Mariah Now é a sua maior fonte brasileira sobre a Mariah Carey. O site é totalmente dedicado para os fãs da Mariah. Acompanhe notícias, vídeos, entrevistas, participe de promoções e eventos. Todo conteúdo divulgado no site é criado ou editado por membros da equipe, qualquer conteúdo retirado daqui, mantenha seus devidos créditos. Somos apoiados pela Universal Music Brasil e pela Sony Music Brasil.

NEM TUDO QUE RELUZ… É GLITTER.

Toda vez que ela ia para L.A. ficávamos juntos a visita toda. Sempre que algo acontecia com a Sony, eu recebia uma ligação perguntando como ela deveria lidar.

A assistente da Mariah era ótima e Deus a abençoe. Mas ela não era manager. Muitas pessoas não conseguem lidar com a loucura que é a carreira de uma estrela desse calibre. Mas um manager forte é vital. No momento, Mariah não tinha um. Quando surgia alguma coisa, ela falava com os membros da sua equipe, conversava com o chefe da segurança e depois conversava comigo e refletia sobre o que ela ouvia. Normalmente, ela fazia o que eu sugeria.

As coisas estavam ficando muito melhores depois que ela saiu do contrato com a Sony e longe da política de Tommy Mottola e seus amigos. A Virgin ofereceu-lhe um acordo recorde – relatado na mídia como US$ 100 milhões – para assinar com eles, o que foi pioneiro e tudo, mas eu aconselhei a recusar.

“Isso é fantástico”, eu disse, “mas a empresa está fodida e eles não sabem o que estão fazendo. Eu sei, eles estão oferecendo muito dinheiro e têm um bom plano de marketing, mas eles precisam ter uma melhor infra-estrutura. Você deve olhar para o selo como um todo”. Havia rumores de instabilidade de gestão perto do topo, e eu estava muito desconfortável com isso.

Eu disse: “Escute, Clive Davis acabou de abrir seu próprio selo. Eu acho que Clive é onde você precisa ir.”

Ela disse: “Eu não vou assinar com o Clive. Ele vai querer participação criativa na minha música, e ninguém vai se meter na minha música, nunca”. Eu disse: “Você não entende. Se você assinar com Clive, tá feito. Dane-se o adiantamento, serão as mãos certas para estar”. Ela disse não.

Eu sabia o que a Mariah estava fazendo: ela sempre quis estar no cinema e, nesse momento, estava perseguindo a idéia de fazer Glitter. E foi entregue a ela, juntamente com a pepita de ouro da Virgin Records, que planejava lançar a trilha sonora do filme como seu primeiro lançamento da Mariah.

Fiz tudo o que pude para tentar fazê-la desistir. “Opa, espere um minuto”, eu disse. “Este não é o caminho a seguir. Você vai fazer o maior negócio de todos os tempos, e daí você vai colocar uma trilha sonora como seu primeiro lançamento? Isso é criar uma nova identidade. É uma trilha sonora grandiosa de um filme indie… Você acha mesmo que a Virgin vai saber como trabalhar isso em vez de um álbum normal? Ele vai quebrar. Não há como isso funcionar. Por favor, Mariah, adie o filme. Vá devagar. Faça um álbum solo primeiro, pelo menos. Eles nunca trabalharam um álbum da Mariah Carey antes”.

Não é o que ela queria.

Fiquei frustrado e voltei para L.A. Foi a primeira vez que me afastei dela. Eu parei de atender suas ligações. Ela assinou com a Virgin. E foi aí que começou a tempestade de merda.

 

Damion “Damizza” Young – Guilty By Association

10/20

Anterior

Início

Próximo
A5635D74-C732-439E-93F2-225B46017B0D.jpeg
B4C5FEB9-72FF-4384-AEDF-DF0562C173AE.jpeg
IMG_6957.jpeg
IMG_6958.jpeg
IMG_6959.jpeg
IMG_6963.jpeg
IMG_6997.jpeg
IMG_6962.jpeg
mc_281029~23.jpg
mc_28829~29.jpg
mc_28929~24.jpg
mc_28729~35.jpg
mc_28529~41.jpg
mc_28629~36.jpg
mc_28429~42.jpg
mc_28129~45.jpg