Mariah Now é a sua maior fonte brasileira sobre a Mariah Carey. O site é totalmente dedicado para os fãs da Mariah. Acompanhe notícias, vídeos, entrevistas, participe de promoções e eventos. Todo conteúdo divulgado no site é criado ou editado por membros da equipe, qualquer conteúdo retirado daqui, mantenha seus devidos créditos. Somos apoiados pela Universal Music Brasil e pela Sony Music Brasil.

New Zealand Herald

O jornal The New Zealand Herald, fez um review sobre a apresentação de Mariah Carey com a “The Elusive Chanteuse Show” na cidade de Auckland, na Nova Zelândia, no dia 13 de novembro. Confira abaixo:

Por Joanna Hunkin

Então, vamos ser honestos: as expectativas não eram exatamente altas.

A “The Elusive Chanteuse Show” de Mariah Carey, desencadeou uma reação negativa nas mídias sociais quando passou por Tóquio no mês passado. Os fãs ficaram chocados e com raiva ao descobrir que a Diva sexy não poderia mais – aparentemente – segurar uma nota.

Os vídeos do YouTube eram uma visão agonizante. Como um gato meio estrangulado pedindo pra morrer. Aqui na Nova Zelândia, a recepção foi silenciosa. Apesar do fato de que seria o seu primeiro e único show no país – depois de uma carreira de 25 anos e 18 singles em primeiro lugar – a diva famosa não conseguiu lotar a Vector Arena.

É justo dizer que, se ela era a Cantora Indescritível, muitos na platéia eram Espectadores Apreensivos. Pessoalmente, eu estava com palpitação com a perspectiva de uma calamidade vocal, o equivalente na música à um medalhista olímpico de ouro caindo fora da barra, enquanto a multidão assiste com horror – e deleite.

Mas quando a batida inconfundível de “Fantasy” ecoou na arena, qualquer conversa sobre morte vocal de Mimi parecia ridícula. De repente, lá estava ela – com um vestido justíssimo, cheio de paetês, cantando um dos maiores sucessos de sua carreira com facilidade. Apenas isso. Sem esforço algum.

Ela seguiu com “Touch My Body” e “Emotions”, acertando as notas altas supersônicas e executando sua marca registrada com relativa facilidade. Isso soa exatamente como o original do CD? Não. Será que precisava? Não. O que a Sra Carey pode fazer com sua voz é extraordinário – e algo que eu, por exemplo, tinha meio que esquecido.

Ela pode lhe dar arrepios com uma única nota. Mas, mais do que isso, ela é divertida. Mariah pode ter desenvolvido uma reputação de ser uma pessoa um pouco difícil de lidar, mas no palco ela é uma delícia. Brincalhona, sedutora e não tem medo de tirar sarro de si mesma – em determinado momento ela até arriscou um sotaque neo-zelandês.

Talvez o melhor momento veio depois de uma troca de roupa (uma das várias, naturalmente), em que ela usava um vestido sexy cor-de-rosa que acentuava seu seios que estavam hipnotizantes (sério, não conseguia parar de olhar para eles). Com ela reclinada sobre um piano de cauda, um dançarino descamisado fazia uma intensa dança interpretativa celebrando seu amor eterno por Mariah. Era completamente ridículo e ainda assim, brilhante.

O que seria de Mariah se não fosse um pouco de exagero? Ela é a rainha das baladas poderosas (das quais “Hero” foi o destaque da noite) e ela sabe disso. Foi simplesmente uma noite de Diva. Simplesmente Mariah.

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.