Mariah Now é a sua maior fonte brasileira sobre a Mariah Carey. O site é totalmente dedicado para os fãs da Mariah. Acompanhe notícias, vídeos, entrevistas, participe de promoções e eventos. Todo conteúdo divulgado no site é criado ou editado por membros da equipe, qualquer conteúdo retirado daqui, mantenha seus devidos créditos. Somos apoiados pela Universal Music Brasil e pela Sony Music Brasil.

Elle Magazine

A diva, muitas vezes imitada e nunca duplicada, tem um plano para comemorar o Natal – em uma época em que realmente precisamos disso!

Começa com algumas notas de desejo prolongado, estendidas até o limite como caramelo. Eu não quero muito no Natal. Só preciso de uma coisa. Então, sem aviso, todo aquele anseio explode em uma corrida vocal ofegante, uma dose de dopamina atada a um sino de trenó que dá a sensação de tomar banho com todos os presentes que você sempre quis e se reunir com todos que você já amou, tudo ao mesmo tempo de forma adequada quantidade cinematográfica de neve cai no fundo.

Não importa quantas vezes você tenha ouvido o hino de Mariah Carey, All I Want for Christmas Is You”, aquele momento – o equivalente a uma batida de EDM no Natal – atinge você sempre. A música tem uma circulação cultural tão forte que inicia uma trajetória ascendente, como o trenó do Papai Noel, no Google Trends todos os anos no final do outono. Este ano, ele até fez uma aparição durante uma celebração pós-eleitoral improvisada organizada pelos comediantes Demi Adejuyigbe e Addie Weyrich. A própria Carey publicou o clipe: os anfitriões estonteantes, e ‘antigos’ o suficiente para se lembrar do lançamento do hit de 1994, girando em cima de um carro em um posto de gasolina de Los Angeles. Qualquer outra data comemorativa servindo como trilha sonora para uma vitória política pode ter sido estranho. Isso parecia certo. “Foi ótimo fazer parte desses momentos comemorativos – e isso me pegou totalmente de surpresa”, diz Carey sobre o ressurgimento da música no início de novembro quando falamos via Zoom. “Tem sido um ano muito difícil e realmente sinto que as pessoas precisam de um momento de celebração. A cada passo, é como, ‘Não podemos estar [juntos]; você não pode comemorar. Isso foi cancelado; que está cancelado. ‘

Se Natal fosse sinônimo de celebridade, certamente seria Mariah Carey. E no que diz respeito a Mariah Carey, muitas coisas podem ser canceladas agora, mas o espírito do Natal com veemência não. A América olha para Carey como um árbitro para nos ajudar a determinar quando a época festiva pode começar. (No ano passado, em 1º de novembro, ela postou um vídeo dela mesma anunciando “Está na hora!” Depois de receber o sinal verde do Papai Noel.) Mas as circunstâncias especiais criadas pelo COVID-19 significaram que a linha do tempo ficou um pouco borrada – como um Parada para se proteger contra o desespero pandêmico, algumas pessoas nos Estados Unidos e na Europa até colocaram luzes e enfeites de Natal em março, durante a primeira onda do vírus. Embora Carey normalmente tenha regras rígidas sobre quando, exatamente, o Natal começa, ela está abrindo uma exceção geral desta vez. “Nunca quero comemorar muito cedo. Eu sempre digo: ‘Não podemos fazer isso; eles estão fazendo isso acontecer muito cedo, ‘mas eu tenho que ir com isso este ano “, diz ela.

O ano de 2020 foi indiscutivelmente difícil, mas mesmo assim foi um ano marcante no Mariah World. Apesar de sua lendária recusa em perder tempo, ela celebrou seu trigésimo aniversário no mundo da música com lançamentos semanais de lançamentos que agradaram aos fãs, apelidados de “MC30”. Ela lançou um livro de memórias best-seller, The Meaning of Mariah Carey (ela diz que está negociando sobre uma versão para as telonas), bem como um álbum duplo de material não lançado e favoritos pessoais de Carey de seu cofre chamado The Rarities. E desde fevereiro, ela está preparando o Mariah Carey’s Magical Christmas Special, um show de variedades natalino e espetacular que vai ao ar em 4 de dezembro na Apple TV +, completo com uma trilha sonora que será lançada na Apple Music no mesmo dia, e em todas as outras músicas serviços de streaming somente no dia 11. O show promete uma safra de riquezas natalinas: uma nova versão de sua canção “Oh, Santa!” com Ariana Grande e Jennifer Hudson, que ela chama de “momento de grupo de garotas”; Misty Copeland tocando Sugar Plum Fairy, dançando “instrumentais” cantados pela própria Mariah; além das aparições de Snoop Dogg, Billy Eichner, Tiffany Haddish e os gêmeos de nove anos de Carey, Moroccan e Monroe, entre outros.

“Enquanto estava assistindo Mariah [filmar o especial], desejei tomar um pouco de Eggnog de Natal.”Tiffany Haddish

Quando realmente me sinto triste, vejo bebês rirem e depois começo a rir também”, Haddish me disse por telefone, alguns dias depois de meu bate-papo do Zoom com Carey. O mesmo efeito aplicado no conjunto de Natal mágico. “Comecei a sentir alegria”, diz Haddish. “Podemos não poder nos reunir no Natal, mas poder assistir a um  especial festivo que nos faz lembrar de alegria, de como é bom estar juntos, pode ser tão bom quanto estar juntos. Sei que, enquanto observava Mariah, desejei ter um pouco tomar um eggnog natalino. ”

Uma forma de arte única para este momento no tempo- é deduzir quem alguém é baseado unicamente no conteúdo de seu retângulo Zoom. Agora que estamos todos presos em dioramas digitais, empilhados um em cima do outro no estilo Brady Bunch, não há escolha a não ser tirar conclusões absurdas: o ator X é identificável porque está sentado em um sofá sujo; O modelo Y deve ser um intelectual secreto, já que The Power Broker está empoleirado em sua prateleira. Há tão pouco para trabalhar com perfis de celebridades em todo o mundo que se transformaram em testes de Rorschach.

Mas Mariah Carey, Deus a abençoe, está dando a você tudo que você precisa dentro dos limites dessa caixa. Como convém a uma mulher obcecada por “momentos”, ela está dando a você um momento de conjunto – uma camisa verde floresta de mangas curtas que poderia ser usada por um elfo se não fosse o generoso recorte. Ela está entregando um momento casual no sofá, o focinho de seu cachorro ocasionalmente aparecendo no quadro. E de alguma forma, ao mesmo tempo, um momento de Hollywood da era MGM, com um elenco de apoio de pulseiras de diamantes e anéis cuja qualidade prismática deslumbra até mesmo em uma webcam. Seus gestos vão para a última fileira, como quando ela diz, como um prelúdio para responder a uma pergunta: “Deixe-me ser mais global. Deixe-me colocar esse chapéu ”, enquanto executava a ponta de um chapéu tipo Fosse. A sala em que ela se senta está cheia de travesseiros e tons suaves de azul-petróleo; já passa da meia-noite na minha hora, mas ainda é relativamente cedo para ela, quando você leva em conta suas tendências de coruja noturna. Pode não haver uma árvore de Natal à vista, mas para usar outro mariahismo, tudo é festivo.

Carey está explicando sua história com o Natal. Enquanto muitas pessoas que amam esta época do ano estão sempre tentando recriar as primeiras memórias, Carey diz que sua adoção da estação é uma correção para os Natais que ela teve enquanto crescia. “Acho que é apenas aquele desejo que tive quando criança, que sempre quis que as coisas fossem perfeitas para o Natal. E eles nunca foram ”, diz ela. “Era sempre alguém estragando o momento, sempre esses membros disfuncionais da família que apareciam e frustravam tudo. E então eu fiz um pacto comigo mesmo de que não iria permitir que isso acontecesse mais. “ Em vez disso, ela está focada em criar novas memórias. “Depois que eu meio que emergi do meu primeiro relacionamento-casamento-abusivo” para gravar o executivo Tommy Mottola, que ela diz que a manteve sob vigilância conjugal em uma mansão em Westchester que ela apelidou de Sing Sing, “eu criei os Natais que eu queria ter. ”

Não é de admirar que ela tenha feito para eles um globo de neve cintilante de fantasias infantis. “Eu literalmente vou para um lugar nevado. As renas estão lá ”, ela me conta sobre seu protocolo de Natal, acrescentando, como se eu pudesse acusá-la de inventar,“ Não estou inventando. Papai Noel vem, sai com as crianças. E por falar nisso, mesmo se eu não tivesse filhos, eu estaria fazendo isso. ” (Os filhos de Carey são de seu casamento com Nick Cannon, que terminou em 2016; os dois permanecem devotados dividindo a guarda). Carey, que se autodenomina “eternamente com 12 anos”, escolheu o caminho do otimismo juvenil. Existem muitas razões para essa mentalidade, diz ela. “Muita coisa muito ruim aconteceu comigo quando eu tinha 12 anos. Mas também tem o espírito daquela criança, daquela lutadora que não desiste, que abraça quem ela é, mesmo que o mundo não tenha entendido isso do meu ponto de vista. ” Ela se lembra do Natal como “talvez a única vez que consegui respirar por um segundo”.

No livro de memórias de Carey, lançado no outono, ela investiga como foi crescer, como ela diz, “ninguém por perto”. Para esboçar os contornos: seus pais se separaram quando ela era jovem. O dinheiro era escasso. Ela se mudava constantemente. Os colegas muitas vezes eram cruéis. Como uma criança birracial, ela frequentemente se sentia como se ela não pertencesse a lugar nenhum, mesmo entre as duas metades de sua família. “É muito difícil explicar para a maioria das pessoas que não passaram por isso em algum nível”, diz ela. “Ter uma aparência muito ambígua, isso realmente afetava a maneira como as pessoas me viam ou me julgavam, dependendo do tipo de sistema de castas com o qual você cresceu.” Entre várias anedotas angustiantes está uma história de como foi bombardeada com a palavras racistas por garotas populares, uma das quais a convidou para ir à casa de sua tia rica. Às vezes, a agressão era mais codificada. “Sempre haveria aquela questão de,‘ O que é você? ’Não‘ Quem é você? Como posso te conhecer como pessoa? ‘Mas’ O que é você? Oh, você é tão exótico. Com o que você está misturado? Depende de quem está fazendo a pergunta e como eles fazem a pergunta. ” (Carey diz que conversou com seus filhos sobre racismo e bullying: “A melhor maneira de protegê-los é com conhecimento. Não posso evitar, mas posso pelo menos tentar ter certeza de que eles estão cientes disso”. )

No meio de uma educação que poderia ter sido escrita por Dickens, a música foi sua “graça salvadora”, diz ela. “Sempre foi algo que me fez sentir digna.” E embora ela não pudesse controlar tudo em sua vida, uma coisa que ela estava determinada a controlar era sua música. Em um ponto, ela quase vendeu o direito de publicação de uma de suas canções por US $ 5.000, o que me pareceu um trilhão de dólares naquela época”. Mas, depois de assistir a um documentário sobre os Beatles, ela jurou manter os direitos de suas canções de qualquer maneira, percebendo que “essa coisinha, quando escrevo palavras, tenho que proteger isso, porque isso é algo que as pessoas tentam tirar de você.

Carey se manteve firme em sua integridade musical mesmo quando, mais uma vez, experimentou a sensação de não se encaixar perfeitamente em uma caixa – neste caso, aquela que a indústria da música tentou colocá-la. Quando ela colaborou com Jay-Z, Missy Elliott , e Busta Rhymes nas canções, os ternos ficaram perplexos com seus modos de contornar o gênero. “Eles não cresceram com o hip-hop. Eles não entenderam ”, diz ela. Quando ela lançou o remix de “Fantasy”, a gravadora não gostou do ODB. “A gravadora não entendeu. Eles disseram, ‘O que é um Wu-Tang? O que é isso? ‘”O hip-hop não foi o único gênero no qual ela mergulhou. Em suas memórias, Carey também revelou que ela se entregou a um projeto paralelo secreto em 1995 chamado Chick, no qual ela canalizou sua angústia em letras de no melhor estildo Courtney Love de ser, um bárbaro Riot Grrrl yawp em face da crescente supressão em seu pessoal e vidas profissionais. Ela se lembra disso como uma espécie de válvula de escape de sucessos castos e perfeitos como “One Sweet Day” e “Always Be My Baby”. Não estou dizendo que não sejam boas músicas”, diz ela, mas “é um tipo de coisa primitiva em termos de performance vocal. E depois das minhas sessões, quando eu não estava cercado pelo necrotério corporativo, como eu os chamo, eu ficava tipo, ‘Vamos apenas fazer isso’. parecia que, bem, eles podem fazer o que quiserem. Eles podem usar o que quiserem, dizer o que quiserem. ”

A namoradinha de cinco oitavas da América não conseguia se associar exatamente a uma música que se comparava a “uma bolha aberta“, para citar apenas uma letra. “Certas pessoas no necrotério corporativo não ficaram felizes e então o esmagaram”, diz ela, embora se lembre com carinho de dirigir por Westchester e outras partes do interior do estado de Nova York sozinha explodindo o álbum e cantando a plenos pulmões. (Amostra de letra: “Não quero ser seu capacho / Não quero ser / Nenhuma boneca inflável de plástico.”) Enquanto os vocais do álbum foram cantados por sua então colega de quarto Clarissa Dane, há uma versão com Carey flutuando por aí em algum lugar. “Vou ter que remixá-lo com todas as minhas coisas daquela época”, diz ela. Ela avisa que o remix provavelmente teria um adesivo de Aviso aos Pais: “Não é para o pessoal do Natal”.

Em contraste com o seu livro de memórias de celebridade típico, que desliza de particularidade em particularidade tão suavemente quanto um Zamboni, The Meaning Of Mariah Carey não alimenta o leitor com a lista esperada de nomes em negrito. Os elementos e pessoas que ela decidiu incluir “foram basicamente experiências de mudança de vida. É por isso que aqueles que não estão no livro não estão lá, ou, ”ela acrescenta maliciosamente,“ não existiram ”. Tampouco é uma simples história de superação de desafios para emergir como, se quiserem, uma borboleta triunfante. Em vez disso, é sobre a realidade de viver com um passado imperfeito e lidar com o presente (com a ajuda da terapia). Embora o livro não se aprofunde em seu diagnóstico de transtorno bipolar de 2001, ele fala sobre as consequências de sua aparição surpresa no TRL naquele ano, esclarecendo: “Eu não ‘tive um colapso’. Eu estava arrasada – pelas próprias pessoas que deveriam me manter inteiro. “ Ela me disse que o livro de memórias é “uma história de sobrevivente”.

Uma das cenas mais marcantes narra a repentina percepção de Carey de que ela tinha fãs. Enquanto gravava um especial de Ação de Graças em Schenectady, de todos os lugares, ela se perguntou em voz alta por que as ruas tinham que ser barricadas, apenas para ouvir: “Srta. Carey, é para você.”A Lambily, seu grupo de fãs, se tornaria sua família substituta, e ela manteve contato com eles desde o início através de seu site e mensagens de correio de voz, muito antes de você poder mandar uma DM para seu cantora favorita No livro, Carey tem uma visão contra-intuitivamente positiva da mídia social – ela a vê como uma forma de fornecer uma contra-narrativa aos tabloides, na qual os fãs podem defendê-la. Ela está até abraçando o TikTok – seus filhos ainda não têm permissão para participar, mas ela acumulou 4 milhões de seguidores em sua própria conta. (E sim, ela viu o clipe de uma garota inexplicavelmente chorosa dançando “Obsessed”, que deu um pico de popularidade absurdo no single lançado quase há 12 anos.) “A única coisa que eu não amo no [TikTok] é que você só pegue um trecho de uma música ”, diz ela. “Então, isso é perturbador para mim como alguém que escreve músicas, mas é uma ótima plataforma para pessoas que não conheceriam sua música para se conectar com você.”

Ser uma celebridade em 2020 é realmente uma coisa estranha, e não em um “Poupe um pensamento para as celebridades!” forma, apenas porque a descrição do trabalho mudou aparentemente durante a noite. O excesso que antes vinha com a designação de Pessoa Famosa agora parece fora de alcance, pois aqueles que desfrutaram de celebrações em ilhas particulares e festas de aniversário sem máscara enquanto o resto do mundo está sobriamente trancado, acabaram descobrindo. Carey é uma das poucas que parece estar navegando na transição sem virar – em parte, possivelmente, porque ela tem uma distância exagerada e irônica de sua personalidade de estrela, que também é de alguma forma misturada com uma qualidade totalmente genuína. Ela mesma não tem certeza do que significa ser uma celebridade agora, ou como é. “Quando você enquadra isso como ‘celebridade’, eu realmente não sei como responder a essa pergunta”, diz ela, momentaneamente confusa. “Porque eu realmente não me vejo como uma celebridade. Eu sou um artista musical. Eu faço música, ocasionalmente. Para não ser tipo, ‘Como você ousa me chamar de celebridade?’ ”Mas a música é o que ela realmente quer, diz ela. “Eu amo as coisas glamourosas e a fantasia de tudo isso. Mas a verdade é que isso funciona para mim. ”

Haddish viu o foco do laser de Carey na arte em ação. Ela se lembra de ter assistido a um ensaio de “All I Want for Christmas Is You” durante as filmagens do especial. Depois de oito ou nove tomadas, os dançarinos “estavam claramente ficando cansados, mas estavam dando o melhor de si. E ela estava matando todas as vezes. Sem perder uma nota, sem perder um passo, nem uma batida. Carey também, como Haddish descobriu, possui habilidades cômicas ocultas. “Garota, a primeira música que aprendi foi uma música de Mariah Carey”, ela me diz, antes de começar sua própria interpretação de “Vision of Love” com um melisma pesado. “Eu provavelmente tinha sete, oito, nove anos, e você não poderia me dizer que eu não soava bem.” A primeira vez que falou com Carey ao telefone, Haddish cantou para ela. “Eu estava tipo, ‘Ok, você provavelmente não vai gostar disso, mas eu tenho que fazer’, e ela caiu na gargalhada: ‘Garota, por que você parece um gato?’” Foi quando ela percebeu isso Carey, a quem ela havia percebido anteriormente como “caprichosa”, tinha um lado diferente. “Oh, ela é exatamente como eu, boba e divertida.”

Eichner a conheceu depois que Carey começou a twittar, “do nada”, diz ele, sobre o amor dela por seu programa Billy on the Street. Os dois fizeram amizade que começou com ela cantando a música-tema para ele pelo telefone (completa com o efeito de eco na palavra “rua”) e culminou com sua aparição no programa de um episódio de Natal no ano passado. Eichner dificilmente é um neófito de Mariah: ele até deu seu primeiro beijo com a música “And You Don Don’t Remember”, uma faixa profundo de Emotions. “Eu sou um lamb de muito tempo. Eu sou um Lamb de antes de os fãs de Mariah se chamarem Lambs ”, diz ele. Ainda assim, até ele se lembra de ter ficado surpreso com “como ela é genuinamente engraçada” e como seus sentidos de humor são semelhantes. Quando ele estava filmando o especial, “Eu contava piadas só para fazer Mariah rir”, lembra ele. “Eu sabia que eles eram muito informados ou sarcásticos para realmente entrar no especial, eu sabia que eles seriam cortados, mas de vez em quando, eu contava uma piada apenas para fazê-la rir, e ela dobraria de rir.”

Em meio à estupidez desarmante de Carey, também há uma abertura: sobre como as coisas raramente são perfeitas para contos de fadas, sobre como a vida pode ser difícil. Essa dualidade pode ser o segredo do apelo de Carey neste momento complicado. Afinal, tristeza e saudade também fazem parte do Natal: pense em todas as canções de tom menor sobre o desaparecimento de entes queridos distantes. “Se você não ama, não pode escrever as músicas que realmente afetam as pessoas ou as fazem felizes, ou melancólicas, seja o que for, nas férias”, diz ela. “Eu vivo de Natal a Natal; é a única coisa que anseio todos os anos. Bem, não é a única coisa … mas é realmente a melhor época do ano para mim. ”

Apesar de tudo, ela está empolgada para as festividades deste ano, mesmo que tenha que abrir mão de certas tradições. Ela parece um pouco melancólica ao falar sobre a árvore do Rockefeller Center, que já foi palco de algumas de suas apresentações de Natal. “Eu geralmente faço [isso] um momento. Eu acho que provavelmente isso não vai acontecer este ano. Talvez [eu] passe de carro ”, diz ela. “Espero que as pessoas se sintam festivas ao assistir a este especial e espero que ajude de alguma forma. Assim como qualquer filme ou música de Natal realmente bom pode levantar seu espírito, esse era o objetivo aqui. ” No final do dia, ela só quer dar às pessoas algo para esperar, porque ela mesma quer algo para antecipar: “Se eu não estou ansiosa por algo, é sombrio.” Mas como você pode esperar de um amante do Natal que canta sobre a visão perfeita do amor, Mariah Carey acredita em milagres, e eles são abundantes em seu Especial mágico de Natal. “Cheguei com o espírito de‘ Vamos torná-lo festivo, não importa o que aconteça ’”, diz Carey. “Se você entrar em qualquer coisa com esse tipo de esperança, então isso vai acontecer.”

 

Novembro chegou e você sabe o que isso significa? Hora de começar a ouvir o primeiro álbum de Natal de Mariah Carey todos os dias nos próximos dois meses. O que é isto? Ainda é muito cedo? Ainda estamos comendo os doces do Dia das Bruxas. E quanto ao Dia de Ação de Graças?

Eu sinto muito. Eu mal posso esperar para ouvir aquele som glorioso com muitos whistles e sinos de natal. O Halloween mal acabou. Éramos todos tão jovens inocentes até então. Mas agora é hora de colocar esta fantasia de Barb de Stranger Things de lado e se vestir com uma fantasia de natal sexy todos os dias.

Nada é melhor que o figurino glamouroso e sexy que nada combina com o clima frio do Natal! E que se dane a sensação térmica! Chegou o Natal (nos próximos 60 dias).

Não há melhor para agradar você e seus colegas de trabalho do que a versão de “Santa Claus Is Comin’ To Town”, que começará hoje e só vai acabar no dia 12 de janeiro. Eles podem até reclamar, mas se você olhar nos olhos deles verão que eles já estão no clima de Natal também.

Ninguém consegue resistir às festas de fim de Natal, especialmente, quando elas são anunciadas pela Elusive Chanteuse. Tudo que Mariah toca se transforma em ouro. Claro que se você é a Mariah, você imediatamente joga este ouro fora, porque este ano só estamos usando diamante e você é um monstro por fazer isto? Então você pega o outro do lixo e murmurando fala: “talvez eu possa dar isto para alguém realmente necessitado. Alguém como Jennifer Lopez”.

O Merry Christmas da Mariah Carey não é somente o disco de Natal mais vendido de todos os tempos, mas ele também é o único álbum de Natal atemporal. É por isto que você precisa começar a ouvi-lo imediatamente. Novembro acabou de começar e você já está atrasado. O espírito de celebração para o Natal não pode ficar esperando.

Mariah Carey é sempre o prenúncio da temporada de Natal. Para ser honesto, eu comecei a ouvir o álbum de Natal da Mariah Carey em uma semana fria de julho.

Eu estava pensando: “Ohhhh está frio aqui…. ‘Sussurros’. Deve ser alguns Toros na atmosfera”. Bom, eu deletei todos os outros álbuns para ouvir abre parênteses “All I Want For Christmas Is You” fecha parênteses.

E o meu marido falou: Com quem você está falando?

Eu te escuto. É sobre álbuns de Natal? Escuta: Eu não faço regras. Este é o momento da Mariah. É um momento para colocarmos ouropel e bolas nas árvores. Apenas um momento cintilante de alegria sem denominação.

Bom, de qualquer forma “um momento retrô qualquer” é exatamente como eu descrevi o tema do meu casamento quando encontrei com o meu coordenador. Imagine Steve Nicks lutando em um leilão sem fins lucrativos. Conseguiu imaginar? Agora esqueça, depois lembre de novo. E coloque sobre seus ombros. É neste caminho que a gente vai. Consegue fazer isto?

E como Steve Nicks, as músicas de Natal estão chegando com um deslizamento de terra. E você tem que ver o meu reflexo nas colinas cobertos de neve, e então provavelmente você verá que estou feliz e usando roupas festivas, porque agora estamos no Natal (nem todo mundo, realmente) e então é a hora de ouvir a Mariah Carey no repeat (sempre e para sempre!)

Fonte: Elle Magazine

A cantora e nova jurada do reality The Voice EUA, Miley Cyrus, falou sobre Mariah Carey ao ser perguntada em uma entrevista para a ELLE Magazine. Confira abaixo:

Mais cedo, durante as filmagens, você disse a um concorrente que nem todos podem ser Mariah Carey.

Eu nunca fui realmente uma fã, porque existe muita coisa sobre Mariah Carey. Isso é parte de seu atrativo; Eu consigo enxergar isso. É parte do que faz dela um ícone gay; tipo, é sobre Mimi! É sobre o que ela está vestindo, e é sobre ela. O que eu faço não é sobre mim. É sobre compartilhar a minha história; trata-se de alguém que está sendo conectado com o que estou dizendo.

Um achado no Twitter da Miley em 2014:

proxy

Este ano tem sido bom para Mariah Carey, e ela está prestes a nos presentear com 3 novos filmes para Hallmark Channel que serão exibidos somente em 2017. Mimi renovou sua parceria com Hallmark, o que é uma benção para nós, porque ano passado ela nos deu um Natal mais alegre com o filme “A Christmas Melody”. Confira abaixo algumas ideias que sonhamos para os filmes de Mimi!

“The Butterfly Room”

Por que isto parece um bom filme? Bom, no lendário episódio de Mariah Carey no MTV Cribs, ela mostrou o “The Butterfly Room”, um quarto em seu famoso apartamento em Tribeca que está decorado com flores e borboletas. O quarto foi feito exclusivamente para guardar todos os presentes que Mariah Carey ganhou de seus fãs ao longo destes anos, ela disse que aqueles presentas a fizeram “superar momentos difíceis”. O momento inesquecível nos lembrou da vulnerabilidade essencial e fragilidade de nossos ídolos, até mesmo a incontestável Mariah Carey, em um dos cômodos de seu apartamento milionário.

Qual é o conceito para o filme? Agora que Mariah Carey está super ocupado com seu novo reality show e se preparando para seu casamento com James Packer, o The Butterfly Room está adormecido por mais de um amo. Isto é, até que Angie Lee, um dos maiores fãs de Mariah Carey, abre a porta do quarto e descobre que ali há um portal secreto. Para espanto de Angie, existem várias criaturas mágicas que moram no quarto, incluindo um Fauno, um leão majestoso, e um produtor do MTV que nunca mais quis sair de lá desde o dia que ele foi filmar o apartamento de Mariah para o Cribs em 2002.

“Glitter 7″

Por que isto seria um bom filme? Bom, desde que Glitter foi lançado em 2001, tornou-se uma espécie de saco de pancadas dos críticos. Como uma aprovação de 7% no Rotten Tomatoes, o filme se tornou um vexame na carreira de Mariah. Apesar disto, ele tem um lugar cativo no coração dos fãs fanáticos da cantora. Se você realmente ama a Mariah Carey, vai amar mais ainda por causa deste filme.

Qual é o conceito? Desde de tanto tempo desde que saiu o filme original, o filme será chamado de Gkitter 7, apesar de nunca ter tido uma continuação oficial. O filme vai contar como ficou a história da cantora após o lançamento do primeiro filme.

“Candy Cushnip’s Christmas”

Por que isto seria um bom filme? Candy Cushnip é o nome do personagem de Mariah Carey em um episódio da série Ally McBeal em 2002. Candy foi uma infeliz vítima de um serviços de encontros que prometeu a moça um parceiro perfeito, mas isto não aconteceu. O episódio também tirou sarro da reputação de diva de Mariah Carey, sempre deixando a personagem no centro das atenções de tudo.

Qual é o conceito? Combinando o amor de Mariah Carey para o Natal com este personagem de ouro, nós teríamos uma comédia romântica natalina de uma jovem que quer encontrar o amor durante as festividades, mas simplesmente não encontra. Depois de contratar Patti Stanger para arrumar um namorado, e mesmo assim não conseguir. Candy ainda não encontrou a pessoa certa. Então, como pedido de Natal, ela pediu para o Papai Noel para ela encontrar um namorado no Raya (um aplicativo de namoro), e finalmente Candy encontrou Kennedy, quem ela deletou sem querer duas vezes.

Fonte: ELLE

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.