Mariah Now é a sua maior fonte brasileira sobre a Mariah Carey. O site é totalmente dedicado para os fãs da Mariah. Acompanhe notícias, vídeos, entrevistas, participe de promoções e eventos. Todo conteúdo divulgado no site é criado ou editado por membros da equipe, qualquer conteúdo retirado daqui, mantenha seus devidos créditos. Somos apoiados pela Universal Music Brasil e pela Sony Music Brasil.

COLAPSOS DE 11 DE SETEMBRO

O telefone me acordou. Eram o Sujit e o DJ Vice em uma teleconferência. “Yo, Damion, ligue a TV agora mesmo. Um avião bateu no World Trade Center.”

Liguei a TV e vi o mundo mudar. Eu trocava da CNN para a Fox e para os noticiários baseados em Los Angeles. Enquanto as notícias aumentavam e todo o tráfego aéreo estava sendo suspenso e os alvos da Costa Oeste começaram a ser especulados, Mariah me ligou. “Venha me pegar agora! Eles dizem que o hospital pode ser atacado. Venha me pegar agora!”

Eu fui para o hospital o mais rápido que pude com seu irmão Morgan, e nós a pegamos. Ela estava descansada e recebera comida, vitaminas e líquidos. A equipe nos disse para sair pelos fundos para evitar qualquer atenção, já que haviam paparazzi acampados na porta do hospital. Ótima idéia, pensei. Bem, não! Foi uma idéia ruim, pois a “saída dos fundos” era a entrada da ala psiquiátrica – e, claro, havia um fotógrafo do National Enquirer acampado e tirou um monte de fotos que fez tudo parecer muito mal. O irmão de Mariah, Morgan, estava comigo e decidimos ir para a casa da minha avó em Santa Bárbara, já que nos dias após o 11 de setembro não havia como ela voltar para Nova York por pelo menos uma semana. Em todo o pânico, quase nos escapou que a trilha sonora de “Glitter” estava chegando às lojas naquela manhã. E não é de admirar. Interessante como às vezes suas prioridades são tão distorcidas que é preciso uma tragédia tão grande para dar um tapa na sua bunda de novo.

Liguei para o meu pai e conversamos um pouco sobre os ataques terroristas. Então eu disse a ele que ele deveria trazer os irmãos Nick e Jason, porque eu queria que eles conhecessem Mariah. Ela se sentou com meus irmãozinhos no chão, em frente à TV, e ficou assistindo e comendo a pizza do Rusty.

Depois de alguns dias, voltamos para LA. Tentei me colocar de volta ao caminho certo com a Power. O Eminem soltou um diss para a Mariah. Se isso não bastasse, a nova edição do National Enquirer chegou às bancas. Um dos meus engenheiros veio e disse: “Então, você está no Enquirer!” Eu disse: “O que você quer dizer?” E ele colocou uma cópia na mesa. “Minha namorada pegou uma cópia. Mariah Carey teve um colapso nervoso e você foi buscá-la no hospital!” Lá estava eu ​​em uma foto, ajudando-a a entrar no carro sob o sinal da ala psiquiátrica no hospital.” Merda de paparazzi perseguindo a Mariah logo no 11 de setembro! Ficou distorcido. Eu disse a todos a verdade – que era tudo besteira, que a Mariah não tinha tido um colapso, mas que ela estava exausta – assim como eu.

Verdade seja dita, eu era o único que estava começando a ficar mal. Desde o primeiro dia do ano, comecei a me desfazer. Minha bebedeira ficou completamente fora de controle e eu admito. Eu não estava aparecendo no trabalho, eu não estava terminando meus discos, e tinha até gastado US $ 150 mil do meu próprio dinheiro fazendo um curta-metragem com tema de rap no Motel Bates no lote da Universal – que era uma espécie de “Glitter”, de certa forma: Uma ideia muito ruim que eu gostaria que alguém tivesse me convencido a desistir.

Neste ponto, eu era o único que estava perdido, não a Mariah. Ela estava saudável e em um bom estado mental. Havia planos para ela se apresentar no Super Bowl, então fiquei bem perto dela. Ela era minha melhor amiga e eu queria mantê-la animada e, admito, estava me apoiando nela. Ela ensaiou no estádio na noite anterior ao jogo, e ela soou incrível. Eu sabia que ela ia se sair bem e que seria exatamente o que ela e todos os seus fãs precisavam.

Na manhã seguinte, ela entrou absolutamente radiante. “A galinha dos ovos de ouro acabou de botar um”, disse ela. Eu disse: “Huh?” e ela respondeu “A Virgin me pagou hoje.”

Eles compraram seu contrato depois de apenas um álbum. Críticos e alguns fãs obviamente criticaram Glitter, tanto o filme quanto o álbum da trilha sonora que nós produzimos – mas em retrospectiva, nenhum foi o desastre que muitos achavam que tinha sido. O filme ganhou dinheiro, abrindo na 11ª posição, o que é muito bom para um filme independente. Roger Ebert fez uma revisão positiva para Mariah e sua performance. E o álbum foi certificado como Platinum. Isso não é um flop, não importa o quanto você queira e defenda.

E agora, ela era oficialmente uma artista livre.

“Mariah”, eu disse … “Olha, querida, abra sua própria gravadora dessa vez. Ou assine um contrato onde você ganhe mais dinheiro a longo prazo, desista de contratos com dinheiro adiantado. Você não precisa disso. Você precisa ser dona da porra toda.” Ela me disse que queria assinar com Def Jam.

Aqui vamos nós de novo, pensei.

Eu não queria arriscar aborrecê-la antes da apresentação no Super Bowl, que era vista por muitas pessoas como seu “comeback”.

 

Damion “Damizza” Young – Guilty By Association

16/20

Anterior

Início

Próximo
Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.