Mariah Now é a sua maior fonte brasileira sobre a Mariah Carey. O site é totalmente dedicado para os fãs da Mariah. Acompanhe notícias, vídeos, entrevistas, participe de promoções e eventos. Todo conteúdo divulgado no site é criado ou editado por membros da equipe, qualquer conteúdo retirado daqui, mantenha seus devidos créditos. Somos apoiados pela Universal Music Brasil e pela Sony Music Brasil.

GRAMMY

A vencedora tinha que ter talento vocal óbvio. Desta vez, não havia dúvida de que a premiação tinha algum prestígio e valor

O Grammy experimentou um desastre em 1990, quando foi descoberto que o duo vencedor de ‘Melhor Artista Novo‘, Milli Vanilli, não tinham cantando nenhuma nota em seu álbum de estreia,, Girl You Know Know It True. Em termos de maior premiação de todos os tempos, mostra um cenário vergonhoso, algo semelhante ao Oscar de 2017, que entregou o prêmio errado.

Então, enquanto a bancada do Grammy estava olhando como seria a premiação em 1991, era imperativo que o vencedor (a) da categoria revelação tivesse talento vocal óbvio.  Desta vez, não haveria dúvida de que eles eram os mais importantes desse nicho. E seria ideal se o vencedor tivesse uma carreira longa e substancial.

Vários outros vencedores anteriores nunca mais fizeram sucesso após receberem o prêmio de ‘Melhor Artista Novo’.   A Starland Vocal Band (vencedores de 1976) e Debby Boone (que venceu em 1977) nunca retornaram ao top 40 da Billboard Hot 100 após seus sucessos número 1 no lançamento da carreira, “Afternoon Delight” e “You Light Up My Life, “respectivamente. A Taste of Honey, os vencedores de 1978, foram “maravilhas de dois hits”, com dois dos 40 principais hits, “Boogie Oogie Oogie” e “Sukiyaki”. Até Men at Work, os vencedores de 1982, que na época eram vistos como um grupo pop/rock com credibilidade, tiveram uma corrida surpreendentemente MUITO breve ao topo das paradas.

Então, o Grammy realmente precisava de um grande vencedor para compensar o desastre de Milli Vanilli e o senso geral de que esse prêmio era o “beijo da morte”, como Taffy Danoff, ex-integrante da Starland Vocal Band, memorizou-o em uma entrevista de 2002 para o programa VH1’s 100 Greatest One Hit Wonders.

Então, a premiação tive a sorte de Mariah Carey aparecer bem a tempo de receber o prêmio de 1991. Era óbvio que ela poderia cantar. Além disso, ela co-escreveu todas as músicas de seu álbum de estréia, produziu uma das faixas e serviu como arranjadora.

Carey foi indicada em cada uma das quatro grandes categorias – álbum, disco e música do ano, além de melhor artista – no 33º Grammy Awards Anual, realizado naquele ano no Radio City Music Hall, em Nova York. Além disso, aos 20 anos, Carey era a artista mais jovem a conseguir essa indicação, superando Bobbie Gentry, que tinha 23 anos quando foi nomeada em todas as quatro categorias no início de 1968. (Carey manteve esse recorde até o ano passado, quando Billie Eilish garantiu todas as quatro indicações aos 17. Eilish tinha 18 anos na época dos prêmios.)

Além de ganhar o prêmio de ‘Melhor Artista Novo‘, Carey ganhou o prêmio de  ‘Melhor Desempenho Vocal Pop Feminino’ por “Vision of Love”, vencendo Whitney Houston, Bette Midler, Sinéad O’Connor e Lisa Stansfield.

Carey foi a atração principal da transmissão e responsável pelo sucesso da transmissão daquela edição do Grammy. Em um artisto de 2017,  “As 100 maiores apresentações de prêmios de todos os tempos”,Andrew Unterberger, da Billboard, classificou sua performance como a 10° maior de todos os tempos. “Verdadeiramente, uma visão de Mariah; apenas 20 anos de idade, e já carregava a confiança de um artista que sabia que ela estaria em dupla com Whitney Houston em pé de igualdade até o final da década “.

Os Grammys não sabiam que Carey continuaria forte quase 30 anos depois; que ela iria 19 sucessos massivos em 1° lugar no Hot 100, mais do qualquer outro artista solo na história; que ela se tornaria a primeira artista na história do Hot 100 a aparecer no primeiro lugar em quatro décadas diferentes; ou que ela teria coragem de sobreviver aos altos e baixos da vida de um artista nesse negócio.

Às vezes na vida você tem sorte. Quando Carey ganhou o prêmio de ‘Melhor Artista Novo’, o Grammy teve sorte. Muitos (embora não todos) dos vencedores subsequentes também tiveram carreiras invejáveis, o que rebateu a idéia de que esse prêmio é o “beijo da morte”. Os vencedores dos melhores artistas novos pós-Carey incluem Toni Braxton, Sheryl Crow, LeAnn Rimes, Christina Aguilera, Alicia Keys, Maroon 5, John Legend, Carrie Underwood, Adele e Sam Smith. E não tem nenhum ‘falso cantor’, na lista de vencedores.

 

Fonte: Billboard

Mariah Carey é uma das artistas de maior sucesso na história recente, com mais singles no topo das paradas do que qualquer outro artista solo na história da Billboard. Você acha que ela também teria um caminhão cheio de Grammys, mas a academia de gravação tem sido bastante mesquinha com ela ao longo dos anos. Ela ganhou apenas 5 prêmios de 34 indicações, e apenas um deles foi na categoria geral. Ela pode finalmente ganhar o prêmio de  ‘Álbum do Ano’ em 2020 por “Caution”?

A vitória geral de campo de Carey veio em 1991, quando ela ganhou o prêmio de  Melhor Novo Artista. Naquele ano, ela também ganhou Melhor Performance Pop Vocal Feminina por “Vision of Love”, mas perdeu seus outros três prêmios na categoria geral: Gravação do Ano  e Canção do Ano para “Vision Of Love” e Álbum do Ano com o seu álbum de estreia.

Foi uma longa espera antes de Carey vencer novamente. Ela não ganhou um único outro prêmio até 2006, quando ela ganhou Melhor Performance R&B Feminina e Melhor Canção de R&B por “We Belong Together”, e Melhor Álbum Contemporâneo de R&B por “The Emancipation of Mimi” .Mas novamente ela foi excluída as categorias gerais, perdendo Gravação do Ano  e Canção do Ano com “We Belong Together” e Álbum do Ano com  “The Emancipation of Mimi”.

Isso é tudo que de prêmios Grammy que Carey já ganhou na vida. A cada dois anos ela foi nomeada, ela foi excluída. Ela perdeu suas duas indicações em 1992, duas em 1993, uma em 1994, duas em 1995, seis em 1996, três em 1998, uma em 2000 e 2001, duas em 2007 e uma em 2009.

Carey ganhou um total de três indicações para Álbum do Ano (“Mariah Carey”, “Daydream” e “The Emancipation Of Mimi“), três para Gravação do Ano (“Vision Of Love”, “One Sweet Day”, “We Belong” Together ”) e dois para Música do Ano (“ Vision Of Love ”e“ We Belong Together ”). Ela poderia finalmente se indicada e ganhar em uma ou mais dessas categorias?

O poderosa vocalista não foi nomeada em uma década. Suas vendas de discos não são como costumavam ser, mas seu álbum mais recente, “Caution”, que ela lançou no outono passado, pode ser a melhor revista de sua carreira. Ele marcou uma nota 82 no MetaCritic com base em nove avaliações, todas positivas. Essa é de longe a maior pontuação para qualquer álbum que ela lançou desde que a MetaCritic vem acompanhando críticas (desde  à sua trilha sonora de “Glitter” em 2001). E com oito vagas disponíveis nas categorias gerais de campo, a academia de gravação pode se sentir inclinada a economizar espaço para o veterano em atraso.

Mas é um campo lotado. Existem mais de 70 candidatos nas previsões do Álbum do Ano e o ano de elegibilidade não termina até 31 de agosto, portanto, continue com Cuidado (“Caution”).

Fonte:  Goldderby

De acordo com coluna Page Six, Jay-Z será homenageado na festa privada que Clive Davis realizará um dia  antes do Grammy, 27 de janeiro.

Confira lista de convidados famosos que estarão presente no evento no Hotel Sheraton: : Alicia Keys, Mick Fleetwood, Rep. Nancy Pelosi, D-Calif., Jerry Seinfeld, Daniel Craig, Tina Fey, Meg Ryan, Mariah Carey, Katie Couric, Lorde, Jennifer Hudson, Migos, Martha Stewart, Nile Rodgers, the Grateful Dead’s Bob Weir, Rita Ora, Ludacris, Will.i.am, Khalid, Diplo, Logic, Luis Fonsi, Patti LuPone, Tommy Hilfiger, Michael Strahan, Gayle King, Don Lemon, Isaiah Thomas e CC Sabathia.

Mariah Carey tornou-se a atração principal do tradicional programa de fim de ano, o Dick Clark’s New Year’s Rockin’ Eve com Ryan Seacrest.

O especial vai ao ar antes da virada do ano, no qual a bola da Times Square em Nova York, EUA chega à base à 00h, marcando a virada de um ano para o outro. Como forma de celebração deste grande momento, vários artistas fazem suas performances ao vivo para milhões de pessoas e, a última edição foi arrebatadora com grandes momentos.

Durante os trinta minutos finais de 2017, o programa teve seu maior público: 25,6 milhões de telespectadores – maior audiência registrada que todos as edições de entrega do Grammy, ou seja, Mariah Carey foi assistida por milhões de pessoas, um verdadeiro recorde para a dona de tantos.

Mariah Carey na Times Square em Nova York na virada de 2017 para 2018. Foto: Taylor Hill.

Desde setembro de 1991 não era registrado um número tão grande de telespectadores ao vivo (quando a Nielsen começou seus registros eletrônicos). Agora fica para este ano a expectativa de um novo recorde, mas quem será que vai cantar antes da bola descer e marcar a virada de um novo ano?


Fontes: Nielsen via TVLine e PMC/Deadline
Colaboração: Dino-Ray Ramos e Matt Webb Mitovich

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.