Mariah Now é a sua maior fonte brasileira sobre a Mariah Carey. O site é totalmente dedicado para os fãs da Mariah. Acompanhe notícias, vídeos, entrevistas, participe de promoções e eventos. Todo conteúdo divulgado no site é criado ou editado por membros da equipe, qualquer conteúdo retirado daqui, mantenha seus devidos créditos. Somos apoiados pela Universal Music Brasil e pela Sony Music Brasil.

BENNY MEDINA

Nos meses seguintes nosso relacionamento se aprofundou, mas também se tornou muito mais complicado. Nós dois temos grandes traumas de abandono e somos muito carentes quando se trata desse tipo de coisa. Mas durante os próximos dois anos, éramos inseparáveis. E eu felizmente deixei tudo se tornar sobre ela.

Bem, ela e vodka.

Ela confiava em mim e eu confiava na garrafa. Eu tinha todos os problemas dela para cuidar, além do Power 106 e tudo mais. Eu tinha abandonado quase completamente as estações, mas elas estavam no piloto automático de qualquer maneira e, por enquanto, eu ainda estava sob o radar. A rádio era a número 1, então tudo estava bem. Bem, mais ou menos.

Eu estava lentamente perdendo o controle da realidade. As coisas entre nós se tornaram difíceis e eu me tornei mais exigente com a atenção dela e ressentido quando eu não tinha, ou o que eu acreditava ser o suficiente.

O L.A. Times fincou uma faca nas minhas costas um dia, acusando-me de ter um conflito de interesse por ser um cara de rádio e um produtor de discos ao mesmo tempo. Um de seus seguranças tinha uma cópia e me disse que o jornal estava me chamando de “um dos mais poderosos executivos de rádio” do país. Comecei a ler o artigo e fiquei arrasado. Eu quase sempre estava fora dos holofotes. E a única vez que Mariah e eu tínhamos sido ligados em qualquer contexto, além de ser produtor de seu material, foi no National Enquirer, saindo do hospital. Fora isso, conseguimos manter tudo bem quieto.

Mas eu não sabia como lidar com isso e estava muito chateado. Mariah ignorou, mais ou menos como: “Fico feliz que eles estejam falando de outra pessoa para variar”. Ela disse: “Bem-vindo ao clube”.

Mas foi algo grande para mim e a percepção pode ser tudo. Eu não fiz nada de errado e, de fato, minha situação de ser um produtor de música e um executivo de rádio tinha sido explicitamente aprovado pela FCC. Não havia nada irregular nisso. Para tanto, eu nunca participei de nenhuma decisão de programação que envolvesse qualquer faixa com a qual eu estivesse envolvido. Simples. Mas o Times parecia ter a missão de tentar me destruir.

Meu alcolismo só piorou. E então começou a afetar minha personalidade, como acontece com quase todo mundo que tem um problema com a bebida. Tornei-me irritado e extremamente infeliz e não era divertido estar por perto. Eu não lhe dei crédito suficiente, mas Mariah era mais estável do que eu neste momento. E então o pai dela morreu, o que foi doloroso. Eu não fiz nada por um mês além de consolá-la quando ela se entristeceu e se perguntou o que estava acontecendo com sua vida.

E minha carreira estava afundando rápido e eu não me importei.

Ela estava se recuperando, embora fosse muito estressante tentar organizar a Monarch e estabelecer um sólido apoio administrativo para ela. Parte desse processo foi aliviar alguns de seus funcionários no momento em que, como eu disse, são pessoas incríveis, mas não competentes o suficiente para encarar a tarefa de gerenciar uma superstar como Mariah.

A maior parte do tempo com Mariah foi uma explosão. Quer dizer, nós nos divertimos muito em todo o mundo. Mas eu estava ficando ressentido com o fato de que tudo era sobre Mariah. Mesmo quando era algo como a minha festa de aniversário, nossos planos giravam em torno dela e do que ela queria fazer. Eu entendo agora que esta é como as coisas são nesse mundo louco de alta celebridade e realmente não é tanto algo sobre ela, mas sobre a situação em si. Ainda assim, não era fácil para eu lidar com isso. Eu fui de o cara mais legal do mundo para um idiota completo. Eu não estava ajudando ela tanto quanto eu tinha anteriormente, e nós estávamos entrando em conflito sobre tudo. Eu tentei dar-lhe bons conselhos e disse a ela o que ela deveria e não deveria estar fazendo, mas tudo estava se tornando uma barreira entre nós. Eu tinha começado a esconder minha bebida e me isolei o máximo que pude. Eu comecei a dar desculpas porque eu não podia ir a lugares com ela. Mariah não sabia o que estava acontecendo e as profundezas de onde eu estava afundando. Isso não foi culpa dela.

Conforme o tempo passava, as coisas com Jerry Blair não funcionavam do jeito que eu esperava e ele sumiu de cena. Então Mariah veio até mim e disse que estava interessada em conversar com Benny Medina sobre management. Fiquei surpreso e perguntei por que ela estava pensando no empresário de Jennifer Lopez, mas eu estava tão doidão e desinteressado na maior parte do tempo que não sabia que ela não estava mais com Blair. Eu estava no mundo da lua, francamente.

Mas comecei a pensar sobre onde estavam as coisas: o que eu precisava fazer e o que era melhor para a Mariah. Aquele “momento de clareza” alcoólico, como eles dizem.

Bem, mais ou menos.

Eu sabia no meu coração que as coisas não poderiam continuar como estavam. Foi ruim para a carreira de Mariah, porque ela precisava de um gerenciamento estável, e minha carreira estava quase indo pro fundo do poço, devido ao duplo golpe de minha bebida e decisões que Emmis estava tomando em suas estações de rádio sem o meu conhecimento. Benny, pensei, era uma boa solução. Eu decidi que faria o que eu pudesse para colocá-lo a bordo, terminar o trabalho no Charmbracelet e, em seguida, cair fora. Benny seria minha escapatória e o ponto de entrada em um management competente para a Mariah. Por mais que eu a ame, era a última coisa inteligente que eu poderia fazer por ela como seu amigo. Eu comecei a cortejar Benny, conversando com ele todos os dias. Fui ao seu escritório em Los Angeles e ele me perguntou exatamente onde eu me encaixava na história: nós dois sabíamos a resposta – eu não me encaixava no futuro da Mariah. Por causa de mim e do meu relacionamento com ela, em todos os níveis – sendo um dos produtores de sua música, bem como minha posição na Power e Hot 97, outras emissoras como KISS e The Beat começaram a boicotar seus discos. Quando isso aconteceu, partiu meu coração, mas ficou claro – eu não PODIA mais que estar em sua vida. Eu estava colocando em risco sua carreira. E eu estava me apoiando na garrafa com força, então estava perdendo minha eficácia.

 

Damion “Damizza” Young – Guilty By Association

18/20

Anterior

Início

Próximo
Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.