Mariah Now é a sua maior fonte brasileira sobre a Mariah Carey. O site é totalmente dedicado para os fãs da Mariah. Acompanhe notícias, vídeos, entrevistas, participe de promoções e eventos. Todo conteúdo divulgado no site é criado ou editado por membros da equipe, qualquer conteúdo retirado daqui, mantenha seus devidos créditos. Somos apoiados pela Universal Music Brasil e pela Sony Music Brasil.

Super Bowl

Mariah estava saindo de um restaurante em Los Angeles no último domingo, 23 de setembro, quando o TMZ perguntou a ela se algum dia ela irá se apresentar no intervalo do evento esportivo mais importante dos EUA, o Super Bowl. Mariah prontamente respondeu: “Iria amar!”.

A cantora já se apresentou no evento cantando o Hino Nacional Norte Americano, The Star Spangled Banner – também imortalizado por Whitney Houston, em 2002, menos de um ano após o fatídico 11 de setembro. Relembre abaixo:

Segundo a revista The Atlantic, Mariah Carey esteve em Israel para apoiar israelenses e palestinos no debate sobre a abertura da fábrica da empresa SodaStream no deserto de Negev. Confira abaixo:

Na quinta-feira, Mariah Carey fez uma viagem para a nova fábrica da SodaStream no sul de Israel. Carey não foi lá para lançar uma linha de bebidas chamada DreamBubbler, mas sim para defender a coexistência entre israelenses e palestinos. Em teoria, a abertura da fábrica SodaStream no deserto de Negev deveria ter feito por uma boa causa: a SodaStream emprega tanto trabalhadores israelenses e palestinos e faz um produto que, apesar de lutas recentes, tem sido muito popular em todo o mundo.

MC2

Mas a abertura da nova empresa vem depois de uma campanha de muito anos pelo movimento Boicote, Desinvestimento, Sanções (BDS), que procurou difamar a SodaStream por operar no assentamento da Cisjordânia de Mishor Adumim. A controvérsia veio depois de Scarlett Johansson ter sido forçada a deixar seu posto como embaixadora global para Oxfam por endossar a SodaStream em um anúncio do Super Bowl.

Em outubro, a empresa anunciou que iria se separar da Cisjordânia e abrir uma nova fábrica no sul de Israel. Como dissemos na época, a SodaStream falou que sua decisão de transferir a fábrica era “puramente comercial”. No entanto, a deslocalização não era desprovida de um contexto político.

O Financial Times observou: “O movimento SodaStream vem logo à frente de uma decisão da União Europeia prevista para o final das orientações de ajuste no fim do ano para os Estados membros, sobre rotulagem de produtos feitos nos territórios ocupados da Cisjordânia e em Jerusalém Oriental, que a comunidade internacional não reconhece como parte de Israel. Com ativistas da BDS declararando vitória, o que está sendo esquecido em grande parte desta conversa são os trabalhadores palestinos que a empresa emprega, alguns dos quais apoiaram Johansson quando ela enfrentou críticas por endossar a empresa no ano passado”.

Todas as pessoas que queriam fechar a fábrica da SodaStream na Cisjordânia estão enganadas. Elas não levam em consideração as famílias”, Ali Jafar, um gerente de turno palestino de uma aldeia da Cisjordânia, disse à Associated Press na semana passada. O relatório acrescentou que “por questões de segurança”, apenas 130 dos 600 trabalhadores palestinos na fábrica da Cisjordânia tiveram licenças emitidas para trabalhar dentro de Israel, o que significa que um número de postos de trabalho palestinos serão perdidos.

Ser escolhido para cantar o Hino Nacional dos EUA em um evento do calibre do Super Bowl é uma honra para qualquer artista, mas essa honraria vem com uma responsabilidade e tanto, além da pressão para que tudo corra bem. O site Popbitch fez uma lista com as apresentações mais memoráveis do Hino Nacional dos últimos 25 anos e, obviamente, Mariah foi citada. Confira abaixo:

A apresentação de Mariah Carey, de 2002, que também pode ser chamada de uma das mais clássicas interpretações do Hino Nacional dos EUA, não aconteceu por mera coincidência em um momento de grande significado para a história moderna norte-americana. Este foi o primeiro Super Bowl após o 11 de setembro. Ainda recentemente feridos dos ataques às Torres Gêmeas, a América foi novamente tomada por um sentimento de patriotismo mais feroz do que o usual.

Claramente eles precisavam de alguém especial para despertar os espíritos do país neste momento difícil, mas quem eles podiam confiar para fazer isso? Na época, Whitney Houston estava no auge de sua dependência química e, apesar de uma gravação de sua versão de “The Star Spangled Banner” ter sido liberada para arrecadar dinheiro para os serviços de emergência na sequência dos ataques, não havia muita esperança em conseguir repetir o desempenho sólido de sua performance.

Além disso, uma nova voz tinha surgido para levar o título de “Cantora que Mais Vendeu Discos na História”: Mariah Carey.

Uma das notas ques Mariah usou na sua interpretação do Hino Nacional raramente é ouvida por aí. É um B7 que é conhecido como o “registo de apito”. A razão pela qual ela é raramente ouvida em uma nota vocal, é que pouquíssimos cantores são capazes de alcançá-la com algum grau de precisão. É a nota que pode fazer um cão de estimação de repente começar a uivar se ele ouvi-la. É quase sobre-humana, chegando até nas mais altas freqüências que podemos compreender e interpretar tons como individuais.

Esta única nota é mais importante do que qualquer outra coisa que ela fez na segunda metade de sua versão do Hino Nacional.

Traduzindo em uma imagem na partitura o que Mariah Carey fez:

MC_Whistle

Confira a apresentação abaixo:

[youtube id=”9q0QxfYfoJY” align=”center” mode=”normal” autoplay=”no”]

O blogueiro Trini Trent escreveu um artigo sobre a performance vocal de Mariah Carey e como a ‘geração internet’ lida com isso de forma negativa. Confira abaixo:

Mariah Carey é uma das melhores cantoras de todos os tempos, isso todos nós sabemos, não é mesmo? após uma série de performances ao vivo desastrosas, tentativas de playbacks desajeitados e reações de fãs de longa data, parece que agora ela está mais para uma piada do que para um ícone celebrado.

Agora, qualquer um de nós que se lembra dos anos 90 sabe que Carey era um padrão vocal de sua geração, juntamente com a falecida Whitney Houston. Sua voz podia ir à extremos como nenhuma outra cantora poderia fazer, e seu estilo tornou-se eventualmente um exemplo a ser seguido por toda uma geração de novos cantores.

No entanto, essas pessoas muito jovens para ter experimentado a grandeza de Carey durante os anos das eras “Daydream” ou “Butterfly” simplesmente não entendem a intensidade disso. Infelizmente, não posso culpá-las, especialmente depois de sua apresentação embaraçosa no Jamaica Jazz & Blues Festival desse ano.

[youtube id=”PkWGm_pHT9c” align=”center” mode=”normal” autoplay=”no”]

Pense nisso: Muitas das pessoas nascidas em 1998 – quando a voz de Carey começou a mostrar sinais de desgaste, e seu uso de bases pré-gravadas durante suas apresentações “ao vivo” virou meio que uma regra – vão fazer 17 anos em 2015. Portanto, ele não têm lembrança de uma época em que Carey podia alcançar uma nota alta sem esforço.

Na verdade, a maioria das pessoas com idade inferior a 18 anos, provavelmente foram apresentadas a Mariah quando ela aproveitava muito bem o seu comeback com o álbum “The Emancipation of Mimi”, em 2005. Sim, esse foi um ano de muito sucesso em sua carreira, mas as rachaduras em sua voz estavam evidentes e ela não cantava tão facilmente quanto ela fazia em seu auge, dez anos antes.

Curiosamente, o declínio vocal de Carey coincidiu com a ascensão das mídias sociais. Facebook e Twitter têm feito discussão em tempo real entre as milhões de pessoas em todo o mundo. Assim, toda vez que ela ou qualquer outro artista tem um contratempo, a notícia se espalha instantaneamente.

O YouTube, no entanto, tem sido a verdadeira causa mortis da existência de Carey. A plataforma de compartilhamento de vídeo, que foi ironicamente concebida em resposta ao desatre de outra artista – Janet Jackson, no Super Bowl de 2004 – faz com que cada nota ruim em um show de Mariah esteja disponível para um replay instantâneo.

Mesmo que ela se apresente em um pequeno local em um país a milhares de quilômetros de distância da América do Norte, as pessoas podem entrar em sintonia para ver os erros de Carey quantas vezes quiserem. Isso significa que cada nota desafinada ou ruim possa ser analisada e debatida por pessoas que provavelmente nunca assistiram a um show de Carey.

Adicione outros apps de vídeo como Instagram ou Vine à mistura, e as chances são ainda menos em favor de Carey. Afinal, com apenas seis segundo permitidos no último app, em que parte de suas performances as pessoas vão focar mais: Uma nota bem executada ou um desastre vocal?

Obviamente, Carey não é a primeira diva a experimentar problemas com sua voz. Na verdade, Aretha Franklin também estava em seus 40 e poucos anos quando seu alcance vocal começou a diminuir e seus shows não eram tão emocionantes como eles eram quando ela estava no seu auge.

No entanto, Franklin perdeu seu toque muito antes de a maior parte do mundo ter computadores e nunca ter ouvido falar da internet. Além disso, no momento em que a era digital chegou para a rainha do Soul, ela já havia cravado a sua posição como um artista intocável e chegou aos seus 60 anos.

Ninguém gosta de implicar com um idoso, especialmente uma mulher que ainda recebe ovações ao soar estranhamente como o Elmo, da Vila Sésamo.

[youtube id=”ZULpxWcUZyE” align=”center” mode=”normal” autoplay=”no”]

Carey também não é a única cantora que dubla suas músicas. Honestamente, essa prática tem sido comum desde os tempos de ouro do Soul Train e era a norma na televisão até Milli Vanilli serem expostos por dublarem suas canções.

Além disso, vários artistas fazem isso hoje, especialmente durante a turnê ou quando são esperados para executar sets muito extensos. Um dos casos mais recentes veio de Beyoncé, quando ela descaradamente fez playback em seu show, na França.

[youtube id=”rLHpoutotro” align=”center” mode=”normal” autoplay=”no”]

Por outro lado, Mariah sempre foi cobrada para ser melhor do que suas rivais. Depois de anos sendo anunciada como vocalista com um alcance vocal de cinco oitavas, as pessoas têm sido treinadas para serem impecáveis e cantar perfeitamente.

Além disso, Carey não dança bem. Seus espetáculos têm pouco valor de produção e os holofotes brilham diretamente sobre ela. Ela está sempre no centro das atenções e diferente de sua personalidade peculiar, cantar é tudo o que ela tem para oferecer no palco.

Então, quando ela não apresentar vocais poderosos, Carey não pode contar com mais nada – nenhum dos adereços que fizeram Katy Perry a estrela do Super Bowl, o exército de dançarinos que apoia Britney Spears ou os gráficos gigantes de gatinhos que protegem Miley Cyrus.

E isso está levando Mariah pra onde? Bem, sem saber a extensão dos seus problemas vocais, podemos estar testemunhando o fim abrupto de uma carreira estelar. Semelhante a Whitney Houston antes de morrer, ela está rapidamente se tornando uma piada em manchetes dos tablóides, em vez de um ícone a ser celebrado.

Ao contrário de Houston, Carey também tem de lidar com todo o peso da reação das redes sociais, a última das quais inclui um conjuntos GIFs no Tumblr comparando-a com Ariana Grande.

Adicione comentários desanimadores de outros artistas e a perda de apoio de seus fãs, e parece que Mariah está em uma espiral descendente incontrolável. Bem, a não ser que ela resolva encarar o problema de frente.

As mídias sociais são terreno fértil para especulações e rumores, mas há também um desejo de verdade. Basta imaginar como as pessoas parariam de focar sobre a bunda de Nicki Minaj ser ou não de verdade, se ela admitisse que tinha dado uma turbinada.

Não saber disso já é metade da diversão.

Portanto, se Carey admitir diretamente seus problemas e explicar exatamente como ela pretende resolvê-los, ela poderia transformar a opinião pública a seu favor. Além disso, o bullying à alguém com uma desvantagem certamente não parece emocionante, mesmo para o TMZ.

Até que esse dia finalmente chegue, é melhor Mariah se preparar para uma difícil jornada. Sua residência em Las Vegas começa na primavera norte-americana e há dezenas de pessoas armadas com smartphones, ansiosos para gravar em vídeo sua mais recente derrapada.

Vamos terminar com uma nota positiva: Carey cantando “Vision of Love” na Jamaica e fazendo artista de Dancehall, Lady Saw, pegar de volta seus insultos, ao vivo diante das câmeras.

[youtube id=”bbhbeFaPIOw” align=”center” mode=”normal” autoplay=”no”]

“Eu estava ali na frente e ela começou a dublar”, disse o ícone do Dancehall. “E eu fiquei desapontada por isso e saí de lá. Infelizmente, você sabe que artistas como nós temos que cantar com toda nossa alma, quero dizer, nós que nem sequer conseguimos ganhar tanto dinheiro quanto ela, então eu me pergunto o por que disso. Eu acho que quando um artista sobe ao palco eles devem estar se entregando do início ao fim, porque é a forma como as pessoas obtem o valor do seu dinheiro e agora eu vejo que as pessoas estão tristes lá na frente”.

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.