Mariah Now é a sua maior fonte brasileira sobre a Mariah Carey. O site é totalmente dedicado para os fãs da Mariah. Acompanhe notícias, vídeos, entrevistas, participe de promoções e eventos. Todo conteúdo divulgado no site é criado ou editado por membros da equipe, qualquer conteúdo retirado daqui, mantenha seus devidos créditos. Somos apoiados pela Universal Music Brasil e pela Sony Music Brasil.

Noisey UK

Cada dia desta semana, um membro Noisey UK vai escrever sobre um de seus artistas favoritos. Hoje, o editor Tshepo Mokoena fala sobre como há níveis para a personalidade pública de Mariah Carey.

Mariah é engraçada pra caralho. Desculpe, deixe-me reformular isso: Mariah Carey, que você conhece como a dona do Natal, é intencionalmente engraçada de maneiras que a tornam um tesouro cultural. Não tenho ideia do que o nome dela significa pra você, mas eu espero a compreensão do quanto ela tira sarro dela mesma vai estar presente aqui. Como uma estrela pop, ela acabou formada mais pelos contornos de seu single inovador (que ainda é algo ótimo) do que o salto que ela fez de uma jovem, ingênua e emocionalmente sufocada no início, para uma mulher com os vestidos brilhantes que não se incomoda em ser colocada de volta a sua própria coreografia…
Eu não vou gastar essa meu tempo falando sobre como seu registro de apito soprou minha mente quando eu tinha cinco anos (isso aconteceu, mas vamos seguir em frente). Não, o que Mariah merece é uma avaliação completa de como seu humor foi quase sempre incompreendido e assim se tornou parte central da marca dela. Mariah se afastou dos teclados pop dos anos 80 e das baladas de seus três primeiros álbuns e se aproximou das influências do hip-hop do final dos anos 90, assim como ela aprendeu a não se levar a sério demais. Entre o Daydream de 1995 e Butterfly de 1997, ela sofreu a mudança que a transformou na artista que é hoje. Claro, ela já não é uma estrela em ascensão agora, mas a pessoa que consegue rir de si mesma, poderia se divertir mais do que as mulheres da música pop eram geralmente permitidas na época. E ao fazer isso, ela demonstrava que ela – ou sua personalidade pública – era mais do que estava sendo mostrado ao público.
Então, é 1997. Mariah Carey está esticada em uma espreguiçadeira em um barco, o apresentador é Jamie Theakston. É a década de 90, por isso é totalmente normal que ele pergunte como ela se livra de um biquíni, e depois veste um traje de mergulho no seu novo vídeo “Honey”. Este é um formato da TV britânica “maluca” daquela época, onde um jornalista masculino confiante faz perguntas machistas do tipo, “você sabe que causa ereções em homens casados?”. Mas Mariah não se intimida. “Oi, eu sou Mariah Carey, e adoro Jamie”, é a primeira coisa que você a ouve dizer. “Mas ele me disse para dizer isso, não vou mentir para você”.
Ela entende a dinâmica e o papel que ela vai fazer, Então ela tá pouco se fodendo. Ao longo de sua entrevista, Mariah vai dando corda à Jamie, usando e abusando do seu sotaque. É a chance que ela tem de mostrar a diva dentro dela,  fazendo Jamie parecer um idiota que não consegue entender um simples efeito de vídeo. “Com tudo o que tinha escrito sobre ela, eu não tinha ideia do que esperar”, ele disse mais tarde, para a revista Glamour, “mas ela era inteligente, calorosa e muito engraçada. Ela é muito divertida, ao contrário de muitas celebridades, ela consegue realmente rir de si mesma. Quando ela se apresentou no Top Of The Pops, começamos um boato que ela exigiu filhotes em seu camarim e isso se tornou um folclore instantâneo sobre a Mariah”.
Esse folclore, de verdade, é o que lhe deu uma reputação de diva ou de rainha das alfinetadas. Desde sua briga no  American Idol com Nicki Minaj a pedidos extravagantes feitos nos bastidores. Mas seja nos vídeos – o remix de “Heartbreaker” e “Honey” sendo o mais óbvio – ou aquele episódio infeliz do MTV Cribs, a piada realmente esteve nas pessoas que tomam tudo o que Mariah faz como verdade. Se você viu esse episódio de Cribs, você saberá que ele possui várias mudanças de roupa e uma cena em que ela “entra no banho” em um banheiro maior do que a maioria dos estúdios em Londres. “Eu realmente não tomei banho”, disse ela anos mais tarde, em um especial da MTV. “Tipo, Oi? Eu tava de maiô, o que as pessoas realmente pensaram? Como se eu realmente estivesse me despindo e tomando um banho – acho que eles pensaram assim, porque isso já me trouxe problemas antes”.
Mariah sempre precisou saber como mudar de personalidade, como faz quando ela está falando com a imprensa, por exemplo. Sua experiência de vida dolorosa de uma criança de etnia mista que cresceu nos anos 70, inegavelmente, desempenha um papel nisso. Ela canta muitas vezes sobre isolamento e desejo de segurança, desde “Looking In”, de 1995, para “Petals”, de 1999. Eu nunca a conheci, então não posso pretender saber exatamente por que ela se transformou da mulher com vestidos pretos e cachos naturais para a figura pop de biquini do começo dos anos 2000. Mas dado como ela e sua mãe descreveram a educação de Mariah como uma imersão em uma sensação de alteridade, de serem rejeitadas por crianças brancas e negras na escola, de serem aterrorizadas enquanto viviam em um bairro branco, de tentar navegar num mundo extremamente doente – equipado para lidar com as complexidades da herança étnica mista, o humor pode muito bem ter sido um mecanismo de enfrentamento. Até parece uma história clichê: “Eu simplesmente não me encaixo!” – mas isso vai além de ser uma criança prodígio com um corte de cabelo ruim em alguém cuja identidade mais fundamental foi negada por completo.
Então, ela provavelmente se diz uma piada, que pode fazer você rir se você estiver disposto a ouvi-la. Não me entenda mal, Mariah não é uma espécie de ícone impecável. Eu não posso fingir ter acompanhado sua carreira muito depois do Rainbow. Mas ela domina a ideia de tornar-se impermeável para que você ria, se você já escreveu a parte final da piada. É como um escudo – talvez um diamante. “As pessoas pensam que tudo tem que ser tão sério, e que eu levo isso tão a sério”, disse ela, em uma entrevista sobre seu vídeo “Touch My Body”, em 2008, que conta com a participação de Jack McBrayer . “Mas nós estávamos exatamente tipo, ‘OK, nós entendemos, vamos filmar logo'”.  Ela consegue. E Você?
Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.