Mariah Now é a sua maior fonte brasileira sobre a Mariah Carey. O site é totalmente dedicado para os fãs da Mariah. Acompanhe notícias, vídeos, entrevistas, participe de promoções e eventos. Todo conteúdo divulgado no site é criado ou editado por membros da equipe, qualquer conteúdo retirado daqui, mantenha seus devidos créditos. Somos apoiados pela Universal Music Brasil e pela Sony Music Brasil.

Notícias

Mariah Carey deve cantar na  Borobudur Symphony  em 6 de novembro. O show foi levado ao país pela Taman Wisata Candi Prambanan, Borobudur e Ratu Boko (TWC) será realizado no Parque Lumbini no Templo de Borobudur. Yogyakarta.

De acordo com Palwoto, o diretor financeiro de investimentos e recursos humanos da TWC e diretor do projeto Borobudur Symphony disseram que os gerentes estão convencendo Mariah Carey a usar o batik durante sua performance em Borobudur.

Atualmente estamos propondo duas coisas, a primeira é pedir a Mariah Carey para usar batik. Eu não sei como será a situação, mas o conceito é que ela use um batik”, disse Palwoto em entrevista coletiva no centro de Jacarta. na terça-feira, 17 de julho.

O segundo pedido das empresas é solicitar que a Mariah Carey que faça uma visita aos moradores nas proximidades do Templo de Borobudur para impulsionar a economia local. Palwoto disse que até agora não houve resposta da equipe de Mariah Carey.

Fonte: Tempo

O ano de 2008 não parecia particularmente uma era de ouro do pop. Mas 10 anos depois, olhando para trás, as músicas que lideraram as paradas em 2008 são surpreendentemente consistentes. Nenhuma balada pavorosa e traiçoeira. Nenhuma música pós-grunge de boutique, nada do Black Eyed Peas. Mas qual música foi a melhor? Qual música foi a pior? A única maneira de descobrir isso é fazer uma lista. Então, aqui vamos nós: uma lista com todas as músicas que foram número 1 no Billboard Hot 100 de 2008,

14. Katy Perry – “I Kissed a Girl”
13. Usher featuring Young Jeezy – “Love in This Club”
12. Leona Lewis – “Bleeding Love”
11. Rihanna – “Take a Bow”
10. T.I. featuring Rihanna – “Live Your Life”
9. Beyoncé – “Single Ladies (Put a Ring on It)”
8. Rihanna – “Disturbia”
7. T.I. – “Whatever You Like”

6. Mariah Carey – “Touch My Body”
Na faixa mais lúdica de sua carreira, Mariah parece, pela primeira vez, confortável em seu poder, então ela não precisa flexionar seu músculo vocal. Ela é uma mulher auto-confiante declarando suas prerrogativas sexuais, e uma flexibilidade interpretativa recém-sintonizada acompanha essa confiança. A maneira como a leve arrogância de “Cause if you run your mouth and brag about this secret rendezvous” se reduz ao  sussurado, declarativo “I will hunt you down” demonstra a técnica de um cantora esperta, não apenas um fisicamente talentoso.

5. Coldplay – “Viva la Vida”
4. Pink – “So What”
3. Flo Rida featuring T-Pain – “Low”
2. Britney Spears – “Womanizer”
1. Lil Wayne featuring Static Major – “Lollipop”

Fonte: City Pages

Para as suas turnês atuais, as cantoras superstars mais uma vez se voltaram para a casa italiana para uma dose de alta voltagem de glamour e carisma. A Vogue falou com o novo diretor criativo da Cavalli, Paul Surridge, sobre a criação de desenhos personalizados para Mariah Carey e Beyoncé.

Mariah Carey e Beyoncé voltaram as palcos vestindo Roberto Cavalli neste fim de semana – mas ao contrário de 2014, quando ambas as divas usavam o mesmo vestido preto, desta vez eles estavam vestidos com desenhos feitos sob encomenda pelo novo diretor criativo da marca italiana, Paul Surridge. Carey começou sua residência em Las Vegas no dia 5 de julho em um vestido de alta costura de Cavalli, enquanto Beyoncé saiu no dia 6 de julho em Milão em duas criações feitas sob medida para a última etapa de sua OTR II Tour.

“Eu agarrei a oportunidade”, diz Surridge à Vogue sobre a chance de trabalhar com os dois ícones da música. Ambas as cantoras usaram a marca italiana dentro e fora do palco ao longo de suas carreiras, mas esta foi uma chance para Surridge reimagina-las em sua visão para o “novo” Cavalli. “Para mim, a mulher que usa Cavalli quer ser visível e quer ser comemorada”, diz o designer nascido na Inglaterra e treinado por Saint Martin, que sucedeu Peter Dundas no comando da casa italiana em julho de 2017. “Ambas as mulheres representam coisas muito diferentes, mas fundamentalmente são artistas, apaixonadas e bonitas”.

O vestido branco de alta costura de Carey, especialmente encomendado para seu show em Vegas, foi inspirado na herança da estampa de zebra. “Ela queria algo muito tradicional”, observa Surridge, descrevendo apaixonadamente os detalhes meticulosos – “chanfrados feitos à mão, usando lantejoulas francesas, cristais e franjas de vidro, com lindas penas de avestruz brancas e marabu na parte de trás” – que levou mais de 100 horas dedicadas de costura à mão para completar. O objetivo era evocar um senso tradicional de glamour e carisma. “Mariah é a voz que eu cresci ouvindo e esse esboço é ela usando o vestido”.

O primeiro single do “Glitter”“Loverboy”,  trilha sonora do primeiro longa de Mariah Carey, foi uma mistura de conceito e confusão musical. A essa confusão foi, infelizmente, transferida para o clipe da música – havia corridas de carro, o rosto de Mariah Carey sobrepostos, calotas e shorts muito curtos e algumas danças cafonas.

Tudo apontava para uma grande mudança na vida de Carey, que começou o ano de 2001 com mensagens estranhas de áudio em seu site oficial, uma aparição memorável e icônica, porém nada planejada no programa TRL da MTV, e a saída da Columbia Records. Na época, a jovem Mariah Carey, aos 30 anos,o assinou um contrato de 100 milhões de dólares com a Virgin Records para lançar cinco álbuns, o contrato mais caro da indústria fonográfica até então.

Anos mais tarde, Carey revelou que ela sofre de transtorno bipolar, e muito de seu comportamento naquele ano sinalizou para o sofrimento emocional que ela sofria durante o período.  Em 2001, Carey era uma megastar que lutava para se redefinir como artista e como mulher. Quando “Loverboy” foi lançado, ficou claro que ela ainda não tinha encontrado completamente o caminho certo.

O lado positivo é que “Loverboy” ainda se destaca como um dos vídeos mais memoráveis ​​de Carey, mesmo que não seja necessariamente pelas melhores razões. Veja abaixo o lado bom e o ruim de “Loverboy”:

 

O Lado bom:

Ele vendeu bem: os críticos podem tê-lo considerado desajeitado, sem originalidade e estranho, mas “Loverboy” ainda era a música mais vendida de 2001 nos EUA, apontando para o poder de estrela dominante de Carey. 

Sample de Cameo: Você não pode exagerar o brilho do grupo funk, Cameo. E qualquer um com o bom senso pode dizer uma de suas melhores músicas é“Candy”, e mereceu destaque por estar ali.

Larry Blackmon no vídeo: O vocalista do Cameo, Larry Blackmon, participando do clipe ao lado de Da Brat.

  • O Lado Ruim

Foi o primeiro fracasso comercial de Carey: Sim, apesar de ter o single mais vendido de 2001, porém “Loverboy” também foi o primeiro lead single de Carey que não conseguiu chegar ao 1° lugar do Billboard Hot 100. A música conseguiu somente chegar ao 2° lugar na parada, que apesar de uma excelente posição, foi considerado um desempenho ‘baixo’ para a maior estrela pop da música da época.

Mariah Carey dançando: Apesar de ter um bom coração, Carey não é uma boa dançarina e isso é revelado nesse vídeo. Em todos as cenas que ela aparece dançando de forma erótica em cima de um carro ou na pista de corrida, são muito ruins. Se você notar, a maioria desses desses frames são exibidos em câmeras lenta, provavelmente para ajudá-la a pegar o ritmo.

Glitter: o drama musical romântico de Mariah Carey, Glitter, é um dos piores filmes vistos nas últimas duas décadas, ao lado de Gigli, o horrível e bizarro filme de Jennifer LopezBen Affleck. Glitter foi duramente criticado por causa do enredo brega e das fracas atuações do elenco, tornando-se alvo de muitas piadas na cultura pop nos últimos anos. Consequentemente, Carey lutou para se reerguer após o fiasco do filme, que foi considerado o inicio de sua queda de popularidade. Claro, agora sabemos que isso está longe de ser verdade, ela deu a volta por cima em 2005 com o álbum  The Emancipation of Mimi, que além de ter sido considerado um dos melhores álbuns de todos os tempos, também foi considerado o ‘comeback’ mais icônico da história da música pop.

  • O lado sujo

Mariah Carey foi vítima de sabotagem de Jennifer Lopez  e Tommy Mottola na ocasião. A gravação original de ‘Loverboy’ possuía samples da faixa “Firecracker”  do grupo Yellow Magic Orchestra.  Porém, com intuito de fracassar a ida de Mariah Carey para Virgin Records, o ex-marido de Mariah, Tommy Mottola e sua nova contratada, Jennifer Lopez, roubaram o samples original da canção de Mariah. Eles foram atrás dos direitos para usar o sample um mês após Mariah ter finalizado a canção. Ao descobrir o roubo, Mariah mudou o sample da canção de última hora para ‘Candy’ do grupo Cameo. Então Mottola usou o sample roubado para o single de Lopz, a canção ‘I’m Real’. Falando sobre roubos durante o projeto do Glitter, chefe da Murder Inc., Irv Gotti, disse que Mottola realmente disse a ele para criar Murder Remix de “I’m Real” de J. Lo para soar exatamente como outra música do Glitter, a faixa“If We“, que contou com a participação de Ja Rule e Nate Dogg. Poderia ser por isso que Mariah Carey não conhece a J. Lo?

 

Comportamento estranho:

Aliado ao lançamento do Glitter, mais controvérsias surgiram por causa do comportamento controverso de Carey, que sem dúvida impactou negativamente a recepção de “Loverboy”. Ela começou a postar sobre mensagens em seu site, incluindo uma que dizia: “Estou tentando entender as coisas na vida agora e por isso não sinto que deveria estar fazendo música agora”. Ela também fez aparições bizarras na  TV , incluindo uma surpresa  no TRL da MTV, em que ela exibiu comportamento bizarro – ela saiu empurrando um carrinho de sorvete e distribuindo picolés para plateia, antes de fazer um strip-tease. A aparição atraiu muita atenção, assim como uma tarde de autografos no loja Tower Music, onde foi contida por sua assessora, Cindi Berger. Menos de uma semana após isso, ela foi hospitalizada por exaustão mental e física grave. Como resultado, o lançamento do Glitter, filme e trilha-sonora, foram atrasados.

 

O lançamento oficial da trilha-sonora caiu no 11 de setembro: Uma infeliz coincidência, a trilha sonora de Glitter foi lançada em 11 de setembro de 2001, aumentando ainda mais sua história de desastre.

Fonte:  The Boombox

 

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.