Mariah Now é a sua maior fonte brasileira sobre a Mariah Carey. O site é totalmente dedicado para os fãs da Mariah. Acompanhe notícias, vídeos, entrevistas, participe de promoções e eventos. Todo conteúdo divulgado no site é criado ou editado por membros da equipe, qualquer conteúdo retirado daqui, mantenha seus devidos créditos. Somos apoiados pela Universal Music Brasil e pela Sony Music Brasil.

Embora ela tenha aparecido em manchetes sobre playbacks e outros problemas vocais no passado, nada disso estava presente no retorno da estrela pop Mariah Carey em Cingapura no sábado à noite. Na verdade, seu famoso alcance vocal de cinco oitavas estava em boa forma enquanto ela transitava por uma set list otimista que cobria a maior parte de suas três décadas de carreira.

Talvez suas recentes residências em Las Vegas tenham aguçado sua destreza vocal, mas o set de 85 minutos no The Star Theatre estava cheio de canções favoritas do Pop e R&B, carregados de melismas, como “My All” (1997), bem como seu registro de apito em sucessos como “Emotions” (1991) e “#Beautiful” (2013).

Ela parecia estar com um humor amistoso e havia muita interação com sua banda de quatro membros, trio de cantores de apoio e quatro dançarinos. Em um ponto, ela até trouxe ao palco seus adoráveis gêmeos de sete anos de idade, Moroccan e Monroe durante a, apropriadamente, “Always Be My Baby” (1995).

Os 5.000 lugares do local estavam lotados, com os fãs, especialmente os que estavam perto do palco, dando uma recepção arrebatadora a quase todas as músicas. Ela estava especialmente carinhosa com os “Lambs”, seu carinhoso termo para os super fãs que faziam sinais e usavam camisas estampadas com sua imagem e seu nome.

Ela leu seus cartazes, apimentou seu set com vários elogios ao seu vestido e um dos fãs até subiu no palco para dançar e cantar junto em “Touch My Body” (2008). E enquanto ela poderia facilmente preencher todo o setlist com sucessos familiares do passado, ela mostrou que tinha novas músicas também, cantando “The Distance” de seu décimo quinto álbum, Caution.

Se houve alguma reclamação sobre o show, foi o fato de ela ter aparecido 35 minutos após o horário estipulado. Um pequeno incômodo, no entanto, e certamente não interferiu em nada.

Em se tratando de uma diva, Carey também passou por várias mudanças de roupa, cada uma delas reluzente e envolvente. Isso significava que o show era frequentemente interrompido com intervalos para ela se dirigir aos bastidores e se trocar. O concerto poderia ter sido feito sem tais interrupções, mas o elenco de apoio de Carey assumiu o palco na ausência da estrela.

Seus dançarinos de apoio eram ultra-ágeis, exibindo finesse acrobático, enquanto canções como “I’m That Chick” (2008) e “Dreamlover” (1993) tocavam ao fundo. Como a estrela pop, eles também chamaram um membro da plateia que estava muito feliz por subir no palco.

Seus backing vocals, que incluem o parceiro de longa data Trey Lorenz, e músicos fizeram mais do que apenas apoiá-la – eles também tocaram as partes originalmente cantadas pelo grupo de R&B Boyz II Men em seu dueto com Carey, “One Sweet Day” (1995).

Deixe sua opinião

Este artigo não possui comentários

IMG_3709.jpeg
heartbreaker.jpg
IMG_3680.jpeg
IMG_3641.jpeg
IMG_3642.jpeg
344BDA56-1C2B-4C54-92BF-B671ED08906F.jpeg
E0000A7C-B0BD-4347-9EA1-AB2D21146DF5.jpeg
IMG_3372~0.jpeg
IMG_2973.jpeg
9DE518D4-8F92-4FE3-B914-DBA9BF2FCC81.jpeg
IMG_3119.jpeg
E0BA3E6B-0938-4560-9EE9-5628E11786EB.jpeg
mc-mainban.jpg
MAPA_MARIAH_1080x1080.png
612F932F-C378-44E6-AE2A-9F048D214AC7.jpeg
047561D9-1827-41C1-A378-A12A30362154.jpeg