Mariah Now é a sua maior fonte brasileira sobre a Mariah Carey. O site é totalmente dedicado para os fãs da Mariah. Acompanhe notícias, vídeos, entrevistas, participe de promoções e eventos. Todo conteúdo divulgado no site é criado ou editado por membros da equipe, qualquer conteúdo retirado daqui, mantenha seus devidos créditos. Somos apoiados pela Universal Music Brasil e pela Sony Music Brasil.

Trinta anos atrás, Carey assumiu o controle de seus remixes pela primeira vez. A versão Def Club de “Dreamlover” que se seguiu foi uma odisséia de 10 minutos de dança, pop, house, gospel e alegria vocal – e um ponto de virada

POR CLIFF JOANNOU

TRINTA ANOS ATRÁS, quando Mariah Carey entrou no estúdio com David Morales e transformou “Dreamlover”, seu sétimo número um da Billboard em um sucesso nas pistas de dança underground, isso não apenas colocou a cantora e compositora diante de um público totalmente novo. , mudou a remixagem de dança pop para sempre.

Em 1993, Carey já era um fenômeno, tendo visto seus primeiros cinco lançamentos no topo do Hot 100. Havia grandes expectativas para seu terceiro álbum, Music Box, e seu primeiro single, “Dreamlover”, lançado em 27 de julho daquele ano. Ambos entregariam esse resultado, vendendo dezenas de milhões de unidades em todo o mundo. Mas esta também foi a primeira vez que Carey teve o controle de seus remixes, e o resultado a levaria a um novo nível de superstar cool.

Uma noite em 1993, eu estava no infame clube noturno Trade at Turnmills, então o único local noturno de Londres. Localizado no desolado Clerkenwell – uma área há muito gentrificada e agora mais famosa por butiques e bares de coquetéis peculiares – o Trade era um amplo clube de porão que era tudo o que o Studio 54 não era: industrial, sombrio e mais desviante em seu hedonismo, tem frequentemente citado como uma inspiração para o infame Berghain de Berlim.

A política de entrada de porta era conhecida por ser complicada e exigente; nós nunca sabíamos se iríamos entrar. É famoso (supostamente) afastar Cher quando ela chegou com uma comitiva em uma limusine, e havia rumores de que Madonna foi vista na pista de dança por volta de sua era Ray of Light. Eu era legalmente muito jovem para estar no clube, mas naquela época não era necessário um documento com foto para entrar, apenas a quantidade certa de inteligência para encantar o segurança.

DJs que eventualmente transitariam do Trade para o sucesso mainstream, como Tony De Vit e Fat Tony, tocavam apenas a música mais nova e ousada: hardass techno no piso principal (domínio de De Vit) e um som de house mais funk na sala Trade Lite. Foi aqui na pista de dança que ouvi pela primeira vez a mixagem do Def Club de “Dreamlover”.

Um remix de Mariah Carey? No comércio? Foi, como a própria Carey poderia descrever, “um momento”.

Como uma piada, eu disse: ‘Escute, a única maneira de isso acontecer é ela ter que rescrever a música’. Nunca em um milhão de anos pensaria que isso realmente aconteceria. Mas ela disse: ‘Eu farei isso’.”

Trade era um clube gay – ou “queer” para os padrões de hoje, embora essa palavra ainda não tivesse sido recuperada – mas sua música estava a mundos de distância das canções fofinhas encontradas nos clubes do Soho. Eles não tocavam discos comerciais e definitivamente não tocavam discos de estrelas pop. No entanto, a reinterpretação de David Morales de “Dreamlover” foi uma música totalmente diferente do original. Ele ousou pegar o pop e torná-lo mais sombrio, dançante… ainda mais sujo. “Quando eles me pediram para remixar o disco, eu pensei: ‘Não posso fazer nada com isso’”, diz Morales quando conversamos por videochamada. “Meu trabalho era fazer um disco dance, entende? Para os clubes. E aquele original simplesmente não se prestava a isso. Nunca fui fã de pop. Mariah realmente abriu essa porta para mim. E quando ouvi pela primeira vez ‘Dreamlover’ o original, para ser honesto, eu odiei. Simplesmente não era meu tipo de música.”

Na época, os remixes pop tendiam a pegar o vocal do vocalista e acelerá-lo, mas Morales sabia que a fórmula recortar e colar não ressoaria com seu público. Para trazer o original alegre para seu mundo noturno, ele precisava começar do zero. “Eu nunca tinha ido ao estúdio com um artista desse calibre, nunca,” ele diz sobre seu pedido no escuro para que Carey cantasse novamente a faixa. “Então, como uma piada, eu apenas disse: ‘Ouça, a única maneira de isso acontecer é ela ter que rescrever a música.’”

Eu nunca em um milhão de anos pensaria que isso realmente aconteceria. Mas ela disse: ‘Eu farei isso’. Isso era inédito.

O primeiro desafio foi mudar a tonalidade da pista. “A música (original) estava em tom maior”, observa Morales.Como você pega essa música e a coloca em um tom menor, porque você está indo para outro lugar? Você está mudando toda a atitude da música. Morales diz que o processo foi totalmente colaborativo: “Ela fez tudo sob medida para a pista. deu um tom diferente. Isso deu a ela uma borda mais escura. Isso permitiu que ela tivesse mais atitude ao cantar.”

O remix deu uma reviravolta de 180 em tom e humor. A entrega de Carey passou do desejo melancólico de um amor feliz em sua encarnação original para o desejo sensual, um anseio por um amante que se manifestou nesta nova tomada. Foi um gostinho da Carey que estava por vir, aquela que seria totalmente realizada quatro anos depois com “Honey”, a primeira faixa do álbum Butterfly.

“O ‘Dreamlover’ original: é fofo, é como, ‘Segure minha mão e depois vamos dar um passeio no parque’”, diz Morales. “É uma abordagem totalmente diferente. Agora, com o remix, você realmente ouve as emoções dela sobre o que está acontecendo porque ela está mais nua na faixa. Os clubes eram como, ‘Esta é a Mariah?’ Era como, ‘Oh, merda, mamãe pode cantar um sucesso do clube.’ Eu nunca tinha ouvido Mariah assim. Ela se abriu. Ela sempre teve isso, porque isso você não pode ensinar. Você tem que ter isso.

O projeto parece tão ambicioso hoje quanto era naquela época. Abrindo com batidas eletrônicas ecoando ao lado dos improvisos sincopados de Carey, “Ah, ah, ah, oh, ah …” ela repete, saltando para cima e para baixo no tom, antes do riff de piano entrar em ação e aquela voz inconfundível ecoar: “I need a lover to give me/The kind of love that will last always/I need somebody uplifting/To take me away-ay-ay, oh, baby …”

O remix foi menos uma interpolação convencional e mais uma reformulação definitiva de uma música pop para o rádio. Ele ousou ser perigoso. “Foi uma experiência incrível”, diz Morales. “Aprendi muito sobre vocais trabalhando com Mariah Carey. Ela não é brincadeira. Ela coloca no trabalho, ela pode cantar. Não há autoajuste com ela, não há conserto. A mamãe é a rainha porra toda nesse negócio!

Seis minutos de gravação, quando Morales solta uma série de bombas sonoras e as explosões que se seguem fazem você pensar que tudo acabou, a faixa nos leva mais fundo na noite, os sons se distorcem e mudam, o ritmo diminui e as batidas aumentam conforme O tom de apito de Carey se abre em um colapso completo da casa gospel. Às 9:08 do remix, as então backing vocals da cantora Kelly Price, Melonie Daniels e Shanrae Price se juntam a ela para levar o disco para a igreja para fechar a faixa, antes que os vocais da estrela principal nos desapareçam: “Baby, come and take me away.…”

“Quando ela está gravando seus discos pop, você não está ouvindo a garota da igreja”, acrescenta Morales sobre como o “mainstream Mariah” foi apresentado na época. “Quero dizer, você está ouvindo Mariah, não se engane. Mas neste remix está em algum lugar que ela consegue entrar nessa outra zona.”

Aproveitar a conexão de Mariah com a igreja e adicionar elementos gospel a uma produção já colossal foi outro momento de pensamento avançado. A casa gospel na época existia nas margens do terreno do clube. Embora predominante hoje, era um subgênero emergente nascido da necessidade de jovens negros e gays se reunirem e celebrarem a vida em santuários longe da perseguição à religião.

Escrevendo para o site da Toolroom Records, Kristan J Caryl diz que os paralelos entre clubes e igrejas são claros: “As manhãs passadas na companhia de velhos e novos amigos, cantando e dançando junto com a música servida sobre nós de uma cabine elevada não é diferente. a um serviço de domingo onde os sermões são comandados por um pregador de um púlpito elevado. Hoje em dia, o DJ é o nosso reverendo, os discos são os nossos salmos”.

Em sua totalidade, a mixagem do Def Club de “Dreamlover” brilha como uma odisseia de 10 minutos e 46 segundos de dança, pop, house, gospel e alegria vocal – melhor apreciada em alto volume em um sistema de som de qualidade. Foi uma declaração instantânea de que Carey estava saindo do reino da expectativa e pronta para se posicionar como uma artista na vanguarda do jogo, adicionando seu próprio selo único à dance music, abraçando o gênero sem esforço, mas com autenticidade.

O remix de Dreamlover teve um efeito maior no Reino Unido do que na América. Foi mais banana no Reino Unido”, lembra Morales.Na América, sim, eventualmente aconteceu. Mas eles não o venderam primeiro na América, foi apenas uma promoção. Eles não queriam que Mariah fosse conhecida como uma rainha das pistas de dança” Morales acredita que a Sony adiou a distribuição do remix nos EUA por medo de manchar o status de queridinha americana de Carey como uma estrela pop polida em quem eles apostaram na geração de discos multiplatina.

“Mariah não precisava de um remix”, acrescenta Morales. “Dreamlover’foi enorme de qualquer maneira, com ou sem isso. Mas Mariah, ela amava e se importava com o território dos clubes nortunos gays. Ela se importava com a nossa cultura. Eu tenho tantas versões diferentes de ‘Dreamlover’ que ninguém nunca ouviu.”

Foi uma era que prenunciou um Carey pronto para se libertar do espaço seguro do pop baladeiro. Onde o “Dreamlover” original mergulhou nas batidas de R&B, o remix mergulhou de cabeça no mundo dos clubes underground. Carey estava se preparando para voar. O que viria a seguir seria o cantor e compositor abraçando o hip-hop em sua plenitude em “Fantasy”, com Ol’ Dirty Bastard, dois anos depois, um momento crucial que uniu um rapper de hip-hop radical e uma estrela pop. nas rádios convencionais de uma forma que nenhum artista do nível de Carey havia feito antes.

Morales e Carey continuariam a colaborar na igualmente massiva “Fantasy (Def Club Mix)” e criminalmente subestimada “Always Be My Baby (Always Club Mix)”, que transformaram suas versões originais e saborosas para o rádio em uma dança em queda livre. épicos que ousaram reinventar dois dos grandes sucessos de Carey como discos de dança sem sentido.

O sucesso daquela primeira mixagem do Def Club para “Dreamlover” ressoou em todos os clubes. DJs respeitados de repente estavam tocando um remix do cantor que eles só conheciam como a voz por trás de “Vision of Love”. De repente, Carey saiu do mainstream e agora era legal. Por anos após seu lançamento, o “Dreamlover (Def Jam mix)” seria classificado nas listas anuais do Top 100 da DJ Mag e alterou a percepção de que uma música pop também poderia se tornar um sucesso de clube credível. Soa tão intransigentemente novo hoje quanto em 1993 – a marca registrada da música genuína que muda o jogo.

A devoção contínua de Carey ao Natal pode estar atrasando qualquer esperança de uma jam de verão há muito esperada. Até lá, seu legado falará por ela.

Fonte: Rolling Stone

Deixe sua opinião

Este artigo não possui comentários

IMG_0584.jpeg
mc_28529~43.jpg
mc_28629~38.jpg
mc_28429~44.jpg
mc_28329~44.jpg
mc_28129~48.jpg
mc_28229~47.jpg
MC_281029~112.jpg
MC_281129~101.jpg
MC_28729~131.jpg
MC_28929~121.jpg
MC_28829~126.jpg
MC_28529~140.jpg
MC_28629~137.jpg
MC_28429~146.jpg
MC_28129~159.jpg