Mariah Now é a sua maior fonte brasileira sobre a Mariah Carey. O site é totalmente dedicado para os fãs da Mariah. Acompanhe notícias, vídeos, entrevistas, participe de promoções e eventos. Todo conteúdo divulgado no site é criado ou editado por membros da equipe, qualquer conteúdo retirado daqui, mantenha seus devidos créditos. Somos apoiados pela Universal Music Brasil e pela Sony Music Brasil.

O retorno às paradas e a jovialidade que a cantora considera ser o segredo do sucesso

Este ano foi um período de renovação para sua carreira, coroado por uma autobiografia, um disco de raridades e o especial da Apple TV+. Como foi concebido tudo isso? Este ano foi duro para todos. Muitos artistas não puderam trabalhar. Por sorte, esses projetos foram desenvolvidos antes da pandemia. O disco The Rarities e o livro de memórias funcionam como algo que se completa — aliás, brasileiros já pediram e vou atrás da tradução do livro para o português. E o especial é um refresco para um ano tão difícil.

 

As festas de fim de ano costumam ser um período para celebração. Mas muitos países, entre eles o Brasil, passam por uma polarização que dividiu famílias. Como driblar isso? Prefiro não me meter na vida dos outros, mas está na hora de nos desprendermos do que não importa. A aparência das pessoas, a língua que elas falam, a religião, as opiniões — isso tudo não importa. Precisamos de famílias unidas.

 

Seu primeiro disco saiu quando tinha 20 anos. Como vê essa jornada da perspectiva da maturidade? Eu recuso o termo maturidade. Nem sei o que é. Sou eternamente imatura (risos). Esse é o segredo. É necessário continuar jovem na mente e no coração, e fazer o que se ama com dedicação. Adoro fazer música. Sou grata por trabalhar com isso. Ainda tenho muitas ideias e planos, e não parei de produzir na pandemia. É importante alimentar a criatividade.

Ter sua carreira medida pelas paradas musicais já foi um fardo em sua vida? Olha, garanto a você que não é um fardo ter dezenove primeiros lugares (risos). Lembrando: dezoito de composições próprias, gosto de ressaltar. Ter sucesso como cantora era um sonho de infância. O processo foi longo, cheio de dificuldades, cometi muitos erros. Então, eu olho não só para o auge, mas para a jornada. All I Want for Christmas, por exemplo, demorou mais de vinte anos para chegar ao topo. Mesmo que não tivesse chegado, ainda estaria feliz com essa canção, que é forte e linda.

Publicado em VEJA de 16 de dezembro de 2020, edição nº 2717

 

Fonte: Veja

 

 

 

 

Deixe sua opinião

Este artigo não possui comentários

IMG_5871.jpeg
IMG_5869.jpeg
IMG_4969.jpeg
3AAA15D5-3F11-44AB-98E4-0FB46A313FC7.jpeg
7A5507E7-43E2-4CDD-9DAE-64D98636F4AD.jpeg
1A5AA04C-5572-42A6-B2DF-602BE02F7BB0.jpeg
F048D0AA-1D10-4D23-BDF4-149FB181B56A.jpeg
57E5416A-4C6A-4D51-82C8-97F4E409B8DC.jpeg
IMG_4474.jpeg
IMG_4473.jpeg
C32A4454-1878-4905-BDA5-9380FEA7DC23.jpeg
IMG_3709.jpeg
heartbreaker.jpg
IMG_3680.jpeg
IMG_3641.jpeg
IMG_3642.jpeg