Mariah Now é a sua maior fonte brasileira sobre a Mariah Carey. O site é totalmente dedicado para os fãs da Mariah. Acompanhe notícias, vídeos, entrevistas, participe de promoções e eventos. Todo conteúdo divulgado no site é criado ou editado por membros da equipe, qualquer conteúdo retirado daqui, mantenha seus devidos créditos. Somos apoiados pela Universal Music Brasil e pela Sony Music Brasil.

Omar Mir Seddique Mateen

Ninguém precisa provar para o mundo o porquê de ser quem é!

NEW YORK, NY - MAY 14: Mariah Carey appears on stage during the 27th Annual GLAAD Media Awards at The Waldorf=Astoria on May 14, 2016 in New York City. (Photo by Rob Kim/Getty Images)

Alguns comentários nas mídias sociais de Mariah Carey e em algumas páginas e perfis de fãs nos incomodaram um pouco, recentemente. Depois de alguns acontecimentos com exposição internacional em vários lugares, Carey passou a ser questionada sobre sua moral, seu comportamento, seu “discurso” e suas causas.

No último dia 12, domingo, 50 pessoas foram terrivelmente mortas e 53 ficaram gravemente feridas por Omar Mir Seddique Mateen, muçulmano e norte-americano de origem afegã. O massacre aconteceu na boate Pulse em Orlando, EUA. O motivo de tamanha barbaridade? Homofobia! Meses antes o atirador viu dois homens se beijando e se irritou extremamente, disse o pai à imprensa. A tragédia foi classificada como um ataque à Comunidade LGBT, principalmente, após o Presidente Barack Obama – EUA – afirmar que a Pulse era bem mais do que uma casa noturna. Segundo o presidente, a boate era um lugar de solidariedade e de capacitação, no qual as pessoas se reuniam para aumentar a conscientização e abrir suas mentes na defesa dos direitos civis. Diante da tragédia, muitas discussões nos EUA (que estão passando pela corrida das eleições presidenciais) e, principalmente, em países ocidentais e com regime democrático passaram a tomar conta das pautas nos telejornais, programas de TV, em geral, mídias sociais e impressas. Mas o que tem a ver Mariah Carey nisto?

Pouco menos de um mês antes do Massacre de Orlando (14 de Maio de 2016), Mimi foi homenageada com o prêmio “Aliada” pela GLAAD – Aliança de Gays e Lésbicas Contra Difamação. A premiação tem como objetivo homenagear artistas, jornalistas e personalidades dos meios de comunicação em geral que usam suas plataformas para ajudar a Comunidade LGBT de alguma forma. Mariah recebeu o prêmio por Lee Daniels que é cineasta e seu amigo.

Antes mesmo disto, Mimi já começou a ser insultada, principalmente, por homossexuais, sendo criticada desde o momento em que foi anunciada como uma das homenageadas. Algumas críticas diziam que Mariah Carey era completamente desnecessária para a Comunidade LGBT e que ela não havia contribuído com nada. Outras referiam a ela como uma artista sem posição quanto à causa e que sua arte não pregava o respeito aos gays, por exemplo. Alguns fãs de Carey, inclusive, concordaram com as opiniões de fãs de Lady Gaga e Madonna, dizendo que ela não deveria estar lá ou que não merecia a homenagem!

PERA LÁ! COMO ASSIM ELA NÃO MERECE SER HOMENAGEADA? CERTEZA?

Continuando, Mariah foi ao evento, discursou e declarou o seu amor à Comunidade, o que não mudou muito a opinião dos tais “críticos”. Recentemente, com o Massacre, Mimi voltou a ser alvo, principalmente, da sua base de fãs por não ter declarado nada quanto ao ataque!

VAMOS ENTENDER MELHOR QUEM É MARIAH CAREY?

Mariah não levanta causas, ela ama as pessoas de bem.

Mariah não sente a necessidade de fazer declarações, ela faz algo de fato.

Mariah não é de se pronunciar voluntariamente, prefere ser ela mesma e opinar quando lhe perguntam algo.

Mariah não se sente a vontade em impor algo, mas sim em falar sobre, quer dizer, cantar.

Mariah não cria rótulos como “cantora dos gays”, “rainha colorida”, algo do tipo que a limite ou a defina.

Mariah não aproveita momentos “frágeis”, “difíceis” ou “de dor” para se promover ou para aparecer na mídia.

MARIAH CAREY NÃO TEM QUE DECLARAR APOIO A NINGUÉM, ELA O FAZ SEM PEDIR, MAS DE FORMA TANGÍVEL E ÚNICA.

O que queremos dizer é que no momento em que ela soube de tudo, referindo à Orlando, ela não declarou nada nas mídias sociais como Instagram, Twitter e Facebook pelo único motivo que os fãs de verdade sabem: ela não faz este tipo de coisa.

Quando Carey esteve na Europa, especificamente, em Bruxelas, ela se pronunciou pelo Twitter demonstrando respeito e preocupação, mas também por ter cancelado seu show devido aos ataques terroristas dias antes. Então, ela teve um motivo para se pronunciar, não? Sim!

Para as vítimas do Massacre de Orlando, ela dedicou a música “One Sweet Day” no primeiro show que fez após a data, show do dia 14 deste mês. Pouco? Tarde? Fraco? Mariah Carey apoia a Comunidade e, principalmente, o amor. Suas músicas falam de esperança, de ser forte, de se levantar, seguir em frente, encarar as dificuldades, a vida e o que vier. Falam de amar, de estar junto, de ter fé e de acreditar que haverá algo melhor lá na frente, em algum lugar, lá em cima, ou longe. Ela não precisa falar que uma pessoa beijou alguém do mesmo sexo, até mesmo porque ela fala de suas experiências e diz valer para qualquer pessoa. Ela não precisa expor romances homossexuais, heterossexuais, bissexuais, seja lá o que for em seus vídeos ou postagens para apoiar uma causa ou um gênero. Até pela ideologia de gênero ela tem sido criticada, mas ela está rodeada de pessoas que são membros da Comunidade e, de verdade, ela as ama!

Será preciso que ela beije outra mulher para ser considerada merecedora de um prêmio GLAAD? Terá, então, que aplicar uma “temática gay” a uma de suas eras, singles ou vídeos? Ela precisa se “rotular”? Quão ignorantes e “sem tempo” teremos que ser para continuar importando com essas coisas? Ela já disse uma vez que o amor é o que vale, então que cada um ame o que quiser e a quem sentir vontade de amar. Nem o Mariah Now, nem você, leitor, nem qualquer meio de comunicação tem acesso ao extrato bancário de Mariah Carey para saber o quanto de dinheiro ela doa às entidades que apoiam a Comunidade. Não temos acesso a contratos e a adendos, nem a termos de apoio ou parceria. Mesmo se tivéssemos, não poderíamos julgá-la “isto” ou “aquilo”, merecedora ou não. Se a GLAAD a homenageou, houve um motivo e é o mesmo que os anteriormente homenageados tiveram para ir lá. Talvez este seja o momento de refletirmos mais e pararmos de pensar no que um ou outro faz, mas sim de fazer algo de fato, como, por exemplo, ajudar ao próximo, seja com doações, com orações ou apoio moral. Aproveite e ajude aos funcionários da boate Pulse de Orlando, EUA que ficarão sem trabalhar e precisam de ajuda neste momento: http://www.pulseorlandoclub.com/

Até quando a nossa própria base de fãs vai passar por isso?

Nós do Mariah Now amamos todos aqueles que respeitam ao próximo, amamos, inclusive, ter fãs de outros artistas interagindo conosco. Nossas postagens sobre as declarações de um artista ou outro sobre Mariah Carey são de forma esportiva, afinal, estamos aqui para falar de Mariah Carey, mas não para duvidar de sua índole, seu caráter, seus sentimentos ou suas palavras. Nem precisam perder tempo nos atacando por falarmos A ou B sobre Demi Lovato, J-Lo, Ariana Grande, afinal, elas são artistas, figuras públicas, são faladas e, nós apenas levamos tudo para o lado “defensivo”, pois somos o Mariah Now, logo podem ter noção do conteúdo. RESPEITAMOS A COMUNIDADE LGBT e quem a respeita, então o mesmo aplica-se a MARIAH CAREY.

[youtube id=”gCadlN8fexk” align=”center” mode=”normal” autoplay=”no”]

“Stay triumphant, keep on living”

A todas as vítimas do Massacre de Orlando e suas famílias, à Comunidade LGBT e a todos que defendem o respeito e o amor, nosso apoio!

 

Fontes: Portal G1; GLAAD.
Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.