Mariah Now é a sua maior fonte brasileira sobre a Mariah Carey. O site é totalmente dedicado para os fãs da Mariah. Acompanhe notícias, vídeos, entrevistas, participe de promoções e eventos. Todo conteúdo divulgado no site é criado ou editado por membros da equipe, qualquer conteúdo retirado daqui, mantenha seus devidos créditos. Somos apoiados pela Universal Music Brasil e pela Sony Music Brasil.

MC_MIAM

Quando você atinge a marca de 18 singles na primeira posição da Billboard Hot 100 – mais do que qualquer artista solo, e qualquer ato parecido na história, com exceção dos Beatles – e você ve o cursor gráfico dos charts caírem com os singles de um álbum novo, é melhor se preocupar.

Deste modo, quando Mariah Carey lançou “You’re Mine (Eternal)”, e o single atingiu a 88ª posição, gerando especulações sobre o primeiro álbum de Mariah em 5 anos, “Me. I Am Mariah…The Elusive Chanteuse”. Duas canções anteriores, “#Beautiful”, com participação de Miguel (e chegou a 15ª posição) e “The Art Of Letting Go”, que faz parte da edição Deluxe do álbum e sequer chegou a chartear, também tiveram desempenhos ruins. Atrasos que levaram o lançamento do álbum para terça-feira, 27/05, não fizeram nada para acabar com essas especulações.

Mas quando “Me. I Am Mariah” foi liberado para streaming no iTunes Radio, na semana passada, foi recebido com as melhores críticas desses 25 anos que compõem a carreira de Mariah Carey. Jim Farber, do New York Daily News, deu 4 de 5 estrelas ao álbum, observando que esse trabalho “leva Mariah de volta às grandes baladas e melodias formais que a fizeram ser uma estrela”.

O diretor de entretenimento da Us Weekly, Ian Drew (que era estagiário da Sony Music no final dos anos 90), concorda que “esse novo álbum marca o retorno de uma fórmula antiga. Mesmo que o álbum não possua grandes hits, como os que marcaram a carreira de Mariah Carey, ele reforça a reputação que ela conquistou como ‘cantora que canta’, uma vez que hoje em dia um bando de popstar, na verdade, não sabe fazer isso”, disse Ian, que fará um review positivo do álbum essa semana.

Ele caracteriza as canções como “R&B de verdade”, em contraste ao “R&B misturado com Música Eletrônica”, que domina os charts hoje em dia. O colaborador de longa data de Mariah, Jermaine Dupri, que co- produziu e co-escreveu em “Me. I Am Mariah…The Elusive Chanteuse”, disse que era essa a idéia, citando “The Art Of Letting Go” como exemplo.

“Essa canção foi o ponto de partida”, disse Dupri. “Queríamos dar aos fãs um gostinho de como o álbum seria. A voz dela está exposta, mais do que esteve em muito tempo. Não é um álbum Dance. Ela não está fazendo o que todos estão – ela está fazendo o que te fez cair de amores por ela na primeira vez”.

“Thirsty”, lançado há 2 semanas atrás como uma faixa de destaque (um single oficial ainda não foi escolhido) é uma faixa mais dançante. Mas Keith Caulfield, diretor associado aos charts e vendas da Billboard, disse que “o sucesso de ‘Chanteuse’ pode depender menos de números dos charts do que Mariah sendo criativa com a promoção do álbum. Ela é sempre sensação quando está na TV (o especial dela na NBC irá ao ar no próximo sábado), e essa é uma ótima maneira de mostrar às pessoas que o CD já está à venda”.

Caulfield prevê que Mariah “terá uma primeira semana decente”, embora ele acrescente que isso não será um bloqueio para que ela atinja o primeiro lugar: “‘Me. I Am Mariah’ sairá uma semana após o lançamento do Coldplay, ‘Ghost Stories’, que será bem grande”, mas ele alerta que ninguém irá tirar Mariah da parada: “Ela estava muito em baixa em um certo período”, ele diz, se referindo ao fracasso comercial e duras críticas ao álbum “Glitter”, de 2001.

“Mas aí ela voltou com ‘We Belong Together’, em 2005 – provavelmente o maior hit de sua carreira”, ele salienta.

Deixe sua opinião

Este artigo não possui comentários
Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.