Mariah Now é a sua maior fonte brasileira sobre a Mariah Carey. O site é totalmente dedicado para os fãs da Mariah. Acompanhe notícias, vídeos, entrevistas, participe de promoções e eventos. Todo conteúdo divulgado no site é criado ou editado por membros da equipe, qualquer conteúdo retirado daqui, mantenha seus devidos créditos. Somos apoiados pela Universal Music Brasil e pela Sony Music Brasil.

Refinery29

Em uma sociedade e época que é severa para as mulheres próxima aos 50 anos, Mariah Carey recusa-se o silêncio e a comporta-se de acordo com que muitos queriam forçá-la a fazer.  No ano de nosso Senhor, em 2018, Mariah Carey finalmente decidiu – depois de vários anos especialmente dramáticos em sua vida pessoal – a sair da zona de conforto. Claro, a superstar deixou cair alguns palavrões na TV ao vivo e é um conhecida por não ser politicamente correta, mas ela não havia feito isso em música anteriormente.  Com Caution, o 14º álbum de estúdio da diva, a arrasa de forma furiosa no refrão das dos dois primeiros singles do LP, “GTFO” e “With You”. Ela deixa cair uma transa casual no primeiro verso de “The Distance”, e embora a própria palavra não apareça em “One Mo ‘Gen” ou “Stay Long Love You”, o sexo é o foco das faixas. A hora certa para começar a falar é quando você não tem mais coisas para dar, e essa parece ser a mensagem que Carey quer enviar em Caution.

Uma das maiores faixas de (sem ser sobre sexo) do álbum, e a melhor no geral, é “A No No”, que é embalada em uma batida de reprodução de Bad Boy. Com o GRANDE de  Lil ‘Kim com  “Crush On You” que transmite a vibe dos anos 90 para casa, mas os versos brincalhões de Carey (“Snakes in the grass, it’s time to cut the lawn / Ed Scissorhands, a.k.a. I cut you off”) mostram a voz gelada de uma mulher que é feita para isso! Ela deixou a música completamente deliciosa.

Carey mantém o estilo de 2010 em “Giving Me Life”, uma co-produção com Dev Hynes do Blood Orange (Solange, Sky Ferreira); A faixa de luz é muito legal legal para fazer a frase  do filme “Trocando as Bolas” relevante passado e mostrando que não tem data de validade. Carey trabalhou com uma infinidade de grandes produtores no álbum, trazendo Timbaland, Mustard, No I.D., Skrillex e vários outros. Há uma equipe diferente em cada pista; A única coisa que o mantém coeso é a produtora executiva do álbum, a própria Carey. É preciso um nível de talento experiente e atencioso para selecionar faixas de produtores tão diferentes e transformá-lo em um álbum coeso, que Carey faz, que ainda reflete sua marca.

Carey sabe que seu alcance vocal não é o que foi em seu auge dos anos 90 e seleciona arranjos e até mesmo faixas que complementam o que ela pode fazer, com mais sussurros em suas oitavas mais altas do que cantando nos dias de hoje. Isso significa faixas de karaokê de cantar junto menos icônicas para o público, mas também significa que ela está produzindo mais faixas que são relevantes para o estilo de produção do quarto que rege as paradas de streaming hoje.

A faixa final do álbum, “Portrait”, é talvez a música mais tradicional de Carey; é uma balada sombria que reflete sobre mágoa, mas também pensa em onde ir quando uma coisa termina e outra começa. Para Carey, pode ser uma conversa sobre aonde ela vai como artista, quando o mundo prefere ficar com “All I Want for Christmas Is You” ou “Honey” ou qualquer um de seus 18 singles número 1. Mariah sabe que era tão mais fácil descansar sobre o sucesso massivo colhido numa gloriosa carreira de 30 anos, mas dentro tela havia algo, algo de irreverente e artístico na sua alma que não permite que isso aconteça.

Fonte: Refinery29

Mariah Carey nos deu alguns dos vídeos musicais mais emblemáticos de todos os tempos. Há o vídeo de “Honey“, onde ela mergulha em uma piscina vestindo um “biquininho”; O vídeo de “Heartbreaker“, onde ela luta com ela mesma (Bianca, seu alter ego, que é interpretada por Mariah), no banheiro de um cinema; E, claro, o vídeo de “We Belong Together“, onde ela deixa seu noivo no altar e foge em seu vestido de noiva – com um “carinha” mais jovem, e mais quente, supomos.

Seu último vídeo, no entanto, é “fogo na roupa” – literalmente. No clipe de seu novo single, “I Don’t“, ela leva a coisa toda de vestido de noiva para um próximo nível … queimando-o em uma fogueira enquanto canta, “Cara, eu estava errada”.

Leia mais de nosso bate-papo com Mimi:

Refinery 29: Você está se reinventando, numa nova fase da sua carreira. Você sente isso?
Mariah Carey: Hmm, eu acho que essa é uma nova fase na minha vida. Quer dizer, eu não gosto de dizer isso, porque soa muito dramático. Você sabe, é realmente a mesma vida que eu tenho tido! É apenas que eu decidi escrever uma canção sobre onde eu estou nesse momento, e foi ótimo poder fazer um vídeo e fazer todas essas coisas novamente, porque é isso que eu amo. Eu tenho cantado ao vivo nos últimos anos e isso é divertido, adoro ver todos os fãs de todo o mundo, mas eu realmente amo fazer música no estúdio. Então sim, é um novo dia, é um novo momento.

R29: Como você descreveria o som de “I Don’t”? Parece muito com a velha escola R&B que você usava, e que eu adoro.
MC: Exatamente! Eu realmente não acho que seja algo novo pra mim. É uma evolução para o momento em que me encontro, mas se as pessoas conhecem alguns dos meus trabalhos anteriores – que podem não ser as músicas mais famosas, ou o que for – eu sempre tive raízes no R&B, colaborações com rappers, remixes e coisas assim. Então é aí que essa música vive, você sabe o que eu quero dizer? Mas também tem um novo sentimento, tem o YG (rapper) lá. Quero dizer, eu realmente o amo, e sua música “Why You Always Hatin” é uma das minhas três músicas favoritas. Então, quando você tem alguma conexão com alguém, e daí trabalha em conjunto, geralmente o resultado é ótimo. Pelo menos é o que tenho encontrado trabalhando com diferentes colaboradores ao longo dos anos!

R29: Então, precisamos conversar sobre este vídeo, porque fiquei chocada quando vi que você queima um vestido de noiva. Você pode me dizer um pouco sobre a decisão de ter o vestido no vídeo, e o que isso significou para você?
MC: Ok… Então, muitas pessoas têm falado sobre isso, mas no vídeo, este vestido é um vestido de noiva qualquer, e não “O” vestido de noiva – não era o vestido com o qual eu tinha intenção de casar! Mas de qualquer forma, parecia que eu fechava o ciclo, porque no vídeo de “We Belong Together” eu fugi com um vestido de noiva. Eu costumo fazer isso muito, na vida real e em vídeos (Risos). Mas a verdade é que o Brett Ratner, que dirigiu o clipe de “We Belong Together”, não deixou que eu queimasse meu vestido durante a gravação do videoclipe de “WBT”! Então dessa vez eu quem dirigi o clipe de “I Don’t”, e fiquei tipo: “Estou queimando essa coisa, e eu não me importo!”

R29: Adoro!!! Então, com tudo o que você passou nos seus relacionamentos, e agora lançando sua nova música, “I Don’t”, o que você diria que não “faz” num relacionamento?
MC: Querida, a música se chama “I Don’t”, então é melhor eu não falar mais nada. Basta ler a letra da canção para ter a resposta dessa pergunta. E quando você for publicar isso, por favor, coloque aquele emoji piscando ao lado disso! (Risos)

RF29: Pode deixar! Eu AMO a sua autoconfiança, você ali sentada no topo do carro, como uma rainha. Como você consegue sempre se manter confiante, uma “fodona”?
MC: Oh meu Deus, eu não acho que seja tão confiante assim, você acha? Definitivamente não é intencional, mas as pessoas têm que que ter amor próprio, estarem “pra cima”, estarem felizes … Eu sempre tenho café, um chá, ou algum isotônico por perto. Pra mim, eu só preciso acordar e tomar uma dose deles, e em seguida, já estou motivada para começar bem meu dia. O processo para a gravação do clipe e da música durou algo em torno de 36 horas, logo eu precisava desses “aditivos” para me ajudar naquele momento, mas é preciso ter uma luz interior também.

RF29: Uau. Você disse em outras entrevistas que não está trabalhando em álbum nesse momento, então como vocês conseguem “descobrir” o momento ideal de se lançar uma música?
MC: Eu senti que era o momento certo, eu pensei tipo, “Não podemos esperar (pra lançar o single)”, eu senti que a música refletia o meu atual momento, daí lançamos.

RF29: Esta (I Don’t) é outra das clássicas músicas da Mariah, que toca o coração. Na vida real, você falou sobre encontrar o amor novamente depois de seu relacionamento mais recente. Qual é o seu conselho para os fãs, ou quaisquer pessoas (como eu, talvez!) que estão perdendo a fé no amor?
MC: Acho que minhas músicas (de amor) passam por todas as fases de uma relação! Mas eu acho que “I Don’t” traz um pouco do lado irritado, você sabe? Não é apenas como, “Oh ai de mim, eu estou triste, nós terminamos, alguém por favor, eu não posso lidar com isso mais, me dê álcool para que eu possa deitar neste sofá e morrer!” Não é isso (Risos). Eu acredito que antes de procurar um novo amor, você tem que deixar a raiva, a dor do relacionamento anterior passar. Você tem que se concentrar em você e apenas saber que você não fez nada de errado. E se você tiver feito algo de errado, culpe a outra pessoa! (Risos)

RF29: Todos que eu conheço estão obcecados com “Mariah’s World”. Qual foi a maior lição que você teve fazendo um reality show?
MC: Bem, a maior lição que tive foi que eu o batizei como docu-série e todo mundo, continuamente, o chama de reality show (Risos). Não, está tudo bem, eu só estou brincando. Eu acho que com a série eu teria preferido ter um pouco mais de música e um pouco mais de tempo para trabalhar em geral. Mas você sabe, eu me diverti muito, eu gostei, há muitas filmagens e coisas que vou ter para sempre. Se eu fizer isso de novo, eu gostaria de ter mais música, talvez tenha sido essa a grande lição que aprendi.

RF29: Assim, a missão da Refinery29 é capacitar as mulheres, mas nesses tempos turbulentos que estamos vivendo, isso tem sido difícil. Qual seu conselho para aqueles que estão se sentindo “fora” desse mundo?
MC: Bem, eu definitivamente não acredito estar capacitada para dar conselhos importantes a ninguém sobre este assunto, até porque eu estou me sentindo um pouco instável sobre tudo isso. Eu pessoalmente gosto de me expressar através da música, ela permite que você bote a raiva para fora. Então eu diria que não importa como você esteja se sentindo, para mim, a música, ou qualquer outro tipo de arte, é minha válvula de escape preferida. Então se jogue ouvindo uma música bacana e deixe as coisas melhorarem.

Fonte: Refinery29

A Dr. Dot, a massagista das celebridades revelou história de seus clientes, ela falou como foi experiência com Mariah Carey.

“Eu fiz massagem na Mariah Carey até às 6 da manhã, quanto ela assistia ‘Meninas Malvadas’ em look (a massagem custa £ 210 após 02:00). Ela adora relaxar na cama enquanto assiste seu filme favorito, ela gosta que faça massagem em seus pés por horas. Uma passagem simples no pé não é o suficiente para ela.”

Fonte: Refinery29

Foi uma demora de 13 anos para Mariah Carey voltar a fazer uma turnê pela Europa, e na noite passada a cantora subiu no palco da O2 Arena em Londres, como parte da sua turnê com incrível gosto de nostalgia, a Sweet Sweet Fantasy Tour;

Quando você fica muito tempo afastado, é importante que você faça uma entrada triunfal. É por isto que, eu estou supondo, que Mariah decidiu começar sendo carregada no palco deitada em uma espreguiçadeira, sendo carregada por um grupo de homens com vestindo casacos de prata de lantejoulas. Pode até ter sido uma espreguiçadeira de baixa renda (tinha um anuncio da DSG nisto, a DSF adora fazer estas chaise longues), e decadente (quantas pessoas você conhece que desfilou em com uma almofada de veludo gigante?); Em suma, foi uma entrada perfeita, o quieta diva fez isto de forma brilhante com sua trupe.

A imprensa adora fala sobre o “atraso” de Mariah pra subir palco – que acontece alguém do Reino Unido – mas a verdade é que será que realmente alguém quer que ela seja pontual? Isto não seria deprimente?

Precisamos pensar que a Mariah tem coisas melhores para fazer do que chegar na hora marcada e cantar para 20 mil pessoas que pagaram para vê-la. Precisamos entender que ela é uma diva. E nós só ficamos esperando alguns minutos – 30 no máximo – depois ela chegou e arrasou cantando seus grandes clássicos.

Porque o roteiro deste show foi só os grandes clássicos. Ninguém estava esperando um novo material no entanto, esta turnê é para promover a sua nova coletânea de músicas em 1°, o #1 To Infinity, no fim das contas, eles foram lá para assistir os hits. E Mimi sabe como manter seus “Lambs” (como ela chama seus fãs) felizes. Nesta turnê, a cantora já estava consciente que não precisa mais recrutar novos fãs, basta ela manter seus seguidores leais voltarem para vê-la mais vezes. “Fantasy”, “Hero”, “Emotions”, “Without You”, “Always Be My Baby”; Mariah cantou todos estes clássicos. Era como uma sessão e karaokê conjunta (ou na pior das hipóteses, dependendo de quanto você goste das canções, tinham dois super fãs jogando vinho para cima e dançando). Exceto, é claro, você jamais vai conseguir atingir aquelas notas altas impressionantes que só Mariah Carey sabe fazer. E sim, com 46 anos! Esqueça O Jardim Suspenso da Babilônia ou A Grande Pirâmide de GizéA voz de Mariah Carey é verdadeira sétima maravilha do mundo.

E o show era tudo sobre a voz de Mariah Carey e que voz é esta! Não espere um conjunto de fantasia ou efeitos espetaculares – parece que o orçamento só se estendia a alguns vídeos no telão com imagens de pôr do sol e água ondulando sendo projetadas no telão. Ah, e (obviamente) algumas borboletas também. Fora isto, nós tivemos alguns bailarinos que animavam todo quanto Mariah trocava de roupa. E em todas as músicas, todas a coreografias feitas eram inspiradas no anos 90. Durante as mudanças de roupa de Mariah Carey (que usou um collant de lantejoulas e outro preto), parecia que estávamos em uma grande festa onde os Dreamboys estavam se apresentando. Ainda assim, ninguém parecia estar reclamando.

Na verdade, foi a atmosfera que fez a noite. Você não como ir no show de Mariah Carey e não ficar em pé e cantando as letras da músicas juntos com a pessoa do seu lado. Durante as seis primeiras canções, um estranho do meu lado se tornou o meu “novo melhor amigo”, que comentou o quão alegre estava. E também houveram lágrimas também, durante o dueto digital com a falecida Whitney Houston, estavam todos chorando. E ninguém ficou tímido em fazer isto. E então, não tem como ficar tímido em um concerto de Mariah Carey.

Fonte: Refinery29

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.