Mariah Now é a sua maior fonte brasileira sobre a Mariah Carey. O site é totalmente dedicado para os fãs da Mariah. Acompanhe notícias, vídeos, entrevistas, participe de promoções e eventos. Todo conteúdo divulgado no site é criado ou editado por membros da equipe, qualquer conteúdo retirado daqui, mantenha seus devidos créditos. Somos apoiados pela Universal Music Brasil e pela Sony Music Brasil.

Daydream

Colaboradores dos bastidores detalham a criação do projeto paralelo libertador do ícone, Someone’s Ugly Daughter da banda Chick

Quando Mariah Carey lançou seu livro de memórias no outono passado, ele veio com infinitas revelações. Um best-seller instantâneo na lista da New York Times, The Meaning of Mariah Carey ofereceu detalhes coloridos sobre a vida pessoal de Carey, incluindo seu casamento contencioso com o ex-diretor da Sony Music ,Tommy Mottola e seu caso com Derek Jeter. Mas, sem dúvida, seu pedaço mais surpreendente foi que, em meio à gravação de seu quinto álbum Daydream, Carey lançou um álbum secreto de rock alternativo. Ela o descreveu como “irreverente, cru e necessário”.

Carey não revelou o nome da banda nem o título do projeto em suas memórias, mas ao lado de um trecho no Twitter, ela incluiu a hashtag #Chick. Foi o suficiente para sua base de fãs continuar a procurar: a Lambily descobriu que uma banda chamada Chick lançou um álbum chamado Someone’s Ugly Daughter em 1995, o mesmo ano de Daydream, gerando dúvidas. Como poderia uma das estrelas pop mais visíveis do universo lançar silenciosamente um álbum de rock alternativo sob um pseudônimo? E o que Carey esperava provar com o projeto paralelo?

Com os fãs em busca de respostas, as cópias de Chick’s Someone’s Ugly Daughter logo subiram, chegando até US$ 800 na Amazon e no eBay. (Atualmente é vendido no Discogs por US $ 100 a US $ 200, mas o álbum completo não está disponível em serviços de streaming.) Ainda assim, fora de uma passagem em The Meaning of Mariah Carey, poucos sabiam detalhes sobre a criação do álbum. Agora, em entrevistas com o Pitchfork, os colaboradores detalham o processo de gravação, descrevendo o projeto como uma antítese da meticulosa imagem de estrela pop de Carey.

“Todos nós estávamos fazendo o ‘negócio da música profissional’, e isso nos trouxe de volta a tocar apenas por diversão”, diz Gary Cirimelli, um sequenciador de computador e programador dos álbuns de Carey que se tornou o guitarrista de Chick.Não havia expectativas.”

Enquanto trabalhava no Daydream no verão de 1995, Carey e seu produtor de longa data, Walter Afanasieff, exploraram a noção de fazer música punk para se divertir. De acordo com Afanasieff, Carey teve uma ideia construída em torno da Barbie Malibu. Para ela, um projeto de alter-ego poderia ser uma válvula de escape para parte da raiva que fervilhava em sua vida pessoal. Inspirada por bandas como Hole, Garbage e Sleater-Kinney, ela canalizou as frustrações sobre seu casamento para a música. “Eu estava tocando no mesmo estilo das cantoras brancas punk-leves e arejadas do grunge que eram populares na época. Você conhece aqueles que pareciam tão despreocupadas com seus sentimentos e sua imagem ”, ela escreve em suas memórias. “Elas podiam estar zangadas, angustiadas e bagunçadas, com sapatos velhos, sapatos enrugados e sobrancelhas indisciplinadas, enquanto cada movimento que eu fazia era tão calculado e bem cuidado. Eu queria me libertar, me soltar e expressar minha miséria, mas também queria rir. ”

 

Carey e sua equipe trabalhariam no Daydream durante o dia no Studio One na Hit Factory de Nova York antes de começar a gravar o que se tornaria a Someone’s Ugly Daughterpor volta da meia-noite. Dana Jon Chappelle, engenheiro de longa data de Carey, estava lá para as sessões de estúdio improvisadas e testemunhou a progressão natural da banda. “Simplesmente aconteceu”, diz ele. “Havia uma bateria na sala e ideias começaram a flutuar entre ela e Walter.” Eles iam até as seis da manhã, gravando em bobinas de 48 faixas da Sony. “Tirávamos as bobinas, jogávamos uma bobina vazia e começávamos o corte”, acrescenta Cirimelli. “Não havia programação envolvida. Era tudo apenas old school.” 

De acordo com Afanasieff, Carey originalmente intitulou o projeto Eel Tree. (Enquanto voava de Amsterdã, ela notou árvores que pareciam ter enguias penduradas em seus galhos, diz ele.) Depois que o nome foi oficial, o grupo concordou que ninguém usaria seus nomes verdadeiros nos créditos do projeto. Carey era conhecido por D. Sue, enquanto Afanasieff usava o apelido de W. Vlad, uma abreviatura de Walter e seu primeiro nome legal, Vladimir. Cirimelli, que recebeu crédito por escrever em três faixas, passou por “W. Chester ”, como em Westchester County, Nova York, onde Carey e sua equipe fizeram o ensaio da turnê.

A composição do projeto aconteceu rapidamente e foi diferente de tudo que Carey já havia feito. “Ela chegava com meia música e, em 20 minutos, começávamos a editá-la”, diz Cirimelli.Nós riríamos de algumas das ideias que Mariah teria nas letras e diríamos,‘ Isso tem que ficar. ’”

Os arranjos também evoluíram organicamente. Cirimelli diz que a banda chamaria uma equipe de estúdio e estagiários para contribuir com os vocais de fundo e improvisos. “Estávamos chamando pessoas para o estúdio – amigos que estavam por perto, funcionários, pessoas com Mariah”, lembra Chappelle. “Não importava se você sabia cantar ou não. [Mariah] só queria um monte de gente colocando os vocais no álbum. ”

Afanasieff viu a personalidade de Carey como o ajuste perfeito para um projeto alter-ego. “Ela estava sempre fazendo palhaçadas e fazendo vozes e personagens”, diz ele. “Estávamos fingindo estar bêbados e chapados, como aquela cena de punk rock realmente dark.” Uma música da versão final do álbum, intitulada “Hermit”, abre com a letra: “Eu sou vinagre e água / Eu sou a filha feia de alguém / Estou nadando na água / Estou trancada dentro de um armário / Estou pingando como uma torneira / Estou torcido como uma salsicha. ”

Mas quando os poderes que foram descobertos sobre o álbum, a Sony Music (a empresa-mãe da então gravadora de Carey, Columbia) se recusou a lançar o álbum com os vocais de Carey como protagonistas. Afanasieff diz que a Sony mudou o nome da banda de Eel Tree para Chick, e fez Carey – que co-escreveu todas as músicas, exceto o cover de “Surrender” do Cheap Trick – sanitar muitas das letras mais explícitas. Eles também trouxeram a amiga de Carey, Clarissa Dane, para se tornar o rosto de Chick e colocaram os vocais de Dane em cima dos de Carey, mascarando assim sua voz. Em vez de lançar o projeto sob a Columbia, a Sony o mudou para a Epic /550 Records.

Nesse ponto, Carey tinha acumulado oito canções no. 1 nos primeiros quatro anos de sua carreira e conquistou um status como uma vocalista poderosa. A Sony viu o álbum como um grande desvio de sua imagem pop cuidadosamente elaborada. “Eu tive problemas por fazer este álbum – o álbum alternativo – porque, naquela época, tudo era super controlado pelos poderes constituídos”, Carey disse a Zane Lowe em uma entrevista em dezembro passado. “Eu nunca realmente pensei,‘ Oh, nós vamos lançar isso ’. Mas então eu pensei, eu deveria lançá-lo. Eu deveria fazer isso com um pseudônimo. Deixe as pessoas descobrirem e tudo o mais, mas isso foi esmagado. ”

Para a embalagem do álbum, Carey recorreu ao departamento de arte da Sony. “Escrevi o título com batom rosa sobre uma foto Polaroid que Tommy tirou de uma barata gigante morta na Itália”, escreveu Carey em suas memórias. “Eu disse a eles para adicionar uma paleta de maquiagem de sombra para os olhos quebrada.” Tracy Boychuk, então diretora de arte júnior da Sony, lembra-se da A&R  da Sony, Michael Goldstone pedindo a ela que desenhasse a arte da capa de Chick usando as Polaroids de Carey. Ela nunca conheceu ou falou com a cantora durante o processo, mas suas ordens de marcha foram claras: faça com que pareça “rock”.

A direção era eu tentando tirar uma foto borrada que não era muito interessante e fazendo com que parecesse algo deliberado”, explicou Boychuk por e-mail. “O resto do pacote do álbum eram apenas imagens de seu amiga[Dane] … Tudo parecia um pouco falso, mas eu entendi que a gravadora não iria arriscar um grande sucesso pop com um disco de rock ruim. Não foi muito convincente. Era apenas mais uma tarefa para a qual às vezes olho para trás e balanço a cabeça. ”

Someone’s Ugly Daughter chegou em setembro de 1995 com pouca fanfarra. Seus dois singles, “Demented” e “Malibu”, refletiam de maneiras diferentes: o primeiro focava na repetição torturante da frase “I crave you”, enquanto o último era mais pop-punk, com linhas malcriadas como, “, “If I were Malibu Barbie and you were suntan Ken/I’d probably dump your ass for G.I. Joe ’cause he’s macho, yeah.”  Nenhuma das músicas ficou nas paradas da Billboard e, embora “Malibu” tenha recebido um leve execução na MTV (incluindo alguns comentários grosseiros de Beavis & Butt-Head), ela falhou em ganhar força. Em retrospectiva, ambos os vídeos continham referências ao verso Mariah, de um close-up de uma borboleta no pescoço de Dane em ““Demented”, a uma participação especial do cachorro de Carey em “Malibu”.

“Estávamos trabalhando nas gravações para uma rádio alternativa, mas eles não achavam que era uma alternativa ”, diz Hilary Lerner, que era então vice-presidente executivo de promoção de rádio na 550 Records. “O primeiro single não foi bem. Mas ainda lançamos outro. Claramente, não era um ‘projeto de lista de prioridades’ ”. Em outras palavras, a gravadora fez um esforço para empurrar os singles. Mas a mídia teria respondido melhor se Carey fosse publicamente associada ao projeto?

“A Sony só queria que ele fosse embora”, diz Chappelle. “Talvez eles achassem que era uma ameaça às vendas pop. Talvez eles achassem que isso iria confundir as pessoas. ” É um feito que Carey conseguiu o álbum lançado. “Mariah pode ser … Ela é uma pessoa muito forte e pode ser muito influente”, acrescenta Chappelle. “Estava aí por um minuto, mas acho que foi demais para a Sony. É muito diferente de Mariah, a estrela pop. ”

Os fãs se perguntam se Carey algum dia relançará o projeto com total transparência. “Acabei de encontrar a versão com meus vocais, mas preciso encontrar as mixagens da placa daquela época”, disse Carey a Lowe. De sua parte, Cirimelli gostaria que outros ouvissem como o álbum soa com os vocais de Carey no centro do palco. “Deus, seria incrível ouvir os vocais dela de novo”, diz Cirimelli. “Pelo que eu sei, nós éramos os únicos que já ouvimos isso.”

O álbum Chick foi um sinal do que Carey poderia fazer sem a interferência dos executivos. Sua separação de Tommy Mottola durante a gravação de Butterfly de 1997 lhe deu espaço para buscar colaborações no reino do hip-hop e R&B, e ela alcançou novos patamares em “Honey” com os produtores Puff Daddy, Q-Tip e Stevie J ao volante . Ela iria gradualmente assumir mais controle de sua direção criativa, liderando álbuns como seu retorno de 2005, The Emancipation of Mimi. Não está claro se as estrelas irão se alinhar para Carey lançar seu álbum de rock alternativo como ela pretendia, mas se ela fizer isso, desta vez será em seus termos.

Fonte: Pitchfork

Se você tem mais de 25 anos, pegou a era pré-streaming nos anos 90, você lembra como era comprar seus cds nas lojas? Ou talvez, você tenha aproveitados os famosos clubes musicais norte-americanos na década de 90, onde você se associava pagando um valor por mês e tinha um belo desconto na compra de seus cds favoritos. Entre os 12 clubes mais populares na América do Norte durante o período estavam o BMG Music Club e Columbia House. As vendas não eram contabilizadas pela Nielsen SoundScan, porém algumas eram contabilizadas pelas gravadoras para certificação (ganhar discos de platina).

Confira abaixo as vendas dos álbuns da Mariah Carey no BMG Music Club:

MARIAH CAREY – #1’s (SONY) (1.00 million units)
MARIAH CAREY – DAYDREAM (SONY) (848,000 units)
MARIAH CAREY – MUSIC BOX (SONY) (735,000 units)
MARIAH CAREY – RAINBOW (SONY) (443,000 units)

O sucesso de Mariah Carey e Boyz II Men, “One Sweet Day”, de 1995, enfim perdeu um título que era mantido por mais de duas décadas nesta semana, quando “Old Town Road” de Lil Nas X se tornou o hit que mais permaneceu no topo do Hot 100 na história do chart. Enquanto Carey gentilmente passou a tocha para Lil Nas X, ela também levou algum tempo para refletir sobre seu sucesso no meio dos anos 90.

Durante sua aparição no Genius Level no ano passado, Carey refletiu sobre a enorme recepção da música e a possibilidade de que um dia ela pudesse perder seu recorde.

“A gente nem pensava, ‘Oh, será o número 1 por tantas e tantas semanas’. Não tínhamos ideia, mas esperávamos que fosse grande”, disse ela. “Eu sinto que ‘One Sweet Day’ tem seu próprio momento, não importa o que aconteça com o streaming ou qualquer outra coisa. A música tem seu legado e ainda continua a ser uma canção que as pessoas vão me dizer que as ajudou a mudar suas vidas ou ajudou a lidar com a morte de um ente querido ou algo parecido. Eu ainda vou me orgulhar dessa música, não importa o que aconteça com o streaming”.

“One Sweet Day” serviu como o segundo single do álbum de Carey de 1995, Daydream. Ela cantou a música no memorial da Princesa Diana, assim como no 38º Grammy Awards. Foi indicado para o Record of the Year e Best Pop Collaboration With Vocals, mas perdeu em ambas as categorias. Em 2017, Luis Fonsi e Daddy Yankee igualaram o recorde da música com “Despacito (Remix) feat. Justin Bieber”, mas não o quebraram. A faixa de Mariah foi certificada como dupla platina em 1996.

Observing Mariah Carey’s masterful use of sampling in her music is one of the best ways of understanding her work and enjoying her gift. Here we will have a quick look into one of her biggest – and probably the most revolutionary – classics.

Text in red is clickable


At first, something different may catch your attention in the video for “Here We Go Again” (1997) by Aretha Franklin. Be it the presence of another familiar face, that of Jermaine Dupri (an almost omnipresent musical producer in Mariah’s music) or the beat that reminds you of “Fantasy” (1995). Well, that may be because in order to make Aretha’s track, JD used elements from the Bad Boy remix version of “Fantasy”. That means that Mariah, who openly reveres and has been influenced by  Aretha, has influenced her back. But the story of this sound didn’t start and neither did it end there.

 

FROM ROCK TO CLUB…

In 1981, a few members of the band Talking Heads – “Psycho Killer” (1977) – created another musical group called Tom Tom Club so they could explore the club genre. From that, we have been given “Genius Of Love” (1981) which didn’t only succeed in fulfilling the band’s purpose of birthing dancing club music but also succeeded commercially (#1 Hot Dance Play, #2 Hot Soul Single, #24 Mainstream Rock Chart, #31 Billboard Hot 100). Its cultural impact was such that bits of it have been used (in a process called sampling, just like what JD did in “Here We Go Again”), officially, over 100 times. And because of that Mariah, who was 11 years old at the time, listened to “Genius of Love” on the radio many times over the years.

 

…FROM CLUB TO HIP-HOP…

Fourteen years later – or around 60 samples, including the Brazilian Gabriel o Pensador with “Estudo Errado” (1995) – the Mother Lamb achieved exactly the same thing that Tom Tom Club had, with the same song. The Talking Heads members went from rock to club, but she went from pop to hip hop by using a “Genius of Love” sample in “Fantasy”. Previously having written the lyrics and the melody, Mariah thought the “Genius of Love” beat would fit perfectly in “Fantasy”, and so it did. To the raw sample, Dave Hall – “Dreamlover” (1993) – added a few other layers of percussion and to finish the pop to hip-hop bridge, Old Dirty Bastard added a few bars to the Sean Puffy Combs “Bad Boy Remix” . This transition was so shocking to people that to this day, the remix version is very more often reminded than the original/album version.

Mariah Carey thought of using the “Genius of Love” track while listening to it on the radio when she was at an amusement park. The sound of it reminded her of how it used to be like to listen to the radio when she was younger and something clicked. It surely was a Genius addition to the track. The video clip which was also shot at an amusement park, was yet another step forward in Mariah Carey’s career: dissatisfied with the results of her recent videos, Mariah decided to direct this one herself.

 

…FROM HIP-HOP TO THUG-LOVE.

“Fantasy” had many remixes made for it, such as the aforementioned Bad Boy one and another one used to open “The Sweet Sweet Fantasy Tour”,  named “Def Club Mix” by David Morales. It was the second track in history to debut at #1 on Billboard Hot 100, making it Mariah’s 9th #1 single, besides hitting #1 on Dance Club Songs and Hot R&B/Hip Hop Songs. With it, Mariah simply invented a whole new music genre called Thug-Love Duet, where pop artists feature rappers on their tracks (which all pop stars have done since). After “Fantasy” nothing was the same.

A5635D74-C732-439E-93F2-225B46017B0D.jpeg
B4C5FEB9-72FF-4384-AEDF-DF0562C173AE.jpeg
IMG_6957.jpeg
IMG_6958.jpeg
IMG_6959.jpeg
IMG_6963.jpeg
IMG_6997.jpeg
IMG_6962.jpeg
mc_281029~23.jpg
mc_28829~29.jpg
mc_28929~24.jpg
mc_28729~35.jpg
mc_28529~41.jpg
mc_28629~36.jpg
mc_28429~42.jpg
mc_28129~45.jpg