Mariah Now é a sua maior fonte brasileira sobre a Mariah Carey. O site é totalmente dedicado para os fãs da Mariah. Acompanhe notícias, vídeos, entrevistas, participe de promoções e eventos. Todo conteúdo divulgado no site é criado ou editado por membros da equipe, qualquer conteúdo retirado daqui, mantenha seus devidos créditos. Somos apoiados pela Universal Music Brasil e pela Sony Music Brasil.

Emotions

Em setembro de 1991, o segundo álbum de Mariah Carey, Emotions, estreou no 4º lugar na Billboard 200. Foi uma conquista respeitável pela maioria dos padrões – exceto, é claro, aquele que a estrela em ascensão definiu com sua estreia no seu primeiro disco, que passou 11 semanas consecutivas no topo da tabela apenas alguns meses antes.

A faixa-título de Emotions ainda não havia chegado ao topo da Billboard Hot 100 também – isso aconteceria algumas semanas depois, tornando Mariah a primeira (e, até agora, única) artista a alcançar o primeiro lugar com seus cinco primeiros singles.  Mas não havia dúvida de que ela estava experimentando um toque da chamada “crise do segundo álbum”. Emotions venderia significativamente menos do que Mariah Carey ou qualquer um de seus sucessos de sucesso, Music Box de 1993 e Daydream de 1995; ainda assim, o conjunto vendeu 3,61 milhões nos EUA até o momento, segundo a MRC Data.

Como o álbum seminal de Mariah, Butterfly, no entanto, Emotions é uma entrada verdadeiramente especial no catálogo da cantora, não apenas porque produziu três de seus melhores singles – “Emotions”, “Can’t Let Go” e “Make It Happen” – mas também pela força de seus cortes profundos. No intervalo de apenas 10 canções, Mariah percorre sem esforço ao R&B, disco, gospel e jazz, e faz tudo com a mesma sensibilidade pop aguçada que informaria suas incursões no hip-hop e house music.

Em homenagem ao 30º aniversário do álbum, Emotions será lançado em vinil rosa de edição limitada em 16 de outubro no Reino Unido, onde, como nos Estados Unidos, o álbum originalmente alcançou a 4ª posição. O lançamento faz parte do National Album Day, um parceria com a BBC Sounds para celebrar o formato LP e as mulheres na música.

Para comemorar três décadas de Emotions demos uma olhada na joia antiga de Mariah, muitas vezes esquecida, e classificamos cada uma das 10 músicas do álbum.

10. “To Be Around You”

To Be Around You ”é uma das quatro faixas de Emotions co-escrita e produzida por Robert Clivillés e David Cole, que se destacaram por uma série de sucessos com C+C Music Factory, incluindo o sucesso nº 1“ Gonna Make You Suor (Everybody Dance Now). ” A canção é um retrocesso pulsante e impulsionado pelo teclado inspirado no hit de Cheryl Lynn de 1978 “Got to Be Real”, mas empalidece em comparação com as outras contribuições de Clivillés e Cole para o álbum, incluindo a faixa-título de som semelhante, fazendo “To Be Around You ”a única música em Emotions que pode ser genuinamente categorizada como“ filler ”.

9. “And You Don’t Remember”

Uma balada sólida em seu próprio direito, “And You Don’t Remember” é uma música de separação exuberante e comovente que, como “To Be Around You”, sofre apenas em virtude de estar no mesmo álbum de uma faixa superior: a semelhança infundido com o evangelho “If It Over”.

8. “So Blessed”

“So Blessed” é uma música no estilo dos anos 60 no estilo dos Righteous Brothers com a balada de 1965, “Unchained Melody”, que havia retornado ao top 20 da Billboard Hot 100 um ano antes, graças ao filme Ghost. A música de Mariah ostenta uma qualidade pop atemporal semelhante, pontuada pelo co-escritor e produtor Walter Afanasieff pelas cordas arrebatadoras e guitarra elétrica pouco dedilhada – sem mencionar o desempenho vocal de partir o coração do cantor. É um modelo ao qual Mariah voltaria em canções como seu hit de rádio de 1996, “Forever”.

7. “You’re So Cold”

Em 2020, Mariah jogou uma shade em “You’re So Cold”, dizendo à revista Elle que “não vale a pena ouvir de verdade”, mas respeitosamente discordamos. Supostamente seria lançada como o primeiro single do álbum antes de Mariah, Clivillés e Cole criarem “Emotions”, “You’re So Cold” é uma faixa divertida, auto-indulgente e exagerado – todas as coisas que amamos no MC. A voz da cantora estava sem dúvida no auge em 1991 e, embora ela baixasse o tom das acrobacias vocais ao longo dos próximos anos, este hino bombástico é uma lição implacável de extravagância.

6. “Till the End of Time”

Supremamente subestimada pelos padrões de Mariah na época e, portanto, fácil de ignorar, “Till the End of Time” é uma balada elegante e atmosférica que leva seu doce tempo se desenrolando ao longo de cinco minutos e meio. Da mesma forma, os vocais abafados de Mariah ficam cada vez mais fervorosos, atingindo um nível febril durante a ponte dramática da música.

5. “The Wind”

Definida com uma composição do pianista de jazz Russell Freeman que se popularizou originalmente por Chet Baker nos anos 1950, a faixa final de Emotions conta a trágica história de um amigo que morreu em um acidente ao dirigir embriagado. Mariah e Afanasieff transformam a melodia já lamentosa de Freeman em algo totalmente triste, apresentando ao mundo a narrativa confessional e o estilo vocal ofegante que se tornariam a música do cantora nos próximos anos.

4. “If It’s Over

A história que contam é que Carole King encorajou Mariah a gravar um cover de “(You Make Me Feel Like) A Natural Woman”, uma música que King co-escreveu para Aretha Franklin em 1967. Mas Mariah teve uma ideia melhor, e a dupla sentou-se para compor uma música original para Emotions juntos. Apoiado por uma seção rítmica ao vivo, órgão Hammond e harmonias gospel que acenam diretamente com o hit icônico de Franklin, Mariah oferece um de seus vocais mais texturizados e matizados, pondo de lado qualquer especulação da época sobre sua alma genuína.

3. “Make It Happen”

O terceiro e último single de Emotions é um hino autobiográfico que mostra Mariah contando sua ascensão de humilde backing vocal, quando ela supostamente não tinha “sapatos adequados” em seus pés, para superstar multiplatina com um guarda-roupa inteiro projetado exclusivamente para seus saltos altos. Baseado em um groove retirado do single de Alicia Myers de 1981 “I Want to Thank You”, “Make It Happen” (que alcançou o 5º lugar no Hot 100) incorpora sutis floreios gospel e letras inspiradoras que transformam o que poderia ter sido uma corrida do pano do moinho à história da riqueza em algo universal, galvanizador e irresistivelmente dançante.

2. “Can’t Let Go”

O segundo single de Emotions, “Can’t Let Go”, ficou em segundo lugar na lista do Hot 100 da Billboard quebrando a seqüência de Mariah no topo das paradas, e também está classificado como vice-campeão nesta lista. O gancho melódico ascendente da música é uma variação do single de Keith Sweat de 1988, “Make It Last Forever”, mas não se engane – “Can’t Let Go” é muito mais uma música de Mariah Carey, e é um de seus melhores slow jams em um carreira cheia deles. Os acordes menores da balada carregada de sintetizadores e os versos desanimados emprestam-lhe uma atmosfera temperamental, com os vocais arejados e texturizados de Mariah incrivelmente combinados com a colagem minimalista de Afanasieff da programação de bateria Synclavier.

1. “Emotions”

Com Mariah tendo mais controle criativo do que em sua estréia, Emotions faz muitos acenos para suas primeiras influências. Portanto, não é coincidência que as três melhores faixas do álbum, todas sabiamente lançadas como singles, apresentem referências musicais do passado em posição de destaque. Na verdade, “Emotions” teve uma inspiração tão óbvia de “Best of My Love”, do The Emotions, que alcançou o primeiro lugar nas paradas de singles do Hot 100 e R&B em 1977, que o então editor da Billboard, Larry Flick, conferiu o nome do clássico disco em sua crítica em 1991.

Como “Best of My Love”, “Emotions” é delirantemente alegre, montando uma onda de dopamina tão potente que Mariah mal consegue articular como se sente, contentando-se com suspiros de êxtase, gemidos abafados e, é claro, aquelas notas de assobios eufóricos. Quando ela encontra as palavras para dizer como se sente, é simples e direto – ela se sente “bem” e “legal” e “satisfeita”. Quaisquer que sejam suas emoções, no entanto, é impossível para o ouvinte não senti-las também.

Fonte: Billboard

Em seu novo álbum, o Scorpion, Drake tráz a ternura na faixa ‘Emotionsless’,  que foi dedicada ao seu filho. Quando ele canta: “I wasn’t hiding my kid from the world, I was hiding the world from my kid. Breaking news in my life I don’t run to the blogs / the only ones I want to tell are in my phone I can call / They always ask, why let it run if it’s false / You know a wise man once said nothing at all.”

A música começa com um vocal lendário conhecido por todos nós, de Mariah Carey e seu icônico single “Emotions”. A música foi, claro, o seu quinto single consecutivo no topo do Hot 100 da Billboard em 1991, e tornando a cantora recordista em singles consecutivos em 1° lugar na parada, ela foi a artista mais jovem (e a única até hoje) a conseguir esse feito. A versão de Drake é uma versão um pouco menos familiar da canção, porque ele pegou o remix feito com o grupo C+C Music Factory. “Emotions” é classificada como uma das melhores performances vocais de todos os tempos na história da música pop.

Fonte: Viacom

Após a problemática apresentação de Mariah Carey no Ano Novo,  finalmente há uma boa notícia para cantora. A apresentação dela atraiu muitas notícias sensacionalistas para imprensa em geral, mas isto também gerou muita execução para faixa ‘We Belong Together nas plataformas de streamings, a música teve um crescimento de 251% e finalizou a primeira semana de janeiro com 4,5 milhões execuções nos Estados Unidos de acordo com a Nielsen Music.

O quão grande é este número? A música de 2005 tornou-se a 78° canção mais executada nos Estados Unidos, superando hits mais recentes como “My House” de Flo Rida (4,3 milhões), “Controlla” de Drake (3,9 milhões) e “Love Yourself” de Justin Bieber (3,6 milhões). A música estreou em 13° no chart R&B Streaming Songs da Billboard.

Carey apresentou “We Belong Together”, que é uma de suas 18 faixas em 1° lugar no Hot 100 (ela possui mais hits no topo da parada do que qualquer outro artista solo) no evento Dick Clark’s New Year’s Rockin’ Eve With Ryan Seacrest da ABC, durante um set que sofreu de problemas técnicos sérios. No meio do caminho, quando ela começou a cantar o seu hit de 1991, “Emotions”, ela disse que o seu retorno de ouvido estava defeituoso e que ela não conseguia se ouvir corretamente.

Desde o incidente, a cantora e a Dick Clark Productions, produtora responsável pelo evento, trocaram acusações, com Carey afirmou que produtora “a deixou frustrada” e usou este acidente técnico como “uma oportunidade para me humilhar”, em um áudio compartilhado em sua conta no Twitter no dia 8 de janeiro de 2017. Já a Dick Clark Productions respondeu “que a empresa nunca ia comprometer intencionalmente o sucesso de qualquer artista, que isto é difamatório, ultrajante e completamente absurdo”.

“We Belong Together” não foi a única faixa que foi beneficiada com a transmissão. A sua versão de “Auld Lang Syne (The New Year’s Anthem)” , que também foi apresentada na noite, teve um acréscimo de 927% e finalizou a semana com 1,2 milhões de execuções nos serviços de streamings dos Estados Unidos. A música foi originalmente regravada para o segundo álbum natalino de Carey, “Merry Christmas II You” de 2010. Já “Emotions”, teve um crescimento de 111% com 335 mil execuções nos serviços de streamings esta semana.

A apresentação também fez com Mariah Carey ficasse em 27° na parada Billboard’s Social 50, sua posição mais alta desde fevereiro de 2014, quando a diva  ficou em 19° após lançar o seu single ‘You’re Mine (Eternal)’. A cantora teve um crescimento de 361% nas redes sociais, com 114 mil citações nos Estados Unidos de acordo com Next Big Sound. As reações no Twitter e as visitas no Wikipedia também tiveram um acrescimento de 3 dígitos, o primeira rede social aumentou 279% com 72 mil respostas somente em solo americano, e a segunda rede aumentou 224% com 309 mil visitas localizadas na América do Norte.

Fonte: Billboard

O ex-marido da Mariah Carey, Nick Cannon, concedeu uma entrevista ao Mike Adam da rádio 96.5 AMP onde falou sobre as constantes comparações entre Mariah Carey e Ariana Grande.

Ouça a entrevista abaixo: 

Mike: Vamos falar sobre a Ariana Grande. Quando foi a última vez que você esteve com ela?

Nick Cannon: Nos VMAs. Sabe, é uma coisa louca… eu conheço a Ariana desde que ela era uma “criança” na Nickelodeon. Vê-la crescer, a tornar-se a artista incrível que ela é hoje. Dou os parabéns para ela. É uma jovem diva em fase de crescimento.

Mike: Você pode me contar alguns “podres”? Bom você sabe… A relação de Mariah com todas estas comparações. Como a Mariah se sentia a relação à isto?

Nick: É interessante… vou te falar algo em exclusividade. Como já disse, eu conheço a Ariana há anos. O que lançou ela no mundo da música foi um cover que ela fez de uma música da Mariah e que se tornou viral. Fui eu que mostrei este cover para Mariah, e ela ficou do tipo: ‘Hummm…Okay”, ela não disse se estava bom e nem ruim, mas ela respeitou, ela respondeu: “Okay, estou vendo ela cantar”. Eu lembro de dizer isto a Ariana, que ela viu o cover e Ariana ficou louca dizendo “Oh Meus Deus, ela viu mesmo?”. E depois quando a Ariana Grande começou a ficar mais conhecida… a Mariah nunca gostou que ninguém tivesse este rótulo de “A próxima Mariah”, porque ela sempre pensou “Eu ainda estou aqui”, entende? E acho que Ariana também começou a criar a própria identidade, a querer ser ela mesma e não a próxima Mariah. Eu não sei por que existem atritos entre elas. A Mariah pode pisar na Ariana. A Ariana é do tamanho de um dos diamantes da Mariah.

Fonte: Ariana Grande Portugal

A5635D74-C732-439E-93F2-225B46017B0D.jpeg
B4C5FEB9-72FF-4384-AEDF-DF0562C173AE.jpeg
IMG_6957.jpeg
IMG_6958.jpeg
IMG_6959.jpeg
IMG_6963.jpeg
IMG_6997.jpeg
IMG_6962.jpeg
mc_281029~23.jpg
mc_28829~29.jpg
mc_28929~24.jpg
mc_28729~35.jpg
mc_28529~41.jpg
mc_28629~36.jpg
mc_28429~42.jpg
mc_28129~45.jpg