Mariah Now é a sua maior fonte brasileira sobre a Mariah Carey. O site é totalmente dedicado para os fãs da Mariah. Acompanhe notícias, vídeos, entrevistas, participe de promoções e eventos. Todo conteúdo divulgado no site é criado ou editado por membros da equipe, qualquer conteúdo retirado daqui, mantenha seus devidos créditos. Somos apoiados pela Universal Music Brasil e pela Sony Music Brasil.

Michael Jackson

 

De acordo com um rumor criado pelo o The Sun nos últimos dias, Mariah Carey supostamente teria tirado I’ll Be There, cover do Jackson 5, de seus concertos por causa da repercussão negativa  que o  documentário Leaving Neverland obteve nos últimos meses.

A música está no repertório de Mariah Carey27 anos, desde que ela lançou em seu lendário MTV Unplugged de 1992.  A música atingiu o topo das paradas no mundo na ocasião, tornando-se mais popular na sua voz do que na versão original do Jackson 5.

De acordo com o jornal sensacionalista britânico, Mariah cantaria a música em sua leg européia da Caution World Tour, usando a mesma projeção que usou em Las Vegas em 2015, usando a voz de Michael Jackson na segunda estrofe da música.

O rumor, por ora, parece um pouco fantasioso, já que a música não esteve presente (fixa) na setlist da Mariah Carey desde 2016, quando ela cantou em algumas datas selecionadas da turnê ‘Sweet Sweet Fantasy’, na leg européia e na África.  Nos shows que ela realizou com o Lionel Richie, a All The Hits Tour, em 2017 na América do Norte, a faixa já não estava mais presente na setlist e nem na sua última residência em Las Vegas, ‘The Butterfly Returns’, que iniciou no dia 5 de julho de 2018, onde Mariah só cantou a música na noite de estreia da residência e logo foi substituída por outras faixas que os fãs escolheram em enquetes no Twitter. Na sua  turnê realizada no fim do ano passado pela Ásia, ‘I’ll Be There’ também não foi cantada e tão pouco nos shows natalinos que Mariah realiza desde 2014 mundialmente.

 

https://www.youtube.com/watch?v=fo45AKXl_uw

  • Dia 5 de julho de 2018 foi a última vez que a Mariah Carey cantou a música em seus shows, confira ao vídeo acima!

A parceria perfeita! Busta Rhymes não pôde deixar de falar sobre trabalhar com Mariah Carey. Rhymes (nome artístico de Trevor Tahiem Smith Jr.) sentou-se recentemente com a Us Weekly para relembrar de suas mais memoráveis ​​colaborações.

“Minha maior diversão foi com Mariah porque ela é a dona do estúdio e a competição não é a mesma”, disse o rapper  indicado  11 vezes ao Grammy. “Então eu não tenho que estar com alfinetes e agulhas com ela e a animação e a ansiedade e o mesmo que é com Radega, mas isso é um tipo diferente de diversão porque eu gosto dessa experiência também. Mas com Mariah, é um pouco mais fácil porque ela é realmente é a maior diva do mundo “.

O rapper e Carey uniram forças na faixa de 2002 “I Know What You Want”. A canção bombou nas rádios no período, sendo uma prévia para o smash hit  “We Belong Together”. Busta relembra como foi estar com a cantora em estúdio.

“Quando ela consegue relaxar, você realmente vê a garota da casa e estar nesse espaço com ela é um alívio, porque esse é o equilíbrio que permite que a magia aconteça com a música”, explicou ele, “porque ela está disposta a abraçar todos tipos de inspiração, desde que pareça certo “.

Rhymes também falou com carinho sobre trabalhar com Janet Jackson durante sua conversa conosco. “Foi tão mágico para mim porque estou apaixonado por todo o legado de Jackson”, disse ele. “Ela e Michael eram meus favoritos.”

Frank Cascio, ex-assistente pessoal de Michael Jackson, narra em seu livro como foi o encontro de Michael Jackson, Mariah Carey e Luis Miguel em 1999 durante o o evento Michael Jackson & Friends.

Leia ao trecho abaixo:

‘Na noite seguinte à minha chegada a Seul, o primeiro de dois concertos de Michael Jackson & Friends para beneficiar as crianças de Kosovo teve lugar, com artistas incluindo Slash, Boyz II Men, Andrea Bocelli e Luciano Pavarotti.

Eu me sentei do lado do palco para assistir Michael se apresentar, como eu tinha feito tantas vezes no passado. Embora eu sabia que meu papel seria diferente, agora que eu não era um estudante, a mudança viria mais subitamente do que eu esperava.

Após o concerto, eu estava nos bastidores com Michael quando Mariah Carey, que tinha acabado de se apresentar, apareceu com seu namorado na época, o cantor mexicano Luis Miguel.

Luis e eu conversamos sobre futebol, ele inicialmente pensou que eu era da Espanha, porque no momento meu cabelo de cor laranja acompanhava as cores de sua equipe (não posso explicar o cabelo. Eu não tenho nenhuma ideia do que eu estava pensando), enquanto Michael e Mariah conversavam.

Eles estavam discutindo quem interpretava melhor a música I’ll Be There, e tanto a versão do Jackson Five em 1970 quanto a versão que Mariah fez 22 anos mais tarde, com Trey Lorenz, tinham sido singles número 1.

‘Michael’ insistiu Mariah, sorrindo de orelha a orelha, ‘ninguém nunca poderia cantar essa música melhor do que você.’

Um rubor tomou conta das bochechas de Michael.

‘Não, não’ ele deixou escapar. ‘Realmente, você fez um trabalho muito melhor.’

Mariah parecia honrada de estar na presença de Michael – ela estava agindo como uma fã deslumbrada – e enquanto as duas estrelas conversavam, eu observei o sorriso deixar o rosto de Luis Miguel, e eu tenho a impressão de que ele estava um pouco irritado com a atenção que Mariah estava dando a Michael.

Eu mesmo fiquei um pouco surpreso de ver Mariah, que era uma cantora bem sucedida em seu próprio direito, parecer tão impressionada com Michael, mas nos anos que viriam eu veria muitas estrelas se comportarem dessa forma, na sua presença.

Voltando-se para mim, Mariah perguntou a Michael: ‘Quem é seu amigo? Ele é tão bonito…

Ela começou a roçar o meu cabelo (inexplicavelmente) cor de laranja.

‘Por favor, não pare’ eu disse, inclinando-me para ela, como um cachorro.

‘Frank, pare!‘ interrompeu Michael. ‘Mariah não quer roçar sua cabeça. Deus sabe o que você tem lá! Luis Miguel parecia um pouco estranho e perplexo lá, esperando em seu terno skin-tight. Eu não poderia ajudá-lo. Eu repeti a velha brincadeira: ‘Eu amo seu terno‘ disse a ele.

Michael murmurou: ‘Pare… ‘ mas eu estava sob a influência de um impulso irresistível.

‘Qual é a marca?’ Perguntei. Com o canto do meu olho, eu vi que Michael estava tentando não rir. Luis Miguel murmurou a marca de um estilista, mas ele não estava sorrindo. Ele definitivamente não gostou de vê-la roçando minha cabeça ou o amistoso flerte entre Mariah e Michael.

Quando eles disseram adeus, Michael aproveitou o momento para uma pequena vingança. Ele disse a Mariah: ‘Frank é um grande fã de vocês e tem uma paixão enorme por você.’

Eu fiquei vermelho. Será que eu tenho uma queda por ela? Pergunto-me agora. Eu realmente não sei, mas eu me lembro de pensar que ela era sexy.

Depois de Mariah e Luis saírem, Michael e eu provocávamos um ao outro sobre Mariah. Michael me disse que eu não saberia o que fazer com ela se ela estivesse na minha cama, e eu respondia que se lhe fosse dado uma chance com ela, ele provavelmente iria pedir-lhe para jogar jogos de vídeo ou assistir a desenhos animados.

Ele disse: ‘Cale a boca, Frank’ de uma forma engraçada e nós dois começamos a rir. Essa é a maneira como Michael e eu agíamos quando se tratava de garotas, como adolescentes, brigando pelas mesmas mulheres hipoteticamente disponíveis. Eu ainda era jovem, e era algo que eu iria superar em breve (bem, na sua maior parte, de qualquer maneira) mas Michael ficava mais confortável nesse mundo de fantasia.

 

Fonte: Off The Wall

Mariah Carey foi eleita a maior hitmaker de toda a história da música, desde 1960, pela revista TIME, no que eles chamam de “a lista definitiva dos reis e rainhas do pop”, que ranqueia os 48 mais bem sucedidos da história da música.

Confira o Top 10:

#1. Mariah Carey
#2. Rihanna
#3. Usher
#4. The Beatles
#5. Madonna
#6. Janet Jackson
#7. Whitney Houston
#8. Michael Jackson
#9. Katy Perry
#10. Boyz II Men

Como a lista foi feita:

Os dados provêm dos arquivos da Billboard. Os pontos são premiados por colocação no Top 10, de 10 pontos para um hit #1 para um 1 para uma canção #10. Todos os artistas listados por featuring em uma faixa recebem pontos completos para o desempenho do gráfico, mas os grupos com membros que mais tarde seguiram carreiras solo são contados como entidades separadas. (Beyoncé, por exemplo, obtém pontos para “Telefone”, uma música de Lady Gaga em que ela aparece, mas não recebe pontos para músicas atribuídas a Destiny’s Child, o trio que lançou sua carreira.) Pontos para músicas são atribuídos ao ano em que a música estreou no top 10, mesmo que ela tenha sido popular no ano seguinte.

 

Fonte: Parada Pop

DDE44092-4317-4E60-AEB0-287880A70312.jpeg
347DA5FA-F837-4AD1-AD6B-0898CC7093C7.jpeg
IMG_0747.jpeg
02F877C4-A073-479F-93E8-B9EC44E0412B.jpeg
F4054F6D-2F61-47E5-B5C7-2ED78057B13D.jpeg
8ADE222D-E61B-43A0-BD7C-D108BFB041CB.jpeg
86DD041B-303D-4793-926D-3D4B4EA0B383.jpeg
CFA3D46C-D76C-41BA-9D8A-8E834FD5BE73.jpeg
232AC1F4-7541-4526-B088-952ACF3CC185.jpeg
2CFF5590-75FA-4760-BB84-3BF4ED21551F.jpeg
985CA63F-D6F5-414D-AA1F-30995F00F52B.jpeg
4ADE31A0-DDAB-49DF-B7F6-2A670A50BAAB.jpeg
30B27BF5-79A6-4491-8766-109CA54817C9.jpeg
0CED275F-EE32-44F0-B2B5-1C2C08C45D21.jpeg
18B5CC48-BCB7-4AA8-B09D-BC687095C8D1.jpeg
6AC93A70-FC5B-4EF8-86C7-C13B0189B245.jpeg