Mariah Now é a sua maior fonte brasileira sobre a Mariah Carey. O site é totalmente dedicado para os fãs da Mariah. Acompanhe notícias, vídeos, entrevistas, participe de promoções e eventos. Todo conteúdo divulgado no site é criado ou editado por membros da equipe, qualquer conteúdo retirado daqui, mantenha seus devidos créditos. Somos apoiados pela Universal Music Brasil e pela Sony Music Brasil.

Kevin Fallon, do The Daily Beast, fez um texto para defender Mariah Carey dos haters e dos comentários do ex-coreógrafo e diretor criativo dela, Anthony Burrell. Confira abaixo:

Curvem-se para as realizações de uma das maiores estrelas pop do nosso tempo. Os Singles em primeiro lugar. A fênix que surgiu das cinzas de um colapso público com um dos maiores retornos da história da música. A estrela que aperfeiçoou a arte performática e fabulosa de ser Diva. A menina que tinha o alcance vocal- e ainda tem a maior parte dele.

Mas nunca antes houve mais motivos para adorar a rainha Mariah Carey do que agora que ela está fazendo o mínimo. Adorei Mariah Carey, essencialmente, por todas as três décadas da minha vida. Mas nunca antes me identifiquei com ela.

Como relatos do comportamento extravagante de Carey – o último deles sendo um grande chilique no set de filmagens do filme – flopado – The House, ainda sendo notícia, ela novamente se reinventou nas asas de um desejo universal: ganhar a vida com o mínimo de esforço.

Parece que 12 anos depois que seu álbum premiado com o Grammy foi lançado, a verdadeira Mimi finalmente foi emancipada. De saco cheio sobre o burburinho sobre sua voz, se ela continua a mesma, o quanto ela faz ou não playback, e o quanto ela ainda vale como uma estrela pop e artista ao vivo – especialmente após o desastre de Ano Novo – Carey não vai mais se irritar para te impressionar. Ela vai ouvir tudo isso e ainda sair na vantagem.

Meu novo momento favorito e que viralizou com um vídeo nas redes sociais é durante a coreografia de “Honey”, em que ela, digamos, faz bem cuidadosamente os passos de dança do vídeo da canção. Em uma tentativa remota de recriar a vitalidade de seu icônico videoclipe de 1997 para “Honey”, duas décadas depois, Carey da uma risadinha nervosa para o público.

Ela então não gosta tanto de dançar com a música – o que, vamos encarar, é que toda essa coreografia realmente requer – como ela se inclina ligeiramente, como quando você está ouvindo música em seus fones no escritório e balança sutilmente os braços, esperando que ninguém o veja. Mas, neste caso, milhares de pessoas pagaram muito dinheiro para vê-la. As batidas rapidamente diminuem e, em seguida, a expressão facial de Mariah se transforma gloriosamente para refletir um monólogo interno que eu gosto de imaginar: “Foda-se essa parte da música”.

É fácil traçar uma linha da desastrosa performance de Ano Novo de Carey – com um problema nos pontos eletrônicos, ela culpou questões técnicas por sua incapacidade de cantar o sucesso “Emotions” e sua saída do palco em vez de continuar dublando “We Belong Together”.

Outro vídeo que mostra Carey como se ela estivesse prestes a começar a cantar uma música e ao invés disso ela aponta o microfone para o público, duplica as alegações de mínimo esforço. A legenda do vídeo: “Mariah Carey está prestes a tirar uma soneca no palco”.

Carey demitiu seu coreógrafo de longa data e diretor criativo Anthony Burrell após a calamidade do Ano Novo, e agora Burrell está falando sobre a heroica falta de ética de trabalho de Carey, Em uma entrevista à Complex Magazine. “É típico da Mariah”, disse Burrell. “Mariah é clara: quando ela não quer fazer algo, ela não faz. Ela está se apresentando desconfortável e ta tocando o foda-se”.

Desculpe, Sr. Burrell! Essas performances não estão tirando o brilho dela, tanto que ela está brilhando mais do que nunca. “Tocando 0 foda-se”, você diz? Você está ciente, Sr. Burrell, dos tempos em que estamos? É a era do “Estou pouco me fodendo”. A capacidade de existir na sociedade sem dar a mínima é o padrão da existência humana.

Todos nós estamos trabalhando em empregos que não gostamos ou aquém do que merecemos, semanas e semanas intermináveis de trabalho, além de salário miserável. Estamos todos prisioneiros pela necessidade de realmente estar pouco se fodendo para sobreviver.

A icônica turnê de 2017 de Mariah Carey é uma inspiração para todos nós. É o pote de ouro no final do arco-íris. (Não é por acaso que os arcos-íris foram tão significativos na carreira de Carey). Por sinal, vimos Mariah Carey em turnê no último ano. Ela ainda é uma alegria no palco. Ela tem um senso de humor desenfreado e uma auto-consciência, algo que lhe permite personificar a diva tão grandiosamente, mantendo uma carreira viável.

Por sinal, alguém já cometeu a blasfêmia de chamar Mariah Carey de dançarina? Deixamos um show de Adele irritados por ela não dançar em “Rumor Has It”? Carey é um vocalista com um toque para o espetáculo. Um pouco de brilho e alguns passos de dança. Isso é tudo o que devemos esperar, e a energia que Carey investe nisso está além do ponto.

Estamos neste estágio estranho de música pop, onde os fandoms de alguma forma estão se envergonhando. É essa combinação estranha e feia, onde vamos aos concertos dos maiores artistas do mundo, ligamos as câmeras do iPhone no zoom máximo, e então simulamos as imperfeições performativamente.

Como é adequado, depois de anos de whistles afinadíssimos, o glamour minucioso e os movimentos de carreira cuidadosamente gerenciados, que as imperfeições me fazem amar Mariah Carey muito mais agora. Você faz absolutamente esse esforço mínimo, gata. Faça isso por todos nós.

Deixe sua opinião

Este artigo não possui comentários
Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.