Mariah Now é a sua maior fonte brasileira sobre a Mariah Carey. O site é totalmente dedicado para os fãs da Mariah. Acompanhe notícias, vídeos, entrevistas, participe de promoções e eventos. Todo conteúdo divulgado no site é criado ou editado por membros da equipe, qualquer conteúdo retirado daqui, mantenha seus devidos créditos. Somos apoiados pela Universal Music Brasil e pela Sony Music Brasil.

Mariah Carey rapidamente se livrou da fria resposta comercial  do Me. I Am Mariah… The Elusive Chanteuse, mudando muito de seu círculo íntimo, retornando à família Sony através de um contrato com a Epic, mantendo uma residência temática em  Las Vegas, e excursionando pela Europa, como um superávit de outros empreendimentos. O rejuvenescimento de Carey continua com cautela. Um álbum compacto, do tamanho de Music Box, não é elaborado em apresentação e maquiagem, uma coleção moderada e discreta de baladas  R&B de ritmo lento e médio. Carey não retém quase nenhum dos colaboradores que trabalharam no álbum anterior e usa uma combinação diferente de coprodutores e co-escritores em cada uma dessas dez músicas. Além dos colaboradores e dos vários estágios de relacionamento que abrange – sedução, celebração, reminiscência, perseverança, rejeição – nada mais a respeito do álbum está espalhado. Nenhuma música é altamente energizada, mas Carey parece estar obtendo alegria de cada uma delas, mesmo quando ela expulsa um amante falso com “How ‘bout you get the fuck out?”, Entregue em seu registro superior com parte de cicatrizes, parte sagaz e aliviada. Mais nítida ainda é “A No No”, em que a exclusão de um enganador é graficamente extravagante – “Off with your head, now slither out the door” – reaproveitando Lil ‘Kim  com sample de “Crush on You” no processo. As referências nostálgicas são sempre plantadas em outros lugares, quando Carey desabafa: “Loving you so long, ever since that Bone Thugs song”   e espirituosamente atrai “Addicted to you, come support my habit/Third person, yeah, she gotta have it.” Carey também reage à emoção adolescente, mais evidente no “8th Grade”, um doce destaque de referência de Aaliyah, que foi co-produzido por Timbaland, e em “Giving Me Life”, uma pedra de  Blood Orange com um sorriso indutor. Aparência de Slick Rick (mais Billy Ray Valentine e até mesmo Big Black, o cara do filme  Trocando as Bolas). No final, está o que é mais apropriado, “Portrait”, uma faixa de cordas e piano sobre supressão emocional e devoção. A escalada de intensidade atinge com força, mesmo que sua iminência possa ser percebida a partir do momento em que os dedos de Daniel Moore tocam o piano.

Fonte: AllMusic

Deixe sua opinião

Este artigo não possui comentários

344BDA56-1C2B-4C54-92BF-B671ED08906F.jpeg
E0000A7C-B0BD-4347-9EA1-AB2D21146DF5.jpeg
IMG_3372~0.jpeg
IMG_2973.jpeg
9DE518D4-8F92-4FE3-B914-DBA9BF2FCC81.jpeg
IMG_3119.jpeg
E0BA3E6B-0938-4560-9EE9-5628E11786EB.jpeg
mc-mainban.jpg
MAPA_MARIAH_1080x1080.png
612F932F-C378-44E6-AE2A-9F048D214AC7.jpeg
047561D9-1827-41C1-A378-A12A30362154.jpeg
9D8F74C8-EC9A-431F-B58F-FBE25F042F72.jpeg
IMG_2926.jpeg
IMG_2940.jpeg
12ffe3ce-9e97-44e3-a0c5-e02c498ab734.jpeg
f29d29d3-4d05-4a43-acd2-67c4b6d01551.jpeg