Mariah Now é a sua maior fonte brasileira sobre a Mariah Carey. O site é totalmente dedicado para os fãs da Mariah. Acompanhe notícias, vídeos, entrevistas, participe de promoções e eventos. Todo conteúdo divulgado no site é criado ou editado por membros da equipe, qualquer conteúdo retirado daqui, mantenha seus devidos créditos. Somos apoiados pela Universal Music Brasil e pela Sony Music Brasil.

Palestina

Segundo a revista The Atlantic, Mariah Carey esteve em Israel para apoiar israelenses e palestinos no debate sobre a abertura da fábrica da empresa SodaStream no deserto de Negev. Confira abaixo:

Na quinta-feira, Mariah Carey fez uma viagem para a nova fábrica da SodaStream no sul de Israel. Carey não foi lá para lançar uma linha de bebidas chamada DreamBubbler, mas sim para defender a coexistência entre israelenses e palestinos. Em teoria, a abertura da fábrica SodaStream no deserto de Negev deveria ter feito por uma boa causa: a SodaStream emprega tanto trabalhadores israelenses e palestinos e faz um produto que, apesar de lutas recentes, tem sido muito popular em todo o mundo.

MC2

Mas a abertura da nova empresa vem depois de uma campanha de muito anos pelo movimento Boicote, Desinvestimento, Sanções (BDS), que procurou difamar a SodaStream por operar no assentamento da Cisjordânia de Mishor Adumim. A controvérsia veio depois de Scarlett Johansson ter sido forçada a deixar seu posto como embaixadora global para Oxfam por endossar a SodaStream em um anúncio do Super Bowl.

Em outubro, a empresa anunciou que iria se separar da Cisjordânia e abrir uma nova fábrica no sul de Israel. Como dissemos na época, a SodaStream falou que sua decisão de transferir a fábrica era “puramente comercial”. No entanto, a deslocalização não era desprovida de um contexto político.

O Financial Times observou: “O movimento SodaStream vem logo à frente de uma decisão da União Europeia prevista para o final das orientações de ajuste no fim do ano para os Estados membros, sobre rotulagem de produtos feitos nos territórios ocupados da Cisjordânia e em Jerusalém Oriental, que a comunidade internacional não reconhece como parte de Israel. Com ativistas da BDS declararando vitória, o que está sendo esquecido em grande parte desta conversa são os trabalhadores palestinos que a empresa emprega, alguns dos quais apoiaram Johansson quando ela enfrentou críticas por endossar a empresa no ano passado”.

Todas as pessoas que queriam fechar a fábrica da SodaStream na Cisjordânia estão enganadas. Elas não levam em consideração as famílias”, Ali Jafar, um gerente de turno palestino de uma aldeia da Cisjordânia, disse à Associated Press na semana passada. O relatório acrescentou que “por questões de segurança”, apenas 130 dos 600 trabalhadores palestinos na fábrica da Cisjordânia tiveram licenças emitidas para trabalhar dentro de Israel, o que significa que um número de postos de trabalho palestinos serão perdidos.

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.