Mariah Now é a sua maior fonte brasileira sobre a Mariah Carey. O site é totalmente dedicado para os fãs da Mariah. Acompanhe notícias, vídeos, entrevistas, participe de promoções e eventos. Todo conteúdo divulgado no site é criado ou editado por membros da equipe, qualquer conteúdo retirado daqui, mantenha seus devidos créditos. Somos apoiados pela Universal Music Brasil e pela Sony Music Brasil.

Review

O site Yorkshire Times fez uma crítica sobre o #1 To Infinity, leia abaixo:

Mariah Carey lança pela primeira vez um greatest hits que apresenta de cronologicamente todos os seus hits. O álbum lançado no dia 18 de maio, contém seus 18 singles número #1 nas paradas norte-americanas, 17 deles foram escritos por Carey. A maioria das faixas foram Top 10 no Reino Unido também.

Ela sempre que sempre foi vista como a versão branca de Whitney Houston, mas logo conseguiu seu próprio brilho. Vision Of Love foi a declaração de suas intenções, além de ter sido um ótimo primeiro single. Você tende a associá-la a baladas, mas músicas como Emotions e Endless Love mostram que ela tem um estilo mais dance.

Ela gosta de fazer duetos, neste álbum há músicas com o Jay-Z, Boys II Men e Luther Vandross.

O álbum encerra com seu novo single, Infinity, que mostra que ainda há boa música vindo por aí.

VEREDICTO: 4/5

MC5

O crítico musical e cultural, Carl Wilson, fez um review apaixonante para a carreira de Mariah Carey e para seu mais recente álbum, “Me. I Am Mariah…The Elusive Chanteuse”, para a Slate Magazine. Confira abaixo:

[alert type=”e.g. warning, danger, success, info”]Como uma Mariah Carey incrédula finalmente se tornou uma cantora indescritível.[/alert]

Mariah Carey realmente me deixa nervoso. Se você é fã, talvez possa parecer bobagem, mas se sua história com ela é ocasional, talvez você possa entender o que quero dizer.

Não é por causa de sua salada verbal ao ser jurada do American Idol no ano passado, e nem por seus vergonhosos momentos na época do “Glitter” e cancelamentos, onde, por um tempo, achamos que ela teria um destino caótico como sua rival, Whitney Houston, e nem por suas mais recentes rotinas domésticas no Instagram.

E nem por sua forma de cantar, embora seja verdade que nem sempre seus loops melismáticos às vezes podem ser somente virtuosos, podendo parecer evasivos, pois ela não se contenta em cantar um trecho somente em uma nota, e sim quer cantar em todas elas.  O título de seu novo CD, “Me. I Am Mariah… The Elusive Chanteuse”, talvez possa parecer uma grande piada, talvez ela possa estar brincando por causa deste grande atraso em seu lançamento, mas também ela possa estar patenteando o seu melhor estilo poderoso de cantar.

Não, não é o jeito crítico de Mariah Carey que me deixa nervoso, porque durante muitos anos ela era aquele tipo de estrela da música Pop que, por mais que eu não quisesse ouvir, eu era obrigado a saber sobre a sua existência, ela estava em todos os lugares. Eu era ao mesmo tempo, velho e novo demais no início dos anos 90. Ela trouxe qualidades ao showbizz, o seu estilo cativante fez com que os adolescentes ouvissem o Top 40 das rádios adultas mais antigas. Enquanto isto, eu estava saindo da faculdade, estava tocando a minha guitarra dourada, tentando fazer um pouco de Jazz, tentando também fazer um pouco do Country e Soul clássico, que se manteve temporal (apesar de que muitas vezes os mais puritanos não aceitassem isto).

Nunca tinha entrado em minha mente este modelo Pop criado por Carey, com suas táticas sublimes e voz poderosa, eu sei que tinha algo em comum com todos estes artistas. Eu não era a parte podre entre os nerds, os atletas, as líderes de torcida e as futuras estrelas do MBA, e parecia claro que, Mariah Carey estava ligada, com suas estimulações de poder positivo para o crescimento pessoal. Eu sentia que precisa manter a minha posição rígida, ou estaria tudo perdido.

Depois de se separar de seu marido/patrão, Tommy Mottola, em meados dos anos 90, ela começou a ter ajuda dos gigantes do Hip-Hop e cair de cabeça no R&B, colaborando com rappers, abrindo assim uma nova tendência para a nova década do Pop. No entanto, eu olhei ao seu redor e vi que com o tempo, ela aparecia em seus vídeos se redefinindo como a grande diva do Pop, alguém que se contorce em torno de lençóis de seda, como fez com o seu inevitável (e um retrocesso irresistível) hit “Fantasy”, onde a encontrei vocalmente no estilo  Jackson Pollocking com uma nova versão do marco da era Disco, “Genius of Love”, do Tom Tom Club, que na época era uma blasfêmia para mim. Naqueles dias, meu Deus musical era um Deus invejoso e ciumento.

Mariah Carey apareceu pela primeira vez de modo nacional quando cantou “America the Beautiful” em um jogo de basquete, e mais tarde, em meio de seus problemas com o “Glitter”, ela se redimiu um pouco ao cantar o Hino Nacional Norte-Americano no Super Bowl em 2002. Parece-me que Carey foi a cantora que mais se aproximou da música que lançou, como se fosse um hino nacional, independentemente do conteúdo, força vocal que parecia ter um propósito de plantar uma bandeira própria, com uma garantia de auto fidelidade, que de ser certa forma atordoava o seu público com bombas melancólicas no ar e com várias oitavas espalhadas na estratosfera.

Mas em meados da década de 2000, algumas coisas aconteceram que eu pude reconsiderar meu pensamento por ela. Uma simples Mariah Carey tornou-se a cantora mais influente da história dentro e fora do R&B – copiada descaradamente por calouros do American Idol, que em seus primeiros anos poderia ser chamado de America’s Next Top Mariah, e também inegavelmente pavimentou e abriu as portas para Rihanna e Beyoncé. Carey também estava acumulando uma série de sucessos em 1° lugar, superando Elvis e chegando próximo aos Beatles, o que provocou muitos protestos aqui na Slate Magazine, mas sempre foi defendida com unhas e dentes por Jody Rosen por aqui. Começou a parecer obvio que eu estava esquecendo de algo.

Em alguns anos depois, seguindo esta linha de pensamento, eu escrevi um livro inteiro sobre a exploração da dinâmica de gosto e discriminação social, usando Céline Dion como estudo (que foi reeditado na primavera deste ano de forma expandida). Então, me perguntei mil vezes o que poderia ter acontecido se eu tivesse escrito sobre Carey em seu lugar.

Dion me levou a pensar sobre o desprezo crítico sobre o “sentimentalismo” através das lentes da etnia, imigração, sentimentalismo, sexo, e acima de tudo, das classes sociais. Mariah Carey está longe de ser tão CHATA como Celine Dion, ela é uma visão mais divertida. Eu poderia ter focado mais em suas virtudes, grandes gestos e neste seu jeito sem vergonha na música Pop, em vez de seu sentimentalismo.

Também teria sido muito bacana se tivesse abordado sobre os códigos raciais e comercialismo. A coisa que mais se falou na América é sobre a herança genética de Carey, que é uma mistura de branco-afro-latina-mista, ela já levantou o tabu contra ser racialmente não classificada. Eu também poderia dissecar sobre as regras e regulamentos sobre os escândalos da música Pop, onde as virgens e prostitutas poderiam negociar a sua  sexualidade (que Dion prefere ficar em terra firme do que se aventurar). E já que Carey é co-compositora de todas suas canções, em vez de ser somente intérprete, eu poderia analisá-la como uma salsicha e ver deliciosamente como tudo é feito.

Ainda assim, ela compartilhou coisas com dois grandes nomes como Michael e Madonna, nos anos 90, quando eles já não eram tão grandes, e não viveram de cabeça o plano econômico gerado por Bill Clinton. Cada um deles foi casado  ou administrados (Então, no caso de Mariah, divorciada) com pessoas muito mais velhas. Ambos são personalidades fortes, e cronicamente propensas, e acima de tudo, eles servem com seu poder único de ídolos, como se tivessem o seu próprio exercito de elefantes. Dion é uma espécie de órgão de igreja, já Mariah é como um sintetizador digital, mais completa, especialmente quando falamos de seu famoso e lendário whistle. De fato, é um de seus melhores truques, e que o mostra muitas vezes em seu novo disco, que em uma mistura de instrumentos de apoio, você precisa reparar muito para distingui-los, é como se suas cordas vocais viessem de uma banda de várias mulheres cantando.

O grande retorno de Carey em 2005, com o “The Emancipation Of Mimi”, coincidia com a minha emancipação estética, e ele veio com seu grande triunfo, “We Belong Together”. Este foi o primeiro álbum de Mariah que eu comprei, e retroativamente reescreveu a nossa relação: Agora eu estava pronto para assumir reflexivamente a sua grande importância, que uma vez eu tentei negar. Sua prolixidade vocal já não me parecia tão exagerada e sua generosa felicidade, e suas próprias vaidades musicais já eram consideráveis a mim, então eu tinha tudo para me doar muito mais aquilo ali.

Eu posso dizer que fiz tudo isto sozinho: Na última década, o status de Mariah fez uma transição impressionante, que tinha uma facilidade de polarização de consenso. Você pode observar: “Quem que não ama a Mariah?”. É algo como você antecipar uma luta contra uma grande empresa. Afinal, você pode não adorar a “Catedral da Beyoncé”, como a maioria de nós, se você for fazer uma rápida reflexão sobre a Sra. Knowles, verá qual é a sua inspiração autodeclarada – Mariah Carey.

Isso que me assusta agora, quando eu lembro de estar familiarizado com seu trabalho anterior. Isso me dá uma sensação surreal de ter deixado de viver direito nos anos 90, com a minha própria idade, como se eu tivesse preso em um deserto remoto, enquanto todo mundo estava cruzando um caminho.

Enquanto isto, os hits de Carey vão ficando cada vez menos e mais raros. Até mesmo “#Beautiful”, que foi lançada no verão passado com o cantor de R&B Miguel, que serviu de primeiro single para este novo álbum, que parecia ter aquela mesma eternidade de quando ela era apontada por mim como uma cantora de personalidade desviada. Então, quando ela lançou o álbum, foi aí que fiquei nervoso novamente.

Eu senti realmente a necessidade de fazer algo para me desculpar com o tempo perdido, então na semana passada, eu passei um tempo no Youtube dando uma volta no catálogo de Carey. Foi um banquete com muitas comidas deliciosas para o meu ouvido, então eu não me sinto doente e até mesmo saciado, então acho que estou pronto para o “Me. I Am Mariah…The Elusive Chanteuse”.

As duas baladas de aberturas, que possuem um escasso piano espiritual, uma delas deslizando para o funky, sem deixar nenhuma nota perder a harmonia, sem dúvida sabemos quem está no comando por aqui. Em seguida vem “Dedicated”, um dueto com Nas, onde Carey promete cantar  “toda aquela merda maravilhosa do passado”, fazendo um tributo para o verão do Hip-Hop de 88, e carregando com ostentação amostras do grupo Wu-Tang para certificarmos que teremos aqui tudo sobre os anos 90.

E com o dispositivo vintage de fusão nostálgicas musicais e sexuais ligadas, “Dedicated” é uma excelente batida de verão. Mas nós temos  “You Don’t Know What to Do” e “Meteorite”, que também batem na mesma vertente do renascimento da era Disco trazida ilustramente por Pharrel. Para prazeres menos nostálgicos, temos aqui “Money ($*/…)” que tem uma ajuda de Fabolous, com subtítulo ilegível, a letra fala sobre férias e sobre aqueles croissaints hollandaise. (seria uma forma fracassada de falar sobre estes croissants em pleno 2014?)

O disco finaliza com “Heavenly (No Ways Tired/Can’t Give Up Now)”, que nos leva de volta para igreja, onde o álbum começou, mas agora com uma banda, um coro e amostras do rei do Gospel,  o Reverendo James Cleveland, transcendendo improvável seus próprios toques de despedida. Carey, muitas vezes parece ser uma artista única e exclusivamente do tempo presente, e fico realmente tocado quando ela presta uma homenagem às raízes mais profundas do R&B.

O resto do disco é uma miscelânea de baladas agitadas, incluindo uma regravação de fino trato de “One More Try”, de George Michael, um casal que sofre de problemas amorosos melosos sempre foi o meu pesadelo com a Mariah. E também se contorcendo em  “Supernatural”, que é marcada pela voz dos gêmeos de Carey, algo que Beyoncé não faria, mas Mariah jamais deixaria de fazer (e isto, não por causa do abismo existencial entre ser casada com Nick Cannon do que ser casada com Jay-Z).

E ainda assim, mesmo que a letra de muitas músicas possa parecer medíocre ao ser elevada pela Luz-Industrial-e-Mágica dos efeitos vocais de Carey, e a firmeza que a nossa menina nos proporciona naquele “jeito Mariah Carey de ser”. As músicas não possuem sonoridade para tocar nas rádios nos dias de hoje, porém podem ser resgatados com um remix. O que poderia ter sido feito, é uma Mariah que ri dela mesma, e diferente do que nós ouvintes pensamos: Ela cansa sobre si mesma, celebra a si mesma, parafraseando com o Walt Whitman. E nós temos que assumir a sua redistrubuição democrática do poder e carisma por ser a intercessão do arpejo, do riso e da nota da graça divina.

Você ainda pode me perguntar se olhar para trás seria um mau presságio para o futuro de Carey, mas eu tenho certeza que não é assim. Esta foto da capa com um maiô de crochê pode  parecer um pouco agressiva para ela, que nada se parece com aquelas mulheres que estão no final de seus 40 anos e já são mães, e as tendências retrôs do “Elusive Chanteuse” estarão vindo aos charts para continuar a instituição de carreira de diva.

Quanto a mim, vou alegremente acompanhar para recompensar o tempo perdido e brindar a persistência de sua criatividade um pouco desequilibrada de sua voz de duas fases. A verdade é, Mariah Carey foi aquela maior estudante nerd de arte cênicas de todos os tempos, apenas com seu jeito atraente, deixou seus colegas na defensiva o tempo todo. E se ela ficar mais tempo ao nosso redor, será muito mais do que simplesmente uma canção atemporal de Natal, isto seria somente a cereja do topo do bolo. Ou, se eu estiver enganado, será a cereja do topo do topo do bolo. Porque, no final da constas, ela é a Mariah…a guloseima incansável.

O que se pode dizer para uma estrela que consegue se manter como novidade aos 25 anos de carreira? Mariah pode ter dado alguns passos falsos nos últimos dois anos, mas quando se trata de seu décimo quarto disco de estúdio, que ficou sendo preparado por quatro anos,  isto é diferente. Isto não diminuiu em nada o interesse na diva que mais vendeu disco no mundo.

Talvez o título possa ser um pouco ridículo, Me. I Am Mariah… The Elusive Chanteuse, em partes é uma descrição precisa do novo corpo de sua música. Carey revisitou seu extenso catalogo no processo de criação deste novo projeto, ela precisou de uma ajuda de um amigo que fez uma lista com mil gravações suas. Isto pode parecer um pouco petulante para algumas pessoas, porém Mariah conseguiu recapturar alguns de seus grandes momentos de ouro do passado aqui.

A faixa de abertura, Cry, possui todas as características de uma balada de Mariah: pianos gospels, vocal sussurrado, que vão ganhando força ao longo da faixa, transmitindo o sentimento sincero da canção. O órgão escala juntamente com suas notas musicais, nos deixando boquiabertos e nos recordando daquela incrível voz que conquistou o mundo no inicio dos anos 90. Outro ponto positivo é a música #Beautiful, um dueto bacana e sensual com Miguel, que foi lançado no verão do ano passado. A música mostra uma Mariah confiante com o seu corpo, extremante sensual e poderosa. Quando pensou em fazer este disco, ela resolveu retratar o que aconteceu desde que lançou o Memoirs of an Imperfect Angel  em 2009 até agora. A evolução disto tudo é mostrada por aqui com muita transparente.

A arte de reconhecer os seus dias de glória que foram colocados no Me. I Am Mariah possui uma consideração. O seu fiel companheiro e produtor de longa data, Jermaine Dupri, está de volta em ação, participando desde os números mais pessoais, como nas musicas mais animadas. Supernatural conta com a participação dos Dembabies (os seus filhos gêmeos, Moroccan e Monroe), com irresistíveis vocais infantis e risadinhas, que foram inteligentemente colocadas ao longo desta balada de R&B, com a mamãe Carey cantando uma linda serenata para eles, mostrando todo o seu amor. Novamente na canção You Don’t Know What to Do, Dupri serviu para ajudar a sua diva a regressar a era da discoteca, colocando um piano em sua introdução para sentirmos muito bem o som do retrocesso.

Já em outra atmosfera do álbum, Hit-Boy ataca com Thirsty, uma música de hip-hop sarcástica, que possui um órgão orgânico, seguindo o mesmo exemplo de outro sucesso produzido por ele, Nigga in Paris de Jay Z e Kanye West. Q-Tip foi encarregado de trazer a barulhenta Metorite, que faz uma mistura de percussão com sintetizadores dos anos 70, como se tivessem vindo de outro mundo, casando de forma uniforme com os vocais de Mariah. Ambos são grandes destaques do álbum, pois possuem uma letra mais atual, que apesar de Mariah ter encontrado recentemente a sua felicidade pessoal e fraterna, a grande diva ainda não amadureceu e ficou mais séria.

Enquanto a maior parte do Me. I Am Mariah ainda é exageradamente fabulosa, ela não escapa de ter um ou dois erros. A balada Heavenly é uma típica música de alto ajuda, que parece ter ajuda dos finalistas do X-Factor no coral. Enquanto a versão sentimental de One More Try do George Michael, que mais parece a pertencer a um futuro álbum de cover de Mariah Carey, que talvez não demore muito tempo para ser lançado. E também, ‘Camouflage’, que talvez seja salve por um sentimento idiota de nostalgia, soando com o clássico dueto que ela fez com Whitney Houston em When You Believe.

Mariah Carey é tão indescritível como a cultura de hashtag, que foi criada pela cultura moderna popular, especialmente por sua participação com grande estilo no American Idol ano passado – mas é ainda é muito difícil de acreditar que o título é um recadinho para sua personalidade pública. Me. I Am Mariah… The Elusive Chanteuse possui um equilíbrio de dois momentos distintos, seja ele um toque mais pessoal, misturado com altos picos do pop da melhor qualidade.

Mariah Carey - Me. I Am Mariah The Elusive Chanteuse Album Download

A rainha das oitavas mostra o seu melhor para o mundo

Mariah Carey é um estilo de celebridade que precisava ter seu próprio talk-show. Em dezembro do ano passado, ela mostrou um pouco do que poderia parecer quando, sem esforço algum, ela participou do bizarro programa Andy Cohen’s Watch What Happens Live, que poderia ter sido batizado de A hora da Mariah Carey. Ela veio acompanhada de uma espécie de fã portátil, falando frases de efeitos e piadas sarcásticas, se descrevendo como a versão feminina do Elf, personagem de Will Ferrel (‘Estou me sentindo como uma garotinha de cinco anos de idade’). Ela foi extremamente sarcástica nas respostas para as perguntas pesadas de Cohen. Ela explicou os motivos que a fizeram participar do American Idol: mostrando-nos a sua personalidade.

Me. I Am Mariah…The Elusive Chanteuse (que podemos chamá-lo de um disco autointitulado) descobrimos que ela é dona de diversas personalidades, menos a caricata. É uma fusão bem sucedida de todas as suas imagens: seja ela a eterna jovem estrela do R&B que está andando de patins em um parque de diversões, ou usando as roupas da Daisy Duke com uma bexiga na mão, ou até mesmo a cantora usando um vestido longo atrás de um microfone.

Brincando com grandes baladas, canções do R&B que são fortes candidatas a hinos do verão, canções de hip-hop, músicas gospel com direito a coro e tudo, um cover, podem parecer que a temática do disco é um pouco confusa e indecisa. (Mariah que sempre se pareceu um pouco confusa antes, hoje tem se veste com uma mãe que gosta de usar roupas de meninas jovens). Mas o I Am Mariah faz a união de todas estas ideias juntas, fazendo que o ponto principal seja o seu vocal, que cresce a longo prazo, mostra-se ofegante ou expressa força e poder quando necessário.  Até mesmo as famosas notas agudas indescritíveis – algo que foi criado pela Mariah, a cantora indescritível – que está pipocando em todas as faixas, e algumas vezes sai de cena. Jermaine Dupri, seu produtor executivo, sabe dos prós e contras.

As baladas são novas inspirações para alguns acústicos feitos no chuveiro por fãs (assista as gravações no YouTube de “You’re Mine”, por exemplo); embora eles não sejam tão convincentes quanto aos seus famosos clássicos. As batidas de R&B são os momentos mais especiais. “Faded” (produzida por Mike Will Made It) e “Dedicated (Hit Boy)  que lembram as batidas sussurradas de  “Breakdown” ou “Always Be My Baby.” “You Don’t Know What You Do” (featuring Wale) se torna uma trilha sonora de diversão em sua cabeça. Assim como tudo que o Miguel faz, “#Beautiful” é simples e brilhante.

Os discípulos de Mariah Carey a chamam de ‘rainha das cutucadas’ por uma razão. Como uma excelente profissional, suas cutucadas são mostradas com educação, humor e ofensa = especialmente quando elas são direcionadas a um homem:

“I miss you almost half as much as you miss me” —“You Don’t Know What To Do”

“I call your name, baby, subconsciously/Always somewhere, but you’re not there for me” —“Faded”

“You used to be Mr. All About Me/Now you’re just thirsty for celebrity” —“Thirsty”

Com o The Dream ela fez à produção e composição do seu subestimado disco de 2009, Memoirs of An Imperfect Angel, a veia vingativa do produtor se sobrepôs a de Mariah. Mas com o  I Am Mariah, há mais espaço para as baladas que mostram como ela realmente é. Ela vai desde gravações como “Meteorite” – que alegrariam uma discoteca como “Make It Look Good ” que caberia ser trilha sonora de um baile de formatura (com direito a Stevie Wonder tocando flauta) em um bom sentido. Há também espaço para as baladinhas açucaradas (Algo como “Nosso amor nunca ai se acabar” etc.), mas há menos espaço para estes momentos por aqui.

Notavelmente, o álbum começa com uma admissão de culpa. Como um grande sermão em “Cry”, que mostra uma Mariah madura, que está disposta a falar sobre tudo o que ela poderia ter feito e não poderia ter feito para resgatar um antigo amor. “Maybe I didn’t give you your space back then.” And “maybe I shouldn’t have told you I love you.” Ou talvez, ela tenha deixado espaço para outra pessoa errada entrar em sua vida.

DDE44092-4317-4E60-AEB0-287880A70312.jpeg
347DA5FA-F837-4AD1-AD6B-0898CC7093C7.jpeg
IMG_0747.jpeg
02F877C4-A073-479F-93E8-B9EC44E0412B.jpeg
F4054F6D-2F61-47E5-B5C7-2ED78057B13D.jpeg
8ADE222D-E61B-43A0-BD7C-D108BFB041CB.jpeg
86DD041B-303D-4793-926D-3D4B4EA0B383.jpeg
CFA3D46C-D76C-41BA-9D8A-8E834FD5BE73.jpeg
232AC1F4-7541-4526-B088-952ACF3CC185.jpeg
2CFF5590-75FA-4760-BB84-3BF4ED21551F.jpeg
985CA63F-D6F5-414D-AA1F-30995F00F52B.jpeg
4ADE31A0-DDAB-49DF-B7F6-2A670A50BAAB.jpeg
30B27BF5-79A6-4491-8766-109CA54817C9.jpeg
0CED275F-EE32-44F0-B2B5-1C2C08C45D21.jpeg
18B5CC48-BCB7-4AA8-B09D-BC687095C8D1.jpeg
6AC93A70-FC5B-4EF8-86C7-C13B0189B245.jpeg