Mariah Now é a sua maior fonte brasileira sobre a Mariah Carey. O site é totalmente dedicado para os fãs da Mariah. Acompanhe notícias, vídeos, entrevistas, participe de promoções e eventos. Todo conteúdo divulgado no site é criado ou editado por membros da equipe, qualquer conteúdo retirado daqui, mantenha seus devidos créditos. Somos apoiados pela Universal Music Brasil e pela Sony Music Brasil.

The Leavenworth Times

O site The Leavenworth Times fez um review sobre os 25 anos do primeiro álbum de Mariah Carey. Confira abaixo:

É difícil acreditar que 25 anos se passaram desde que Mariah Carey chegou na cena musical. Seu álbum de estreia auto-intitulado, “Mariah Carey”, foi lançado em junho de 1990 e serviu como plataforma de lançamento para a maior artista da década.

A indústria musical estava saturada com grandes artistas do sexo feminino que vendiam muito durante o início dos anos 90. Estrelas Pop como Madonna, Whitney Houston, Paula Abdul e Janet Jackson já estavam comandando o centro das atenções quando Mariah chegou à festa.

A música Pop estava a todo vapor com singles como “Vogue”, de Madonna e sucessos do álbum de Paula Abdul, “Forever Your Girl” e “Rhythm Nation 1814”, de Janet Jackson. Parecia a hora errada para apresentar um nova cantora.

A Columbia Records tinha uma visão diferente e considerou Carey uma exceção. Eles sabiam e acreditavam no talento da cantora  que na época tinha 20 anos de idade e uma voz de cinco oitavas. E eles acertaram.

Eu me lembro da primeira vez que ouvi o início de “Vision Of Love”. Parei o que estava fazendo para ouvir. O que se seguiu me surpreendeu. Quando Carey começou a cantar as letras iniciais,“You treated me kind, sweet destiny. Carried me through desperation, to the one that was waiting for me”, eu já tinha me envolvido. Esta mulher sabia cantar!

“Vision of Love” foi uma obra-prima instantânea. Havia uma possibilidade de que essa não seria a melhor canção para uma estreia. Ela rapidamente subiu para o topo das paradas, onde permaneceu por um mês.  o topo se tornaria uma posição familiar para Carey, à medida que mais três músicas do debut alcançaram o primeiro lugar. Carey se tornou a primeira artista na história a emplacar quatro canções na primeira posição com faixas de um álbum de estreia.

“Love Takes Time” veio em seguida. Foi a sua segunda balada direto para o topo da Billboard Hot 100. A mistura de Carey do Pop/R&B foi exatamente o que o público estava querendo, mesmo que fosse uma balada. No entanto, “Someday”, provou o contrário. Ela acelerou o ritmo e as pessoas puderam dançar ao som de seus vocais impecáveis.

Para seu quarto single, Carey retornou a uma balada. “I Don’t Wanna Cry” trouxe uma certa vulnerabilidade e nós amamos logo de cara. Essas músicas foram hits óbvios, mas o álbum trouxe numerosas canções dignas, incluindo a Gospel “There’s Got To Be A Way”, “Prisoner”, e uma de suas faixas mais subestimadas, “Vanishing”.

Carey recebeu cinco indicações ao Grammy daquele ano, incluindo as vitórias para Melhor Artista Revelação e Melhor Performance Pop Feminina para “Vision Of Love”. Ela passou a se tornar a maior artista da década e alcançou o topo da parada 18 vezes em sua carreira, ficando atrás apenas dos Beatles.

Um bom álbum é aquele que consegue romper a barreira do tempo. “Mariah Carey” é um desses álbuns, que eu posso ter ouvido no meu último ano do ensino médio ou estar ouvindo pela primeira vez agora. Eu adoro uma garota que sabe cantar e Mariah tem um fantástico conjunto de cordas vocais.

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.