Mariah Now é a sua maior fonte brasileira sobre a Mariah Carey. O site é totalmente dedicado para os fãs da Mariah. Acompanhe notícias, vídeos, entrevistas, participe de promoções e eventos. Todo conteúdo divulgado no site é criado ou editado por membros da equipe, qualquer conteúdo retirado daqui, mantenha seus devidos créditos. Somos apoiados pela Universal Music Brasil e pela Sony Music Brasil.

Cher

Quando se trata de divas musicais, a lista pode parecer um pouco interminável; No entanto, certos ícones femininos – seja dominando os outdoors ou transcendendo o status quo – funcionam para deixar um impacto eterno, lembrando o público de sua relevância cultural, trilha-sonora de toda a vida e a influência sobre a indústria da música.

De Cher e Aretha Franklin a Mariah Carey e Madonna, esta lista analisará quatro divas autoproclamadas (ou rotuladas como fã) que fizeram grandes progressos em relação à sua abordagem de entretenimento e influência musical. Dos sucessos da Billboards e prêmios Grammy à mudança social, proeza vocal, poder de estrela e significado cultural, vamos tentar determinar qual é a  Diva reina suprema.

Quem tem o maior número de hits da Billboard e prêmios Grammy?

Chegando com 18 hits no topo da Billboard,, Mariah Carey leva o primeiro lugar em termos dessa métrica. Madonna, logo atrás, teve 12 hits em primeiro lugar na Billboard. Cher vem em terceiro lugar com quatro hits no. 1 e Aretha Franklin, surpreendentemente, ao longo de sua longa carreira, teve apenas dois hits em 1?. No entanto, é importante notar que Madonna bate Mariah Carey quando se trata de maior número de canções no Top 10.

Como ficamos sobre o Grammy Awards? Não há competição, já que Aretha Franklin ganhou 25 prêmios Grammy ao longo de sua longa carreira, incluindo o Grammy por conquistas em toda a vida, que deve ser multiplicado algumas vezes, pois representa a influência que ela exerce sobre a soul music em uma escala mais ampla. Vamos nos lembrar, Aretha sempre será a “Rainha do Soul”. Madonna vem em segundo lugar com sete Grammys, enquanto Cher e Mariah gravam com cinco Grammys.

Aretha Franklin tem que ser premiada com o primeiro lugar aqui, dado que ela dominou o prêmio projetado para refletir sua proeza musical; Considerando que, hits da Billboard reflete popularidade. Porém, a popularidade também não deve ser subestimada. Assim, o segundo lugar nesta categoria pertence a Mariah Carey, como ela domina o Billboard (apesar do fato de que Madonna tem mais Grammys). O terceiro lugar vai para Madonna, e Cher fica em quarto nesta categoria.

Qual diva teve mais influência sobre a indústria e catalisou a maior mudança social?

Uma categoria totalmente qualitativa, esta seção será a mais difícil de provar; no entanto, é provavelmente um dos mais valiosos. Então, vamos colocar as noções básicas e partir daí. Aretha é considerada a Rainha do Soul , enquanto Madonna é chamada a Rainha do Pop. Cher – com várias designações representando seu estrelato – é rotulada como a Deusa do Pop, a Rainha dos Comebacks, a Rainha da Reinvenção… Mariah Carey, por outro lado, é frequentemente chamada de Rainha do Natal.

Quando se trata de influência geral, Cher pavimentou o caminho para Madonna; desde as mudanças de roupas até as exibições sexuais e apresentações de concertos extravagantes, Cher é uma OG Diva, e várias estrelas desde então seguiram seus passos, incluindo Madonna. Cher é tão famosa profere durante uma de suas várias turnês “finais”, “Siga isso, você vadias”, como ela está ciente do fato de que seu trabalho foi imitado e transformado com o tempo; no entanto, a imitação é a mais alta forma de lisonja.

Considerando que Aretha existe em sua própria liga como a Rainha do Soul, e o título de Rainha do Natal de Mariah Carey parece um pouco inexpressivo comparado às outras designações (para não mencionar, Mariah não revolucionou as abordagens de desempenho feminino), esta área é realmente uma competição entre Cher e Aretha.

Cher atualmente tem um musical na Broadway refletindo a jornada de sua vida, mas Aretha tem uma na obra. Ambas as estrelas são os ganhadores do Kennedy Center Honor e ambos influenciaram muito os músicos em seus respectivos gêneros. No entanto, Cher e Sonny faliram nos anos 60 e Cher teve que abrir caminho de volta ao estrelato. Embora essa seja uma decisão realmente difícil, devido às freqüentes reinvenções e mudanças no estilo musical – incluindo a revolução no uso do autotune – o primeiro prêmio dessa categoria vai para Cher, seguido por Aretha, Madonna em terceiro e Mariah em último lugar.

Habilidade vocal?

Vamos manter esta categoria direto ao ponto. Quem tem o maior alcance vocal? Como todos sabemos, Mariah Carey leva este com o seu incrível alcance de cinco oitavas. Diz-se que Aretha Franklin tem um alcance vocal que abrange mais de três oitavas, enquanto Cher e Madonna possuem faixas planas de 3 oitavas. Assim, Mariah leva o ouro, Aretha vem em segundo, enquanto Cher e Madonna empatam em terceiro.

Quem é tem mais poder?

De acordo com a Forbes, o poder das estrelas tem menos a ver com a forma como você gerencia palavras ou pessoas, e mais a ver com como você gerencia sua própria energia. De acordo com a publicação, isso significa pedir o que você quer, aprender a estar presente, confiar em seus instintos, possuir um talento para atuar, improvisar e muito mais. Então, quem cobre a maioria dessas áreas?

Cher, Madonna e Mariah apareceram em filmes, mas Cher é a única vencedora do Oscar nesta lista, então vamos dar a habilidade de atuação para ela. Cher também deveria receber a medalha de confiar em seus instintos, já que ela foi forçada a seguir seu intestino e se colocar lá fora toda vez que ela trabalhava para fazer um retorno.

Aretha, Madonna e Mariah têm seguidores de fãs religiosos e sabem como manter um público envolvido, permanecendo presentes no momento da performance (talvez até mais do que o frequente trocador de roupa). No entanto, esta categoria parece pertencer a Cher, trabalhando com a maioria das credenciais da Forbes, implicando que o segundo lugar vai para Madonna (lembre Evita), e Aretha e Mariah devem empatar em terceiro lugar (baseado principalmente na falta de influência cinematográfica ).

Então, quem é a maior diva de todos os tempos: Cher, Madonna, Mariah ou Aretha?

Com base nas categorias acima, Cher ficou em primeiro lugar por dois, enquanto Aretha ficou em primeiro lugar por um, mas conseguiu um segundo lugar em duas categorias. Como Cher não conseguiu o segundo lugar em duas categorias diferentes, parece melhor dar o primeiro lugar para Cher e Aretha. Considerando Mariah Carey ganha por habilidade vocal, e Madonna não ganhou o primeiro lugar em nenhuma categoria, Mariah leva o prêmio pela terceira melhor diva de todos os tempos, e Madonna vem em quarto lugar.

 

Menções Honrosas

Christina Aguilera

Diana Ross

Whitney Houston

Celine Dion

 

Fonte: The Cheat Sheet

Mariah Carey dominou o mundo pop e as paradas da Billboard desde sua estréia em 1990, e, apropriadamente, a Dick Clark Productions e a NBC anunciaram na quinta-feira (11 de abril) que Carey será homenageada com o prestigioso Icon Award.

Junto com seu prêmio, a própria lenda viva subirá ao palco para realizar uma medley de seus maiores sucessos. Ela se junta às famosas lendárias Icon, Janet Jackson, Neil Diamond, Stevie Wonder, Prince, Jennifer Lopez, Celine Dion, Cher e outros.

Carey liderou a Billboard Hot 100 em todos os anos da década de 1990, fazendo dela a única artista a liderar o ranking em todos os anos de qualquer década, e teve 18 canções em 1° lugar , mais do que qualquer outra artista solo. Além disso, seu total de 79 semanas dominando o topo do  Hot 100 é o máximo de qualquer artista na história. Seis de seus álbuns alcançaram o primeiro lugar na lista de álbuns da Billboard 200.

O Billboard Music Awards de 2019, apresentado por Kelly Clarkson, será transmitido ao vivo do MGM Grand Garden Arena, em Las Vegas, na quarta-feira, 1 de maio, às 20h. ET / PT.

 

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

😲🥳😢☺️😘🙏 Thank you so much @billboard @BBMAs. See you May 1st!🎙🦋💕

Uma publicação compartilhada por Mariah Carey (@mariahcarey) em

Fonte: Billboard

No aniversário de 20 anos do especial, saiba como grandes estrelas da música se uniram em concerto extravagante, cheio de drama e glória.

O ar de Nova York estava calmo e refrescante na noite de 14 de abril de 1998. Mas um fogo ardia forte dentro do Beacon Theater, no Upper West Side de Manhattan. Os fiéis estavam reunidos. Uma cerimônia religiosa estava prestes a começar. Seis deusas aguardavam nos bastidores, mas depois de subirem ao palco não precisaram pregar para fazer novos convertidos. Todos as pessoas em sã consciência já tinham se ajoelhado diante de seu altar e continuariam a fazê-lo por vários anos ainda.

O evento em questão foi, é claro, o concerto Divas Live, da rede VH1. As deusas eram prima-donas da música pop: Aretha FranklinMariah Carey, Céline DionGloria EstefanShania Twain e Carole King que cantaram canções de seus respectivos repertórios, juntas e individualmente. A “cerimônia religiosa” foi sucesso enorme de audiência, então no ano seguinte a VH1 ampliou as razões para os fãs entoarem hosanas. Whitney Houston, Tina Turner, Cher e Brandy foram as atrações principais de Divas Live ’99, e juntaram-se a elas Mary J. Blige, Chaka Khan, LeAnn Rimes, Faith Hill e um “convidado muito especial”, Elton John. O concerto virou o programa de maior audiência na história da emissora, um santo graal para a VH1 e para o mundo.

Como pode atestar praticamente qualquer produção em grande escala, colocar pelo menos uma dúzia de grandes estrelas juntas em um mesmo evento é algo que não se faz sem alguns tropeços e polêmicas. Por isso, antes de festejar o vigésimo aniversário do evento, falei com cinco produtores responsáveis pelos três primeiros shows Divas (o de 2000 foi uma homenagem a Diana Ross, com participações de Mariah Carey, Faith Hill, Donna Summer e RuPaul) para ver quantas fofocas eu conseguiria reunir sobre esses eventos cheios de brilho.

Vá buscar um balde de pipoca. Ou um pouco de água benta.

1. As origens, ou: no primeiro dia, Deus criou Céline

No início de 1998 um executivo da VH1 chamado Wayne Isaak, que passara mais de uma década como guru de publicidade da gravadora A&M Records, estava tentando convencer Céline Dion a cantar num “grande concerto” que seria voltado ao público fundamental da emissora: adultos na faixa dos 24 aos 35 anos, especialmente mulheres, que se reuniam para ouvir canções como Behind the MusicStorytellers Crossroads.

Ao mesmo tempo, Isaak e o resto da equipe de pré-programação da emissora precisavam de uma grande atração para substituir o especial Honors, uma cerimônia sem brilho promovida entre 1994 e 1997 para homenagear o trabalho filantrópico de músicos. Convenientemente, a rede acabara de criar a Save the Music Foundation, organização sem fins lucrativos que doava instrumentos musicais a escolas públicas. A direção da empresa aproveitou a oportunidade para levantar fundos para a ONG e promover um concerto com grandes nomes.

Isaak sabia que conseguir convencer Dion a participar, mas Lauren Zalaznick, uma ex-publicitária rematada que acabaria por dirigir a Bravo, defendeu a criação de uma franquia que virasse uma marca própria. Então Isaak propôs The Three Divas, aproveitando a fama do popular grupo de cantores líricos conhecido como Os Três Tenores. A equipe pensou em capitalizar em cima do grande momento que as mulheres estavam tendo na música. Sarah McLachlan havia inaugurado o festival Lilith Fair pouco antes. Missy Elliott e Lil’ Kim estavam arrasando no cenário hip-hop. O ápice do mundo das cantoras-compositoras era ocupado por figuras como Alanis Morrissette e Tori Amos. Madonna e Lauryn Hill estavam prestes a lançar álbuns que definiriam suas carreiras. O Grammy de 1999 teria uma raridade: uma categoria Melhor Álbum do Ano em que todas as candidatas eram mulheres.

Isaak propôs a Céline Dion formar as Três Divas juntamente com Aretha Franklin e Mariah Carey, e ela teria dado sua aprovação entusiasmada. Com isso, é claro, o conceito ganhou ímpeto rapidamente, virando uma bola de neve. “E se incluirmos Gloria Stefan?” Isaak aventou. “É claro”, responderam todas as outras. “E Shania Twain?” Isso já era um pouco mais complicado.

Twain já tinha dois sucessos modestos no gênero pop, mas ainda era sobretudo uma atração country. Com seu terceiro álbum, Come On Over, tendo sido lançado em novembro de 1997 e altamente elogiado, sua gravadora queria convertê-la em grande virtuose “crossover“, uma perspectiva auxiliada pela VH1, que colocava seus vídeos em rotação frequente. Mas ela ainda não tinha chegado totalmente ao nível das outras divas quando Isaak tentou convencer seus colegas a incluí-la no mesmo show que Aretha Franklin, Mariah Carey, Céline Dion e Gloria Estefan.

“Eu não queria Shania Twain no show”, Zalaznick recordou. “Não achava que ela se encaixava ali com as divas. Mas Isaak me convenceu que ela seria a maior artista daquele ano, e acho que ele teve razão.”

Quando Divas Live foi transmitido, em abril, a premonição de Wayne Isaak se realizou. You’re Still the One foi um megasucesso, convertendo Shania Twain em nome conhecido por todos e sua canção na terceira mais popular do ano, segundo a lista Billboard dos sucessos do final do ano. Na realidade, segundo Isaak, o segmento de Shania Twain foi o quarto de hora que teve a maior audiência do show Divas.

Uma vez definidas as participantes – o produtor veterano Ken Ehrlich recrutou Carole King como acréscimo de último minuto –, Three Divas mudou de nome para Divas Live. Conforme o material de divulgação, as mulheres estavam todas em pé de igualdade: o cartaz foi projetado de modo que a cabeça de cada cantora tinha o mesmo tamanho que as outras, segundo Zalaznick. Isso ajudou a acalmar as hesitações dos produtores em relação ao uso do termo “diva”, que eles diziam ter a intenção de ser empoderador. “Garantimos que seríamos gentis com elas, que não as trataríamos com ironia”, disse Isaak.

E assim nasceu um grande espetáculo de muitos gêneros. “De uma maneira estranha, parece que nos antecipamos ao casting do programa ‘The Voice’, no sentido em que tentamos incluir cada um dos maiores gêneros. Isso era arriscado por que, como o Grammy, em um show que é feito para todos, você às vezes corre o risco de criar um show que não agrada a ninguém”, disse Zalaznick. “Decidimos que aquela era nossa melhor chance de fazer algo deslumbrante e ter duetos maravilhosos.”

Kevin Stea, que trabalhou com a Madonna na Blond Ambition, revelou alguns segredos de bastidores de alguns artistas que ele trabalhou, Michael Jackson, Madonna, David Bowie, Mariah Carey, Cher e Rihanna.

Ele chegou a processar a Madonna, por não ter autorizado a sua imagem para o documentário da ‘Na Cama Com Madonna’, “Eu achei que a minha carreira ia acabar após isto, mas depois eu fui convidado para trabalhar com a Cher, e trabalhei também com o Michael Jackson”.

Mas apesar de ter ficado famoso ao trabalhar com Madonna, ele acredita que a maior diva que ele já trabalhou tenha sido a Mariah Carey – alguém que odeia que o lado esquerdo de seu rosto seja filmado. “Eu estava trabalhando com ela no comercial que ela gravou para Pepsi, e  estavam filmando somente o seu lado direito. De repente, um fotografo se dirigiu para o lado esquerda e rapidamente ela gritou: ‘Alguém vai ser demitido’.”

Fonte: The Mirror

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.