Mariah Now é a sua maior fonte brasileira sobre a Mariah Carey. O site é totalmente dedicado para os fãs da Mariah. Acompanhe notícias, vídeos, entrevistas, participe de promoções e eventos. Todo conteúdo divulgado no site é criado ou editado por membros da equipe, qualquer conteúdo retirado daqui, mantenha seus devidos créditos. Somos apoiados pela Universal Music Brasil e pela Sony Music Brasil.

Cardi B

Apenas Cardi B tem o direito de duvidar de Cardi B. Sua bem documentada ascensão ao estrelato é o produto de coragem, pressa e coragem implacável de ser ela mesma. Seu álbum de estreia, Invasion of Privacy de 2018, foi o resultado de um talento que não pode ser negado; um silenciador instantâneo de céticos que acreditaram que seu sucesso histórico, “Bodak Yellow”, foi um acaso. E seu single no topo das paradas no verão passado, “WAP“, foi a prova de que, aos 28 anos, a nativa do Bronx não apenas entende a cultura, ela define a cultura. A mulher nascida Belcalis Almánzar, filha de pais de Trinidad e Dominicanos, que era stripper aos 18 anos e uma estrela do reality aos 23 anos, em sua curta carreira ganhou um Grammy, quebrou cinco recordes mundiais do Guinness Book e sentou-se lado do futuro presidente. E ainda, enquanto ela dá os toques finais em seu álbum altamente antecipado do segundo ano, a autodenominada “Sou a Mariah Carey, dona do clube de strip-tease” ainda precisa de uma conversa um pouco estimulante. Então a colocamos em contato com o verdadeira. —BEN BARNA

 

MARIAH CAREY: Oi, Dahhhling!

CARDI B: Oh meu Deus. Estou enlouquecendo.

CAREY: Ah, pare. Como você está?

CARDI B: Estou bem. Lidando com o lockdown.

CAREY: Como é um dia normal a para Cardi B?

CARDI B: Durante a pandemia, o dia normal é eu acordando com muitas ideias na cabeça, então estou sempre ligando para minha equipe, tentando fazer o que quer que eu tenha na minha cabeça aconteça, ou estou pensando sobre um empreendimento comercial, então eu ligo para meu advogado. E às vezes eu vou no Twitter, vou para os blogs, vejo o que está acontecendo no mundo. Eu tento ficar fora disso na maior parte do tempo, porque às vezes é uma vibração muito ruim. Normalmente acordo por volta do meio-dia e minha filha acorda às 15h, então realmente não tenho tempo para apenas trabalhar, trabalhar, trabalhar, trabalhar.

CAREY: Você tem um time de glam com você ou você mesmo o faz? Qual tem sido sua maneira de preservar a aparência da Cardi B e, ao mesmo tempo, garantir que todos ao seu redor estejam seguros?

CARDI B: Por causa do COVID, sem mentira, minha equipe faz exames pelo menos três ou quatro vezes por semana, não importa o que façamos. Sempre inventamos coisas juntos. Digamos que eu queira usar uma camisa: vou mandar a camisa para o meu estilista e ele vai montar uma roupa. Depois, vou falar com o meu cabeleireiro e decidir que tipo de penteado combina com a moda, porque nem sempre temos as mesmas ideias. Eu estava ensaiando para um videoclipe e tinha que estar perto de dançarinos, e estávamos sendo testados praticamente todos os dias. É tão caro no orçamento.

CAREY: Qual você acha que é a sua característica mais prática?

CARDI B: Eu consigo vibrar com qualquer pessoa. Eu conheço garotas de bairro, eu conheço garotas de faculdade Posso me relacionar com qualquer tipo de vibração.

CAREY: Eu pude escrever minhas memórias e contar minha história desde quando eu era uma garotinha, e isso foi o mais importante para mim, porque ninguém conhecia aquela garotinha. Só depois que me tornei um artista famosa é que as pessoas me conheceram e me trataram de maneira diferente, mas tive uma infância interessante e disfuncional. Eu estava me perguntando, você se sentia bonita quando era uma garotinha?

CARDI B: Depende muito.

CAREY: Eu sei que não, por minhas próprias razões. Quando você era pequena, você sempre soube: “Eu me destaquei na multidão. Pessoas diferentes me notam, me sinto linda ”? Ou você se sentiu uma estranha?

CARDI B: Bem, eu sou de Nova York, certo? E Nova York é um caldeirão, especialmente onde cresci no Bronx. Eu sou Trini e sou dominicana, e há muitos dominicanos que têm uma certa aparência. Eles têm cabelos macios, bonitos e cacheados. Enquanto crescia, os rapazes me faziam perguntas estranhas como: “Se você é dominicana, por que seu cabelo é tão frágil?” Eu costumava pintar meu cabelo, e as pessoas costumavam dizer: “Oh, seu cabelo é tão crocante.” E isso me faria sentir tão estranha. Eu também era muito magra quando era mais jovem e, no Bronx, é sobre ser estúpido e ter uma bunda, então garotos falavam: “Olhe para sua bunda achatada. Você não tem peitos. ” E me faria sentir tão feia e subdesenvolvida.

CAREY: Eu tive situações muito semelhantes, com o cabelo. O cabelo é sempre uma coisa. Na verdade, estamos prestes a cuidar do meu cabelo agora, porque ele está nojento. Agora, você tem acesso a todos os grandes cabeleireiros do mundo, a maquiadores e estilistas, a toda a equipe de glam e designers. Você é como uma princesa da vida real. Vindo da infância de onde você veio, e das experiências sobre as quais você acabou de me contar, parece como: “Uau, espero que essas mesmas pessoas que me disseram que eu tinha uma bunda lisa e cabelo crespo estejam olhando para isso agora”? Você se sente vingada?

CARDI B: Sinto-me tão vingada. Mesmo quando eu tinha 18 anos e me tornei dançarina, tinha dinheiro suficiente para comprar seios, então toda insegurança que sentia em relação aos meus seios havia sumido. Quando eu tinha 20 anos, fui para o clube de strip urbano, e nos clubes de strip urbano, você tinha que ter uma bunda grande. Então me senti inseguro sobre isso. Isso me levou de volta ao colégio. Então eu fiz minha bunda. E então me senti super confiante. Quando eu era mais jovem, não sabia realmente como cuidar do meu cabelo. Então agora eu faço minha própria máscara capilar e cuido do meu cabelo natural, e isso me faz sentir melhor, como se o que as pessoas estivessem dizendo sobre mim não fosse verdade. Meu cabelo não estava ruim porque era uma fralda. Meu cabelo estava ruim porque eu não sabia como cuidar dele.

CAREY: Você teve alguém em sua vida, como uma figura parental ou uma irmã, para ajudá-lo a arrumar seu cabelo? Foi uma coisa muito traumatizante para mim ter um pai negro e uma mãe branca, porque minha mãe, que me criou, não sabia realmente nada sobre cabelos texturizados. Então, acho que estamos dizendo a mesma coisa. Quem te ensinou a fazer máscaras de cabelo?

CARDI B: Quando fiquei mais velha, comecei a misturar fórmulas sozinho, porque minha mãe é muito antiquada. Ela pensou: “Se eu der a ela cinco rabos de cavalo com tranças, é assim que seu cabelo vai crescer”. Mas eu não queria cinco rabos de cavalo. Eu queria ir para a escola com um coque. Comecei a descolorir meu cabelo quando era muito jovem, e a partir daí danifiquei porque também fiz permanente. Mas, à medida que você envelhece, aprende a se cuidar melhor, com tudo.

CAREY: Você provavelmente quer falar sobre seu novo álbum e podemos entrar nisso. Como você está se sentindo?

CARDI B: Eu sinto que estou perdendo algumas músicas. Todo mundo está me apressando para lançar, mas não sei se é a hora certa. Quando faço entrevistas, gosto de estar na cara das pessoas. Eu odeio reuniões do Zoom. Eles são tão estranhos. Eu gosto de ouvir festas. Você não pode nem fazer um atour. Essa merda é maluca pra caralho.

CAREY: Leve o seu tempo para fazer o melhor álbum que você puder. Isso é o que eu acho que todo mundo quer que você faça. Eu sei como é quando as pessoas tentam apressar você porque você está tendo um sucesso gigantesco. Você tem uma música como “Be Careful” no álbum? Esse é um das minhas favoritas.

CARDI B: Eu tenho uma música como “Be Careful”, mas acho que é mais pessoal. As pessoas diziam: “Você precisa ser mais suave. Você precisa falar mais sobre você. ” E eu estava dizendo a eles que é muito difícil para mim fazer discos de amor e me expressar assim, porque nunca faço isso. Eu não falo sobre amor e merda.

CAREY: Você tem algum medo em relação ao novo álbum?

CARDI B: As pessoas sempre têm expectativas loucas, especialmente quando se trata de rap mulher. Não é como se fosse uma competição, mas as pessoas estão sempre comparando, comparando e comparando. É quase como se eles quisessem ver você falhar. Odeio a sensação de não fazer algo realmente bom. Então, eu quero que minha merda seja boa porque meu último álbum foi muito bem, e se este não for bem, vou me sentir muito triste.

CAREY: Meu segundo álbum foi bem, mas não era tão grande quanto o primeiro, então eu continuei fazendo coisas diferentes. Mas as pessoas amam você e vai ser o que é. Você se lembra da primeira música de rap que você ouviu?

CARDI B: Sou de Nova York, então ouço Biggie por aí todos os dias. Mas como eu era tão jovem na época, não entendia. Minha mãe sempre quis me manter realmente infantil. Ela queria que eu ouvisse músicas de Barney e Disney, então eu só estava interessado em Barney e Disney. Costumávamos ir para a casa da minha avó, onde eles sempre jogavam BET e essas merdas. Quando eu vi Missy Elliott arrancar a cabeça em um videoclipe, eu pensei, “Oh meu Deus, isso é tão estranho. Quero fazer isso quando crescer. ” E então comecei a ver garotas como a Trina e pensei: “Ela é tão sexy. Quero falar assim quando crescer. ” Sempre quis ser o que minha mãe não me deixou ser. Eu queria usar camisetas pequenas, ficar de barriga para fora e usar saltos pequenos de gatinho.

CAREY: Você se lembra da primeira vez que você ou outras pessoas em sua casa usaram palavrões?

CARDI B: Quando “My Neck, My Back” de Khia foi lançado, minhas tias falaram: “Eu sei que vocês não deveriam estar ouvindo isso.” Então, quando eu costumava cantar com meus primos loucamente alto, eu sabia que não deveria dizer porque minhas tias falavam “Você não pode ouvir isso”, embora eu realmente não soubesse o que diabos significava no momento.

CAREY: Então agora, quando eles ouvem sua música, o que eles dizem? Especificamente quando se trata de um de seus maiores sucessos, “WAP”. Você se importa com o que eles dizem ou é apenas como, “Ei, estou ganhando dinheiro e é o que é”?

CARDI B: Estou crescida agora. Quando eu disse a minha mãe que era uma stripper, isso realmente a incomodou por um minuto. Mas agora, quando ela me ouve dizendo merdas depois de grande, acho que ela não dá a mínima. Acho que ela não queria que eu crescesse tão rápido, porque as crianças da minha vizinhança cresceram rápido. Você precisa entender, Mariah, as crianças ao meu redor estavam chupando pau aos 11 anos.

CAREY: Eu realmente entendo. Não estou dizendo que fiz isso, mas você ficaria surpresa. Eu estive cercado por muitos loucos. Vamos deixar quieto.

CARDI B: É por isso que minha mãe sempre estava com medo. Havia gravidez na adolescência ao nosso redor. Ela estava apenas sendo mãe.

CAREY: Quando você estava trabalhando no clube de strip, você pensava, “Este será o próximo passo, e então eu realmente quero fazer discos”? Ou você estava apenas seguindo o fluxo?

CARDI B: Quando entrei pela primeira vez no clube de strip, eu era muito tímida. Eu me senti muito desconfortável. Eu me senti muito envergonhada. Houve momentos em que eu estava chorando, tipo, “Oh meu Deus, se minha mãe ou meu pai descobrissem, eles ficariam tão humilhados.” Mas eu precisava da porra do dinheiro. Eu estava morando com meu namorado na época, mas ele não estava fazendo merda nenhuma. Eu costumava fumar maconha naquela época, então senti que a maconha era necessária. Eu queria dinheiro para comprar maconha e me mudar. Só queria dinheiro suficiente para alugar um quarto. Eu estava tão desesperada para sair da porra da situação em que estava.

CAREY: Depois de ficar lá por um tempo, você disse: “É isso, e eu vou sair daqui e, eventualmente, quero fazer discos”? Você já teve a sensação de que sairia disso em grande estilo?

CARDI B: Não. Eu fui para uma escola de artes cênicas. Eu costumava cantar, fazia rap, costumava atuar, toda essa merda. Assim que comecei a ter problemas em casa e fui expulsa, vi tudo o que fiz no colégio como um sonho bobo. Não era mais realidade. Então, quando comecei a fazer strip, depois de um tempo, só queria ganhar $ 20.000. “Se eu ganhar $ 20.000”, pensei, “abrirei uma porra de um negócio e não terei mais que me despir.” Strippers falam de uma certa maneira. A atitude da stripper é: “Não tenho vergonha de ser uma stripper porque muitas dessas vadias não têm merda nenhuma. Muitas dessas vadias não têm onde ficar, não têm carro, não podem pagar por isso, não podem pagar por aquilo. Vocês estão aqui fodendo manos de graça, mas estão me envergonhando porque estou sacudindo minha bunda? Vocês, vadias, mostrem seus malditos corpos nas redes sociais e não sejam pagos. ” Essa mentalidade ficou comigo. Eu me senti como: “Você está me julgando, mas estou ganhando mais dinheiro do que você.” Eu senti que ninguém poderia me envergonhar por ser uma stripper. Quando comecei a me despir, provavelmente ganhava US $ 500 por noite. À medida que crescia, estava ganhando $ 2.000, talvez $ 5.000. Quando fiquei muito popular no Instagram, estava ganhando de $ 7.000 a $ 10.000 por semana. Eu me senti no topo do mundo. Eu me senti tão intocável e tão sexy, porque havia rappers que todas essas garotas cobiçavam quem iria ao clube de strip e me pediria para ir a sua seção. Eles iriam me solicitar. Se eu sou tão lixo, por que esses caras estão me solicitando? Estou sendo pago por minha aparência. Ninguém vai gastar dinheiro com você se você for feia.

CAREY: [Risos] Não julgue para não ser julgado, para citar a Bíblia. Eles não deveriam estar julgando você, a menos que queiram se julgar. E essa é a verdade. Quando tudo começou a acontecer para você na indústria musical, você ficou surpresa?

CARDI B: Eu tinha um empresário, e toda vez que íamos no carro para fazer reservas e essas coisas, eu costumava remixar músicas e ele dizia, “Ei, você é muito rápida e inteligente. Você terá essas barras. ” E eu disse, “Sim, sim, sim”. Ele estava tipo, “Eu produzi algumas músicas antes para Lil ‘Kim. Por que você não tenta fazer música? ” E eu fiquei tipo, “Mano, eu não quero perder meu tempo. Eu só quero ganhar dinheiro, porra. ” E ele disse: “Mas isso pode te dar dinheiro”. Ele ficava me dizendo: “Você precisa pensar grande”. E foi exatamente isso que fizemos. Fomos para o estúdio, fiz uma música chamada “Stripper Hoe” e depois de um tempo, meus objetivos começaram a mudar. Não só queria ganhar dinheiro, mas queria estar no rádio. No clube de strip, eu não queria que as pessoas batessem palmas para mim. Eu queria que eles cantassem minha merda.

CAREY: Eu só posso fazer perguntas de um lugar de, “Como a experiência dela é diferente da minha?” De muitas maneiras, é. Desde pequena, sempre pensava: “É isso que vou fazer”. Não importa o que alguém disse para me desencorajar, eu sempre acreditei. Mas eu acho incrível que você cresceu até aquele lugar, e parece que você ainda está crescendo naquele lugar. Você se sente assim?

CARDI B: Sim. Eu sentia que sempre era rejeitada por  essas coisas. Eu queria fazer uma peça quando era caloura no colégio, fiz o teste e cantei pra caramba, mas não entendi. Eu não entendi o ponto. Todo mundo sempre me disse que eu seria famosa porque tinha uma grande personalidade e gostava de me apresentar e dançar. Quando você é criança, é como, “Sim, eu poderia ser isso.” Mas então eu fiquei mais velha e tive que tomar decisões na vida. Eu apenas pensei que tudo que eu queria era um sonho, e não queria viver de um sonho. Sempre senti que tinha que sobreviver.

CAREY: Você está feliz com as decisões de vida que você fez?

CARDI B: Sim, definitivamente. Agora, estou apenas dizendo aos meus fãs: “Se vocês trabalharem duro, pode acontecer, porque aconteceu comigo”. Eu sempre tive um sonho, mas eu apenas senti, “Cara, dê o fora daqui. Por que eu?” E aconteceu.

CAREY: O “Por que eu?” é o que realmente mexe com as pessoas. Nunca disse às pessoas o que queria fazer porque sabia que elas não iriam acreditar da maneira que eu. Meus fãs mais obstinados sabem quem são – eles são os Lambs e são tudo para mim. Você tem um relacionamento diferente com seus fãs e com o público?

CARDI B: No ano passado, porque eu não lançava música há muito tempo, as redes sociais diziam: “Ela acabou. Eu disse que ela só duraria isso e aquela quantia. Ela é tão medíocre. ” Então, eu costumava perguntar a alguns de meus fãs: “Você acha que realmente acabou para mim?” Eles me encorajaram, tipo, “Eu não acho que você realmente entende quem você é.” Eu recebo muito ódio nas redes sociais, então se eu sinto a pressão, eu sei que meus fãs sentem a pressão de defender constantemente minha bunda. Sinto uma conexão estreita com eles porque minha equipe nem sempre sabe o que está acontecendo, meu marido não entende muito de mídia social, mas meus fãs entendem. Esse é o mundo deles.

CAREY: Então você lê os comentários.

CARDI B: Sim, totalmente. Não como antes. Dois anos atrás, Mariah, deixe-me dizer a você, toda vez que alguém dizia alguma merda maluca, eu queimava o traseiro deles de volta. Estou mais calmo agora.

CAREY: Você se adaptou a toda essa coisa de celebridade. Em termos de conexão com outros artistas, há pessoas que você conheceu e com quem teve um ótimo relacionamento? Tipo, eles são legais e vocês se tornaram amigos. E então há situações em que você pensa: “Bem, acho que poderia ter sido amigo dessa pessoa se ela não tivesse agido dessa ou daquela maneira”? Eu percebi isso em minha vida.

CARDI B: Muitas celebridades me convidam para conhecer lugares, mas sou muito tímida. Estamos fazendo isso por telefone, mas se fosse pessoalmente, eu não seria capaz de olhar nos seus olhos. É assim que fico nervosa com as celebridades. E às vezes minha cabeça começa a falar, como, “Oh meu Deus, pareço idiota, me sinto idiota, sou idiota.”

CAREY: [risos] Todos nós fazemos isso.

CARDI B: Não quero chegar perto de uma celebridade e sentir que temos uma conexão e, em seguida, do nada, eles fazem algumas merdas engraçadas e me decepcionam. Sempre tive os mesmos amigos. Eu sou muito leal. Se eu for seu amiga, sempre irei cavalgar forte por você. Mas se você não cavalgar forte por mim ou se fizer alguma merda engraçada, vou me sentir de uma certa maneira. Meu marido sempre tenta me dizer: “Você não pode pensar assim porque você tem que fazer contatos e esta não é a vida real. Você tem que entender isso. ”

CAREY: Mas isso não é fácil.

CARDI B: Realmente não é. Você tem que entender que seus amigos de negócios não vão tratá-lo como seus amigos de verdade. É difícil para mim colocar isso na minha cabeça porque, crescendo, a lealdade era muito grande. Mas celebridades não são assim, e isso é algo que você tem que descobrir sozinho.

CAREY: Somos todos apenas pessoas, mas este negócio pode transformar certas celebridades em pessoas diferentes. Espero que todos sejam verdadeiros comigo. Você acha que o negócio mudou você ou você viu isso mudar outras pessoas que você conhecia antes de surgirem?

CARDI B: É por isso que fico longe das pessoas. Meus fãs querem que eu interaja com mais artistas, mas se eu amo a música deles, não quero conhecê-los porque não quero odiá-los. Prefiro simplesmente não conhecê-los e amá-los do que conhecê-los e ficar tipo, “Oh meu Deus, essa pessoa é uma pessoa estranha.” Quando seus amigos te machucam, você pode desabafar nas redes sociais. Quando uma celebridade te faz mal, você não pode desabafar porque se torna um problema.

CAREY: Deixe-me fazer uma pergunta muito pessoal: Você tem um sutiã favorito? Você odeia sutiã de alça, ou eu realmente sou o único que realmente se irrita com eles? E o enchimento! Por que o enchimento? Por que ninguém fez um sutiã legal ainda? Você acha que essa situação é algo que precisamos enfrentar na sociedade, Cardi?

CARDI B: Não sei porque não sou realmente uma pessoa de sutiãs. Esses peitos estão pendurados. Mesmo quando eu uso um certo sutiã, eu tenho mamilos realmente grandes, então eu preciso de um sutiã que mostre meu decote, mas que possa realmente dobrar meus mamilos para dentro. Não há nenhum ainda.

CAREY: Precisamos fazer uma linha de sutiã. Precisamos dessa linha de especialidades.

CARDI B: Mariah, posso te fazer uma pergunta?

CAREY: Claro.

CARDI B: As pessoas são mais receptivas hoje em dia do que costumavam ser? Acho que, naquela época, as celebridades precisavam ter uma imagem totalmente limpa. Você acabou de escrever um livro e muitas coisas que disse chocaram as pessoas. É mais fácil agora ser mais aberto sobre sua vida?

CAREY: Eu sempre quis escrever meu livro porque queria emancipar a garotinha que costumava ser eu. A menina que costumava se sentir feia e não se sentia parte dela. Honestamente, sou uma pessoa muito pudica. Mas quando comecei a fazer pequenas coisas como: “Oh, ela está tentando se vestir sexy” ou, “Ela está tentando estar sempre com rappers” ou o que quer que seja, as pessoas ficaram chocadas, como se eu tivesse feito algo que nunca tinham visto antes. Eu fiquei tipo, “Por que eles estão dando tanta importância ao nada?” Eu realmente acho que as pessoas estão aceitando muito mais agora. O mundo está louco. Há muito racismo, ódio e muita merda horrível acontecendo, mas eu sinto que as pessoas, pelo menos em alguns círculos, podem ser elas mesmas e se expressar mais do que no passado. As pessoas esperavam que eu fosse algo específico, mas só posso ser eu. Somos semelhantes nesse aspecto.

CARDI B: Quando penso em Mariah Carey, penso em beleza, glamour e riqueza. Você é a personificação da beleza. Ninguém jamais pensaria que você foi ferido antes.

CAREY: Eu estava realmente me relacionando com o que você estava dizendo no início da nossa conversa. Quando criança, eu me mudava muito e acabei em um bairro predominantemente branco, o que era difícil porque, embora não tivéssemos muito, todos ao nosso redor tinham dinheiro. Um garoto disse uma vez: “Mariah tem três camisas e as usa em rotação”, o que significa que eu realmente não tinha nada. Eu me sentia suja o tempo todo. Meu cabelo não estava penteado. As pessoas não entendiam o que eu era. Eles sempre ficavam tipo, “O que você é?” Eles nunca seriam como, “Quem é você?” Isso me motivou a querer ter sucesso. E eu acreditei além de todas as coisas que isso iria acontecer. Mas também sabia que ninguém acreditaria em mim tanto quanto eu acreditava em mim mesmo. Mas, honestamente, ainda é uma luta, e não importa o que aconteça, você tem que continuar pressionando.

CARDI B: Então você sempre soube que seria um grande artista?

CAREY: Sim, eu fiz. Chorei no meu aniversário de 18 anos porque ainda não tinha contrato com  uma gravadora ainda. Aqui está uma pergunta interessante: Você acha que a indústria fonográfica ou a indústria da moda, da sua perspectiva, é inerentemente racista?

CARDI B: Não sei se usaria a palavra “racismo”, porque tudo é muito técnico agora. Tenho sentido preconceito. Estive envolvido em negócios de patrocínio e depois descobri que certos brancos ganhavam mais dinheiro com seus negócios na mesma empresa. Eu faço minha pesquisa. Eu sei quanto dinheiro ganhei com aquela empresa. Meus fãs compram minhas merdas. Então é como, “Quando você não está me pagando o que está pagando a essas outras pessoas, por que isso?” É meio insultuoso. E então, quando se trata de moda, o hip-hop é uma grande influência. E, no entanto, os artistas negros têm mais dificuldade em conseguir puxões de designers e mais dificuldade em conseguir assentos em seus desfiles de moda, e mal são endossados ​​por grandes marcas de moda que literalmente fazem tendência.

CAREY: Só estou perguntando porque me sinto da mesma maneira. E eu tenho uma maneira diferente porque as pessoas não sabem como me categorizar às vezes, e isso é uma merda. Mas acho que as pessoas devem ouvir as palavras que você diz, porque você está dizendo isso por experiência própria. Você obteve menos do que outros artistas que não são artistas de cor e, ainda assim, sua influência foi muito mais ampla. Então, vamos consertar isso. Nós vamos fazer isso, vamos fazer a linha do nosso sutiã e, um dia desses, podemos fazer uma música juntas?

CARDI B: Eu adoraria. Eu adoraria fazer um disco que tocasse almas. Você me deixou com o coração partido quando eu tinha 11 anos e nem tinha namorado.

 

Fonte: Interview Magazine

O empresário da rapper norte-americana Lil’ Kim confirmou que o remix da canção “A No No”, de Mariah Carey, será o 3º single do álbum Caution. A faixa terá as supostas colaborações de Lil’ Kim, Missy Elliot e a rapper do momento, Cardi B.

Ele ainda revelou que a música será lançada no dia 14 de março nas rádios de R&B, Hip-Hop, Rhythm e Mainstream. Entretanto, Missy Elliot negou que ela esteja envolvida na colaboração.

A rapper disse no Twitter que isso seria maravilhoso se acontecesse, mas que ela nem sabia que estava no projeto. Será que podemos esperar uma surpresa boa vindo por aí?

Mariah Carey esteve mais uma vez no programa Watch What Happens Live with Andy Cohen na Bravo TV. Desse vez ela visitou os estúdios para promover o álbum ‘Caution’,que foi lançado na última sexta-feira, dia 16.11.

Durante a entrevista, Mimi revelou que já está cansada de cantar “All I Want For Christmas Is You” e “Hero” em seus shows, porém nunca tirará as faixas de seus concertos, especialmente “Hero”, pois os fãs tem um apego emocional com essa música e também pois esse é o momento mais emocionante de seus concertos.

Também falou sobre a Cardi B, disse que adoraria gravar um remix da faixa “A No No” com a Cardi e Lil’ Kim.

Mariah revelou também que fará um medley com algumas músicas do ‘Glitter’ na ‘Caution World Tour’. #JusticeForGlitter

Ela também falou sobre a melhor memória que ela tem cantando ao lado da Aretha Franklin no VH1 Divas Live de 1998. Mariah revelou que estava muito nevosa, pois elas improvisaram o dueto ao vivo, que não houve um ensaio antes oficial antes da apresentação na TV. As duas tentaram improvisar um ensaio no trailer trocando de roupa.

Mimi também lembrou do momento icônico que ela sem querer roubou o lugar de Meryl Streep no Golden Globes.
https://www.youtube.com/watch?v=OJeq7IVlOnI

Ela foi questionada também sobre o que ela e Britney Spears conversaram em seu último encontro. Mariah disse que não se recorda muito, pois elas estavam em uma festa se divertindo muito. Porém, ressaltou que Britney Spears é uma meninadoce e sempre foi muito gentil, desde a primeira vez que elas se encontraram em 1999.

Além disso, Mariah também lembrou de bons momentos ao lado de Whitney Houston, sobre cantar no intervalo do Super Bowl e muitas outras coisas, assista ao vídeo abaixo:

George Michael, Paula Abdul e Mariah Carey detêm o recorde de mais singles em 1° lugar do álbum de estreia. Michael equando ele liderou a parada com quatro singles consecutivos de Faith, seu primeiro LP solo depois que o  Wham! acabou (“Faith”, “Father Figure”, “One More Try” e “Monkey”).

Mariah Carey, 1990-91
“Vision of Love” (quatro semanas), “Love Takes Time” (três semanas), “Someday” (duas semanas) e “I Don’t Wanna Cry” (duas semanas), de Mariah Carey

Carey seguiu George Michael e Paula Abdul como o terceiro artista (e, até o momento, último) a marcar quatro No. 1s  no Hot 100 de um álbum de estreia. Carey viria a ganhar 18 canções no topo do Hot 100, a segunda artista com mais músicas no topo das paradas  (somente atrás dos 20 singles número 1 dos Beatles) e o maior entre os artistas solos.

Fonte: Billboard

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.