Mariah Now é a sua maior fonte brasileira sobre a Mariah Carey. O site é totalmente dedicado para os fãs da Mariah. Acompanhe notícias, vídeos, entrevistas, participe de promoções e eventos. Todo conteúdo divulgado no site é criado ou editado por membros da equipe, qualquer conteúdo retirado daqui, mantenha seus devidos créditos. Somos apoiados pela Universal Music Brasil e pela Sony Music Brasil.

Notícias

mariahmetro

Mariah Carey não surpreendeu a usar um vestido muito revelador em uma festa de gala em Nova York , na última quinta-feira (29). A cantora de 44 anos, usou um vestido azul muito decotado com luvas brancas para festa.

Após brilhar no evento, Mariah postou uma série de vídeos engraçados na internet. Usando o mesmo vestido para passear em Manhattan em diversos transportes públicos, incluindo um táxi e o metrô.

E a cantora mostrou que tem um excelente senso de humor e papas na língua para as possíveis pessoais que zombariam dela por causa do seu status de diva: “Eu percebi que aquele vestido era apropriado para andar de metrô. ´´

Fonte: Daily Express

Temos postados diariamente as críticas que o “Me. I Am Mariah…” tem recebido a nível mundial. Podemos dizer que este é um dos discos de Mariah mais elogiado pela crítica especializada.

A imprensa britânica, que geralmente sempre implica com o material de Mariah, por ser americanizado demais, tem elogiado bastante o cd.

Confira algumas novas críticas abaixo:

Daily Star: Começa nos assassinando com uma balada no melhor estilo Stevie Wonder, Cry, este aguardado retorno de Mariah é ajudado por amigos de peso como Mary J Blige em It’s A Wrap e R. Kelly com Betcha Gon’ Know. Porém, nada supera as batidas incríveis de Faded. Classificação: 3/4

Metro: Meia década desde que lançou seu último disco de estúdio, Memoirs of An Imperfect Angel – a diva número 1 está de volta com um novo disco, que tem um título tão ridículo quanto ao anterior. Mariah nunca seguiu modismos, aqui ela apresenta os seus pontos fortes, misturando as baladas com músicas old-school e incursões mais aventureiras ao hip hop e pop dance. Porém, aqui tudo é bem distribuído, especialmente quando ela retorna à moda antiga, principalmente quando ela é acompanhada pelo coral gospel em Heavenly, aqui está o momento clássico de Mariah que você estava esperando ouvir.

Outro ponto alto incomparável do álbum é o dueto que foi lançado ano passado, com a nova estrela do r&B, Miguel, a canção que irritantemente  possui uma hashtag, #Beautiful, mas a colaboração nostálgica com Nas, Dedicated, a dançante e fabulosa You Don’t What To Do com participação de Wale e a  irresistível e grudente Meteorite mostra quantas cartas Mariah tem em sua manga.

E quanto algumas pessoas podem argumentar sobre a sua voz não ser mais a mesma,  ela ainda continua incomparável, podemos ouvir um pouco de suas notas roucas e o suas famosas notas agudas sob controle. Nós podemos pedir vários tapetes bancos e borboletas para todos os lugares que nós formos.

Mas nem todas as músicas aqui são um hit, há um bando e algodão doce espalhado na baladinha Supernatural, que mostra os gêmeos de Mariah sendo extremamente fofos, que é a proposta da canção. Embora, os atrasos tenham levado a rumores de que este é disco seria ruim, pelo contrário, é um disco muito confiante e divertido. Classificação: 3/5

Daily Mail: Claro que o título é ridículo, e isto é correspondido pela capa do álbum. Enquanto o décimo quarto disco de Mariah Carey a mostra retocada na capa, na capa traseira mostra um auto-retrato desenhada pela cantora quando ela tinha apenas três anos. O desenho foi classificado como “a visualização de como eu me sentia aos 3 anos de idade, com o coração de criança que ainda não havia sido quebrado.” Bom, de qualquer forma, a super estrela norte-americana,  nunca foi burra. E para todos aqueles que têm auto-respeito, isto é realmente muito bom. O disco é uma pequena mistura do pop dançante com o R&B do momento.

Depois que desviou seus olhares para o hip-hop em 1997 com o Butterfly, Carey agora está voltando a o estilo mais sentimental.  Enquanto existem no momento uma série cantoras cantando com rappers por aí, aqui temos a sua deslumbrante voz, que rouba a cena com as suas cinco oitavas.

A música de abertura, Cry, tem um tom sonhador, elegante, o sabor da old-school vemos em Dedicated ( que tem participação do rapper de Nova York, Nas) e Make It Look Good (com o solo da gaita de Stevie Wonder).

Há também muita coisa para encher linguiça. You’re Mine (Eternal) nunca deveria ter sido single, enquanto Supernatural apresenta barulhos bonitinhos, mas um pouco brega, dos gêmeos de Mariah, Moroccan e Monroe. Mas há muito também de seu humor: em Thirsty ela se gaba: “The best thing that happened to your ass was me”.

E ela constrói um final com uma gama de oportunidades: You Don’t Know What To Do lhe dá o título de diva da discoteca, assim como Meteorite. Além da incrível regravação de One More Try de George Michael, e em seguida, com o toque gospel de Heavenly. A cantora indescritível? Acho que ela está mais para a diva incansável. Classificação: 3/5

Scans:

Depois de muitas idas e vindas o aguardado novo trabalho de Mariah Carey finalmente viu a luz do dia. E de cara é preciso dizer que o álbum além de não decepcionar – algo muitas vezes esperado em projetos de gestação complicada – chega mesma a surpreender. 

Portanto já fica a dica para que os admiradores casuais da cantora, e também aqueles que simplesmente não gostam dela, deem uma chance ao álbum. O aviso é dado porque muita gente pode ter decidido não ouvi-lo por causa do seu título (algo como “Eu. Sou Mariah… A cantora que se esquiva”).

Na verdade, tanto se falou do nome do álbum – que alguns sites e jornais consideraram um dos piores de todos os tempos – que o que realmente importa, a sua música, parece ter ficado para segundo plano. E isso é no mínimo injusto para com a cantora que fez aqui um disco que, em boa parte de suas faixas, é marcado por sua simplicidade e pelo controle de excessos.

Sim, é claro que o álbum tem aqueles momentos “diva” com vocais exagerados. Há também algumas outras músicas com produção moderna que, mesmo competentes, não acrescentam muito ao pacote. 

Apesar disso, ao final da audição, o que ficará na cabeça do ouvinte, são as boas baladas, o clima saudavelmente retrô e para cima de faixas como “#Beautiful (Feat. Miguel)“, as músicas influenciadas pelo melhor da soul music dos anos 60 e 70 ea excelente cover de “One More Try” que deve ter deixado seu autor, George Michael bastante orgulhoso. Resumindo, é um álbum que tem todas as condições de recolocar Mariah no topo.

Mariah concedeu uma entrevista para a correspondente do ‘Extra’, Angie Martinez.

“Este ano é sobre as crianças”.

Estaria Mariah e Nick se afastando um do outro? Assista a entrevista para a Extra TV no tapete vermelho da Fresh Air Fund.

[youtube id=”RAlX-yoia6E” align=”center” mode=”normal” autoplay=”no” maxwidth=”400″]

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.