Mariah Now é a sua maior fonte brasileira sobre a Mariah Carey. O site é totalmente dedicado para os fãs da Mariah. Acompanhe notícias, vídeos, entrevistas, participe de promoções e eventos. Todo conteúdo divulgado no site é criado ou editado por membros da equipe, qualquer conteúdo retirado daqui, mantenha seus devidos créditos. Somos apoiados pela Universal Music Brasil e pela Sony Music Brasil.

A psiquiatra Dra. Shenitta Moore, deu uma entrevista para o site The Boombox falando sobre como as experiências de vida de Mariah Carey influenciaram as composições da cantora. Confira abaixo.

É difícil imaginar que Mariah Carey não seja uma Diva. Esse jeitão todo pomposo, a forma como pisca os olhos sensualmente, os decotes sempre presentes em suas roupas e, claro, a voz mega potente. Porém, ela já foi uma cantora de 19 anos em ascenção, com um sonho e uma fita demo nas mãos.

A cantora de Nova York teve um empurrãozinho da sorte na sua jornada – e algumas pessoas influentes na indústria da música – no final dos anos 80. Mariah teve como mentora a cantora Brenda K. Starr e assinou um contrato com o presidente da Sony Music, Tommy Mottola, mas apesar de seu apoio profissional, seu auto-intitulado álbum de estreia estava cheio de seu alcance vocal de cinco oitavas e a acessibilidade de seu conteúdo, competindo com algumas das mais fortes cantoras na música Pop.

Carey é uma ‘artista de diário’. Enquanto muitos fortes cantores Pop recrutam compositores para garantir um sucesso, ela concedeu à seus ouvintes o acesso aos recessos mais profundos de sua psique através de suas letras. Suas experiências – que giram em torno predominantemente do amor e dos relacionamentos – tornaram-se nosso pelo consumo através de cada vez que ouvimos.

Seu álbum de estreia, “Mariah Carey”, lançado em 12 de junho de 1990, marca o início de seu debut explícito e vulnerabilidade pública. Foi a primeira vez que expôs o seu diário, que revelou anotações em seu estado de espírito e desenvolvimento emocional.

A Dra. Shenitta Moore, psiquiatra da Universidade de Louisiana e do Hospital Ochsner, em New Orleans, tem sido uma fã da arte de Carey desde que ela surgiu no cenário musical por causa de sua ligação com o conteúdo. Como uma profissional cuja carreira gira em torno de explorar as emoções dos outros, ela admira um artista que pode expressar suas próprias emoções tão profundamente.

“Com canções, você tem quatro minutos para chegar ao ponto, enfrentar e articular o as emoções que você está tentando transmitir em um período muito curto de tempo. E ela o torna acessível. Ela é capaz de ganhar a empatia”, diz Moore à The Boombox. “É incrível”.

Então, onde ela estava, psicologicamente, neste momento de sua vida? “Ela tinha cerca de 20 anos de idade. Nesse ponto, nós realmente ainda não sabemos quem somos. Ainda estamos estabelecendo nossas identidades. Além disso, ela tinha um monte de pressão sobre ela”, diz Moore sobre Carey ter sido jogada aos holofotes e alcançado rapidamente a fama. “O mundo inteiro iria ama-la ou duvidar dela neste momento e isso pode constranger alguém. Há muita ansiedade em torno disso”.

A entrada de Carey no mundo do Pop e do R&B foi como uma história de Cinderela. Ele começou com sua fita demo, mas assim que Mottola pôs as mãos nela, uma equipe de músicos bem experientes adicionaram seu tempero ao pote para criar um projeto que foi nove vezes disco de platina e rendeu quatro singles número um, nos EUA. Ela estava no centro de todas as músicas, no entanto. Sua energia criativa, para o período do ano em que ela estava gravando, estava em uma alta insondável.

“Artistas em geral são, por vezes, propensos ao transtorno bipolar”, diz a Dra. Moore, explicando como episódios assim pode desencadear explosões de criatividade energética em pintores, escritores ou músicos. “Quando as pessoas estão assim, elas podem ser muito produtivas, criativas. Elas podem ficar de pé por dias e ainda têm toneladas de energia, com um senso inflado de si mesmos”.

Seu álbum de estreia pode muito bem ter refletido essas explosões criativas, bem como indecisa entre uma série de emoções, de acordo com Moore. De excêntrica em “Vision Of Love” à despedaçada e com o coração partido em “I Don’t Wanna Cry”, ela revela a complexidade das relações.

Em “Vision Of Love”, Moore diz que Carey cria uma ilusão sobre o amor, o que é bastante típico para pessoas em torno dessa idade. “Ela tinha – como todos nós – estas ideias grandiosas sobre o que é amor.Ela é esperançosa e idealista”, diz ela. “E em um lugar muito bom”.

E, embora haja ideias sobre relacionamentos superficiais, Mariah Carey contém introspecção, bem como, indicando maturidade. Carey lamenta a perda de um relacionamento em “I Don’t Wanna Cry”, último single do álbum. “Ela expressa nesta faixa uma percepção de que ela não pode mais sacrificar a sua felicidade por causa de uma relação. Um tem que lamentar a fim de lidar com qualquer tipo de dor. Tentar ignorar esse processo poderia apenas fazer com que ele apareça 10 vezes mais forte quando você está lembrado disso em algum ponto da estrada”, disse Moore.

A cantora leva de volta seu poder na otimista “Someday”, onde ela abandona sua mágoa e promete seu ex que ele vai se arrepender do dia em que ele foi embora. “Muitas vezes as mulheres se culpam por que um relacionamento não deu certo. Isso pesa sobre a auto-estima. E, em seguida, uma vez que acabou, ser capaz de obter a confiança de volta é muito importante”, diz Moore sobre as letras convencidas de Carey. “Ela parecia realmente se conhecer e saber do seu valor. Nem todo mundo tem essa auto-consciência e percepção aguçada aos 20 anos”.

“Mariah Carey” foi seguido por vários outros álbuns de platina que mostrou seu padrão de acessibilidade emocional, mantendo uma sensação de inocência. Não ser uma persona publicamente sexual permitiu mais espaço para conteúdo. Quando o casamento de Carey com Mottola terminou em 1998, no entanto, houve uma mudança muito tangível.

“Há as etapas habituais do luto – raiva e negação para citar algumas – quando alguém sofre uma perda”, explica a Dra. Moore sobre separação de Carey e Mottola. “Mas parece que ela realmente começou a exercer sua independência. Ela parecia muito mais feliz. A música que seguiu com  seu divórcio foi, talvez, uma declaração de quem ela realmente é”.

Moore reflete sobre projetos que seguiram após seu divórcio em 1998 – “Rainbow” e sua compilação “#1’s”: “Ela estava se vestindo de maneira específica. Ela tinha feito suas pequenas cirurgias. Ela estava mais velha e havia um sentimento de auto-aceitação também. Ela cantou e escreveu com mais alegria, faixas mais divertidas. Se a arte imita a vida, ela estava definitivamente livre”.

Enquanto sua confiança pode ter atingido o pico naquela época, seu “colapso” refletiu alguns anos mais tarde o esforço excessivo físico e emocional. Exaustão, bem como o fracasso global de “Glitter” – um projeto de filme e álbum tão pessoal para ela – pode ter sido o que a empurrou para o abismo. “Glitter” refletiu uma parte da própria história da vida de Carey, a recepção tão azeda do projeto poderia parecer até mesmo que ela, como pessoa, estava sendo rejeitada.

A Dra. Moore afirma que quando um artista que investiu demais em sua carreira sofre o que eles consideram um fracasso, depressão, ansiedade ou ataques de pânico podem ocorrer. “Essas coisas são muitas vezes situacional, assim nós os chamamos de transtornos de ajustamento. É quando há um estresse reconhecível e o comportamento pode diminuir quando o estresse é aliviado”.

Lembra daquele episódio do carrinho de picolé no programa TRL da MTV, em 2001? Ao promover “Loverboy”, um single da trilha sonora de “Glitter”, Carey desfilou  num figurino minúsculo, distribuindo sorvetes e falando de forma irregular. As brincadeiras aleatórias sem sentido são o que a Dra. Moore chama de “pensamentos acelerados” e indica um alto nível de ansiedade e, por vezes, a privação do sono.

“Ela estava inquieta e não conseguia ficar em um só ponto. Então ela começou a tirar a roupa”, diz a Dra. Moore. “Quando alguém é maníaco, juntamente com o senso de si inflado e impulsividade, eles podem ser hipersexuais. Eles podem ser mais graciosos, agir proativamente, até ser promíscuos”.

Carey se internou pouco depois do incidente, mas independentemente de como a mídia a ridicularizou, a explosão não era incomum para uma artista de sua magnitude. Especialmente aquela que dedicou sua vida à criação de arte para o público.

“Diz-se frequentemente que as mulheres são histéricas, que tem sido sempre um problema”, diz a Dra. Moore sobre estereótipos de gênero quando se trata de doença mental. “O problema de Mariah é visto como sendo ‘loucura’, enquanto talvez ela estava realmente apenas privada de sono e exausta e precisou ir para o hospital”.

Desde que seu álbum de estreia foi lançado há 25 anos atrás, através de seus vários relacionamentos e até os dias de hoje, a fórmula de Carey para a sua música evoluiu em destreza lírica e estilo vocal. Ela teve uma quantidade sem precedentes de singles que quebraram recordes que artistas sonham em alcançar. Ainda assim, nós tendemos a nos concentrar em seus momentos mais fracos e mais expostos. É o suficiente para deixar alguém meio maluco.

Deixe sua opinião

Este artigo não possui comentários
Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.