Mariah Now é a sua maior fonte brasileira sobre a Mariah Carey. O site é totalmente dedicado para os fãs da Mariah. Acompanhe notícias, vídeos, entrevistas, participe de promoções e eventos. Todo conteúdo divulgado no site é criado ou editado por membros da equipe, qualquer conteúdo retirado daqui, mantenha seus devidos créditos. Somos apoiados pela Universal Music Brasil e pela Sony Music Brasil.

Mariah’s World

25 anos atrás: Mariah Carey estava no auge de sua carreira, o álbum ‘Music Box’ e os singles ‘Dreamlover’, ‘Hero’ e especialmente ‘Without You’ foram enormes sucessos. Sua gravadora Columbia queria usar o favor da hora e estava planejando um álbum de Natal. No verão de 1994, começaram as gravações, incluindo a música ‘All I Want For Christmas Is You’, escrita e produzida pela própria Mariah Carey e pelo lendário compositor  Walter Afanasieff. Ao longo dos anos, a música se tornou um clássico e, a cada temporada de festas, sua popularidade continua a crescer. Uma música fantástica, enérgica e abrangente, escrita para a eternidade. Em 25 de dezembro de 2018, a música estabeleceu o recorde de um dia para a maioria das transmissões do Spotify, com 10,82 milhões de peças e ganhou US $ 60 milhões em realidades naquele ano. Devido aos enormes dados de vendas e streaming que a música gera todos os anos em novembro e dezembro, é bem possível que em cerca de oito a dez anos, ‘All I Want For Christmas Is You’ poderia substituir ‘Candle In The Wind’ de Elton John como o maior sucesso da história da música. Na lista de sucessos atual, ‘All I Want For Christmas Is You‘ salta do 19 para o 5 na sua 66ª semana com 208.000 pontos, um aumento de 78% em relação à semana anterior.

Fonte: Media Traffic

Durante uma semana, no verão de 2015, consumidores de notícias de fofocas de celebridades não conseguiram ignorar a viagem de Mariah Carey a Malibu, na Califórnia. Sua estadia em um Airbnb na cidade, relatada no Instagram, dominou as manchetes. A notícia foi divulgada pelos sites TMZ, Page Six e PopSugar. Mas isso não quer dizer que a estrela pop simplesmente viu o anúncio deslizando o dedo pelo aplicativo. Carey serviu como um teste do que se tornaria uma campanha de marketing de grande sucesso com celebridades para uma startup jovem e fragmentada. A Airbnb cobriu o custo da estadia em Malibu. E foi apenas o começo. A empresa fez acordos com cerca de 65 celebridade e passou a oferecer hospedagem gratuita para várias das maiores estrelas do mundo, como Justin Bieber, Lady Gaga e Beyoncé.

Tudo o que a empresa pediu em troca foi que, caso gostassem, comentassem a experiência on-line. Hoje, o marketing de influenciadores é um segmento que movimenta mais de US$ 6 bilhões. Um único post pode render mais de US$ 1 milhão. Mas a rentável prática atraiu o escrutínio de reguladores dos EUA, pois influenciadores e celebridades obscurecem os limites entre conteúdo e publicidade. O Instagram recentemente foi criticado por publicar posts de influenciadores recomendando chás para dietas com ingredientes aprovados para serem usados apenas como laxantes. A Comissão Federal de Comércio emitiu novas regras para a divulgação de conteúdo nas redes sociais este mês.

Mas o programa de marketing de celebridades do Airbnb, cujos detalhes não foram relatados anteriormente, começou antes que a maioria das pessoas soubesse o que era um influenciador. Foi um prenúncio da bonança de marketing de celebridades que surgiria e teve um papel na criação do Airbnb como alternativa aos resorts de alto padrão – agora, uma parte essencial da estratégia da empresa, que busca justificar um valuation de US$ 31 bilhões e realizar uma oferta pública inicial em 2020.

Como investidores agora estão menos tolerantes em relação a empresas de tecnologia que perdem dinheiro, vale a pena destacar a reserva de uma vila à beira-mar, muito mais rentável do que alugar um quarto no Queens, em Nova York. Para reforçar essa estratégia, o Airbnb fez uma de suas maiores aquisições em 2017, a empresa Luxury Retreats, e lançou um serviço de aluguel de mansões no verão de 2018, chamado Airbnb Luxe. “O relacionamento de Mariah se tornou lendário para o Airbnb”, diz Jonathan Mildenhall, que era diretor de marketing do Airbnb na época.

“O relacionamento de Mariah se tornou lendário para o Airbnb”, diz Jonathan Mildenhall, que era diretor de marketing do Airbnb na época. O Airbnb não quis dar detalhes sobre a relação da empresa com celebridades. Segundo o Airbnb, como uma empresa de hospitalidade, “trabalhamos com várias celebridades e personalidades públicas” e, muitas vezes, pagamos a conta, escreveu uma porta-voz em comunicado por e-mail.

Antes que uma empresa consiga uma estrela para usar e endossar seus produtos para milhões de seguidores, a celebridade precisa ser apresentada. Na época, o Airbnb não tinha orçamento para passar pelos típicos intermediários. As agências de talentos que poderiam intermediar um acordo de patrocínio tradicional eram proibitivamente caras, diz Mildenhall. Então, Brian Chesky, presidente do Airbnb, ofereceu uma ideia não convencional. Havia uma pessoa em Las Vegas que comandava uma boate lotada de celebridades, seus amigos; ele organizava suas festas; e as celebridades poderiam aceitar as recomendações sobre um aplicativo de aluguel de residências.  “Tente entrar em contato com esse cara”, disse Chesky a Mildenhall. “Veja se é autêntico.” O “cara” mencionado por Chesky era Jeff Beacher. A boate dele, a Beachhouse’s Madhouse, era a lenda de Las Vegas. O próprio Beacher era uma instituição da vida noturna, chamado em momentos diferentes de “showman das celebridades” pela “Rolling Stone”, um “grande inovador” pela “Entrepreneur”, e um “príncipe palhaço corpulento”, pela “Las Vegas Weekly”.

Beacher era, em resumo, exatamente o tipo de corretor não convencional que o Airbnb precisava. Sua amizade com Mariah Carey estava bem documentada. Logo após o Airbnb começar a trabalhar com Beacher, a startup soube que algo havia dado certo. Mildenhall, que dirigiu o departamento de marketing de 2014 a 2018, “percebeu que havia um relacionamento autêntico entre ele e Mariah”, diz. “Não era financeiro.”

Mas foi em 2016, menos de um ano depoismenos de um ano depois de fechar o contrato de consultoria com Beacher, que a startup marcou um gol. Depois de tocar para mais de 115 milhões de pessoas no Super Bowl Halftime Show, Beyoncé foi descansar em uma mansão opulenta em Los Altos Hills, na Califórnia, equipada com uma piscina com borda infinita, um galinheiro e 60 árvores com frutas. Ela postou uma foto no Facebook, sentada perto de uma elegante lareira ao ar livre à noite, e escreveu: “Foi um super fim de semana Airbnb.”

 

Fonte: UOL 

De Beyonce a Bernie Sanders, a música, os marcos culturais, os movimentos e mais que moldaram uma geração

O que define um milênio? Nós fomos chamados de “Geração Eu” para o nosso narcisismo presumido e a “Geração Peter Pan” para o nosso atraso na idade adulta. Fomos acusados ​​de matar indústrias inteiras, como lojas de departamento e  cadeias de restaurantes. Mas a única coisa que pode realmente definir um milênio é que somos indefiníveis. Para as pessoas nascidas entre 1980 e 1995, nossas vidas foram marcadas por algumas das mudanças mais rápidas na economia, na paisagem política e na cultura do mundo. Fomos radicalizados por profundas tragédias como o 11 de setembro e o furacão Katrina, bem como as guerras intermináveis ​​no Iraque e no Afeganistão. Fomos atingidos pela crise financeira em 2008, assim como muitos millennials começaram a entrar no mercado de trabalho – e ainda estamos sentindo as consequências. E, claro, somos a última geração a testemunhar a vida antes e depois do início da era da Internet.

O impulso para um mundo totalmente digital foi essencial para a maneira como crescemos, amadurecemos e consumimos o mundo ao nosso redor. Desde os primeiros dias de blogs e mensagens instantâneas até a chegada do Facebook, Twitter e Instagram, temos compartilhado nossas vidas. Empresas como Napster, iTunes e Spotify, Amazon, Netflix e Hulu democratizaram o entretenimento, dando-nos mais opções do que nunca. Somos milhões de pessoas com 20 e 30 anos, efetivamente criadas com base na ideia de que tudo o que queremos pode, deve e estará disponível com o clique de um botão.

Às vezes, esse dilúvio de cultura e conteúdo parece se fragmentar. Até mesmo a diferença entre os millennials “mais jovens” e os “mais velhos” pode parecer vasta. Aqueles com memórias mais fortes de uma era pré-digital sentem-se mais fundamentados na experiência compartilhada com nossos antecessores na Geração X, às vezes ansiando pela existência da monocultura, enquanto os bebês dos anos 90 se relacionam mais com a cultura da Geração Y, mais rápida e ainda em formação. abraçando streaming como um estilo de vida e uma preferência. Essa divisão, mesmo dentro de nossa própria geração, e a forma como a geração do milênio respondeu ao mundo em rápida mudança que herdamos, significa que somos culpados pela perda de muitas experiências. Não temos o mesmo apetite por luxos pós-recessão – como diamantes e hipotecas – e estamos ameaçando tornar as indulgências ainda menores – como álbuns e cinemas – obsoletas.

Não é inteiramente justo, mas a culpa é um preço a pagar por nossa autoridade crescente e vozes culturais e políticas mais fortes. Por tanto quanto os millennials supostamente tiraram do mundo, nós também retribuímos dez vezes. Otimistas e inclusivos, ajudamos a eleger o primeiro presidente negro da América, Barack Obama – duas vezes. Provocados por tragédias como o t iroteio na escola primária de Sandy Hook e o assassinato de Trayvon Martin, iniciamos movimentos sociopolíticos para combater o racismo sistêmico e a violência armada. Impulsionados pelas mídias sociais, expandimos nossa linguagem cultural, pressionando por um aumento de vozes minoritárias em todos os aspectos, de escritórios políticos a mídia.

Conforme nosso poder cresce, o tempo provará o quanto mais podemos realizar. Embora cada geração pareça se preocupar com a forma de se ajustar ao ritmo mais rápido da vida, ficamos no limite por quanto tempo estamos vivos. Esta lista analisa 100 momentos, artistas, eventos, movimentos e muito mais que ajudaram a formar a identidade milenar. Como continuaremos a mudar de forma para ser vistos, mas você pode ter certeza de que vamos desafiar as expectativas. —Brittany Spanos

20° – ‘Glitter’ da Mariah Carey

Uma das muitas coisas estranhas sobre Mariah é que ela nunca teve muito interesse em crescer: ela explodiu e tornou-se a maior estrela do teen-pop dos anos 90 e foi adolescente até 2001, aparecendo como uma doce , uma garota do subúrbio que é louca por hip-hop, mas sempre chega em casa às 22h. Depois dos álbuns Rainbow e Butterfly, ela chegou com Glitter. Como Rob Sheffield escreveu em sua resenha na época: “Só Mariah poderia gravar um disco com Ol ‘Dirty Bastard ou curtir um paquera pública muito divulgada e muito negado com o Q-Tip e ainda se projetar como tal inocente. Até mesmo seu senso de moda continua sendo o de uma garota de 12 anos que está se vestindo no armário de sua mãe, que é uma das razões pelas quais Mariah sempre se manteve relevante e popular com as suas devotas fãs garotas na faixa da puberdade. Ela nunca tenta se passar por um verdadeira cantora de  hip-hop – ela não é burra. Em vez disso, ela só aparece como uma cantora pop que também é uma verdadeira fã do hip-hop. ”

  • Confira a lista completa AQUI!

Mariah Carey pode ter que enfrentar uma batalha judicial em breve. Segundo informações do site “TMZ”, a cantora está sendo processada por sua ex-empresária, Stella Bulochnikov.  Segundo o site de fofoca, Stella acusa a cantora de quebra de contrato e assédio sexual. A cantora estava constantemente nua em sua presença e fez atividades sexuais em frente dela.

Em relação à quebra de contrato, de acordo com fontes do site, o processo envolve “uma grande quantidade de dinheiro” que Stella diz que Mariah não a pagou.

De acordo com a publicação, Stella anexou documentos e pretende iniciar um processo contra Mariah por violação do Ato de Direitos Civis dos Estados Unidos, quebra de contrato e violação de os atos de Emprego Justo e de Moradia.

O site noticiou que a ex-empresária está pedindo uma grande quantidade de dinheiro, além de outras exigências.

Mariah e Stella tiveram uma parceria que durou três anos e se encerrou em 2017. Na época do fim da parceria, Stella soltou um comunicado garantindo que ela e Mariah continuavam próximas.

“Durante seu tempo trabalhando juntas, elas conseguiram grandes coisas, incluindo, recentemente, os novos projetos musicais e cinematográficos de Mariah Carey para a temporada de festas, Mariah Carey e Stella Bulochnikov continuam parceiras em um número de negócio, e vão continuar apoiando uma a outra nessas empreitadas”, dizia a mensagem.

Recentemente, Mariah concedeu uma entrevista na qual revelou sofrer de transtorno bipolar.

Um representante de Carey disse ao Page Six: “Se esta alegação frívola e infundada for apresentada, nos defenderemos vigorosamente e com sucesso”.

Fonte: UOL &  Quem Acontece

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.