Mariah Now é a sua maior fonte brasileira sobre a Mariah Carey. O site é totalmente dedicado para os fãs da Mariah. Acompanhe notícias, vídeos, entrevistas, participe de promoções e eventos. Todo conteúdo divulgado no site é criado ou editado por membros da equipe, qualquer conteúdo retirado daqui, mantenha seus devidos créditos. Somos apoiados pela Universal Music Brasil e pela Sony Music Brasil.

Para uma mulher com uma das vozes mais tecnicamente surpreendentes da
música Pop, Mariah Carey, as vezes, parece ser um tanto quanto perfeccionista. Mas quem poderia culpá-la, já que ela foi a inspiração para muitos, primeiro, por ser e parecer tão perfeita, depois por mesclar Hip-Hop com música Pop, que a coloca em um patamar capaz de ser aclamada por uma multidão.

Então, o que é mais impressionante sobre o novo álbum de Carey – intitulado de “Me. I Am Mariah…The Elusive Chanteuse” (O álbum recebeu três estrelas e meia, de quatro) e agora está em streaming no iTunes Radio, antes de seu lançamento no dia 27 de maio – é o quão relaxada e confiante ela parece. Foi essa auto-consciência que marcou o seu último álbum de estúdio, de 2009, “Memoirs of an Imperfect Angel”. Em vez disso, Mariah dá a impressão de que suas únicas preocupações são em encontrar seus próprios critérios, e os dos fãs, que ficaram ao lado dela em todos os momentos.

As baladas tenras e dolorosas e canções enérgicas contidas no álbum, marcam o retorno de uma fórmula antiga, mas também revelam novas nuances, particularmente encontradas nos vocais. Os melismas muito bem entoados e as notas agudas continuam presentes, mas Mariah passa grande parte do tempo usando notas mais suaves e inferiores para transmitir sensação de forma simples e direta.

Faixas como a triste “Cry.”, e a sonhadora “Supernatural”, que é ultra maternal e amorosa, e ainda conta com a participação dos filhos da cantora com Nick Cannon, os gêmeos Monroe e Moroccan, mostram as texturas suaves e cruas em sua voz, enquanto mantém o foco em sentimentos e não no visual. A arrepiante “Camouflage”, co-escrita e co-produzida por Mariah e Big Jim Wright (outras colaborações incluem parceiros de longa data como Jermaine Dupri e Rodney Jerkins), mostram suas performances que são agregadas à coros gospel.

Há também um cover de George Michael, a faixa “One More Try”, que ganhou notas mais agudas, e a irritante “Meteorite”, que começa com uma frase de Andy Warhol, dizendo que todo mundo será famoso por 15 minutos – o que parece ser mais verdade hoje em dia do quando ele disse, ou quando a carreira de Mariah começou, há 25 anos atrás. Indescritível ou não, essa cantora é uma sobrevivente, e isso é algo raro no cenário instável da música Pop dos dias de hoje.

Deixe sua opinião

Este artigo não possui comentários
Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.