Mariah Now é a sua maior fonte brasileira sobre a Mariah Carey. O site é totalmente dedicado para os fãs da Mariah. Acompanhe notícias, vídeos, entrevistas, participe de promoções e eventos. Todo conteúdo divulgado no site é criado ou editado por membros da equipe, qualquer conteúdo retirado daqui, mantenha seus devidos créditos. Somos apoiados pela Universal Music Brasil e pela Sony Music Brasil.

Notícias

Um coral de Natal está movendo uma ação contra Mariah Carey. De acordo com os documentos obtidos pelo TMZ, Mariah teria contratado o grupo vocal Broadway Inspirational Voices para participar de 9 shows natalinos no Beacon Theatre em dezembro de 2016. Porém, ‘Mariah decidiu mudar a direção do concerto e dispensou o coral de última hora” – de acordo com um fonte.

Esta não foi a primeira vez que eles trabalharam com Mariah, em 2014 eles participaram dos famosos concertos natalinos de Mariah no Beacon Theare e receberam o pagamento sem atraso.

 

 

O site do Official Charts publicou as vendas atualizadas de ‘All I Want For Christmas Is You’. Até o momento, a música vendeu 1,504,454 cópias, sendo 332,019 por streamings e 1,172,436 pela soma das vendas digitais e físicas.

Fonte: Official Charts

Mariah Carey foi a maior estrela pop da música em meados da década de 90. Como os titãs dos anos 80 viram sua onipresença dominada por sucessos nos charts, escândalo pessoal ou inatividade, Mariah entregou uma série de álbuns esmagadores que a tornaram uma força inescapável na música. Na sequência de quatro álbuns de estúdio multiplatinados, bem como um EP ao vivo e um álbum de Natal que também foram hits – juntamente com uma sequência de singles de sucesso como “Vision of Love” e “Emotions”, ela era uma gigante comercial.

Em 1993, Mariah se casou com o executivo Tommy Mottola. Chefe da Sony Music. Mottola descobriu Carey por meio de uma mixtape quando ainda era uma garota que fazia vocais de apoio para Brenda K. Starr. Pastoreando sua carreira com a intenção de moldá-la em um superstar que seria “maior do que Madonna”, Mottola casado também iniciou um relacionamento romântico com a cantora, recém saída do ensino médio. Mottola terminou seu relacionamento na época em que começaram a trabalhar juntos, e ele estava no controle durante sua carreira inicial. Os primeiros anos de Carey como uma estrela pop eram extraordinariamente frutíferos, mas restritivos. A imagem dela era da garota do momento, com roupas comportadas, com os cabelos encaracolados que ondulavam em praticamente todos os vídeos, enquanto cantava amorosamente sobre o amor. Mottola e seu selo Columbia a desenharam dessa forma.

Eles se casaram em 1993, mas Carey eventualmente descreveu Mottola como dominador e emocionalmente abusivo. “Eu estava com alguém no momento que tinha muito controle sobre minha vida”, lembrou Carey durante um trecho no documentário Mariah’s World. “Ele era mais velho do que eu e tinha muito poder e queria que eu me afastasse da maioria das pessoas, tipo isolada do mundo”.

Mas, em 1995, havia sinais de mudança. Trabalhando em seu quinto álbum Daydream, Carey estava ficando muito mais confiante em suas próprias ideias musicais. Ela gravou o rapper Ol ‘Dirty Bastard para o remix de seu single, o com o sample de Tom Tom Club em “Fantasy” e Mottola e seu selo Columbia resistiram à ideia. No entanto, “Fantasy” tornou-se uma música e um clipe icônicos para Carey, e preparou o cenário para onde ela iria em seu próximo álbum. No meio da gravação do que se tornaria Butterfly, Carey e Mottola se separaram. Eles não se divorciariam legalmente até 1998, mas ficou claro que a cantora sentiu uma nova sensação de libertação criativa e pessoal. Esse espírito só foi amplificado após a saída de seu produtor de longa data, Walter Afanasieff. Ele co-escreveu megahits como “One Sweet Day” e “Hero” para Carey, e agora ela estava sem seu colaborador mais talentoso.

Carey aproveitou a oportunidade para remodelar a abordagem do álbum. Ela trouxe produtores de hip-hop e R&B como Sean “Puffy” Combs, Missy Elliott e Trackmasters. Carey e Combs imediatamente começaram a trabalhar em uma nova música chamada “Honey”. Construído em torno de uma amostra de “Hey DJ” do World Famous Supreme Team e “The Body Rock” dos Treigous Three, a faixa foi produzida por Stevie J. com uma assistência de Q-Tip e redefiniu para onde o álbum iria musicalmente. Mariah Carey estava totalmente imersa no hip-hop – e se sentindo em casa.

Trackmasters trabalhou com Carey em “The Roof”, que contou com uma outra amostra proeminente de hip-hop (“Shook Ones, Pt. II”) de Mobb Deep. Um remix incluiu a lendária dupla de Queens e foi outro sinal de que Mariah não estava apenas flertando com o rap, como ela fez em “Fantasy”. Mariah se juntou com Missy Elliott em “Babydoll”.

Mas o espírito de seu trabalho anterior ainda era evidente em Butterfly. A faixa-título, originalmente concebida como uma faixa de house music, era um olhar pessoal sobre o tumulto de seu casamento dissolvido. Ela queria que Mottola a visse como uma mulher e artista evoluída, e não pela jovem que ele descobriu em 1988. Quando ficou claro que nunca mais iria ver quem ela realmente se tornara, Maria escreveu “Butterfly” como uma declaração – ela voaria por conta própria.

Sisqo de Dru Hill juntaram-se a Carey para um cover da balada clássica de Prince “The Beautiful Ones” e ambos os cantores dão ao material um gosto apropriado. “Breakdown” apresentou Krayzie Bone e Wish Bone do Bone Thugs-N-Harmony, e continua sendo uma das melhores combinações de pop-R&B-hip-hop já gravada.

A sensual “My All” era indiscutivelmente a música mais puramente sedutora que Mariah Carey havia registrado até esse ponto. Com um fundo suave e atmosférico, ela canta “mais uma noite” e “seu corpo ao lado do meu”, e mostra uma das grandes forças de Butterfly como um álbum: mesmo em seus momentos mais silenciosos, Mariah parece mais forte quando ela não está coberta por uma superprodução. “Fourth Of July” também deu a Carey uma sensação mais suave e jazzística que contrastava bem com algumas das músicas mais hip-hop do álbum.

O casamento fracassado é mais uma vez refletido em “Close My Eyes”. Co-escrito com Afanasieff, a música lança seu narrador como uma criança que teve medo de entrar no desconhecido. “Mas eu fechei meus olhos / Firmei os pés no chão / Levantei a cabeça para o céu / E, embora o tempo tenha passado / Ainda me sinto como aquela criança / Quando eu olho para a lua / Talvez eu tenha crescido / Um pouco muito cedo”.

“Outside” é outro momento pessoal no álbum, no qual as letras de Carey refletem suas experiências como uma mulher birracial.  Suas letras sempre foram introspectivas e conectadas a suas próprias experiências (“One Sweet Day” foi inspirado por sua irmã enferma), mas em Butterfly, Carey se despiu de verdade.

Mas o álbum é mais lembrado por renovar a imagem de Mariah Carey como uma estrela pop.

Quando o clipe de “Honey” estreou em agosto de 1997, os fãs ficaram atônitos ao ver esta nova Mariah. Como um espiã sexy, a cantora estava de repente mais ousada e exibindo seu sex appeal. A inocência tímida e suada de seus primeiros anos tornou-se imediatamente uma lembrança distante e, com as estrelas do hip-hop Puffy e Ma$e apresentadas de forma proeminente no remix, houve uma conversa incessante e sexista que Mariah despirocou depois de sua separação de Mottola e estava ficando confortável demais com os rappers, rumores que ela categoricamente negou. O vídeo também abriu com Carey sendo interrogada por um gângster – que muitos interpretaram como uma menção não tão sutil em Mottola.

Independentemente das fofocas e das críticas, Butterfly foi um triunfo. Após o lançamento em 13 de setembro de 1997, o álbum estreou no 1 º lugar na Billboard e, eventualmente, vende 5 milhões de cópias nos EUA. Ele iniciou o segundo ato da carreira de Mariah Carey; ela ficaria, a seguir, fixa nas paradas com uma combinação de baladas contemporâneas adultas e sucessos pop hip-hop que apresentavam astros como Da Brat e Jay-Z e fechariam a década de 1990 como a artista que mais vendeu na década.

A mudança de imagem de Mariah não foi totalmente sem precedentes: Whitney Houston passou a década de 1980 sendo criticada por muitos fãs de R&B por registrar o que eles consideravam canções pop sem alma por ter sucessos que foram feitos para serem hits. Ela respondeu com I’m Your Baby Tonight, de 1990, que apresentou a produção de L.A. e Babyface, bem como uma colaboração com o rapper Monie Love no remix de “My Name is not Susan”.

Mas Mariah em Butterfly abraçava muito mais os estilos de hip-hop e R&B em um momento em que o hip-hop estava se tornando uma força dominante na música popular e na cultura. Para a maior estrela pop do mundo, de repente, não se importaria em abraçar os rappers e a produção do hip-hop confirmou que esse som era agora o som definitivo. Puffy, Q-Tip, Missy Elliott, etc. já se estabeleceram como hitmakers, mas Butterfly provou que eles eram os portadores de padrão para o que estava quente na música. Ao se reinventar através do hip-hop, Mariah afirmou o hip-hop como a força orientadora do pop; e isso só se tornaria mais uma verdade incontestável à medida que os anos 2000 começaram.

E para Carey como artista e como mulher, Butterfly é onde ela mergulhou completamente dentro de si. Em uma entrevista de 1998 com a Rolling Stone, a cantora disse que ela ressentia certas coisas sobre seu casamento com Mottola, mas não teve interesse em criticá-lo.

“Mesmo que eu esteja com raiva de certas coisas, elas devem permanecer pessoais e privadas”, disse ela na época. “Independentemente do que aconteceu, eu me preocupo com Tommy e ainda o amo como pessoa. Tommy representa uma grande parte da minha vida, e ele ajudou a moldar a pessoa que eu sou. Embora ele obviamente estava em um nível muito grande quando nosso relacionamento começou, eu acho que nós dois formamos as carreiras uns dos outros”.

A carreira de Mariah Carey teria mais reviravoltas (muito bem documentadas) nos anos que se seguiram à Butterfly, mas o álbum é um dos lançamentos mais transcendentes de sua era. E um projeto de definição para uma das artistas mais bem sucedidas e influentes do pop. Prova positiva de como um espírito criativo pode florescer quando é dada a latitude para seguir sua própria inspiração.

A série de Mariah Carey, ‘Mariah’s World’ não terá uma segunda temporada transmitida pelo E!

 “Foi incrível levar nossos espectadores ao mundo privado de uma das maiores estrelas do mundo hoje em dia”, disse um representante da emissora em comunicado oficial.

O programa teve oito episódios que mostrava Mariah nos bastidores de sua turnê, ‘Sweet Sweet Fantasy’.

 

Divulgado pela coluna PageSix no começo desta semana, Mariah deve fazer um novo programa, mais focado na música, com o VH1.

Durante uma coletiva de imprensa em Israel no mês de junho, Mariah declarou que não teria interesse em fazer uma segunda temporada do Mariah’s World.

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.