Mariah Now é a sua maior fonte brasileira sobre a Mariah Carey. O site é totalmente dedicado para os fãs da Mariah. Acompanhe notícias, vídeos, entrevistas, participe de promoções e eventos. Todo conteúdo divulgado no site é criado ou editado por membros da equipe, qualquer conteúdo retirado daqui, mantenha seus devidos créditos. Somos apoiados pela Universal Music Brasil e pela Sony Music Brasil.

Revistas

Mariah Carey está trabalhando em um novo álbum já há algum tempo, mas enquanto esse material não sai, Mimi está de volta à Las Vegas com uma nova residência de shows, The Butterfly Returns que, aliás, ganhou novas datas para fevereiro do ano que vem.

A cantora falou à People Magazine sobre esse novo projeto:

“Eu estou trabalhando há algum tempo em meu novo álbum. Esse é um trabalho de amor e eu estou realmente entusiasmada. Revela como estou neste momento em minha vida podendo me expressar como compositora e como cantora. Eu estou realmente em um bom momento. Meus fãs querem ouvir apenas eu me expressar e cantar do fundo do meu coração. Algumas músicas são leves e divertidas, outras eu realmente mergulhei fundo em termos de conteúdo no que diz respeito as letras ”.

Mariah ainda deixou claro que não pretende seguir nenhuma tendência musical da atualidade. O novo álbum não tem data de lançamento definida.

Segundo a revista The Atlantic, Mariah Carey esteve em Israel para apoiar israelenses e palestinos no debate sobre a abertura da fábrica da empresa SodaStream no deserto de Negev. Confira abaixo:

Na quinta-feira, Mariah Carey fez uma viagem para a nova fábrica da SodaStream no sul de Israel. Carey não foi lá para lançar uma linha de bebidas chamada DreamBubbler, mas sim para defender a coexistência entre israelenses e palestinos. Em teoria, a abertura da fábrica SodaStream no deserto de Negev deveria ter feito por uma boa causa: a SodaStream emprega tanto trabalhadores israelenses e palestinos e faz um produto que, apesar de lutas recentes, tem sido muito popular em todo o mundo.

MC2

Mas a abertura da nova empresa vem depois de uma campanha de muito anos pelo movimento Boicote, Desinvestimento, Sanções (BDS), que procurou difamar a SodaStream por operar no assentamento da Cisjordânia de Mishor Adumim. A controvérsia veio depois de Scarlett Johansson ter sido forçada a deixar seu posto como embaixadora global para Oxfam por endossar a SodaStream em um anúncio do Super Bowl.

Em outubro, a empresa anunciou que iria se separar da Cisjordânia e abrir uma nova fábrica no sul de Israel. Como dissemos na época, a SodaStream falou que sua decisão de transferir a fábrica era “puramente comercial”. No entanto, a deslocalização não era desprovida de um contexto político.

O Financial Times observou: “O movimento SodaStream vem logo à frente de uma decisão da União Europeia prevista para o final das orientações de ajuste no fim do ano para os Estados membros, sobre rotulagem de produtos feitos nos territórios ocupados da Cisjordânia e em Jerusalém Oriental, que a comunidade internacional não reconhece como parte de Israel. Com ativistas da BDS declararando vitória, o que está sendo esquecido em grande parte desta conversa são os trabalhadores palestinos que a empresa emprega, alguns dos quais apoiaram Johansson quando ela enfrentou críticas por endossar a empresa no ano passado”.

Todas as pessoas que queriam fechar a fábrica da SodaStream na Cisjordânia estão enganadas. Elas não levam em consideração as famílias”, Ali Jafar, um gerente de turno palestino de uma aldeia da Cisjordânia, disse à Associated Press na semana passada. O relatório acrescentou que “por questões de segurança”, apenas 130 dos 600 trabalhadores palestinos na fábrica da Cisjordânia tiveram licenças emitidas para trabalhar dentro de Israel, o que significa que um número de postos de trabalho palestinos serão perdidos.

A Complex Magazine fez um artigo sobre as duas fases mais marcantes de Mariah Carey ao longo de seus 25 anos de carreira. Confira abaixo:

Ninguém deve procurar a perfeição, porque mesmo se você conseguir chegar ao topo de excelência e de todo o sucesso que vem junto com ele, a única direção que você pode ir depois é para baixo. Espero que o cara que manipulava Mariah, ou seja, seu ex-marido Tommy Mottola – tenha entendido isso no início e não agora, no aniversário de seu álbum de estreia, onde tantas pessoas escrevem sobre a Mariah de hoje com desprezo. E quando não com desprezo, com pena.

Ela não é a perfeição que foi antes. A única que poderia alcançar cada nota com um nível aparentemente sobre-humano-com facilidade. Aquela que invadiu as paradas com um dos melhores singles de estreia de todos os tempos, “Vision of Love”, e emplacou mais três singles no topo das paradas – um feito que não tinha sido alcançado desde o Jackson 5. E ela fez tudo isso enquanto se vestia como uma menina doce que encontra seu príncipe encantado, saída de alguma comédia romântica.

[youtube id=”Y5IQ5hvvpzQ” align=”center” mode=”normal” autoplay=”no”]

A maior parte das canções apresentadas em “Mariah Carey”, seu álbum de estreia que saiu há 25 anos atrás, hoje se encaixam perfeitamente para as trilhas sonoras de todos esses tipos de filmes.

É por isso que a tão impressionante cantora que Mariah Carey provou ser naquela época e por muitos e muitos anos que se seguiram, não me levaram a ser um grande fã desta versão dela. Claro, eu gostava de vê-la cantar no Saturday Night Live e no programa do Arsenio Hall. O mesmo vale para sua fantástica edição do MTV Unplugged. No entanto, sua música junto com sua imagem, eram meigas demais para o meu gosto.

Ela era como o The Cosby Show: bonita, segura e saudável. Enquanto isso, a vida real é em um mundo diferente.

“Vision of Love” é grande, e “Someday”, juntamente com algumas outras canções eram bonitinhas, mas mesmo quando criança, eu tinha a sensação de que Mariah estava se segurando no início dos anos 90. Mariah confirmou essa teoria ao longo dos anos. No mesmo instante ela tem um gosto de liberdade criativa, ela trocou aqueles grandes vestidos por saias curtas e levou sua música a ser mais ousada e,  digamos, mais Black. Ela trabalhou com rappers e incorporou o puro R&B em suas canções.

Eu realmente não me tornei um fã de Mariah Carey – quer dizer, Lamb, até o álbum “Butterfly”. Naquele álbum era Mariah falando sobre o amor, mas também sobre sexo, desgosto, e sim, a identidade, não só de formas, se tornou mais (sub)urbana. Esta versão de Mariah parecia ser muito mais divertida e muito menos inclinada a misturar as coisas.

É por isso que eu espero que, no futuro, Mariah se liberte de ter que cantar todos os seus sucessos número 1 – particularmente aqueles em seu álbum de estreia. Muitos deles estão ligados à versão perfeita daquela Mariah rainha das baladas. É verdade que sua voz não é o que costumava ser, ou é como se o “mecanismo estivesse apresentando falhas”, como alguns poderiam descrevê-la. Ela não consegue cantar “Vision of Love” como ela costumava fazer antes. Mariah ainda pode fazer uma boa versão dela, mas a consistência permanece um desafio.

Mesmo assim, eu não olho para ela e penso, “Pobre Mariah”.

Gostaria de sugerir algumas coisas, no entanto. Uma delas, qualquer que seja o fator que esteja contribuindo para a dificuldade ocasional enquanto estiver cantando, parae de fazer isso. Você não tem que beltar como a Patti LaBelle toda vez, mas também não precisa ser como K-Ci e JoJo. Mariah Carey não consegue mais cantar como a Mariah Carey que você ouviu em seu primeiro álbum há 25 anos, mas Mariah Carey ainda consegue cantar. Sua pior performance pode ser melhor do que as melhores performances de novatas por aí.

Em segundo lugar, se há um ponto sobre Mariah Carey que precisa ser enfatizado, não é o fato de que ela é uma compositora. Deus sabe como ela salienta isso o suficiente para si mesma. O que Mariah não obtém crédito suficiente é que mesmo que alguns de seus álbuns não tenham sido tão bem sucedidos como suas obras do passado, ela não tem um só álbum ruim. Nenhum sequer.

Há canções do álbum “Rainbow” que continuam a valer a pena ouvir (“Bliss” e “Crybaby”, com Snoop Dogg). Da mesma forma, como “Charmbracelet” tem muitas faixas- “Yours”, “Irresistible”, com Westside Connection, e “Subtle Invitation”, essas merecem ser revisitadas. Eu nunca vou perdoar o público para criticar o tributo perfeito dos anos 80, “Glitter”, e o peculiar “Memoirs of an Imperfect Angel”, ou seu álbum mais recente, o ótimo “Me. I Am Mariah…The Elusive Chanteuse” (Deluxe Version).

Mariah, sem dúvida, tem uma das maiores vozes do Pop, mas ela também tem um dos melhores catálogos de qualquer estrela Pop.

Sua obsessão em enfatizar aspectos de sua carreira torna mais fácil para os céticos se concentrarem na Mariah que eles cresceram ouvindo. Isso é uma vergonha, porque há valor na Mariah que temos agora. Eu não entendo por que ela se prende ao seu passado. Se Lauryn Hill pode se safar fazendo remixes intergalácticos inspirados em faixas de seu único álbum de estúdio, certamente Mariah Carey pode deixar de cantar “Love Takes Time” e “Someday” em seus shows.

Cante as faixas profundas dos álbum, Mimi. Faça mais covers de jazz, porque para quem assistiu você cantar de improviso no Carlyle Jazz Club, eles sabem o quanto mais atenção o seu registo mais baixo merece. Leve ao seu show em Vegas mais variedades; sua ousadia sempre foi tão forte quanto seus whistles.

Eu vou reconhecer que, algumas vezes, talvez a noção de apresentar Mariah Carey como a “deusa da voz” funcionou para aquela era. Mas a perfeição é coisa do passado. Ela teve uma jornada maravilhosa até agora, mas é hora para ela dar o pontapé inicial e parar de tentar viver de acordo com um padrão que ela já não pode mais. Houve muito mais para o sucesso de Mariah ao longo dos últimos 25 anos do que simplesmente cantar. Seria de seu melhor e próprio interesse para gastar nos próximos anos dando essas coisas mais tempo para brilhar.

A EBONY Magazine fez uma matéria celebrando os 25 anos de carreira de Mariah, ressaltando o porquê de ela ainda ser uma influência tão forte nos dias de hoje. Confira abaixo:

Ela é fantoche de Tommy? Será que ela realmente escreve suas próprias canções? Por que ela está tentando cantar Black Music?

Peraí…ela é negra?

Desde a estreia de “Vision of Love”, há 25 anos, a ‘inautenticidade percebida’ de Mariah Carey tem frequentemente incitado um intenso exame minucioso do público. Desde questionamentos sobre seus dons de compositora e produtora, perguntas sobre as influências do Hip-Hop em sua música, à perguntas sobre sua raça, ela sempre teve de se explicar desnecessariamente. E para uma mulher que surgiu quebrando recordes por ter seus primeiros cinco singles no topo da Billboard Hot 100 – e, posteriormente, construir uma carreira de conquistas que rivalizam com as de Elvis, os Beatles e Michael Jackson – o tipo de pergunta “Essa mulher existe mesmo?” sempre me pareceu injusto.

Quando Mariah assinou contrato com a Columbia em 1988, o chefe do selo fonográfico e futuro marido, Tommy Mottola, tinha um plano claro em mente para o seu novo talento: fazer dela a próxima Diva – A resposta de Columbia para Whitney Houston e Madonna, por assim dizer. Com Mariah tendo os direitos de composição – como ela continua a fazer até hoje – Mottola conseguiu um orçamento enorme para executar a sua visão de um fenômeno Pop. Os melhores produtores e compositores foram chamados para colaborar com Mariah, e juntos, o marido e a esposa venderam mais de 60 milhões de álbuns nos primeiros quatro anos de sua carreira.

Mas em 1995, Mariah queria mais controle criativo. Uma grande fã de Hip-Hop, ela estava pronta para incorporar mais dessas influências musicais da vida real em seu trabalho.

“[Os críticos] não entendem que eu sou alguém que cresceu com este tipo de música. É emocionante para mim ser capaz de trabalhar com Jay-Z ou NAS ou Missy Elliott”, Mariah disse à Newsweek em 1999.

Assim veio o Bad Boy Remix para “Fantasy” – o primeiro single de “Daydream”, de 1995. Enquanto a versão Pop da faixa tornou-se o primeiro single de uma artista feminina a estrear no topo da Billboard Hot 100, o seu remix a ajudaria a definir uma nova onda na música – a colaboração de uma artista Pop com o Rap. Usando alguns dos elementos de R&B de “Genius of Love” – sample original, o remix foi construído em torno da produção escassa de Puff Daddy, e contou com algumas das frases mais citáveis de Ol ‘Dirty Bastard.

Embora alguns poderosos na Columbia temiam que tal colabração alienaria seus fãs de Pop, Mariah continuou a colaborar com artistas e produtores de Hip-Hop, incluindo Da Brat e Xscape no remix de “Always Be My Baby”, feito por Jermaine Dupri – uma releitura completa de R&B da canção que atingiu o topo das paradas. Esta mistura, juntamente com misturas subsequentes dos álbuns “Butterfly” e “Rainbow”, provocaria uma outra tendência – a regravação completa e rearranjanda de singles para o remix – essencialmente a criação de uma nova música para um segmento totalmente diferente do público comprador de música.

Enquanto o Pop e o Hip-Hop tinham flertado um com o outro durante anos antes do Remix de “Fantasy”, mais notavelmente em “Friends”, de Jody Watley, Eric B. & Rakim, foi Mariah que popularizou o gênero para massa. Jennifer Lopez, Justin Timberlake, Rihanna e outros construíram carreiras inteiras a partir desta união, e é a influência de Mariah que levou à criação da Melhor Colaboração Rap/Sung do Grammy – um novo prêmio criado em 2002 para homenagear o Hip-Pop.

Inspirada por grandes nomes como Billie Holliday, Aretha Franklin, The Clark Sisters e sua própria mãe – uma cantora de ópera, o estilo vocal de Mariah é um entrelaçamento único de formação clássica e crua. Mudando facilmente de soprano para sussurro e o registro de apito tudo em um piscar de olhos, suas acrobacias vocais decorrem de transformar (o que alguns cantores considerariam) um obstáculo numa oportunidade para criar seu próprio som. Tendo nódulos em suas cordas vocais desde a infância, Mariah aprendeu sozinha a cantar através de sua deficiência.

“Eu realmente tenho diferentes cordas vocais”, disse Mariah à Choire Sicha em uma entrevista. “É porque eles não são – Eu não uso a minha voz da maneira como as pessoas usam suas diferentes cordas vocais. Muita gente não podia cantar através dos nódulos da maneira que eu faço; Eu aprendi a cantar através de minhas cordas vocais”.

Deixando a técnica de lado, o estilo de cantar de Mariah tem inspirado algumas das maiores vozes do nosso tempo. Brandy cantou “Vision of Love” para tentar seu primeiro contrato com a gravadora Atlantic. Marsha Ambrosius ganhou seu primeiro concurso de talentos com um clássico de Mimi. E Beyoncé disse que foi a voz de Mariah que a fez querer se tornar uma cantora.

Nem muito negra e nem muito branca em um país obcecado com a raça, Mariah provocou quase tanta discussão quanto as suas cinco-oitavas quando ela estreou. Quase imediatamente, ela enfrentou reivindicações de apropriação cultural dos críticos que alegaram que seu som era apenas um ato para vender discos.

“Eu não sou uma garota branca tentando cantar música negra”, uma Mariah com então 20 anos disse em uma entrevista de 1991 com a EBONY Magazine. “Meu pai é negro e venezuelano, minha mãe é irlandesa. Isso faz de mim uma combinação de todas essas coisas. Eu sou um ser humano, uma pessoa. O que eu não sou é uma menina branca tentando cantar música negra”.

Enquanto alguns de seus colegas do início dos anos 90 brincaram com a sua aparência racialmente ambígua e minimizaram suas raízes africanas, Mariah nunca tentou esconder ou minimizar sua herança negra. Em vez disso, ela a abraçou, escrevendo sobre isso em suas músicas, e falando sobre as dificuldades de crescer assim em muitas ocasiões. Sua disposição para discutir suas próprias lutas – mais recentemente detalhando um incidente em que cuspiram nela quando ela era criança – deu uma voz importante para toda uma geração de jovens multiraciais e, efetivamente, criticado qualquer inautenticidade das reclamações de críticos.

Mas, mesmo depois de ter acumulando incríveis 18 singles no topo da Billboard Hot 100, vendendo mais de 200 milhões de discos em todo o mundo, e, literalmente, mudando o curso da música popular com seus vocais e faixas com influências de Hip-Hop, as pessoas ainda têm dúvidas.

Ela ainda pode cantar? Será que ela ainda tem esse dom?

Mas as perguntas são mais inúteis do que nunca. Porque mesmo que ela parasse de fazer música hoje, o mundo ainda estaria ouvindo ela. Cada vez que um cantor atinge seu registo de apito sobre uma batida Pop com melismas, ou uma “garota bonita do momento colaborando com um rapper fodão”, você está ouvindo Mariah. Sua influência está sempre presente.

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.