento: 1995; Billboard Hot 100 – Pico: #1; Álbum: Daydream)
  6. “Vision of Love” (Ano de lançamento: 1990; Billboard Hot 100 – Pico: #1; Álbum: Mariah Carey)
  7. “Emotions” (Ano de lançamento: 1991; Billboard Hot 100 – Pico : #1; Álbum: Emotions)
  8. “Beautiful” (Ano de lançamento: 2014; Billboard Hot 100 – Pico: #15; Álbum: Me. I Am Mariah…The Elusive Chanteuse)
  9. “One Sweet Day” (Ano de lançamento: 1995; Billboard Hot 100 – Pico: #1; Álbum: Daydream)
  10. “Can’t Let Go” (Ano de lançamento: 1991; Billboard Hot 100- Pico: #2; Álbum: Emotions)
  11. “Love Takes Time” (Ano de lançamento: 1990; Billboard Hot 100 – Pico #1; Álbum: Mariah Carey)
  12. “My All” (Year: 1997; Billboard Hot 100 Peak: #1; Album: Butterfly)
  13. “It’s Like That” (Ano de lançamento: 2005; Billboard Hot 100 – Pico: #16; Álbum: The Emancipation of Mimi)
  14. “Heartbreaker (Love Hangover Remix)” (Ano de lançamento: 1999; Billboard Hot 100 – Pico: #1; Álbum: Rainbow)
  15. “We Belong Together” (Ano de lançamento: 2005; Billboard Hot 100 – Pico #1; Álbum: The Emancipation of Mimi)
  16. “Touch My Body” (Ano de lançamento 2008; Billboard Hot 100 – Pico: #1; Álbum: E=MC²)
  17. “Hero” (Ano de lançamento: 1993; Billboard Hot 100 – Pico: #1; Álbum: Music Box)

Fonte: Richard LeBeau

Mariah Carey não começou o ano passado muito bem após passar por problemas técnicos em sua apresentação de ano novo na Times Square em Nova York na virada de 2016 para 2017. Ela foi muito criticada por pessoas do mundo todo, tendo sua credibilidade abalada e sua imagem bem manchada por comentários negativos e opiniões tendenciosas dentro e fora da mídia (como se ela fosse a culpada). O que o mundo esqueceu foi da grande artista que Mariah Carey sempre foi, principalmente, da incrível arte de se reerguer que ela sempre mostrou ter. Uma artista que venceu preconceitos, a pobreza e a indústria musical, tornou-se a maior artista feminina de todos os tempos pelo seu alcance e potencial vocal, pelos seus hits e por suas incríveis vendas de singles e álbuns em todo o planeta, não seria morta por uma apresentação com sinais de boicote. Infelizmente o mundo é muito cruel, ainda mais com artistas de longa data como Mariah Carey, Céline Dion e Madonna que não são tão bem queridas pelas rádios como antes. Mimi se viu diante de uma nova missão: provar que canta ao vivo. Mas por que ela ainda teria que provar isto sendo que tantos artistas usam bases pré-gravadas ou só dublam, mas não perdem a credibilidade? Por que ela faz parte da trindade vocal ao lado de Whitney Houston e Céline Dion? Por que ela é uma das maiores influenciadoras do R&B? Por que ela sempre esteve no topo das paradas? NÃO! Ela sempre teve que provar que canta, pois ela influenciou uma geração a cantar desde seu primeiro singleVision of Love‘, bem como sempre foi conhecida pela sua voz versátil, potente e angelical. Claro que nada justifica as críticas duras que ela recebeu, mas Mimi é uma artista ativa e forte, ainda faz música e quer voltar ao mercado com um álbum novo que, de acordo com a Forbes, é um dos mais aguardados deste ano, então como lançar algo com a imagem ruim por menos culpa que ela tenha? Ela voltou à luta.

Em janeiro de 2017 depois de um show privado em Londres, Mimi preparou-se para lançar uma nova música. Mariah lançou um buzz single com o rapper YG (I Don’t) ao final do Mariah’s World exibido pelo canal E! e lançou uma versão remixada da faixa com a rapper Remy Ma. Infelizmente não houve uma promoção que levasse a música a um nível alto de performance na parada americana, mas a música chegou ao #89 da Billboard Hot 100 nos EUA. Ela fez uma performance com o rapper na TV americana depois de cantar ‘Vision of Love‘ e a versão sozinha da música em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, onde também cantou a regravação de ‘One More Try como homenagem a George Michael pela primeira vez (a música faz parte da lista de faixas do álbum Me. I Am Mariah…The Elusive Chanteuse de 2014). Antes de retornar a Vegas, MC realizou um show em Baku, no Azerbaijão após o Grande Prêmio de F1.

Logo ela retornou a Las Vegas para a sua última temporada de shows com a residência Mariah #1 to Infinity no The Colosseum no Caesars Palace. Em seguida embarcou com Lionel Richie em uma turnê realizada em arenas, a All The Hits Tour, apresentando-se antes de Mr. Richie (Mimi o chama desta forma com muito respeito e carinho), passando por 22 cidades sendo 19 nos EUA e 3 no Canadá.

Em meados da turnê, Mimi teve suas colaborações com French Montana lançadas em duas versões, sendo uma acústica, presenteando aos lambs com mais uma música e dando a Montana reforço comercial ao single original ‘Unforgettable‘ que chegou ao top 5 na Hot 100.

Na sequência, Mariah apresentou-se em Mashantucket, EUA e anunciou sua primeira turnê natalina, a All I Want For Chritsmas Is You Worldwide Tour que chegou a 11 apresentações, sendo 3 no Beacon Theatre em Nova York, EUA, 1 em Paris na França, 2 no Reino Unido, sendo um em Manchester e um em Londres, além de 5 datas no Caesars Palace em Las Vegas, EUA.

Logo após o anúncio, foi divulgada a assinatura de Carey com a Roc Nation (empresa de Jay-Z) como sua nova agência de carreira, o fim da gestão de Stella Bulochnikov e dois anos de residência com shows mais intimistas no The Venetian Las Vegas, um casino premiado pela Forbes Travel Guide em 2016. Mariah ainda apresentou-se na festa de comemoração dos 30 anos da AHF em Los Angels, EUA, uma das entidades mais respeitadas do mundo.

Até então, muitos feitos para quem foi “dada” como acabada e de carreira enterrada, mas estamos falando de Mariah Carey, uma verdadeira heroína que canta sua verdade até mesmo no natal, sua época preferida. A rainha do natal (ela não gosta do título, mas os fãs amam) voltou às paradas mundiais com seu super hit natalino chegando ao #1 no Spotify dos EUA, Reino Unido e Global, #3 na iTunes Mundial e registrando novas posições na iTunes americana, chegando ao #7 (chegou ao #11 em 2017) e #9 na Billboard Hot 100 dos EUA (seu pico era #11). 23 anos depois, ‘All I Want For Christmas Is You‘ não bastava ser o mais novo top 10 de Mimi (o último foi Obsessed que chegou ao #7 em 2009) nos EUA, voltou ao #2 na parada de singles britânica (o pico do single à época de seu lançamento em 1994) e fechou a véspera de natal com mais de 8 milhões de execuções pelo Spotify no mundo todo.

Mariah ainda lançou mais músicas como ‘The Star‘, tema da animação The Star (A Estrela de Belém – título do filme animado no Brasil) que é uma das nomeações ao Globo de Ouro de melhor canção original e ainda incluiu ‘Lil Snowman‘ como uma das faixas da trilha da animação ‘Mariah Carey: All I Want For Christmas Is You“, lançada em DVD e Blu-Ray, animação que rendeu à Mariah Carey o prêmio de reconhecimento “Angel for Animals” da PETA por promover a adoção de animais e destacar a responsabilidade de cuidar de um cachorro.

Então veio a grande notícia: Mariah Carey voltaria à Times Square para se apresentar na virada de 2017 para 2018!

Ela voltou, mas voltou dignamente maravilhosa e radiante. Com o tempo frio (-12° C) e com o mundo inteiro de olho em sua performance (alguns esperando um novo desastre), na dúvida de seu potencial, de sua voz, de sua capacidade de cantar ao vivo, Mimi foi anunciada por Ryan Seacrest 15 minutos antes de 2017 terminar como a atração principal do programa 2018 Dick Clark’s New Year’s Rockin’ Eve with Ryan Seacrest pela ABC. Ela brilhou e muito. Mariah Carey fez acontecer, fechou o seu ano cheio de vitórias e conquistas com uma performance linda de dois grandes hits mundiais: Vision of Love, conhecida e reconhecida com uma das músicas com mais melismas de todos os tempos e Hero, o tema de Carey no mundo todo. Uma paradinha em Vision of Love como um sinal de deboche fez muita gente pensar que ela iria falhar de novo, mas tudo foi muito bem cuidado e ensaiado para que ela executasse bem o seu primeiro single apesar do frio (que pode ter congelado um pouquinho a diva) e na sequência confortasse o mundo com carinho e amor ao som de Hero que é a assinatura de Mariah Carey onde ela vai (um show da Mariah Carey sem Hero não é um show da Mariah Carey).

Mariah foi notícia no mundo todo mais uma vez, mas de forma justa, sendo reconhecida e aclamada, inclusive pela Billboard que a intitulou “Queen“! De fato ela é mesmo a rainha de todos nós, lambs ou não, ela é Mariah, a cantora indescritível que sabe voltar ao topo e emocionar corações com sua voz. Muitos ainda continuarão maldizendo seu nome, desmerecendo seus feitos, sua voz, sua música, mas os fatos estão aí, os recordes provam sua relevância, os charts e os prêmios dizem quem é Mariah Carey, então deixem a rainha fazer o que ela sabe fazer: reinar!

BALANÇO TOTAL:

-> 48 shows (incluindo as performances de ano novo e no Jimmy Kimmel)
-> 6 músicas novas (incluindo o remix de I Don’t e as duas versões de Unforgettable)
-> 3 temporadas de shows, sendo 2 turnês (33 shows) e 1 residência (6 shows)
-> 2 prêmios recebidos
-> 2 animações natalinas

-> 1 indicação ao Globo de Ouro
-> 1 música no top 10 dos EUA e do Reino Unido

Desejamos a todos um incrível 2018 com muitas realizações e conquistas.
Siga-nos pelo Facebook (@mariahnowbr), Twitter (@mariahnow) e Instagram (@mariahnow) e fique por dentro de tudo.

Mariah Now Team

Há 3 anos Mariah Carey lançava uma das melhores músicas do álbum “Me. I Am Mariah…The Elusive Chanteuse” de 2014: “The Art of Letting Go“! Ela foi lançada como single promocional pela página de Mimi no Facebook no dia 11 de novembro de 2013 e, posteriormente, nas demais plataformas digitais de streaming e download digital.

999577_10151951111792766_1572334165_n

Capa de “The Art of Letting Go”.

Para divulgar o lançamento da música, a equipe de Mariah, o Mariah Carey Team, promoveu o uso da #LettingGo nas mídias sociais desde que liberou uma chamada em vídeo:

[arve url=”https://www.youtube.com/watch?v=lxBdY_NTdPI&feature=youtu.be” mode=”normal” align=”center”]

Curiosamente, existem elementos de “Make It Look Good” no vídeo, talvez isto tenha surtido mais efeito positivo quando a música foi ouvida pelos fãs. Meses depois, Mimi confirmou que a faixa estaria no álbum, mas apenas na versão deluxe.

DESEMPENHOS

Um single promocional, normalmente, funciona como um teste de público, mas não usa de todos os recursos tradicionalmente usados em um lead single ou single comum. Diferentemente de um buzz single, o promo não tem tantos investimentos, nem sempre conta com um vídeo de apoio na divulgação e, muitas vezes, pode ser laçado para que haja um “respiro” entre o lançamento anterior e uma faixa desejada a ser lançada um tempo depois. Confuso? Parece, mas não é.

Na Era MIAM (2013-2014), Mimi lançou “#Beautiful (feat. Miguel)“ como lead single, mas devido ao seu acidente durante a gravação do vídeo da versão remix, todo o planejamento falhou e ela acabou adiando a liberação do álbum. Ao final do ano, Mariah “quis agradar” os lambs com uma nova música e, liberou #LettingGo pelo facebook. As curtidas foram suficientes para lança-la na iTunes, mas isto não fez da música um single tradicionalmente comercial.

The Art of Letting Go é uma música muito pessoal, mas que soa generalizada para “desapegos”. O arranjo clássico e a composição adulta chamaram a atenção de alguns mercados:

#8: Austrália (Australian Urban Singles Chart)
#11: Reino Unido (UK R&B Official Charts Company)
#19: Estados Unidos da América (US Billboard Bubbling Under Hot 100 Singles)
#29: Espanha (Spanish Singles Chart)
#46: Estados Unidos da América (US Billboard Hot R&B/Hip-Hop Songs)
#66: Coreia do Sul (Gaon International Digital Singles)
#82: Austrália (Australian Singles Chart)
#84: França (French Singles Chart)
#90: Reino Unido (UK Singles Official Charts Company)
#96: Irlanda (Irish Singles Chart)

Não existem dados oficiais e certificações das vendas do single.

MAIS

Carey não promoveu a música como os lambs gostariam, mas suas performances surpresas para alguns grupos de fãs com Jimmy Fallon na TV foram incríveis:

 

[arve url=”https://www.youtube.com/watch?v=K0998ryxiYU&feature=youtu.be” align=”center”]

[arve url=”https://www.youtube.com/watch?v=ZlObJAlSi78&feature=youtu.be” align=”center”]

A equipe de MC ainda disponibilizou o áudio da música no YouTube (mas a gente queria um lyric vídeo):

 

[arve url=”https://www.youtube.com/watch?v=i-a2JwEkviU” align=”center”]

A song não entrou na set-list de nenhum show da The Elusive Chanteuse Show Tour que aconteceu em 2014 na Ásia e Oceania, mas está na playlist de muitos lambs até hoje.


Mariah Now Team
Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.