Mariah Now é a sua maior fonte brasileira sobre a Mariah Carey. O site é totalmente dedicado para os fãs da Mariah. Acompanhe notícias, vídeos, entrevistas, participe de promoções e eventos. Todo conteúdo divulgado no site é criado ou editado por membros da equipe, qualquer conteúdo retirado daqui, mantenha seus devidos créditos. Somos apoiados pela Universal Music Brasil e pela Sony Music Brasil.

Entrevista

‘É hora de finalmente compartilhar minha história’

Após anos de sofrimento em silêncio, o ícone da música fala abertamente sobre sua batalha contra o transtorno bipolar – e por que ela finalmente conseguiu ajuda.

 

Mesmo que ela interprete uma diva às vezes exagerada em público, Mariah Carey é consideravelmente mais discreta em pessoa – inteligente, experiente e reservada. Ela também é uma música séria. Uma das cantoras e compositoras mais bem-sucedidas de todos os tempos, ela já vendeu mais de 200 milhões de discos e foi fundamental para trazer o hip-hop e o R&B para o mainstream. Mas seu comportamento errático ao longo dos anos também confundiu seus fãs – e levou à especulação de que ela sofria de doença mental. Agora, pela primeira vez, Carey,  aos 48 anos, está se dando conta de sua batalha contra o distúrbio bipolar II, uma doença que pode causar longos períodos de depressão, assim como episódios maníacos conhecidos como hipomania. Depois de anos de sofrimento, ela recentemente começou o tratamento na ponta do pé, que ela chama de  “o mais difícil em vários  anos que eu passei” – anos que incluíram revolta em sua vida profissional, drama romântico que se desenrolou em público para um  reality show no E!.

Carey – cujos pais se divorciaram quando ela tinha 3 anos – frequentemente mencionou suas dificuldades em sua música. Ela diz que a letra de sua música de 1997, “Outside”, narra seus sentimentos sobre o ter crescido como biracial: “No começo você percebe que não tem um espaço onde você se encaixa …” Em 2002, “Through The Rain” ela escreveu sobre seu próprio desespero e determinação: “Quando você continua chorando para ser salvo, mas ninguém vem, e você se sente tão distante que simplesmente não consegue encontrar o caminho de casa, mas você pode chegar lá sozinho. Está tudo bem …. “

Escrever músicas e cantar a ajudou numa infância dolorosa, e fazer música, ela sempre diz que foi “uma forma de terapia”. Mas ela estava mal preparada para o estrelato quando veio a ela, que foi de forma rápida e brutal, em seus 20 e poucos anos, com suas pressões de empresários, equipe e minuciosamente do público. Em 2001, uma década depois de seu primeiro álbum, ela foi hospitalizada por um colapso físico e emocional após se divorciar em 1998 do presidente e CEO da Sony Music, Tommy Mottola, e de sua gravadora Columbia Records. “Foi um dos momentos mais difíceis da minha vida”, diz ela. “Eu tinha acabado de sair de uma grande gravadora  que tinha muito apego pessoal. Eu estava tentando superar isso e seguir em frente. Foi muito, muito difícil de combater o sistema.” Carey foi diagnosticada com transtorno bipolar na época, mas “vivi em negação”. Desde então, seus altos e baixos pessoais e profissionais têm sido uma prova do talento e da doença que ela manteve em sigilo.

Agora, fazendo terapia e  tomando medicação, Carey divide a custódia de seus  filhos gêmeos de 6 anos de idade, Monroe e Moroccan com o ex-marido Nick Cannon. Ela está namorando o coreógrafo Bryan Tanaka, de 34 anos (“Estamos indo muito bem”, ela diz), e está de volta ao que chama de “elemento” – o estúdio de gravação, trabalhando em um novo álbum a ser lançado ainda este ano. Carey conversou com a editor-chefe da People, Jess Cagle, de sua casa em Los Angeles.

People: Por que você quer compartilhar esta parte de sua vida agora?
MC: Eu estou em um lugar muito bom agora, onde estou confortável discutindo a luta com transtorno bipolar II. Espero que possamos chegar a um lugar onde o estigma é levantado das pessoas que passam por qualquer coisa sozinha. Pode ser incrivelmente isolante. Não tem que definir você e eu me recuso a permitir que me defina ou me controle. Essa é apenas um pouco que eu senti na hora de falar… Eu também fui inspirada com a coragem de outras celebridades que revelaram as suas próprias batalhas.

People: Quando você foi diagnosticada?
MC: 
Fui diagnosticada pela primeira vez quando fui hospitalizada em 2001. Não acreditei. Eu não queria acreditar. Eu não queria carregar o estigma de uma doença ao longo da vida que me definiria e potencialmente terminaria minha carreira.  Pessoas que tiveram a vida que eu tive enquanto estava crescendo não querem passar por isso novamente. Eu estava com tanto medo de perder tudo, me convenci de que a única maneira de lidar com isso era não lidar com isso. O ambiente  que vivi quando era criança não apenas intensificou minha doença, mas também afetou minha disposição em buscar uma solução de longo prazo para ela. Até recentemente vivi em negação e isolamento e com medo constante de alguém me expor. Era um fardo pesado demais para carregar, e eu simplesmente não podia mais fazer isso … Eu procurei e recebi tratamento, coloquei pessoas positivas ao meu redor e voltei a fazer o que amo – escrever e produzir músicas . Por mais difícil que seja, também sabia que era hora de finalmente compartilhar minha história.

People: Você pode descrever qual foi o episódio mais surtado, e também o episódio mais depressivo para você?
MC: 
Por muito tempo pensei que tinha um distúrbio grave de sono. Mas não era insônia normal, e eu não estava deitada acordada contando carneirinhos. Eu estava trabalhando, trabalhando e trabalhando. Eu pensei que trabalhar e promover por dias seguidos sem dormir era apenas parte da minha vida. Eu estava irritada e com medo constante de decepcionar as pessoas. Acontece que eu estava experimentando uma forma de obsessão. Eventualmente, eu acabaria quebrando a cara. Eu acho que meus episódios mais depressivos foram caracterizados por ter energia muito baixa. Eu me sentia muito cansada, solitária e triste – até mesmo culpada por não estar fazendo o que precisava para minha carreira.

People: Como você está sendo tratada agora?
MC: Há muitas maneiras diferentes, eu não quero ser super específica com isso. Eu tenho acesso a ótimos cuidados médicos. Estou me exercitando, fazendo acupuntura, comendo de maneira saudável, passando tempo de qualidade com meus filhos e fazendo o que eu amo, que é escrever e fazer música. Além disso, estou me envolvendo com influências positivas e, finalmente, recebendo o apoio físico e emocional de que preciso. Não faz mal se eu fizer uma maratona de The Office.

People: Você ainda está descobrindo que tipo de medicação tomar?
MC:
Eu estou realmente tomando medicação que parece ser muita boa. Não está me fazendo sentir muito cansada, lenta ou algo assim. Encontrar o equilíbrio adequado é o mais importante.

People: Quando o seu trabalho é ser criativa, isso deixa mais difícil você encontrar o equilíbrio certo com a medicação?
MC: Não, eu não penso assim. Eu só acho que o melhor, como qualquer outra coisa,  é não exagerar.  O problema dos remédios são efeitos colaterais, mas agora estou bem. Eu estou em um bom lugar.

People: Você já tentou diferentes tipos de tratamentos ao longo dos anos? Você já foi diagnosticado incorretamente?
MC:
Eu tenho sido tratado por depressão, ansiedade e distúrbios do sono. Neste ponto da minha vida, não estou realmente interessada em culpar ninguém. Isso é feio e ficou no passado. Eu aceito a responsabilidade e quero seguir em frente, ficar curada e fazer o que eu amo – fazer e escrever músicas e todas as outras coisas criativas.

People: No início dos anos 90 você teve sucesso de imediato. Quão difícil foi lidar com isso devido aos seus sentimentos de insegurança e não de se adequar?
MC:
Eu sempre trabalhei com isso. Eu tinha ambição e queria ter certeza de que nunca passaria por uma coisa que eu não tivesse condições de cuidar de mim mesma. Mas, ao fazer isso, permiti que as pessoas me ajudassem a trabalhar em um negócio onde, às vezes, elas aproveitavam os jovens. … Precisava haver limites.

People: Trabalhar torna possível não refletir sobre o problema, o que não desaparece. Apenas fica mascarado por outras coisas.
MC:
Quando eu comecei, eu era tão jovem e ingênua, deixando os outros me controlarem. Eu acho que sou apenas vulnerável a esse tipo de coisa. Não foi saudável. Eu me senti perdida nos últimos anos. Eu realmente sentia falta de colocar meu ouvido e minha alma na minha música, e tudo que eu realmente queria fazer era voltar ao estúdio e escrever músicas e cantar.

People: Olhando para os últimos anos, há coisas específicas que você gostaria de ter evitado?
MC:Eu gostaria que pudéssemos simplesmente apagar essas coisas.

People:  Todos esses anos?
MC:
Bom, talvez os últimos anos. Mas acredito que tudo acontece por um motivo. Então, talvez tenha me levado a passar pelos dois anos mais difíceis que vivi e pelos quais penei para sair de lá e encontra um outro positivo.

People: Há coisas que vimos nos últimos anos que você gostaria de não ter feito?
MC:  
Ao invés de culpar alguém ou jogar as pessoas debaixo do ônibus, eu acho que é mais minha responsabilidade cuidar de mim mesma, e isso é uma coisa fortalecedora.

People: Depois de ser hospitalizada em 2001, você passou de muito esgotada a um funcionamento tão alto que quatro anos depois você lançou The Emancipation of Mimi, que teve um tremendo impacto na música. Como você conseguiu isso enquanto sofria de transtorno bipolar e não estava sendo tratada?
MC:Quando estou no estúdio fazendo música, estou vestida com o meu personagem [Como a  Mimi]. Eu fui para Capri. Eu trabalhava com o  meu engenheiro no estúdio e observava o nascer do sol. Estava trabalhando todas as noites, mas é a criatividade. Eu sempre fui uma pessoa mais noturna. Isso é uma forma de terapia para mim.

People: Como estão seus filhos estão no meio disso tudo?
MC:
Estão ótimos, os meus filhos são incríveis!  Eles são tão inteligentes e engraçados. O que poderia ser mais terapêutico do que passar tempo com meus filhos, rir e vê-los curtir a infância? Eu só quero isso para eles. Meu relacionamento com Nick é muito positivo e nós somos pais, e a coisa mais importante que posso fazer por meus filhos é dar a eles o que eu realmente não tive, a chance de viver em um lar seguro cercado por pessoas. quem os amam e apoiam incondicionalmente.

People: A maternidade teve algo a ver com a sua decisão de receber tratamento?
MC: Eles são tudo para mim. Eles nunca vão me ver sentada chorando e sendo um desastre emocional na frente deles. Isso nunca vai acontecer.

People: Você esteve envolvida com o magnata James Packer recentemente, e muitas pessoas se perguntaram o que você estava pensando sobre isso. Você quer explicar?
MC: Eu me pergunto o que eu estava pensando também. Toda a situação foi um redemoinho, mas eu definitivamente desejo a ele o melhor.

People: O que te faz feliz hoje em dia? O que é um dia perfeito?
MC: Nós tivemos um dia incrível na Disneylândia, foi muito divertido! É realmente sobre as crianças e a música. Espero que os fãs possam ler isso e não dizer “Oh meu Deus. O que há de errado com Mariah?” Espero que eles só vão entender que estou fazendo isso com a esperança de ajudar os outros e também porque vai ser uma experiência libertadora para mim.

  • Confira fotos (em HQ) da revista em nossa galeria!

Para o alto e avante!

Do nosso ponto de vista prudente de um sofá no lobby de um Hotel, Clash ficou incrédula como a aparição iminente ao redor de nossa convidada, que era observada pelos seus funcionários com uma enxurrada de gestos impertinentes e repetidas verificações de ordem e protocolo, oscilando em torno na porta da frente, fazendo o seu melhor para manter a dignidade e privacidade dentro de seu estabelecimento de luxo.

Enquanto isto, a vista para a nossa esquerda era uma porta de vidro que podemos ver o que acontece lá fora – é a única defesa entre a entrada e uma horda de milhares de fãs impacientes e paparazzi, alguns que começaram a subir em árvores para tentar uma posição melhor para tirar fotos. O paparazzi permanece nobre, seu boné liso, mas há uma sensação de alívio quando uma equipe de jovens fortes norte-americanos chegam para proteger o perímetro.

Clash101CoverA Web

Tudo isto é a apreensão e expectativa é alta de entretenimento para Clash, especialmente depois de um almoçar e tomar três cervejas. Outros hóspedes não se incomodam – alguns parecem curiosos, talvez desconhecem a identidade de quem é a famosa que está hospedada no hotel, enquanto alguns fingem em não se importar para ver quem é a artista que está chegando, outros continuam olhando no elevador. Nós, no entanto, nos encontramos apanhados no meio deste turbilhão – parte dele, foi removido de alguma forma. Mas que se foda, nós estamos de férias!

Chegamos aqui em Paris há poucas horas, e fomos diretamente para para famosa avenida Champs-Élysées, comemos os mais caros filés com fritas do país somente para ficar perto e saber notícias sobre a nossa entrevistada. Depois de uma espera de quase duas horas, finalmente tivemos a chamada: Mariah Carey quer fazer compras!

Então é  por isto,  que tudo isto, é que acontece quando Mariah Carey gosta de fazer compras para como sua terapia diária para relaxar a tensão.

Ela vibra graciosamente, porém mantém a sua calma interior e a confiança em evidência deixando todos calmos. Esta é a sua normalidade, ao que parece, quando ela esta pronta para se mover, ela desliza pelo chão com uma finalidade absoluta, usando roupas pretas, jaqueta de couro, jeans, óculos escuros e saltos altíssimos. Aqueles clientes curiosos tiraram o telefone do bolso no impulso para tentar tirar uma foto dela durante sua caminhada até as portas de vidro.

Quando eles abrem a porta, histeria rompe – uma multidão começa uma empurra empurra através para barreiras. Apesar do frenesi, Mariah faz uma pausa para cumprimentar seus fãs que estão na porta, posando para várias selfies, recebendo calorosamente presentes e diz “Oi” para alguns rostos familiares para ela, enquanto, gradualmente, ela vai andando para perto do carro que está lhe esperando.

Ao seu lado, uma comitiva grande – em grande parte do sexo feminino, com uma calma semelhante a da da diva, segurando bolsas de compras da Avenue Montaigne, uma das ruas comerciais mais glamourosas de Paris. Em seguida, vem uma equipe de filmagem correndo atrás dela. E, finalmente, um jovem vestido apenas um roupão atrás deles no lobby – usando muletas – entra em outro carro e segue atrás delas.

Então, quando todos os veículos partem, silêncio. A multidão fica dispersa debaixo do toldo vermelho do hotel – alguns chorando de felicidade e outros cantando suas músicas favoritas de Mariah. Os funcionários do hotel finalmente podem voltar à rotina. O porteiro endireita a gravata e volta a fazer seus serviços. A Clash, com sede de tomar outra cerveja, vai em busca de um freezer com o preço mais acessível para comprar.

Duas ou três horas depois (quem é que está contando, né?). Os trilhos de Balmain são esvaziados. Mariah tinha retornado à sua suíte na cobertura depois de um rápido jantar nas proximidades. Ela está em seus aposentos privados colocando os gêmeos de cinco anos de idade, Moroccan e Monroe, para dormir, quanto negocia um melhor lugar para a gente erguer um estúdio improvisado da Clash.

O terraço da cobertura, com uma vista deslumbrante para Torre Eiffel, teria sido perfeito quando o sol estava brilhando, mas agora é de noite, escuro e frio, então tivemos que usar um pano rosa nosso para improvisar um fundo em uma peça central no lounge.

13730963_866512120119263_349971721147384435_o

As pessoas que vimos mais cedo são todas apresentadas para nós da Clash. A equipe de filmagem, estão a maior parte do tempo em inatividade, ficam sempre mudando a bateria e aguardando a próxima cena que Mariah autoriza filmar. Eles são do E!, e foi concedido o acesso total ao santuário de Mariah, pois eles tem a intenção de relatar os bastidores da primeira turnê européia de Mariah em 13 anos. Aquele cara de muleta, que estava usando um roupão no lobby, está completamente vestido agora, apesar de sua lesão, ele é uma pessoa bem elétrica. Ele se apresenta para equipe da Clash como Bryan Tanaka. Ele é o coreografo de Mariah, mas após levar um tombo uns dias antes da entrevista, ele ficou um pouco fora de forma e fora do palco. Mais no canto, representantes da Dolce & Gabbana montaram um trilho de roupas da nova coleção para Mariah Carey escolher. Umas crianças bem animadas dormindo no sofá. A equipe está preparando ela penteadeira, conferindo com o fotógrafo da Clash sobre os planos das fotos. Vários assistentes pessoais estão dentro do local. A PR nervosamente pega seu maltês assegurando que a Clash será publicada em breve. Seu diretor criativo da turnê, Anthonny Burrell, mostra-se ansioso para introduzir alguns novos dançarinos, e está espera de uma boa oportunidade para falar isto. Dominando a sala temos a forte presença da nova empresária de Mariah, a Stella Bulochnikov, que é perversamente engraçada, “uma ditadora russa”, confessa ela, que governa tudo sentada em uma cadeira, perfeitamente fazendo brincando de fazer pedidos diabólicos com sua equipe e fazendo sussurros amorosos no ouvido de sua filha. Ela está com um fone de ouvido para seu telefone, e sem aviso que vai entrar em uma conversa privada. Ela começa falar no melhor estilo “guerreiro de Brooklyn” para exigir, “Bradley Cooper está dentro ou fora?”.

Mais uma vez, o surgimento de Mariah parece injetar uma aura de tranquilidade em nosso processo. Ela passeia através do círculo na ponta dos pés para penteadeira, falando em tons suaves e silenciosos com seu estilista e maquiador. O volume do quarto desce então para o mesmo nível, o silêncio é ensurdecedor. “Onde está a música?” ela implora para Tanaka pegar o seu telefone e começar a bancar o DJ em seu sofá de conforto. De repente, começa a tocar Michael Jackson na sala, seguido de Lauryn Hill e The Notorious B.I.G, que recebeu impressionantes cantorias de Mariah junto com as músicas.

Tínhamos sido avisados que Mariah Carey era uma coruja da noite, mas não tínhamos sido totalmente avisados que faríamos a nossa entrevista pela madrugada. Mas, assim foi, com o quarto totalmente vazio para privacidade, que a nossa conversa formal finalmente começou. Visivelmente cansada. mas graciosa como sempre, Mariah levantou-se na poltrona  que estava para sentar do lado da nossa, enfiando os pés dela descalços dentro do sapato e finalmente mudou a música.

Amanhã, ela vai vai realizar o 21° concerto em sua turnê pela Europa com a Sweet Sweet Fantasy, sua primeira turnê pelo continente desde a Charmbracelet World Tour em 2003. Os shows tem sido uma oportunidade de explorar seu catálogo e trazer se volta algumas músicas mais inesperadas do passado, como “Loverboy” e “I Know What You Want”, que raramente viram a luz do sol – enquanto uma apresentação incrível é produzida pela estrela.

Depois de tanto tempo longe destas margens, por que foi este o momento certo para voltar?

“Você sabe, é interessante, né?” começa ela, suavemente escovando o cabelo para fora de seu rosto. “Eu estava fazendo uma residência em Vegas e as pessoas estavam vindo de todas as partes do mundo para assistir e foi um grande público, de tal forma que pensei, ‘Talvez devêssemos fazer um show um pouco diferente e documentar isto’. Pareceu ser uma boa ideia.”

Em contraste com sua residência em Las Vegas, onde ela canta seus 18 grandes sucessos em número 1 nas paradas em ordem cronológica, a turnê Sweet Sweet Fantasy está definitivamente se destacando pela espontaneidade. Com a intenção de fazer um concerto mais pessoal, ela também convidou alguns fãs para se juntar a ela no palco.

“É tudo sobre mim e meus fãs, é esta relação que temos é um excepcional, não é algo típico”, explica dela. “Eles estão lá para ter uma experiência comigo, não é tipo ‘Venha me ver porque eu acho que sou assim, ou algo do gênero, você entende?’ Eu realmente quero ter uma experiência ao lado deles.”

Uma comandante comprometida com seu seus fãs devotos – ou “lambs” como eles mais conhecidos desde os anos 90, ou em coletivo ‘Lambily’ (Lamb + Family), Mariah é conhecida por tratar seus fiéis seguidores de forma surpreendente ao longo dos anos, chegou até mesmo fazer o ‘Lambs Appreciation Day‘ mostrando o amor e gratidão pelos seus fãs, além de mostrar um pouco de sua vida particular para eles através das redes sociais. Mariah continua sendo muito vigiada em sua vida privada, porém existem certas coisas que ela coloca limites. Certos assuntos estão proibidos, como seu terceiro casamento com o bilionário australiano James Packer, por isto que é curioso vê-la falando sobre isto facilmente na TV.

“Bem, você tem um pouco disto”, ela começa, bem consciente do equilíbrio necessário para desfrutar uma vida privada, mantendo seu público satisfeito. “E é por isto que podemos documentar a turnê e podemos ver como é que nos sentindo nos bastidores, porque eu deveria ter sempre documentado todas as minhas antigas turnês, mas existem momentos que eu não deveriam ter sido mostrados.”

É, obviamente, ela se sente bem, como uma equipe de câmera é permitida para divulgação completa sobre todos os aspectos exclusivos da turnê, eles estão capturando tudo. Bem, nem tudo. “Não é só para me ver pintando as minhas unhas e ligando para meus amigos”, ela disse rindo, acrescentando que é importante para ela que seus fãs, os Lambs, tenham uma vista autêntica do que é a sua vida.

Mas, ela não está preocupada com a possibilidade de que eles vejam um lado que talvez ela não quer que eles vejam?

“É uma série, mas é muito mais um documentário em si, por isto eu não estou fazendo nenhuma coisa estranha onde eu me sinta estranha e fazendo somente para chamar atenção”, diz ela, dando entender que o excesso de reality shows poluem nossa TV. “Eu não faria isto somente porque eu me sinto orgulhosa em fazer. Eu realmente quero fazer. Existem várias piadas e personagens que criam em torno de mim e você vê o absurdo que eu tenho que suportar.”

Pela nossa experiência, a Clash confessa, parece que ela é a pessoa mais sã neste mundo louco das celebridades. Ela ri com vontade. “Eu acho que foi este o ponto”, ela balança a cabeça para “mostrar isto”.

Há uma sensação de hábitos confessionais de Mariah é uma tentativa de absolvição – um batismo do qual vai renascer sempre. Não pode ser uma coincidência de que ela está abertamente feliz com seu trabalho e com seu novo casamento. Uma nova vida acena: Olhando para trás, o seu álbum de 2005, “The Emancipation Of Mimi”, que foi nomeado com o apelido que ela tinha apenas entre seus amigos mais próximos e familiares, e por evidências anteriores de uma renovação de fé. Este não foi somente mais um destaque de sua  brilhantecarreira (que brilhou com um hit massivo internacional, “We Belong Together”), mas a restituição de uma artista confessa, que há muitos anos lutava pelo controle criativo de sua música e de trilhar o caminho com suas próprias pernas através de um divórcio difícil com seu ex-marido controlador e abusivo, Tommy Mottola (que era seu empresário), em seguida, explorando sua identidade musical com uma séria de aventuras credíveis, mais significante delas é fundindo as suas influências do hip-hop em um som dominantemente pop. Em 2001, após o fracasso do filme “Glitter”, e consequentemente da trilha-sonora do projeto, ela também teve que se desligar de seu namorado na época, Luis Miguel, e de sua gravadora, Virgin Records,  Mariah foi hospitalizada com esgotamento nervoso e estafa. Sua reabilitação começou em 2002 com o “Charmbracelet”, quando ela se concentrou em suas raízes para lutar contra a maré (“I can make it through the rain / I can stand up once again on my own / And I know that I’m strong enough to mend,” ela canta em ‘Through The Rain’), mas isto ficou mais forte durante a sua Emancipação, que tivemos assegurados que aquela Mariah estava de volta, sua assertividade palpável por toda a parte. Tendo a ousadia de colaborar com nomes com Kanye West, The Neptunes, Snoop Dogg e Nelly, que ainda soam completamente coesa e de forma distinta,  algo que só a Mariah sabe fazer, ela valentemente justifica o controle criatiavo que ela lutou tão duro para conseguir.

“Eu sempre quis estar no controle total da minha música”, ela defende, “E até mesmo quando eu era adolescente, quando eu assinei o eu primeiro contrato musical, eu disse, ‘Você não vai me obrigar a gravar canções de outras pessoas, sou compositora’. Eu tinha  propostas de outras duas gravadoras que me queriam, e eu disse ‘Eu quero cantar as minhas composições. Eu posso até escrever com outra pessoas, e trabalhar com outra pessoas, mas eu me recuso apenas ser interprete cantar músicas dos outros. Eu tenho eu componho desde criança, e eu sabia desde aquela época que a maior parte das músicas que eu ouvia não eram compostas pelos interpretes, sabia?”

Falamos brevemente sobre o tema Marilyn Monroe, que é uma heroína e inspiração para Mariah (e acabou batizando sua filha com o sobrenome de Marilyn), que também procurava exercer autonomia em sua carreira – e ela se tornou uma das primeiras mulheres em Hollywood que fundou a sua própria empresa – e é interessante notar que ambas vieram de infâncias pobres (a de Monroe, sem dúvida, é muito mais trágica). Estas origens humildes, diz ela, são a raiz de sua convicção de ser bem sucedida em tudo que faz, sua ética de trabalho inflexível, “vem desde quando ela era criança – quando não tinha literalmente dinheiro algum – e nunca queria ter uma vida assim quando fosse adulta”.

“Desde os meus quatros anos de idade, eu já estava determinando ser o que sou hoje”, ela revela. “Quero dizer, vendo a minha mãe como uma cantora de ópera e sabendo em uma possibilidade, algo como, quando você crescer você será uma cantora, e é isto que você vai fazer para o resto de sua vida. Eu sempre soube o que eu queria ser.”

Crescendo no subúrbio de Nova York, Mariah alegou se sentir diferente das outras crianças, pois sua herança mestiça, deixava-a indefinível em ouras comunidades segregadas ao seu redor. A música era sua fuga da discriminação, do assédio moral e dos dramas que ela sofria em casa com a separação de seus pais. Era uma forma de “ficar fora de tudo“.

De repente, a porta da suíte abre e três meninas usando seus pijamas entram, exitadas demais para dormir e inquietas com seus próprios aposentos. Elas sentam do nosso lado, sem saber que estamos no meio da entrevista, e divertidamente interrompem a nossa conversa com Mariah.

“Eu acho que você deve enviar mensagem para seu amigo e ver o que eles estão fazendo em casa, porque você realmente negligenciado seus amigos”, ela diz para a mais velha.

“Eu?” a menina pergunta.

“Sim”, aconselha Mariah: “Você está negligenciando seus amigos”.

“Mas você é a minha única amiga”, responde a menina de forma desafiadora, “Você não sabe disto?”

Mariah tem um acesso de risos, e elas saem da sala para que nós possamos continuara nossa entrevista. Ela é claramente muito próxima de sua família, e adora viajar e as crianças idolatram ela. A Clash sugere que ela é um bom modelo para crianças.

Outra gargalhada

“Sério?” ela zomba. “Eu não sei se sou”.

Mas quando se trata de seus próprios filhos, no entanto, “eu sou diferente com eles, porque eu tenho que ser a mãe deles”. Ela têm dormindo poucas horas por dia, e na parte da manhã ela via curtir mais um dia incrível na capital francesa. A sua educação encantadora é uma benção para Mariah, é uma prova de sua própria capacidade de resistência e determinação que ela enfrentou e as dificuldades que ela sofreu, mas mesmo assim trabalha duro para garantir que seus filhos permaneçam desfrutando o estilo luxuoso da mamãe que é uma rainha da música pop.

“Quero que eles ainda se sintam como pessoas normais”, ela confirma. “Então, se eles não quiserem viajar comigo em algum omento, eles não serão obrigados a se deslocar por aí. Mas eles adoram viajar. Sempre que eu tento manter eles cinco dias em casa, eles ficam perguntando, ‘Quando é que vamos andar de avião novamente?’. Eles realmente amam este estilo de vida. Eles adoram fazer estas coisas e visitar novos lugares. Eles amam a Torre Eiffel. É incrível, você sabe o que eu quero dizer? Eu tenho os melhores momentos da minha vida ao lado deles.”

Além da influência positiva que ela transmite para seus filhos, é como ela encerra a nossa conversa, Stella está persistente nas proximidade, dizendo que ela precisa fazer mais um dever antes de dormir (o teste para substituição dos bailarinos, desculpe, mas esta noite tem show). pedimos para Mariah falar sobre seu impacto no mundo da música, se ela está consciente de seu legado e como estes cantores contemporâneos desfrutam disto.

“Eu acho que meu trabalho é meu legado” ela humildemente declara. “Outras pessoas que dizem que foram inspirado por mim e talvez tenham incorporaram isto (o meu trabalho) como parte do legado legado deles, seja lá o que eles tiverem fazendo”

E ela tem orgulho do trabalho que ela acumulou?

“Acredito que sim. Há pelos menos um par de canções, não importa o que aconteça, as pessoas sempre irão saber cantar. Mas sim, eu acho todos nós estamos aqui por fazer o nosso melhor. Eu não sei se isto é uma vida normal, (ela sacode os ombros),  “Eu  realmente não sei”.

  • Confira scans da Clash Magazine na nossa galeria!

Fonte: Clash Magazine

Tem sido um dia muito longo para a artista feminina mais vendida de todos os  tempos (mais de 200 milhões de discos vendidos em todo o mundo, e continua  contabilizando) e ela passou a maior parte dele escondida em um hotel exclusivo em Beverly Hills, falando sobre sua aguardada turnê européia “Sweet Sweet Fantasy’, bem como respondendo as perguntas animadas sobre seu recente noivado com o bilionário australiano, James Packer, para a imprensa de todo mundo.

pride

Com 1,79 de altura, Mariah Carey é alta. – E tão voluptuosa como a diva gostosona  dos anos 50, Marilyn Monroe. E, de fato, há definitivamente algo em Carey que faz lembrar daquelas lendas etéreas de Hollywood do passado, mesmo que ela esteja vestida de forma simples e elegante e moderna: camiseta preta, jaqueta preta e calças, bem como suas características botas de salto alto.

Mas ainda assim, a sensação de Hollywood clássica persiste. Talvez seja a sua ‘aura’ de estrela, ou sua aparência impecável ou o impressionante anel de  esmeralda com corte de diamante de 35 quilates brilhando na mão esquerda. Ou pode ser por causa da famosa cabeleira cor de caramelo, que agora está fluindo de Carey – seco e liso – sobre os ombros. Seja o que for, se você pudesse engarrafá-la, não há dúvida de que ele iria voar das prateleiras, – como diz o ditado.

Carey, que se tornou uma estrela mundial um pouco depois de ter acabado de sair da adolescência, é a detentora de uma das vozes mais notáveis da música – uma Grande Voz– com intervalo de cinco oitavas – bem como a vencedora de inúmeros  prêmios de música. Adicione a isso o seu papel como mãe dos gêmeos de quatro anos de idade, Monroe e Morrocan,uma mulher de negócios bem sucedidos, compositora, produtora, filantrópica ativa (Mariah é co-fundadora do Camp Mariah) e atriz aclamada, tudo isso além de uma lista estonteante de realizações. E Carey agora pode incluir diretora respeitada nesta lista, tendo completado seu primeiro filme, o bem recebido “A Christmas Melody” para o Hallmark Channel, um canal à cabo norte-americano.

Com um casamento para planejar, além da sua muito aguardada turnê ‘Sweet Sweet Fantasy‘ para concluir, a Pride Magazine decidiu que era hora de colocar o papo em dia antes da super estrela global colocar o pé na estrada.

PRIDE: Mariah, estamos todos muito animados por você sair em turnê pela Europa e pela performances no Reino Unido. Porque esperou 13 anos antes de voltar com uma turnê?

MC: Bem, uma turnê é uma coisa complicada e difícil de montar. Você tem um monte de coisas para definir: quais os países visitar, onde você tocar, o que você vai cantar, qual é o melhor momento para ir e todo esse tipo de coisa. E embora eu amo sair em turnê e cantar, não posso ficar muito tempo na estrada atualmente porque agora tenho meus filhos a considerar em todo este processo também. Mas eu realmente amo a Europa e eu não posso esperar para ver a minha incrível ‘lambily’ (o termo Mariah usa para seus fãs leais) ali também.

PRIDE: Você cantará todas as canções #1, como fez durante suas residências de Vegas?

MC: Definitivamente algumas delas. Mas vou misturar um pouco e cantar uma boa seleção de números, espere o inesperado daahling. Serão alguns músicas dançantes,baladas, canções introspectivas e talvez algumas faixas que fizeram sucesso na Europa também. Algumas das minhas canções, que foram grandes internacionalmente, não foram tão grandes na América então o set list será diferente dos meus shows de Las Vegas. E eu também quero fazer algumas canções para os meus fãs obstinados que eu normalmente não canto com frequência.

PRIDE: O que mais os seus fãs podem esperar?

MC: Eu não quero revelar muita coisa, porque nós ainda estamos finalizando as coisas. Mas, como algumas pessoas provavelmente sabem, eu gosto de tentar fazer meus shows um pouco interativo e um pouco mais íntimo, como se o público estivesse em casa comigo.Então estou ansiosa para ter esses pequenos momentos com meus fãs nesta turnê também. E claro haverá alguns sets incríveis, bailarinos e trocas de roupa, então estou muito animada com tudo.

PRIDE: Como você se prepara para uma turnê como esta?

MC: Eu acho que minha segunda passagem em Las Vegas é uma espécie de preparação, porque performar no palco é um ensaio em si. Mas eu me alimento bem também, e tento descansar bastante também, como fazer hidroginástica regularmente para manter a forma.

PRIDE: Você está incrível agora. Qual é seu segredo?

MC: Eu acho que vem de dentro: quando você está se sentindo bem por dentro, isto é refletido do lado de fora.

PRIDE: Parabéns pelo seu recente noivado com James Packer. Pode nos dizer como ele te pediu em noivado?

MC: Obrigada. O pedido foi muito romântico, mas não quero dar muitos detalhes porque é algo muito pessoal. James é uma pessoa excepcional, e realmente fica mais romântico a cada dia, por isso é muito doce.

PRIDE: Pode nos contar alguma coisa sobre seus planos de casamento? Como será seu vestido?

MC: Ainda estamos na fase de planejamento. Mas uma coisa que decidimos é que não faremos um grande casamento porque James já teve dois grandes casamentos. E é tipo, como: ‘Eu já fiz o grande casamento’ também. Então nós preferimos por fazer algo bonito e íntimo desta vez. E claro, eu estou muito animada sobre o meu vestido! Mas não quero falar sobre isso ainda, porque eu ainda tenho que ter minha primeira prova.

PRIDE: Como você descreveria seu relacionamento agora entre você e seu ex marido Nick (Cannon)?

MC: Nos damos bem, estamos numa boa. Nós sempre vamos estar na vida um do outro por causa de nossos lindos filhos.

PRIDE: Qual foi a sua maior descoberta sobre a maternidade?

MC: Que sinto esse amor é incondicional e maravilhoso pelos meus filhos. Eu nunca imaginei ter essas duas pessoinhas incríveis chegando para mudar o meu mundo. Eles são minha vida. Eles me fazem feliz… e se nenhuma dessas outras coisas estivessem acontecendo, eles ainda seriam tudo para mim. E na verdade fazem com que ser uma mãe seja algo muito fácil, porque são ambos crianças maravilhosas, engraçadas, criativas e felizes.

PRIDE: É difícil equilibrar a sua carreira com a maternidade, especialmente quando você está em turnê?

MC: É importante ter meus filhos comigo, onde eu estiver. E eu tenho sorte, porque ambos gostam de viajar e eles ainda estão em uma idade onde eu possa levá-los comigo sempre. Onde quer que vá, eu tento e me certifico de que eles terão experiências que eles vão desfrutar e aproveitar. Então estamos sempre nos divertindo passeando e fazendo este tipo de coisa.

PRIDE: Suas crianças já mostraram sinais de ter habilidade musical e você gostaria se eles escolhessem fazer carreira com música?

MC: Ambos adoram cantar e dançar, especialmente a Miss Monroe; ela normalmente está pronta para ‘fazer uma pose’ para fotos! Eu fico constantemente surpresa pelo o que eles absorvem. Outro dia, por exemplo, Monroe estava cantando ‘We Belong Together’. e eu fiquei pensando, ‘como ela saber essa música? Mas ela pegou isso eu acho, e ela sabe cada palavra. De qualquer forma, se eles irão querer fazer uma carreira em música, ou não, nós eremos que esperar para ver. Mas eu certamente não vou pressiona-los a fazer isto.

PRIDE: Qual das suas músicas é a sua favorita e por quê?

MC: Eu provavelmente teria que dizer ‘Fantasy’, porque marcou um momento crucial em minha carreira. ‘Genius of Love’, que eu usei sample, foi uma das minhas músicas favoritas quando era criança, então eu pensei, por que não usá-la? Mas acho que você realmente tem que gostar de hip-hop para conseguir fazer uma música assim.

E ninguém realmente esperava naquele momento porque, musicalmente, eu era considerada uma espécie de menina muito meiga e inocente. O que ela fez no entanto, foi demonstrar às pessoas que eu sou uma pessoa que cresceu ouvindo esse gênero e que eu queria trabalhar com todos os tipos de artistas e pessoas que me intrigam.

PRIDE: O mundo da música esta muito triste com o falecimento de David Bowie. Ele te influenciou de alguma forma?

MC: Eu amava sua música e fiquei triste por saber que ele tinha falecido. Na verdade, eu tive bastante sorte por ter um ‘momento’ com ele, bem no início de minha carreira, quando eu estava cantando ‘Emotions’ no ‘Top of the Pops’ em 1991. David estava no programa também (com a sua banda na época, a Tin Machine) e ele sentou ali, me assistindo durante o ensaio. Eu me lembro de ter ficado um pouco intimidada, mas eu queria impressiona-lo, então cantei ao vivo. Ensaiamos várias vezes até eu ficar rouca, mas de certa forma eu estava cantando apenas para ele. No final, ele se aproximou e me disse o quanto gostou da música e da minha performance. Foi muito gentil da parte dele e o que significou muito para mim.

PRIDE: Qual é a conquista que te deixa mais orgulhosa?

MC: Não sei se eu poderia escolher apenas uma. Além dos meus filhos que são a minha maior realização. Eu tenho orgulho de muitas coisas que eu conquistei em toda minha carreira. E estou animada com o resto da história se desenrolando.

PRIDE: Você dirigiu recentemente seu primeiro filme, ‘A Christmas Melody’. O que você achou desta experiência?

MC: O processo todo foi muito feliz, e perfeito para mim porque eu amo todas as coisas ‘festivas’. Ele foi exibido pelo Hallmark Channel nos Estados Unidos, e eles são uma grande rede feita para família. Na verdade, como eu dirigi vários dos meus meus próprios vídeos ao longo destes anos, acho que me ajudou a entender como eu iria dirigir um filme. Espero fazer mais no futuro também.

PRIDE: Se você fosse uma náufraga em uma ilha deserta e tem apenas um item para ajudá-la, o que você escolheria?

MC: Nossa! Isso é difícil. O que eu escolheria? Acho que teria que ser algo a ver com música, porque isso iria me ajudar a superar esses longos dias na ilha e eu poderia cantar junto também. Então, talvez um rádio e um monte de baterias? Ou talvez até um rádio de corda, que não precisa de pilhas.

PRIDE: Existe alguma coisa que as pessoas ficariam surpresas em saber sobre você?

MC: Eu acho elas ficariam um pouco surpresas de saber que eu tenho um bom senso de humor e gosto de brincar e fazer piadas. Eu sou um pouco comediante, e eu posso ser uma criança grande com meus filhos. Você tem de encontrar humor nesta vida, caso contrário, o que é o sentindo né, daahhling?

PRIDE: Você teve a carreira mais incrível nos últimos 25 anos. A que você atribui seu sucesso fenomenal?

MC: Bem, você definitivamente precisa ser resiliente neste negócio, porque tudo pode ser difícil. Mas eu sempre tive fé e sempre fui muito otimista, com pensamentos constantes como ‘oh merda, nada disso vai dar certo’, então nada dará. Além disso, acho que a longevidade é algo que é difícil de se obter nesse negócio porque uma grande parte dele é sobre tendências. Mas uma tendência, é claro, dura por um momento e então some. É algo como, ‘você se lembra quando aquilo fazia sucesso? Ah sim, eu me lembro, era muito divertido ‘. Mas normalmente, os artistas que transcendem isso tem uma certa voz, bem como um catálogo de canções, que as pessoas amam ao longo dos anos. Acho que eles realmente se tornam o ‘tecido’ e a trilha sonora para a vida de uma geração. Então uma coisa é ter sucesso sônico na música e outro é conseguir manter o sucesso. Mas eu fico tão contente quando as pessoas dizem coisas para mim, como ‘ obrigado por escrever essa canção — me ajudou a passar por tempos difíceis ‘, porque como um compositor que não há nada melhor do que isso, realmente não há.

PRIDE: Você tem planos para novo álbum em breve?

MC: Eu tenho certeza que haverá outro álbum num futuro não tão distante, embora eu não possa dizer exatamente quando. Fazer música é integral para mim, então eu nunca vou parar, claro. Mas primeiro eu quero terminar a minha turnê ‘Sweet Sweet Fantasy’. E eu realmente não posso esperar para rever todos no Reino Unido e na Europa.

  • Confira scans da revista na nossa galeria!

Em entrevista para revista DuJour, Nick Cannon falou sobre seu divórcio com Mariah Carey.

Carey e Cannon oficializaram no divórcio em dezembro de 2014, na ocasião Mariah Carey iria se apresentar no evento natalino de Rockefeller Center quando supostamente foi noticidada oficialmente do divórcio.

Após seis anos juntos, eles tiveram dois filhos, mas desde a separação Nick rapidamente percebeu que esta história sensacionalista de ‘divórcio dramático’ é inevitável, e não
importa quantas vezes eles digam que não há ressentimentos que cercam atualmente a separação do casal.

Ele também fez outra revelação: que talvez ele não tenha nascido para ser marido, que isto não é a sua prioridade. “Sinto que o casamento não é para todos”, diz Cannon ajustando a aba de seu chapéu de feltro. “Um amigo colocou isto de forma mais engraçada ainda, ele me disse: ‘Se você ouvir que tem apenas 50% de chance de ficar vivo ou morto quando você estiver pulando de um avião, provavelmente você não vai pular de pára- quedas'”. E ele continua: “E como se o casamento tivesse 50% de chance de dar certo, e se você passou por um e ainda saiu vivo, provavelmente você não se casará de novo.” E quando questionado se ele se casaria novamente, Cannon diz: “Acho muito dificil.”

E faltando duas semanas para o Natal, os filhos de Cannon apresentaram a sua lista de presentes, que incluem varios jogos de video game, Legos,‘coisas de princesa’ e karaokê do filme Frozen. “A mãe deles faz o Natal ser algo muito teatral.” disse Cannon. “Eles têm uma réplica da árvore de Rockefeller na sala de estar. Rena, Papai Noel e tudo o que você pode imaginar.” ( E ele não está brincando: Carey postou um vídeo no Instagram com o Papai Noel chegando na casa dela em cima de um trenó sendo carregado por meia dúzia de renas).

Mas Cannon não tenta fingir que ele teve este tipo de infância – que envolve muitas viagens em jatos particulares e milhares de paparazzi do lado de fora da escola esperando as crianças saírem para registrar uma foto. “Eu não vejo problema algum as coisas serem diferentes com eles e eles terem uma educação excêntrica. É fascinante. Mas antes de qualquer coisa, precisamos ensiná-los a terem humildade. Ensinando-os a serem respeitosos, olhando nos nossos olhos e dizendo ‘Sim, senhor’ e ‘Sim, senhora'”. ele disse. “Você pode ser uma grande diva e também ser humilde, Mariah Carey é um exemplo perfeito disto.”

E esta não é a primeira vez que Nick Cannon fala muito bem de sua ex-esposa. Há anos atrás, ele disse para todos seus amigos que jamais iria se casar, que se casaria somente com
alguém como Mariah Carey. “E isto aconteceu, de tanto eu falar.” disse Cannon, que ainda não acredita que as coisas aconteceram desta forma. “Você pode consegue ser feliz em um
casamento é realmente lindo. Você precisa aproveitar isto a cada minuto, porque não é uma coisa fácil. O ser humano nasceu para ser egoísta. Estamos constantemente mudando, e
sempre evoluindo. Esperar que alguém seja bom para você chega ser até algo absurdo e raro.”

Fonte: DuJour
Agradecimento Especial: Victória Santos

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.