Mariah Now é a sua maior fonte brasileira sobre a Mariah Carey. O site é totalmente dedicado para os fãs da Mariah. Acompanhe notícias, vídeos, entrevistas, participe de promoções e eventos. Todo conteúdo divulgado no site é criado ou editado por membros da equipe, qualquer conteúdo retirado daqui, mantenha seus devidos créditos. Somos apoiados pela Universal Music Brasil e pela Sony Music Brasil.

De Beyonce a Bernie Sanders, a música, os marcos culturais, os movimentos e mais que moldaram uma geração

O que define um milênio? Nós fomos chamados de “Geração Eu” para o nosso narcisismo presumido e a “Geração Peter Pan” para o nosso atraso na idade adulta. Fomos acusados ​​de matar indústrias inteiras, como lojas de departamento e  cadeias de restaurantes. Mas a única coisa que pode realmente definir um milênio é que somos indefiníveis. Para as pessoas nascidas entre 1980 e 1995, nossas vidas foram marcadas por algumas das mudanças mais rápidas na economia, na paisagem política e na cultura do mundo. Fomos radicalizados por profundas tragédias como o 11 de setembro e o furacão Katrina, bem como as guerras intermináveis ​​no Iraque e no Afeganistão. Fomos atingidos pela crise financeira em 2008, assim como muitos millennials começaram a entrar no mercado de trabalho – e ainda estamos sentindo as consequências. E, claro, somos a última geração a testemunhar a vida antes e depois do início da era da Internet.

O impulso para um mundo totalmente digital foi essencial para a maneira como crescemos, amadurecemos e consumimos o mundo ao nosso redor. Desde os primeiros dias de blogs e mensagens instantâneas até a chegada do Facebook, Twitter e Instagram, temos compartilhado nossas vidas. Empresas como Napster, iTunes e Spotify, Amazon, Netflix e Hulu democratizaram o entretenimento, dando-nos mais opções do que nunca. Somos milhões de pessoas com 20 e 30 anos, efetivamente criadas com base na ideia de que tudo o que queremos pode, deve e estará disponível com o clique de um botão.

Às vezes, esse dilúvio de cultura e conteúdo parece se fragmentar. Até mesmo a diferença entre os millennials “mais jovens” e os “mais velhos” pode parecer vasta. Aqueles com memórias mais fortes de uma era pré-digital sentem-se mais fundamentados na experiência compartilhada com nossos antecessores na Geração X, às vezes ansiando pela existência da monocultura, enquanto os bebês dos anos 90 se relacionam mais com a cultura da Geração Y, mais rápida e ainda em formação. abraçando streaming como um estilo de vida e uma preferência. Essa divisão, mesmo dentro de nossa própria geração, e a forma como a geração do milênio respondeu ao mundo em rápida mudança que herdamos, significa que somos culpados pela perda de muitas experiências. Não temos o mesmo apetite por luxos pós-recessão – como diamantes e hipotecas – e estamos ameaçando tornar as indulgências ainda menores – como álbuns e cinemas – obsoletas.

Não é inteiramente justo, mas a culpa é um preço a pagar por nossa autoridade crescente e vozes culturais e políticas mais fortes. Por tanto quanto os millennials supostamente tiraram do mundo, nós também retribuímos dez vezes. Otimistas e inclusivos, ajudamos a eleger o primeiro presidente negro da América, Barack Obama – duas vezes. Provocados por tragédias como o t iroteio na escola primária de Sandy Hook e o assassinato de Trayvon Martin, iniciamos movimentos sociopolíticos para combater o racismo sistêmico e a violência armada. Impulsionados pelas mídias sociais, expandimos nossa linguagem cultural, pressionando por um aumento de vozes minoritárias em todos os aspectos, de escritórios políticos a mídia.

Conforme nosso poder cresce, o tempo provará o quanto mais podemos realizar. Embora cada geração pareça se preocupar com a forma de se ajustar ao ritmo mais rápido da vida, ficamos no limite por quanto tempo estamos vivos. Esta lista analisa 100 momentos, artistas, eventos, movimentos e muito mais que ajudaram a formar a identidade milenar. Como continuaremos a mudar de forma para ser vistos, mas você pode ter certeza de que vamos desafiar as expectativas. —Brittany Spanos

20° – ‘Glitter’ da Mariah Carey

Uma das muitas coisas estranhas sobre Mariah é que ela nunca teve muito interesse em crescer: ela explodiu e tornou-se a maior estrela do teen-pop dos anos 90 e foi adolescente até 2001, aparecendo como uma doce , uma garota do subúrbio que é louca por hip-hop, mas sempre chega em casa às 22h. Depois dos álbuns Rainbow e Butterfly, ela chegou com Glitter. Como Rob Sheffield escreveu em sua resenha na época: “Só Mariah poderia gravar um disco com Ol ‘Dirty Bastard ou curtir um paquera pública muito divulgada e muito negado com o Q-Tip e ainda se projetar como tal inocente. Até mesmo seu senso de moda continua sendo o de uma garota de 12 anos que está se vestindo no armário de sua mãe, que é uma das razões pelas quais Mariah sempre se manteve relevante e popular com as suas devotas fãs garotas na faixa da puberdade. Ela nunca tenta se passar por um verdadeira cantora de  hip-hop – ela não é burra. Em vez disso, ela só aparece como uma cantora pop que também é uma verdadeira fã do hip-hop. ”

  • Confira a lista completa AQUI!

Deixe sua opinião

Este artigo não possui comentários
Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.