Mariah Now é a sua maior fonte brasileira sobre a Mariah Carey. O site é totalmente dedicado para os fãs da Mariah. Acompanhe notícias, vídeos, entrevistas, participe de promoções e eventos. Todo conteúdo divulgado no site é criado ou editado por membros da equipe, qualquer conteúdo retirado daqui, mantenha seus devidos créditos. Somos apoiados pela Universal Music Brasil e pela Sony Music Brasil.

Entertainment Weekly

Somente a Mariah Carey é capaz de agarrar uma sample da cobiçada artista e (de difícil acesso) Lauryn Hill para o primeiro single de seu próximo álbum The Rarities.

A canção recém-lançada de Carey, “Save the Day”, produzida por seu colaborador de longa data Jermaine Dupri, faz samples dos vocais de Hill na ponte de “Killing Me Softly”, o primeiro grande sucesso de Hill e seu grupo The Fugees, lançado em 1996.

A própria música “Killing Me Softly” tem uma longa história de covers e samples. Lori Lieberman gravou pela primeira vez como “Killing Me Softly With His Song” em 1972; Roberta Flack fez a famosa regravação em 1973 e acrescentou a ponte mencionada; os Fugees regravaram a versão de Flack, adicionando improvisos e um outro; e agora Carey está usando o faixa e a ponte do Fugees como base para sua nova estimulante música.

Alinha-se com a tendência inovadora de Carey para cantar sobre batidas de rap, como ela fez em sua canção favorita dos fãs de 1997, “The Roof”, por exemplo, que mostra o clássico do Mobb Deep “Shook Ones Part II”.

Carey e Dupri mantiveram “Save the Day” escondida desde 2011, mas The Rarities promete ainda mais músicas inéditas no álbum de 32 faixas, celebrando os 30 anos de sucesso sem precedentes do vocalista.

Fonte: Entertainment Weekly

O site da revista Entertainment Weekly fez uma lista com as melhores e piores colaborações femininas de todos os tempos. Confira a lista abaixo:

MELHORES: 
20. Charli XCX feat. Tove Lo & ALMA – “Out Of My Head” (2017)
19. Janelle Monáe feat. Erykah Badu – “Q.U.E.E.N.” (2013)
18. Christina Aguilera feat. Lil Kim – “Can’t Hold Us Down” (2002)
17. Mariah Carey feat. Da Brat & Missy Elliott – “Heartbreaker Remix” (1999)

16. Reba McEntire & Kelly Clarkson – “Because Of You” (2007)
15. Britney Spears feat. Madonna – “Me Against The Music” (2003)
14. Rihanna feat. SZA – “Consideration” (2016)
13. Dolly Parton, Linda Ronstadt, & Emmylou Harris – “After The Gold Rush” (1999)
12. Keyshia Cole feat. Missy Elliott & Lil’ Kim – “Let It Go” (2007)
11. Nicki Minaj feat. Beyonce – “Feelin’ Myself” (2014)
10. Cardi B feat. SZA – “I Do” (2018)
09. Alicia Keys feat. Beyoncé – “Put It In A Love Song” (2009)
08. Ariana Grande feat. Nicki Minaj – “Side To Side” (2016)
07. Mariah Carey & Whitney Houston – “When You Believe” (1998)

06. Ciara feat. Missy Elliott – “One, Two Step” (2004)
05. Eve feat. Gwen Stefani – “Let Me Blow Ya Mind” (2001)
04. Ariana Grande feat. Iggy Azalea – “Problem” (2014)
03. Lady Gaga feat. Beyoncé, “Telephone” (2009)
02. Brandy & Monica – “The Boy Is Mine” (1998)
01. Christina Aguilera, Mya, Lil’ Kim, & P!nk – “Lady Marmalade” (2002)

PIORES
05. Nicki Minaj feat. Rihanna – “Fly” (2009)
04. Stargate feat. P!nk & Sia – “Waterfall” (2017)
03. TIE: Shakira & Beyoncé – “Beautiful Liar” // Shakira & Rihanna – “Can’t Remember To Forget You”
02. Rita Ora feat. Charli XCX, Bebe Rexha, & Cardi B – “Girls” (2018)
01. Britney Spears feat. Iggy Azalea – “Pretty Girls” (2015)

No 25º aniversário do MTV Unplugged de Mariah Carey, é hora de dar os devidos créditos a sua dona.

Nesta semana, celebramos o 25º aniversário do MTV Unplugged de Mariah Carey. É um dos maiores testamentos de seu talento e atitude – e também é uma de suas obras mais subestimadas.

Claro, em 1/4 de século desde o seu laçamento, chegamos a conhecer uma versão muito específica de Mariah. Nós ouvimos sobre a vida luxuosa que ela deu aos cães, a linha de produtos de beleza que (dizem) ela vai lançar, e relatórios detalhados sobre o seu relacionamento com Bryan Tanaka. Sabemos que Carey se coroou a Rainha do Natal e a Rainha de tomar um banho enquanto usava apenas diamantes, e que ela veio para encarnar tudo que uma verdadeira Diva deveria ser.

E isso tudo é adorável. Mas não deixe distraí-lo do fato de que Mariah Carey pode cantar. Porque enquanto ela pode ter feito playback na Times Square na véspera de Ano Novo (e, realmente, quem se importa se ela fez isso?), ela certamente não fez no Kaufman Astoria Studios, há 25 anos.

Quando o MTV Unplugged foi gravado e lançado, ele surgiu após uma resposta um tanto morna ao álbum Emotions de 1991 – um álbum que alguns críticos sentiram mostrar a gama de Carey, mas ficou pequeno em termos de expressão artística. Além disso, ela ainda tinha que fazer turnês, o que levantou questões sobre se ela poderia realmente cantar ao vivo. Então, Mariah entrou em um estúdio no Queens e gravou o que iria se tornar o acústico mais reprisado da amada série da MTV, e um EP que atingiu o o 3 lugar nas paradas da Billboard. Com seu Unplugged, ela mostrou o equivalente musical de “Eu vou te mostrar o quão valiosa Elle Woods pode ser” (citando a frase clássica de Reese Witherspoon no filme Legalmente Loira).

Tudo mudou com esse EP. Ele mostrou que a voz de Carey era incomparável – algo que todo mudo já tinha ouvindo dois anos antes, mas também mostrou seu inconfundível calor e personalidade. Críticos elogiaram seu carisma e a maneira como ela interagiu com o público. Então, sim: Mariah há muito se estabeleceu como cantora, mas o MTV Unplugged a consolidou como uma estrela Pop.

Nas palavras de um artigo brilhante da Entertainment Weekly em dezembro daquele ano: “O visual de Carey…foi uma proeza vocal, não deixando dúvidas que, além de suas notas de tirar o fôlego, ela desenvolveu uma presença de palco sensacional…esta aparição pública rara nos lembrou que havia um artista de grande porte dentro daquele vestido de festa”.

O que, referências sexistas a sua roupa aparte, prova o ponto alto do MTV Unplugged de Mariah. Considerando que as aparições públicas de Carey foram tão poucas em 1992, uma escala tão massiva e de prestígio, elevou seu perfil, precisando sair em turnê ou ter que confiar no boca a boca para provar que ela poderia realmente cantar ao vivo. Em vez disso, ela debateu a controvérsia sobre a autenticidade de sua voz em um especial nacional de televisão, atraente direto para uma ampla audiência enquanto silenciava os críticos com seu alcance e sua profundidade. Ela assumiu o controle de sua narrativa profissional e estabeleceu as bases para o que o resto de sua carreira viria a se tornar: Mariah fazendo o que Mariah quer fazer. Porque ela pode, e porque ela mereceu.

E nós apenas a vimos fazer o mesmo desde então. Durante o resto da década de 1990 e até a década de 2000, a voz de Carey permaneceu constante, com seu catálogo de singles servindo como reiteração regular do que ela é capaz. Mesmo quando a vida pessoal de Mariah ou a presença das mídias sociais começam a ofuscar suas habilidades musicais, dar o play em “I’ll Be There” é um lembrete de que a mulher passou um quarto de século quebrando a barreira do som e ganhou de quebra qualquer excentricidade que ela queira participar. E se alguém tiver algum problema com isso, talvez possamos mostrar uma lista enorme de faixas ao vivo na frente de um público qualquer.

Além disso, aquela jaqueta de couro era uma coisa de outro mundo.

O ator Rob Huebel detonou Mariah Carey por seu trabalho no novo filme de Will Ferrell e Amy Poehler: “Foi insano”.

Huebel, que apareceu em numerosas comédias de cinema e televisão na última década (incluindo a versão cinematográfica de Baywatch que vai estrear nesse fim de semana), criticou Carey  por seu comportamento no set de filmagens da nova comédia de Will Ferrell e Amy Poehler, The House.

“Refizemos algumas cenas com uma estrela pop chamada Mariah Carey. Não deu muito certo”, disse Huebel antes de perguntar se ele podia falar palavrão durante a entrevista que foi concedida ao vivo. Depois de lhe ter dito que sim, Huebel continuou: “Que porra ta acontecendo com ela? Foi insano”.

De acordo com Huebel, Carey chegou “quatro horas atrasada” no estúdio e fez  o que chamou de “pedidos surpreendentes”, incluindo que a lendária cantora pop necessitou de “rosas todas brancas” em seu trailer junto com bichinhos de pelúcia (cordeiros, por conta dos fãs de Carey serem chamados de “Lambs”).

No filme, Ferrell e Poehler interpretam pais que se transformam em magnatas de cassinos de baixo nível em um esforço para pagar a taxa de matrícula da faculdade de sua filha. Carey, segundo Huebel, foi convidada para fazer uma participação como ela mesma.

“Ela foi contratada para cantar uma canção e ela disse: ‘Gente, eu não quero cantar essa música’. Eles disseram: ‘Nós contratamos você para cantar essa música'”, disse Huebel sobre o filme, que é produzido por Ferrell e Adam McKay, entre outros. “Então, eles iriam fazer uma cena em que atiram nela, eu acho, e eles a matam – no filme. Não na vida real. Mas ela não queria isso. Ela falava coisas do tipo, ‘Eu não acho que minha personagem seria morta por balas. E se eu desviasse dos tiros como a Mulher Maravilha?’ Eles disseram: ‘Mariah, não temos tempo para isso. Você está recebendo muito dinheiro. Nós contratamos você por um dia. Não temos tempo para discutir com você. Basta fazer isso’. Ela simplesmente não queria fazer o que eles queriam que ela fizesse. De qualquer forma, por que estou falando sobre ela?”.

Pressionado se Carey permaneceu no filme, Huebel disse que não tinha certeza. “Apenas saiba, se você a vir no filme, eles tiveram muito trabalho”, disse ele.

Os representantes de Carey não fizeram comentários.

A Warner Bros., que está lançando The House, também não comentou sobre o fato.

Confira abaixo a entrevista de Rob Huebel:

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.